[ ] mais desenvolvida mostra a menos desenvolvida tão somente a imagem do próprio futuro



Baixar 14.32 Kb.
Encontro05.08.2016
Tamanho14.32 Kb.
A LUTA “[...] MAIS DESENVOLVIDA MOSTRA A MENOS DESENVOLVIDA TÃO SOMENTE A IMAGEM DO PRÓPRIO FUTURO”: APROXIMAÇÕES ENTRE O JUDÔ E A CAPOEIRA, RELAÇÕES ENTRE A ESCOLA, EDUCAÇÃO FÍSICA, LUTAS E O METABOLISMO DA MERCADORIA.

RESUMO

Em 1859, inicia-se no Japão o processo chamado Revolução Meiji. O país passava por uma transformação sócio economica radical, de feudal a potencia industrial, com forte inspiração no modelo capitalista europeu, o que exigia um novo projeto de formação humana. No âmbito da educação escolar, em particular na disciplina educação física, surge um elemento inovador, a introdução das lutas enquanto um dos principais conteúdos a serem tratados em sala de aula, para isso sofre adaptações de acordo com as necessidades pedagógicas da escola capitalista. O nosso objetivo nesse trabalho é estabelecer nexos históricos entre os processos de escolarização da capoeira e o judô, demonstrando as determinações do projeto de sociedade capitalista na organização dos objetivos/avaliações e nos conteúdos/métodos na formação dos estudantes.
Palavras-chave: educação; educação física; lutas; mercadoria.
Este artigo apresenta como temática a reflexão sobre os princípios do judô, destacando os seguintes elementos Equilíbrio e Desequilíbrio; do Maximo contra o Mínimo, do Momento e do Sistema de alavancas nas execuções dos movimentos lógicos

Neste particular, considerando as demandas do processo de formação do Bacharel em Educação Física, investimos na análise das seguintes dimensões: compreensão dos elementos históricos da sociedade japonesa do final do século XIX, ambiência do surgimento do judô; ressaltando a relevância das transformações adotadas por Jigoro Kano, para a popularização e expansão do judô; evidenciando os elementos essenciais da doutrina da Kodocan: Equilíbrio e Desequilíbrio; do Maximo contra o Mínimo, do Momento e do Sistema de alavancas nas execuções dos movimentos lógicos

No contexto desta discussão, sem ter a pretensão de articular uma análise conclusiva sobre o tema, dialogaremos com a noção de ______ segundo a formulação de __________, 2009, com a noção de ____________ segundo a formulação de ___________, 2008 e com a questão das áreas de atuação adotaremos a normativa das diretrizes curriculares nacionais. A recuperação do pensamento dos autores, no contexto desse artigo, visa evidenciar, o modo como o conteúdo _________, pode ser criativamente tratado.

Passemos, pois a explorar o conteúdo _________. As lutas figuram entre as mais antigas atividades humanas, representando as necessidades de agonismo, da sobrepujança, da sublimação, no interior de toda ação de defesa ou de ataque, usando somente o corpo ou artefatos, de forma sistemática (como modalidades) ou espontânea.

Trazendo a discussão para o campo da técnica de combate, as lutas podem ser desenvolvidas com ou sem armas (brancas ou de fogo). Historicamente, existem registros desta expressão humana em gravuras que remontam a uma estrutura social de 4000 ac

A literatura especializada costuma diferenciar as lutas das artes maciais, costumeiramente confundidas no senso – comum, ressaltando a idéia de técnica, notemos:

O substantivo luta, do Latim lucta, significa “combate, com ou sem armas, entre pessoas ou grupos; disputa”. Já a expressão artes marciais é uma composição do Latim arte, (“conjunto de preceitos ou regras para bem dizer ou fazer qualquer coisa”), e martiale (“referente à guerra; bélico”, “relativo a militares ou a guerreiros”). No oriente existem outros termos mais adequados para a definição destas artes como Wu-Shu na China e Bu-Shi-Do no Japão que também significam a “arte da guerra”, ou “Caminho do Guerreiro”. Muitas destas artes de guerra do oriente e ocidente deram origem a artes marciais e esportes atuais que hoje são praticados em todo o mundo como: Karate, Kung Fu, Tae Kwon Do, Esgrima, Arqueirismo, Hipismo, entre outros. (Jader Lançanova, 2009, meio digital)



Dando continuidade a discussão, daremos atenção à questão da cultura esportiva, o investimento na análise deste tópico é justificado na medida em que compreendemos ser este o principal espaço, na atualidade, de difusão do conteúdo lutas.

Consideradas estas reflexões vejamos uma breve reflexão sobre os sentidos, significados e relevância sócio-histórica da cultura esportiva. Para essa discussão o pensamento de Dieckert, 2008, em Sistema de Complexo Temático: homem, esporte, saúde, nos auxilia a evidenciar certas vulgatas sobre o tema ao passo que nos permite um aprofundamento na análise. Vejamos como o autor delimita o continente filosófico do debate,

Portanto, o homem não nasceu praticando esporte, e muito menos relacionado esporte com saúde, mas, adquiriu, pelo trabalho, pelas atividades, as condições de produzir e reproduzir seu modo de vida onde as relações esporte e saúde foram se consolidando.[...] Perante a natureza o homem representa, ele próprio, o papel de uma força natural.[...] O homem põe em movimento, pelas suas pernas, braços, cabeça e mãos, as forças de que seu corpo é dotado para se apropriar das matérias e dar-lhes uma forma útil à sua vida. Vê-se, então, que essas atividades não objetivam a “expressão corporal” de idéias ou sentimentos. Elas são a materialização de experiências ideológicas, religiosas, políticas, filosóficas ou outras, subordinadas às leis histórico-sociais que originaram formas de ação socialmente elaboradas e, por isso, são portadoras de significados ideais do mundo objetal, das suas propriedades, nexos e relações descobertos pela prática social conjunta. [...] Para Dieckert “esporte” não se refere somente às áreas do esporte profissional, de competição e de alto rendimento, mas a todas as formas diversificadas de brincar, jogar e movimentar-se, desde a infância até a terceira idade (2008, meio digital)



Isto sublinhado, a noção de cultura esportiva elaborada pelos autores adquirem o seu justo perfil. Notemos. O sistema esportivo expressa uma emanação da condição material do homem. Ou seja, compõe um “sistema com estrutura, transições, conversões internas e desenvolvimento, motivo pelo qual não deve ser abstraído das relações sociais da vida da sociedade com suas peculiaridades e particularidades” (2008, meio digital).

Nesse contexto, o conteúdo lutas passa por um complicado processo de espetacularização, em meio ao qual os seus princípios filosóficos são distorcidos, quando não ignorados, ademais se preconiza a ideia do rendimento máximo, não respeitando a individualidade biológica de cada sujeito.

Considerado esse panorama teórico, cabe a pergunta: É possível desenvolver o conteúdo lutas a partir de uma prática didadicopedagógica voltado a plenitude da técnica e ao desenvolvimento do caráter?

Ao passo que respondemos que sim, é possível. Para isso, todavia, faz-se necessário reconhecer a nossa mais absoluta convicção a respeito do caráter emancipatório do conhecimento e da razão. Nessa direção, cabe ao profissional de educação física estar atento para o desenvolvimento de certas atitudes, a saber: a necessidade de reconhecer seus próprios limites e superá-los com equilíbrio, a capacidade de saber se colocar na situação do outro, especialmente daqueles que não possuem aquelas “devidas” competências ou habilidades para a modalidade em questão, saber questionar o verdadeiro sentido das lutas e por intermédio dessa visão crítica poder avaliá-la.



No que diz respeito ao desenvolvimento da plenitude da técnica, cabe a reflexão sobre o rendimento possível. No tocante a este aspecto, Bracht evidência a necessidade em substituir o enfoque do rendimento máximo como objetivo das intervenções do profissional de Educação Física por um novo paradigma que considere o rendimento possível, sem desprestigiar a questão da performace, e a cooperação como elementos essenciais a prática das lutas. Por fim, queremos ressaltar que temos consciência de que a questão explorada é mais complexa do que conseguimos demonstrar nesse artigo.

A vista do exposto, numa apreciação sintética, de caráter conclusivo, cabe destacar as áreas de atuação do profissional da Educação Física, no trato do conteúdo_________. O Bacharel em Educação Física poderá atuar na promoção, prevenção e reabilitação da saúde do ser humano no que diz respeito ao exercício físico, nesses termos compreendem espaços de atuação academias, clubes, treinamento desportivo, hotéis (recreação), empresas, treinamento personalizado (personal trainer), hospitais (reabilitação de pacientes junto às equipes multiprofissionais), clínicas, etc. Por fim, queremos ressaltar que temos consciência de que a questão explorada é mais complexa do que conseguimos demonstrar nesse artigo.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal