* Doutora spru, 1999 Universidade de Sussex



Baixar 196.06 Kb.
Página5/5
Encontro04.08.2016
Tamanho196.06 Kb.
1   2   3   4   5

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Abramovitz, M. (1979). Rapid Growth Potential and its Realization: The Experience of the Capitalist Economies in the Postwar Period. Economic Growth and Resources. E. Malinvaud. London, Macmillan Press: 1-51.
AEB (1996). Agência Espacial Brasileira. Programa Nacional de Atividades Espaciais: 1996-2005. Brasília, DF, Agência Espacial Brasileira.

Antonelli, C. (1991). The Diffusion of Advanced Telecommunications in Developing Countries. Paris, OECD, Development Centre of the Organisation for Economic Co-operation and Development.


Aquino, M. (1996a). “Satélite: A Política do Caso a Caso.” Jornal de Telecomunicações 9(99): 28-29.
Aquino, M. (1996b). ‘Satélite: a Volta da Reciprocidade.’ Jornal de Telecomunicações 9(98): 22-25.
Armes, Gerald L (1984). "The Global Frequency Spectrum Management: Prospects and Problems." Telematics and Informatics 1,No. 3: 231-237.
Arrow, K. (1962). ‘The Economic Implications of Learning by Doing.’ Review of Economic Studies 29:155-173.

AT&T (1995). “Get Ready for Global Interpersonal Multimedia Communication.” AT&T.

Arroio, A. C. (1997). “Bridging the Generation Gap: Will LEOs Provide What GEO Couldn't?” Telecommunications Policy 21 (4): 277-282.

Barbosa, F. (1999). Rio Terá Operaçã da Iridium em Abril. Jornal do Brasil on line. Rio de Janeiro.


Bell, M. (1984). ‘Learning and the Accumulation of Technological Capacity in Developing Countries’. in M. Fransman e K. King. (eds.) Technological Capability in the Third World. London, Macmillan.

Bell, M. and K. Pavitt (1993). “Technological Accumulation and Industrial Growth: Contrasts between Developed and Developing Countries.” Industrial and Corporate Change 2(2): 157-209.

Bell, M. e Cassiolato, J. (1993). ‘The Access of Developing Countries to New Technologies: The Need for New Approaches to Management and Policy For Technology Imports in Brazilian Industry.’ In Coutinho, L, Ferraz, J. C., Santos, A. e Veiga, P. M. (coordenadores), Estudo da Competitividade Brasileira. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), Programa de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (PADTC), Science Policy Research Unit (SPRU).

Cantanhêde, E. e Versiani, I. (1995). “FHC Autoriza Lançar Brasilsat 3.” Gazeta Mercantil, São Paulo 15 setembro: A-6.

Ceballos, D. (1994). “Equatorial Low Orbit Communication. ECO-8 System.” Acta Astronautica 34: 47-54.

Chenard, S. (1996). The New Mobile Satellite Sytems:Looking at the Risk Factors. Mobile Satellite Communications Global Conference, Kensington Close Hotel, London.

Cosper, A. (1997). “VSATs Find Their Voice.” Global Telephony 5(8): 32-38.

CSCI (1995). “Space to Spare.” Cable & Satellite Communications International 4(10): 48.

David, L. and W. Ferster (1996). “Europeans Fear Teledesic will Monopolize Spectrum.” Space News 6(46): 21.
Dibble, A. (1992). “Telecommunications Deregulation in Brazil.” Telephony 222(14): 25-32.
Drake, W. e E. Noam (1997). “The WTO Deal on Basic Telecomunications. Big Bang or Little Whimper?” Telecommunications Policy 21(9/10): 799-818.

Dutta-Roy, A. (1996). “Special Report: Brazil. Telecommunications.” IEEE Spectrum 33 (6): 36-42.


Empresa Brasileira de Telecomunicações (Embratel). Relatório Anual. Rio de Janeiro: Empresa Brasileira de Telecomunicações, vários números:

1979-1998.

Evans, J. E. (1998). “New Satellites for Personal Communications.” Scientific American April: 60-67.
Freeman, C. and L. Soete (1997). The Economics of Industrial Innovation. London and Washington, Pinter Publishers.

Fischer, H. e Silva, J. M. (1992). “Projeto Centro de Telesserviços Comunitário - CTSC - No Sistema Telebrás.” Revista Telebrasil 16(55): 49-59.

Foley, T. (1998). “A Rural Ideal.” Communicationsweek International(209): 16-21.
Foley, T. (1999). “Satcom Investors Take Action as Stocks Tumble.” CommunicationsWeek International 228: 31.

Fredebeul-Krein, M. e A. Freytag (1997). “Telecommunication and WTO Discipline.” Telecommunications Policy 21 (6): 477-491.

Globalstar (1996). ‘Wireless Communications for the World’. Globalstar.

Globalstar (1999). ‘Globalstar System Description: Satellite Description.’,

http://www.globalstar.com/tech/system/satellite.htm

Hobday, M. (1990). Telecommunications in Developing Countries: the Challenge from Brazil. London, Routledge.

Hobday, M. (1995). Innovation in East Asia: the Challenge to Japan. Aldershot, Edward Elgar.

Hudson, H. (1990). Communication Satellites, their Development and Impact. New York, London, Free Press.

Hudson, H. (1997). Global Connections: International Telecommunications infrastructure and Policy. New York, Van Nostrand Reinhold.
Intelsat (1999). ‘The Intelsat Space Segment Capacity.’,

http://www.intelsat.com/coveragemaps/IPSTemplate.asp?Command=ProcessMap.asp&GoTo=Link176.

Lundvall, B.-Å., Ed. (1992). National Systems of Innovation: Towards a Theory of Innovation and Interactive Learning. London, Pinter Publishers.

MacLean, D. (1996). GMPCS: Regulatory Risk vs. Sovereignty Risk at the ITU World Telecommunication Policy Forum. Mobile Satellite Communications Global Conference, Kensington Close Hotel, London.


Mansell, R. (1996). ‘Communication by Design?’ in Mansell, R. and Silverstone, R. (eds) Communication by Design: The Politics of Information and Communication Technologies. Oxford, Oxford University Press:15-43.

Mansell, R. and U. Wehn, Eds. (1998). Knowledge Societies: Information Technology for Development, Oxford University Press.


Melody, W. (ed.) (1997). Telecom Reform. Principles, Policies and Regulatory Practices. Lyngby, Technical University of Denmark.

Mendonça, F. (1985). “Do Projeto SACI ao Brasilsat, um Trajeto Acidentado.” Revista Nacional de Telemática 6 (70).

Ministério das Comunicações (1995). Recovery and Expansion Program for Telecommunication and Postal Systems: PASTE. Brasília, Ministério das Comunicações.
Motta, S. (1997). “1998 is Privatization Year.” Telepress 7 (46-A): 12-17.
Nelson, R. e Sampat, B. (1999). ‘Making Sense of Institutions as a Factor Shaping Economic Performance’. Paper apresentado no Science and Technology Policy Research (SPRU), University of Sussex.

Nettleton, G. S. and E. G. McAnany (1989). “Brazil's Satellite System: The Politics of Applications Planning.” Telecommunications Policy 13 (2): 159-166.

Nourozi, A. e T. Blonz (1998). LEOs, MEOs and GEOs. The Market Opportunity for Mobile Satellite Services. Londres, Ovum.

Oliveira, F. (1991). Caminhos para o Espaço: 30 Anos do INPE. São Paulo, Contexto.

Parapk, J. (1996). Revised Report by the Chairman. "Policy and Regulatory Issues Raised by the Introduction of Global Mobile Personal Communications by Satellite (GMPCS)". World Telecommunications Policy Forum, Genebra, Suiça.
Pelton, J. N. (1994). “Low Earth Orbit Satellites: Best Hope for Advanced Satellite Communication and the Global Information Infrastructure?” Space Communications, IOS Press 12 (3,4): 233-47.

Pereira, J. L. (1998). Análise Memorando de Entendimento sobre Comunicações Pessoais Móveis por Satelite - GMPCS-MoU, Anatel. Análise No. 47/98. Brasília, DF: Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), novembro,

http://www.anatel.gov.br/biblioteca/analises/leite/analise_047_1998.htm
Perez, C. e Soete, L. (1988). ‘Catching up in Technology: Entry Barriers and Windows of Opportunity’. In Dosi, G., Freeman, C., Nelson, R., Silverberg, G., e Soete, L. (eds.) Technical Change and Economic Theory. Londres e Nova Iorque, Pinter Publishers: 459-479.
Pessini, J. (1993). “Competitividade da Indústria de Equipamentos de Telecomunicações.” In Coutinho, L, Ferraz, J. C., Santos, A. e Veiga, P. M. (coordenadores), Estudo da Competitividade Brasileira, Relatório Técnico. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Instituto de Economia (IE), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Instituto de Economia Industrial (IEI), FUNCEX.

Petrazzini, B. (1997). ‘Regulating Communication Services in Developing Countries’. In Melody, W. (ed.) Telecom Reform. Principles, Policies and Regulatory Practices. Lyngby, Technical University of Denmark: 355-370.

Purchase, J. F. (1995). “Establishing the Satellite-Based Infobahn in a Multicultural World.” Via Satellite julho: 18-20.

Pyramid Research (1992). Brazil's Telecom Strategy. Cambridge, MA, Pyramid Research.


Reichhardt, T. (1999). “Brazil's Space Programme Comes of Age.” Nature 398: A-19.
Rovere, L. R. e Souza J. A. (1995). “A Demanda por Serviços de Telecomunicações no Setor de Serviços no Brasil.” In Tigre, P. (coordenador) Série Telecomunicações: Mudança Tecnológica e suas Implicações Econômicas, Sociais e Institutcionais, Documento No. 3. Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Instituto de Economia Industrial (IEI).
RNT (1998a). “Embratel Manterá Compromissos.” Revista Nacional de Telecomunicações 20 (227).
RNT (1998b). “Iridium entra em Operação.” Revista Nacional de Telecomunicações 20 (230): 48.

Saunders, R., Warford, J. e Wellenius, B. (1994). Telecommunications and Economic Development. Baltimore, John Hopkins University Press.

Schramm, W. (1968). Communication Satellites for Education, Science and Culture. Paris, United Nations Educational Scientific, and Cultural Organization, UNESCO.
Simões, M. (1998) ‘Mercado Fica mais Disputado.’ Revista Nacional de Telecomunicações (RNT) 20(228): 42-43.

Simões, M. (1999). “Imposto e Competição Dominam os Debates.” Revista Nacional de Telecomunicações 20 (233): 43-44.

Storper, M. (1996). “Institutions of the Knowledge-Based Economy”. Employment and Growth in the Knowledge-Based Economy. Paris, OECD: 255-283.

Tapia, Jorge (1995). “O Desenvolvimento de Sistemas de Produtos Complexos: O Caso do Satélite Brasileiro”. In Coutinho, L., Cassiolato, J. e, da Silva, A.L (organisadores). Telecomunicações, Globalização e Competitividade. Campinas, São Paulo, Papirus: 222-269.


Terracine, E. (1997a). Contribuição das Telecomunicações para as Áreas da Educação e da Saúde, Agência Espacial Brasileira.

Terracine, E. (1997b). Contribuição das Telecomunicações para o Desenvolvimento Nacional, Agência Espacial Brasileira.


União Internacional de Telecomunicações (1994). The Changing Role of Government in an Era of Telecom Deregulation - Global Mobile Personal Communications Systems (GMPCS). Geneva, UIT.
União Internacional de Telecomunicações (1999). Challenges to the Network - Internet for Development. Genebra, UIT.

Valente, A. C. (1998). “Solicitação de Outorga de Permissão para Exploração de Serviço Móvel Global por Satélites Nao-Geostacionários (SMGS) pela Iridium Brasil S.A., - Processo No. 53500.000001/97 de 05.11.1997.” Análise No. 11/98-GCAV. Brasília, DF: Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), março,



http://www.anatel.gov.br/biblioteca/analises/valente/analise_011_98.htm
Veja (1999). “Classe Econômica.” Veja 14 abril: 73.
Via Embratel (1996). “Dezesseis Serviços da Embratel em Países Sul-Americanos.” Via Embratel, janeiro.
Via Satellite (1995). “Matra Marconi Space.” Via Satellite, julho: 2-15.
Walz, J. (1999). “Statement From Iridium North America Regarding Iridium LLC's Voluntary Chapter 11 Bankruptcy Filing.”

http://www.iridium.com/corporate/news/1999/august/docs/991308b.html
Wohlers, Marcio (1996). "A Guerra das Telecomunicações: Internacionalização, Privatização e Novas Oportunidades." Tese de Doutorado, Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas (IE/UNICAMP).


1 Ver, por exemplo, Mansell e Wehn (1998) e União Internacional das Telecomunicações (1999).

2 As empresas são: Iridium SudAmerica; Globalstar/Brasilstar; ICO do Brasil e CCI. Apesar da Iridium ter entrado em processo de falência recentemente, estas empresas continuam desenvolvendo projetos individuais e aprimorando estratégias para captação de mercados, ver Walz (1999) e, Foley (1999).


3 O Banco Bradesco, por exemplo, possuia rede com 1.334 VSATs, em 1996, e o Banco Itaú utilizava um sistema empregando 500 VSAT, em 1995 (Terracine, 1997a).

4 Outras empresas líderes são: TRW, Ford Aerospace, Loral Space & Communications e Matra Marconi Space.

5 O conceito de ‘pulo do sapo’ (‘leapfrogging’) é similar ao desenvolvido por Abramovitz (1979) para descrever o potencial das novas tecnologias. Ver também Antonelli (1991) e Hobday (1990, 1995).

6 Esta visão é bastante difundida nos meios empresarias, acadêmicos e nas instituiçoes que regulamentam as telecomunicações. Ver, por exemplo União Internacional das Telecomunicações (1994).

7 Melody (1997) e Saunders et al. (1994).

8 Ver, por exemplo, Freeman e Soete (1997); Nelson e Sampat (1999)e Perez e Soete (1988).

9 Ver também Bell e Cassiolato (1993).

10 O trabalho de Arrow (1962), The Economic Implications of Learning by Doing lançou uma série de estudos sobre o aprendizado para as atividades produtivas. Abordagens mais recentes sobre o aprendizado e a mudança tecnológica enfatizam a importância dos recursos humanos e o uso do conhecimento para gerar mudanças. Ver, por exemplo, Lundvall (1992) sobre aprendizado por interação (learning by interacting) e Storper (1996) sobre aprendizado tecnológico baseado em produtos especifícos (product-based technological learning).

11 A partir de 1976, o Brasil passou a alugar transponders para comunicações domésticas.

12 Incluindo equipamento para operar antenas de 6 e 10 metros, estações de recepção de televisão, estações terrenas para telefonia pública, processamento e transmissão de sinais e outros.

13 Como foi analisado por Tapia (1995), a implantação do primeiro satélite brasileiro foi decorrente de “uma aliança política entre técnicos da Embratel, militares, pesquisadores universitários e segmentos burocráticos do Estado Brasileiro”.

14 Sobre o Programa Missão Espacial Completa Brasileira (MECB) ver AEB (1996), e Tapia (1995).

15 O acordo foi assinado em fevereiro de 1997.

16 Um exemplo de projeto desenvolvido na época estatal mas não levado adiante, foi o Sintonia. Cobrindo a região do Mercosul, a Embratel, em 1996, participava ativamente do projeto Sintonia, acordo multilateral que contava com a participação da Telintar da Argentina, da Antel do Uruguai e da CTC-Mundo do Chille, destinando-se a a atender clientes que operam na região e que necessitavam de um tratamento integrado e homogêneo em todos esses países. O acordo, em 1996, começou a ser expandido para toda a América do Sul, em função do interesses de outras empresas, com a Entel (Bolívia), Antelco (Paraguai), Entel (Chile) e Telefônica Del Peru;

17 Em 1998, as estimativas relacionadas ao potencial do mercado mundial diminuíram em função da repercussão da crise asiática (Nourozi e Blonz, 1998). De acordo com esses analistas, os mercados mais vantajosos para operadores LEOS são, por ordem decrescente de demanda: EUA, China, Índia, Japão, Tailândia, Indonésia, México e Brasil.

18 Ver Lei Geral da Telecomunicações, Art. 59 e 60; Decreto Nº 402/agosto 1997; Decreto Nº 560/ novembro 1997 e Atos Nº 66/março 1998 e Nº 184/maio 1998, entre outros.

19 O satélite SAC1-1 lançado em agosto de 1999, por exemplo, investiga interferências naturais nos satelites de comunicação em regiões tropicais. Ver também SCD-1 e CBERS em Veja 1999:73 e Reichhardt 1999:A-19

1   2   3   4   5


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal