1. Justificar a fragmentação política da Europa Ocidental após a queda do Império Romano do Ocidente



Baixar 58.92 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho58.92 Kb.
História 10ºF
1. Justificar a fragmentação política da Europa Ocidental após a queda do Império Romano do Ocidente.
A queda do Império Romano do Ocidente, ocorrida em 476 a.C., mudou o panorama civilizacional europeu dos séculos anteriores. Desta feita, os bárbaros dividiram-se e constituíram vários reinos, substituindo assim, a unidade imperial, que tenta ser restabelecida pelo Sacro Império Romano-Germano.

Contudo, dentro dos próprios reinos havia lugar a mais divisões: Os senhorios e as comunas. Os senhorios eram extensas terras, propriedade do de um senhor, geralmente da nobreza ou clero. Os senhorios eram constituídos por um castelo, onde habitava o senhor, e por terras destinadas ao cultivo. Assim, nos senhorios habitavam homens livres e não livres, servos, Ambos, eram obrigados a trabalhar na agricultura. O senhor, para além dos rendimentos que retirava da exploração das terras, tinha autoridade sobre os homens (poder de Ban) que nelas habitavam, tendo o direto de julgar, aplicar penas, lançar e receber impostos, etc.

Os habitantes das cidades, que geralmente se encontrava dentro do limite do senhorio, não aceitavam ser dominados por um senhor, ou ter de pagar pesados impostos. Por isso, estas cidades quiserem libertar-se do domínio do senhor, e juntaram toda a população, acabando por conquistar a autonomia: Comuna. Este movimento foi especialmente importante nas cidades do Norte de Itália.

2. Destacar o papel unificador da Igreja neste período.
Apesar da multiplicidade de poderes que dominavam a europa, a Igreja Católica conseguiu sempre manter-se como um ponto comum, que unia toda a europa na mesma Fé, acabando por assumir um papel determinante na vida das populações e na esfera do poder político.

De facto, a Igreja, através do seu chefe supremo, o papa, representava Cristo na Terra, dominando um vasto território, possuindo várias riquezas, bem como um clero organizado. Assumia-se como líder espiritual e temporal da Cristandade, reconhecendo leis, reis, estados, limitando o direito à guerra e convocando as cruzadas (Guerras Santas).




3. Justificar o desenvolvimento económico entre os séculos XII e XIII.
Entre os séculos XI e XIII viveu-se um período de relativa paz, com o fim das invasões, dando oportunidade ao estabelecimento definitivo das fronteiras, o que conduziu a um tempo de acentuada prosperidade económica. Associado a este facto está, também, a melhoria climática verificada, os progressos técnico, a nível agrícola, comercial e industrial, e a melhoria nos transportes marítimos.

4. Caraterizar a expansão agrária.
Com o aumento da população, foi necessário aumentar as disponibilidades alimentares. Assim, fizeram-se grandes arroteamentos, transformando-se florestas e pântanos, em terras de cultivo. Mais homens dedicaram-se à agricultura, criando-se e reanimando-se vilas.

Para além disto, foram introduzidas outras técnicas. Cresceu o emprego do ferro nas alfaias agrícolas, permitindo que se cavasse mais fundo, passou a ser frequente o uso da coelheira, rentabilizando a tração animal. O afolhamento trienal, e o adubamento dos solos, com argila, cinzas e estrume, aumentou a produtividade agrícola.



5. Apontar as consequências do aumento da produção agrícola.
Como consequência imediata do crescimento agrícola, esteve a aumento das disponibilidades alimentares em toda a europa. Este crescimento reflete-se imediatamente no acréscimo demográfico, e na diminuição das epidemias.

Para além disto, os excedentes agrícolas permitem o desenvolvimento do comércio, e a libertação de pessoas, o que levou à evolução urbana, com o aumento número de cidades, e da população, designado por “surto urbano”.



6. Caraterizar o surto urbano e comercial.
As cidades, depois de ultrapassado um período de destruição e retrocesso que durou até ao séc. X, voltaram a reanimar-se. Com o aumento demográfico, deixou de ser necessária tanta mão de obra na agricultura, e a população foi lentamente saindo do campo para a cidade. Por sua vez, o desenvolvimento agrícola, levou ao aumento da produtividade, passando a existir excedentes agrícolas que podiam ser dispensados/comercializados com a cidade. Assim, o campo passa a abastecer a cidade. PAZ MOV. LIBERTAÇÃO SERVIL

Com o desenvolvimento das cidades, os artesãos, dedicaram-se exclusivamente às suas atividades citadinas, surgindo um novo grupo social: a burguesia. Para além disto, assistimos ao desenvolvimento da economia de mercado (que substitui a de subsistência) e o reaparecimento da moeda nas trocas comerciais (economia monetária.)


7. Identificar e caracterizar as grandes rotas/centros de comércio neste período.
No séc. XIII, existiam grandes centros de comércio e rotas comerciais, das quais destaca-mos as seguintes:





Onde?

Produtos Produzidos

Regiões c/ que comercializam

Produtos que entram no circuito

Flandres

Noroeste Europeu

(Bruges)


Indústria de Lanifícios

Inglaterra e Escócia

Báltico (Hansa)

Cidades Italianas

Península Ibérica



Peles, cera e madeira, …

Especiarias, Ouro

Sal, Azeite



Liga Hanseática

Norte da Alemanha e Báltico

---

Controlavam todas as trocas no Báltico e Norte



Rússia, Noruega

França


Inglaterra

Mediterrâneo

Flandres


Cereais, peles, madeira…

Vinho e Sal

Azeite


Tecidos

Cidades do Norte de Itália

Veneza

Génova


Pisa…

Indústria têxtil e do vidro

Dominavam o comércio cristão do Mediterrânio



Ásia Menor

Síria


Egito

Europa


Especiarias, Tecidos, Pérolas, Pedras Preciosas,…

Feiras de Champagne

A norte da Liga e a sul das cidades Italianas

---

Nelas paravam os comerciantes do Norte flamengo e do Sul Italiano

Todo o tipo de produtos


8. Destacar o papel das feiras medievais no desenvolvimento económico no período dos sécs. XII a XIII.
As feiras medievais tiveram uma grande importância para a economia/sociedade da época. Em primeiro lugar, eram grandes centros de comércio, onde aluíam mercadores de todo o mundo, e circulava uma grande variedade e quantidade de produtos. Em segundo, destacavam-se, igualmente, como centros de intercâmbio de ideias e informação. Acabavam, assim, a desenvolver a cultura, e dinamizar o reino.

A periocidade da realização variava de feira para feira. Podendo assumir carater quinzenal, mensal ou anual. Mas, geralmente realizavam-se no dia do Santo Padroeiro da terra ou região. Podiam também ser regionais, nacionais ou internacionais. Estas feiras eram apoiadas e incentivadas por reis e senhores, pois aumentavam as receitas régias e, por vezes, eram oferecidos benefícios aos mercadores, como por exemplo, a ausência de pagamento de impostos.


9. Justificar a criação de associações comerciais e de novas práticas financeiras.
O desenvolvimento comercial dos últimos séculos da Idade Média estimulou a criação de novas técnicas de negócio. De facto, os negócios implicaram cada vez mais investimentos, logo grandes riscos, relacionados sobretudo com assaltos nas rotas comerciais, e grandes meios de pagamento, ou o transporte de grandes quantias monetárias. Logo, foi preciso dar resposta a este tipo de situações, surgindo assim técnicas comerciais, de forma a garantir a segurança das transações.

Assim, as primeiras sociedades comerciais, denominadas de Hansas ou Guildas (associações de burgueses mercadores que se unem com o objetivo de melhor proteger os seus interesses), pretendiam proteger os comerciantes, aumentar o capital dos mercadores, para assim existirem mais compras e mais produtos em circulação, levando ao créscimo do lucro. Mais lucro significa mais dinheiro, mais negócios e a compra e venda de produtos cada vez mais longe.

As companhias comerciais (bolsas de mercadores e companhia das naus) agiam como uma espécie de seguradoras, compensando os seus associados por perdas profissionais.

Por outra, o uso do cheque e das letras de câmbio permite dar mais segurança aos mercadores, visto deixarem de ter de andar de terra em terra com grandes quantias de dinheiro. Surgem os primeiros cambistas.


10. Apontar as causas da crise do séc. XIV
Durante os séculos XII e XIII a Europa tinha-se desenvolvido, mas tudo foi posto em causa no séc. XIV, quando uma série de fatores levou-a recuar no seu progresso.

No fim do séc. XIII a quantidade de alimentos produzidos começava a tornar-se insuficiente para a quantidade de homens. As produções intensas tinham esgotado os solos, tornando mais precárias as colheitas de cada ano, sendo que o número de novos arroteamentos era cada vez mais reduzido. A somar-se a este facto estiveram as mudanças climáticas, com muita precipitação e frio, que levou as sementes a apodrecerem, originando uma série de anos de colheitas muito reduzidas. Estavam reunidas as condições para a fome crescer entre as gentes mais pobres, levando a um rasto de miséria e morte.

A Peste Negra foi uma das principais causas para a crise do séc. XIV, matando um terço da população europeia, sem que nada pudesse evitar a sua propagação. Também as guerras por toda a Europa deixaram um rasto de destruição e morte, associadas a revoltas sociais, urbanas e rurais.

Todos estes fatores, conduziram à inevitável quebra económica, monetária e fiscal, agravada pela concentração de riquezas (heranças).


11. Analisar as consequências resultantes da crise a nível demográfico, económico, social e mental.
A nível demográfico verificou-se uma quebra sem precedentes (1/3 da população europeia, com pela peste). Quanto à economia ficou seriamente debilitada, com falta de mão de obra na agricultura, a exigência por parte dos camponeses de salários mais altos. Também se assistiu a uma diminuição na produção de cereais e ao aumento das pastagens, à subida de preços inicial (inflação) e descida de preços por falta de procura (deflação) causado pelas mortes. No meio urbano, assistiu-se à ruina dos centros comerciais e industriais, motivada pela peste, a sucessivas desvalorizações da moeda por parte dos reis e a graves problemas nos circuitos comerciais.

A nível social, verificaram-se muitas mudanças. No campo, assistiu-se ao êxodo rural, visto que as populações julgavam que a cidade lhes poderia oferecer melhores condições. Os camponeses revoltarem-se por melhores condições de trabalho (salários mais altos), levando ao empobrecimento da nobreza. Já na cidade, os artesãos revoltaram-se violentamente, devido à exploração da mão de obra. Aumentaram os marginais, como judeus, vagabundos e ciganos, criando-se, para assistir os mais pobres, organizações de solidariedade.

Quanto ao comportamento e mentalidade das populações, verificou-se a atemorização da morte, histeria e recorrência às bruxas, magia, feitiçaria. Na arte, verificou-se maciças representações dos flagelos da época. Houve quem fizesse grandes doações à Igreja de forma a garantir a salvação, ou que que tentasse fugir à realidade, através do vício e luxúria.
12. Explicar as medidas régias para resolver a crise e seus resultados, nomeadamente em Portugal.
D. Afonso IV  Circular de 1349

- Obrigatoriedade de todos os que antes da peste trabalhavam por conta de outros que continuassem a fazê-lo, ainda que tivessem recebido heranças.

- Tabelamento de salários para combater o excessivo aumento dos mesmos, quer para a agricultura, quer para a criação e animais.

- Impedimento de mobilidade da mão de obra


D. Pedro I  Posturas

- Tabelamento de Salários e seu cumprimento.


D. Fernando  Lei das Sesmarias 1375

- Obrigatoriedade de cultivo da terra sob pena de expropriação

- Obrigatoriedade de os filhos e netos de lavradores continuarem na mesma profissão

- Tabelamento dos salários

- Obrigatoriedade dos lavradores possuírem gado com moderação

- Coação dos mendigos e dos vagabundos ao trabalho rural.


NENHUMA DESTAS MEDIDAS RESULTOU, PERMANECENDO O PROBLEMA DA FALTA DE MÃO DE OBRA NA AGRICULTURA.

Tópicos
1. Justificar a fragmentação política da Europa Ocidental após a queda do Império Romano do Ocidente.


- Queda do Império Romano do Ocidente em 476 a.C.

- Bárbaros dividem-se e constituem vários reinos

- Substituição da unidade Imperial, e tentativa de continuação pelo Sacro Império Romano-Germano

- Reinos subdividiam-se em Senhorios e Comunas

- Habitavam o senhorio homens livres e não livres, obrigados a trabalhar na agricultura

- Senhor possuía o poder de Ban

- Habitantes das cidades recusam ser dominados por um senhor, lutam pela independência, e surgem as Comunas, Cidades do Norte de Itália.
2. Destacar o papel unificador da Igreja neste período.
- Igreja Católica como ponto comum, que unia toda a Europa na mesma Fé

- Clero bem organizado e muitas riquezas

- Papa: Era o chefe supremo da igreja

- Representava cristo na Terra.

- Supremo árbitro de todos os conflitos

- Reconhecia novos estados

- Reconhecia os reis

- Reconhecia as leis

- Limitava o direito à guerra e convocava para a guerra santa (cruzadas).

- Usava a excomunhão como arma de controlo


3. Justificar o desenvolvimento económico entre os séculos XII e XIII.
- Fim das invasões

- Melhoria climática

- Progressos Técnicos na agricultura, comércio e indústria

- Melhoria dos transportes marítimos


4. Caraterizar a expansão agrária.
- Arroteamentos

- Mais mão de obra e criação e/ou reanimação de vilas

- Crescente emprego de ferro nas alfaias

- Uso da coelheira

- Afolhamento trienal

- Adubamento dos solos

- Aumento da produtividade
5. Apontar as consequências do aumento da produção agrícola.
- Aumento das disponibilidades alimentares

- Crescimento demográfico

- Excedentes agrícolas

- Desenvolvimento do comércio

- Surto Urbano

6. Caraterizar o surto urbano e comercial.
- Período de paz

- Aumento demográfico leva a disponibilidade de mão de obra

- Existências de excedentes

- Campo abastece a cidade

- Movimento de libertação servil

- Artesãos dedicam-se exclusivamente aos seus ofícios

- Desenvolvimento da economia de mercado e monetária

- Interesses sociais: surge um novo grupo: a burguesia


8. Destacar o papel das feiras medievais no desenvolvimento económico no período dos sécs. XII a XIII.
- São grandes centros de comércio onde circula grande variedade e quantidade de produtos

- Centros de intercâmbio de ideias e informação. Dinamização do reino

- Realizavam-se no dia do Santo Padroeira de terra ou região, e podem ser quinzenais, mensais ou anuais.

- Podiam ser regionais, nacionais ou internacionais

- Eram incentivadas por reis e senhores

- Aumentavam as receitas régias

- Mercadores beneficiavam de privilégios, como o não pagamento de impostos
9. Justificar a criação de associações comerciais e de novas práticas financeiras.
- Sociedades comerciais: Hansas ou Guildas

- Companhias comerciais: Bolsa de mercadores e Companhia das Naus

- Primeiros pagamentos em papel: letra de câmbio e cheque

- Surgimento dos primeiros cambistas

- Grandes Investimento, grandes riscos, necessidade de proteção

- Hansa: associação de mercadores que se unem com o objetivo de melhor proteger os seus interesses

- Proteger os comerciantes, aumentar o capital, compras, aumento dos produtos em circulação e do lucro, compre e venda de produtos cada vez mais longe.
10. Apontar as causas da crise do séc. XIV
- Alterações Climáticas

- Sucessão de maus anos agrícolas

- Diminuição dos arroteamentos

- Fomes e Peste Negra

- Quebra económica, monetária e fiscal

- Guerras e revoltas socias, urbanas e rurais

- Concentração de riquezas (heranças)
11. Analisar as consequências resultantes da crise a nível demográfico, económico, social e mental.
Demográfico. – Quebra demográfica

Económico. Campo. - Falta de mão de obra

- Subida de Salários

- Subida de preços inicial – inflação

- Descida de preços por falta de procura – deflação – causada pelas mortes.

-


- Revoltas campesinas

-- Exploração de mão de obra artesã que provocou revoltas laborais violentas

- Marginais, porque não aceites: judeus, vagabundos e ciganos

- Combate à crise social: ação de organizações de solidariedade

Mentais. - Temor à morte, recorrência à bruxaria, feitiçaria

- Arte relacionada com a morte


Diminuição da produção de cerais

- Aumento das pastagens

-- Ruína dos centros comerciais e industriais – peste

- Desvalorização monetária

- Graves problemas nos circuitos comerciais

Social. – Êxodo rural



- Empobrecimento da nobreza


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal