1 Ronaldo Colvero2



Baixar 18.18 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho18.18 Kb.
Redução de San Francisco de Borja: a demonstração do papel político da Companhia de Jesus a leste do rio Uruguai.
Rodrigo Ferreira Maurer1

Ronaldo Colvero2
Resumo
Esta pesquisa tem por intuito repassar a maleabilidade da redução de São Francisco de Borja quanto aos interesses vinculados às temáticas socioeconômicos platinas, bem como os da égide espanhola entre os séculos XVII e XVIII.

Comprovando assim a sua maleabilidade quanto povo missioneiro; desconsiderando por tal os ensejos dos demais povos da banda oriental do rio Uruguai.


Introdução
Dentro do conhecido espaço “Sete Povos das Missões”, uma redução acabou moldando-se conforme as exigências dos administradores reais e platinos dos séculos XVII e XVIII: o que levou a mesma a distanciar-se das temáticas missioneiras.

Esta redução atendia pela denominação de San Francisco de Borja.

De certa forma este aspecto se concretizou pelo fato da redução ter sido fixada em 1690, em um espaço geográfico de grande interesse para a época; ou seja, um espaço que deveria acomodar e dar seguranças necessárias tanto para o projeto reducional quanto para os representantes eclesiásticos da Companhia de Jesus, quando assim necessário fossem comparecer na região do Tapes.

Além de posicionar-se a redução conversora entre as duas culturas: a ocidental e a oriental. San Borja passou a servir como referência para os assuntos ligados à sua composição miliciana. Entretanto, devemos mencionar esta parcialidade como resultado das influências assim absorvidas pelos guaranis da sua antiga redução matriz; no caso Santo Thomé.

Para tanto, simbolizamos a redução de San Francisco de Borja, como uma redução flexível aos interesses régios e platinos porque assim a mesma apresentou-se quando exigida; como podemos identificar pelos legados de Bernardo Nusdorffer, Juan Escandón, Teschauer, Pastells, entre outros.

Desta forma acabar-se-ia formando intencionalmente a redução anômala no espaço das missões orientais do rio Uruguai. Comprovando-se definitivamente, quando do seu não envolvimento na batalha de Caiboaté em 1759.



Metodologia
A metodologia utilizada, neste trabalho, é baseada no cruzamento e análise aprofundada de fontes bibliográficas e documentais arroladas por arquivos do Rio Grande do Sul, além de fontes primárias do ARCHIVUM ROMANUM SOCIETATIS JESU- (ARSJ), adquiridas por terceiros.


Resultados (ou Resultados e Discussão)
Se o projeto reducional foi um projeto para guarnecerem-se as fronteiras coloniais hispânicas, a leste do rio Uruguai, essa função coube, mais proeminentemente a San Borja.
Entretanto, o fato de cumprir rigidamente as determinações reais, resultaria em um certo desprezo por alguns povos missioneiros.

Desta forma, apresentaremos os procedimentos e excussões promovidas por este povoado, para assim comprovar o seu desligamento dos interesses missioneiros, e apresentar a sua particularidade social quanto povo platino.



Conclusão
Através das análises documentais, percebemos quão apartado o povoado de San Borja estava dos almejos dos Sete Povos das Missões, porém, flexível aos interesses administrativos régios que existiram entre os séculos XVII e XVIII.

Este aspecto acabou colocando-o como uma das reduções de maior importância dentre os antigos povos missioneiros.

Registrando-se, a prosperidade e o centro conversor das missões que, com certeza, para a época foi um ponto respeitável, tanto para os assuntos administrativos, quanto para a circunstância de ser um posto avançado na banda oriental do rio Uruguai.

Referências
Fontes e series documentais:

ARCHIVUM ROMANUM SOCIETATIS JESU- (ARSJ)Roma/ Itália

ARQUIVO HISTÓRICO DO RIO GRANDE DO SUL- (AHRGS)

CENTRO DE CULTURA MISSIONEIRA - (CCM)

INSTITUTO ANCHIETANO DE PESQUISAS/UNISINOS

ESCANDÓN, Juan. História da Transmigração dos Sete Povos Orientais

PASTELLS, Pablo. História de La Compañía de Jesús en la Provincia del Paraguay (Argentina, Paraguay, Uruguay, Perú, Bolivia y Brasil). Tomos I a VIII. Madri, Libreria General de Vistoriano de Preciados, 1912.

SEPP, Anton.1655-1733. Viagem às Missões Jesuíticas e Trabalhos apostólicos. São Paulo, Martins, Ed. Universidade de São Paulo, 1972.


Bibliografia Contemporânea:

COLVERO, Ronaldo. Negócios na madrugada: o comércio ilícito na fronteira do Rio Grande do Sul. Passo Fundo: UPF, 2004.

FLORES, Moacyr. Colonialismo e Missões Jesuíticas. EST. Instituto de Cultura Hispânica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1983.

GAY, Cônego João Pedro. História da República Jesuítica do Paraguai_ (desde o descobrimento do Rio da Prata até os nossos dias, ano de 1861.) 2ª ed. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1942.

GRAELL, Francisco. O passado missioneiro no diário de um oficial espanhol/ Francisco Graell; tradução: Alba Olmi. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 1998.

GOLIN, Tau. A Guerra Guaranítica: Como os exércitos de Portugal e Espanha destruíram os Sete Povos dos jesuítas e índios guaranis no Rio Grande do Sul. 2ª ed. Passo Fundo: EDIUPF, Porto Alegre: UFRGS, 1999.

___________. A Fronteira: Governos e Movimentos espontâneos na fixação dos limites do Brasil com o Uruguai e a Argentina. LePM, Porto Alegre, 2002.

KERN, Arno Alvarez. O “Modelo Político” das Missões Jesuíticas. In: Anais do V Simpósio Nacional de Estudos Missioneiros. Canoas, Ed. LASALLE, 1985.

__________________. Ações evangelizadoras e culturais de missionários portugueses e espanhóis no Rio Grande do Sul do Brasil. Braga: Congresso Internacional de História_ Missionação Portuguesa e Encontro de Culturas, 2º vol. 1993.

NEUMANN, Eduardo. O trabalho guarani missioneiro no rio da Prata colonial (1640/1750). Porto Alegre: Martins Livreiro, 1996.

_________________. Fronteira e identidade: confrontos luso-guarani na Banda Oriental – 1680/1757. Revista Complutense de Historia de América, Madrid,2000.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História do Rio Grande do Sul. 8. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1997

PORTO, Aurélio. História das Missões Orientais do Uruguai. Porto Alegre, Livraria Selbach, 1954.

QUEVEDO, Julio Guerreiros e Jesuítas na Utopia do Prata. Bauru/ SP: EDUSC, 2000.

RABUSKE, Pe. Arthur. O povo de São Borja entre os anos de 1750 e 1757. In: Anais do V Simpósio Nacional de Estudos Missioneiros. Canoas, Ed. LASALLE, 1985.

RILLO, Apparício Silva. São Borja em perguntas e respostas. Monografia histórica e de costumes. Coleção Tricentenário,1982.

SEMPÉ, Moarcy. São Francisco de Borja. O primeiro dos sete povos. Coleção Tricentenário, 1982.

SEVERAL, Rejane da Silveira. A Guerra Guaranítica: POA: Martins Livreiro, 1995.

________________________. Jesuítas e Guaranis face aos impérios coloniais ibéricos no rio da Prata. Revista de História Regional 3 (1): Verão 1998.

SILVEIRA, Hemetério José Velloso. As Missões Orientaes e seus antigos domínios. Porto Alegre, Typografia da Livraria Universal de Carlos Echenique, 1909.

SOARES, André Luis R. Guarani: organização social e arqueologia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1997.

SUSTERSIC Bozidar, El Hermano José Brasanelli y las Posibilidades de la Reconstrución de su Trayectoria Biográfica y Artística. In Anais do XI Simpósio Nacional de Estudos Missioneiros- Santa Rosa, Ijuí, ED. UNIJUÍ, 1997.

TESCAHUER, Pe. Carlos. História do Rio Grande do Sul dos dois primeiros séculos. UNISSINOS, 2002.

VIEIRA, Alexandre.



Pensamento político na Guerra Guaranítica. Justificação e resistência ao absolutismo ibérico no século dezoito. (tese de doutorado- UFSC- Florianópolis, julho de 2005).


1 Acadêmico do VI semestre do curso de História. Urcamp, campus São Borja/RS.

2 Professor da Urcamp Campus de São Borja e Mestre em História Regional pelo PPG em História da Universidade de Passo Fundo, Doutorando em Historia Ibero Americana pela PUCRS.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal