2008 Escola Estadual Almirante Barroso-ef rondon Paraná apresentaçÃo da disciplina de



Baixar 52.67 Kb.
Encontro01.08.2016
Tamanho52.67 Kb.
Escola Estadual Almirante Barroso-Ensino Fundamental
Rua Londres, 769 Tel : (44)3672-1664

Email: rdnbarroso@seed.pr.gov.br


Site: www.rdnbarroso.seed.pr.gov.br

PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS

2008
Escola Estadual Almirante Barroso-EF

Rondon - Paraná


APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE
CIÊNCIAS: DA DIMENSÃO HISTÓRICA À ATUALIDADE
Desde que o homem começou a se interessar pelos fenômenos à sua volta e aprender com eles, a ciência já estava presente, embora, não apresentasse o caráter sistematizados do conhecimento.

Sendo a ciência uma construção humana numa perspectiva histórica, é importante que no processo ensino-aprendizagem desta disciplina se relacione essa história com as práticas sociais as quais o corpo discente está vinculado.

aproximadamente dez mil anos, o homem caçava e coletava, passou a cultivar a terra e criar animais, interferindo diretamente na natureza (CHASSOT, 2004). Desde então, o homem assumiu outras condutas frente ao seu meio, tornando-se um observador ainda mais atento da natureza, formulando teorias, crenças e valores, ponto de partida para o aparecimento de uma ciência racional, a filosofia. Isso fez com que o homem, no decorrer da história mudasse a forma de expressar seu conhecimento referente ao mundo desta forma, a ciência passa a ser determinada pela maneira com que ele expressa esse conhecimento.

Alguns processos importantes da história marcam o pensamento da humanidade e, conseqüentemente, a ciência. Do século XI a XIII, as cruzadas foram importantes na disseminação da cultura e da ciência entre o Oriente e o Ocidente; o surgimento das universidades colaborou com a Revolução Científica (século XVI) e, posteriormente com a Revolução Industrial (séculos XVII e XVIII).

Outros acontecimentos importantes nortearam o pensamento do homem e uma mudança na sua forma de entender o mundo e transmitir conhecimento. Dentre estes, destacam-se as grandes navegações e a invenção da imprensa (séculos XIV e XV).

Na Renascença (séculos XV e XVI), a partir da imprensa, algumas ciências buscam explicar o mundo através de novas teorias – navegação do período anterior e suas explicações teológicas do mundo. A partir desta época, alguns nomes se evidenciam. Dentre eles. Leonardo da Vinci grande conhecedor de anatomia, hidráulica, óptica, botânica, geologia, arquitetura, matemática, engenharia e filosofia.

No século XVII, Nicolau Copérnico provocou uma grande mudança na forma de ver o mundo e Galileu Galilei (1564-1662) cujas teorias eram contrárias à visão tradicional do Cristianismo sobre o universo, defendiam que a Terra movia-se como Copérnico já havia anunciado, dando origem ao Heliocentrismo.

Francis Bacon (1561-1626) tem seu mérito na história ao criar a ciência experimental através do método científico.

René Descartes colaborou significamente com a matéria através do sistema de coordenadas cartesianas. Isaac Newton, por meio das suas leis do movimento, mostrou a natureza com algo regular e previsível.

No século XVIII surge um outro momento marcante, o Iluminismo que, além de filosófico é um movimento artístico, literário e político. As obras de filósofos, cientistas e historiadores passam a ser influenciadas pela ciência de Galileu Galilei e Newton.

Ainda merece destaque na história da ciência, a transição definitiva da alquimia para a química, quando esta passa a ser considerada como ciência através da publicação do “Tratado Elementar de Química pelo francês Antoine Laurent Lavoisier”.

Com a Revolução Industrial os avanços científicos determinaram o desenvolvimento e o crescimento da indústria que, por sua vez, exigiu que a ciência ascendesse para aperfeiçoar as técnicas e, com isso, desenvolver novas tecnologias para as indústrias.

No século XIX o homem passa a entender que pode por meio da ciência interferir na natureza buscando melhores condições de vida.

Na história da ciência, Charles Darwin foi um nome polêmico que mudou a visão do homem em relação ao passado, quando lançou seu livor “A Origem das Espécies”. Outro cientista importante foi o monge agostino e botânico austríaco Gregor Johann Mendel, que descobriu os princípios da hereditariedade os quais constituem a base da genética.

Entretanto a ciência também tem momentos de efeitos negativos ao incrementar as guerras e influenciar a miséria de muitos. Fica cada vez mais claro que a ciência é uma construção humana, tem suas aplicações é falível intencional e está diretamente relacionada com o avanço da tecnologia e com as relações sociais (CHASSOT, 2004).

Diante de todo este contexto histórico é importante que os conteúdos de Ciências priorize os conhecimentos cientícos, físicos, químicos e biológicos para o estudo dos fenômenos naturais sem deixar de considerar as implicações da relação entre a ciência, a tecnologia e a sociedade.

A disciplina de Ciências foi inserida no currículo a partir da Reforma Francisco Campos através do Decreto 19.890/31. Dentre os conteúdos básicos, a biografia de cientistas importantes e a demonstração de experimentos eram priorizados na ensino. Quanto ao método de ensino utilizado na época centrava-se na exposição, memorização e repetição.

Com a Lei 4.024/61 a disciplina passou a ser denominada “iniciação à Ciência”. Nessa perspectiva a disciplina tinha a função de preparar o cidadão para pensar lógica e criticamente, exercitar o método científico e tomar decisões com base em informações e dados (KRASILCHIK,2000).

Com a publicação dos PCNs, os conteúdos específicos ficavam em segundo plano. O foco principal foram as temáticas dos projetos. Esses parâmetros seguram um caráter “neotecnicista” no qual, quem elabora as mudanças na educação são especialistas, cabendo ao professor criticamente colocá-los em prática a partir de subsídios e treinamento oferecidos (AMARAL, 2000).

Ao analisar a educação e o currículo de Ciências, em cada momento histórico, percebeu-se que o seu desenvolvimento seguiu uma trajetória de acordo com os interesses políticos, econômicos e sociais de cada período determinando assim a mudança de foco do processo de ensino e de aprendizagem.

A partir de 2003 um novo trabalho tenta resgatar a função precípua da escola e o tratamento dos conteúdos específicos e saberes historicamente constituídos no currículo escolar como eixo fundante da escola e suscitar no professor a reflexão sobre a própria prática.

Para que a presente proposta seja efetivada é imprescindível considerar que o verdadeiro processo das Ciências é aquele que leva às descobertas científicas através de eventos e experimentações, centrando seu enfoque metodológico na colocação de problemas que conduzem a uma atitude investigativa mais ampla, permitindo compreender as vivências do cotidiano, através dos atos de observar, refletir, manusear e dialogar e com isso se reforça a percepção de ciências como construção humana, e não como verdade natural.

Não podemos falar em Ciências sem considerar os conhecimentos adquiridos pelo estudante, idéias muitas vezes bastante elaboradas sobre os fenômenos naturais, tecnológicos e outros, e suas relações com os conceitos científicos, proporcionando ao aluno uma vivencia que o leve a se crítico, criativo e engajado nas transformações da sociedade. Desse modo, se faz, por exemplo, a abordagem da Constituição Brasileira, de maneira a despertar no aluno o interesse pelo exercício da cidadania, oferecendo-lhe o conhecimento daquilo que deve ou não criticar.

A proposta é trabalhar os conteúdos partindo do dia-a-dia do aluno, lançando desafios através de atividades e questões problemas, recursos que permitem que o aluno seja visto como cidadão (não um futuro cidadão) com direitos e deveres junto à comunidade.

A criança ao ingressar e participar das atividades escolares já possui conhecimento prévio sobre a natureza. Esse conhecimento deve ser valorizado e desse ponto de partida deve ocorrer à reconstrução sistematizada do conhecimento – conhecimento que nunca deve ser visto como pronto e acabado; mas que o educando perceba que é parte integrante do ambiente e não uma espécie diferente que tem o “direito” de utilizar e explorar a natureza de forma irresponsável, desenvolvendo uma consciência ambiental que é fundamental tendo em vista a ação transformadora humana e que o desenvolvimento tecnológico, indispensável para suprir necessidade humanas, seja analisado em seus aspectos positivos e negativos; e conseqüentemente, que o aluno desenvolva o espírito crítico e a capacidade de propor soluções viáveis.

O aprofundamento por série resguarda a aprendizagem gradual acompanhando a maturação do aluno.

E necessário favorecer o desenvolvimento de postura reflexiva e investigativa, de não aceitação, a priori, de idéias e informações, assim como a percepção dos limites das explicações, inclusive dos modelos científicos, colaborando para a construção da autonomia de pensamento e ação.


OBJETIVOS GERAIS


  • Compreender a natureza como um todo dinâmico, sendo o ser humano parte integrante e agente de transformações do mundo em que vive, em relação essencial com os demais seres vivos e outros componentes do ambiente;

  • Identificar relações entre conhecimento científico, produção de tecnologia e condições de vida, no mundo de hoje e em sua evolução histórica;

  • Formular questões, diagnosticar e propor soluções para problemas reais a partir de elementos das Ciências Naturais, colocando em prática conceitos, procedimentos e atitudes desenvolvidos no aprendizado escolar;

  • Saber utilizar conceitos científicos básicos, associados a energia, matéria, transformação, espaço, tempo, sistema, equilíbrio e vida;

  • Saber combinar leituras, observações, experimentações, registros, etc., para coleta, organização, comunicação e discussão de fatos e informações;

  • Valorizar o trabalho em grupo, sendo capaz de ação crítica e cooperativa para a construção coletiva do conhecimento;

  • Compreender a saúde como bem individual e comum que deve ser promovido pela ação coletiva;

  • Compreender a tecnologia como meio para suprir necessidades humanas, distinguindo usos corretos e necessários daqueles prejudiciais ao equilíbrio da natureza e ao homem;

  • Promover o uso de material convencional para experimentação e construir material alternativo, quando se fizer necessário;

  • Identificar os elementos do ambiente como recursos naturais que têm um ritmo de renovação, havendo, portando, um limite para sua retirada.



CONTEÚDOS POR SÉRIE/ANO

5ª Série
Estruturante Básico
Astronomia - Universo

-Sistema Solar

-Movimentos terrestres

-Movimentos celestes

Matéria - Constituição da matéria
Sistemas Biológicos -Níveis de organização Celular
Energia -Formas de energia

-Conversão de energia

-Transmissão de energia
Biodiversidade -Organização dos seres vivos

-Ecossistema

- Evolução dos seres vivos


6ª Série
Estruturante Básico
-Astros

-Movimentos terrestres

Astronomia -Movimentos Celestes

Matéria -Constituição da matéria


-Célula

Sistemas Biológicos -Morfologia e fisiologia dos seres vivos

-Origem da vida

Biodiversidade -Organização dos seres vivos

- Sistemática

7ª Série

Estruturante Básico
Astronomia -Origem e evolução do universo
Matéria -Constituição da matéria
-Célula

-Morfologia e fisiologia

Sistemas Biológicos dos seres vivos

Energia -Formas de energia

Biodiversidade -Evolução dos seres vivos


8ª Série
Estruturante Básico

Astronomia -Astros

-Gravitação universal
Matéria -Propriedade da matéria
-Morfologia e fisiologia

Sistemas Biológicos dos seres vivos

-Mecanismos de herança

genética


-Formas de energia

Energia -Conservação de energia

Biodiversidade -Interações ecológicas


ABORDAGEM TEÓRICO-METODOLÓGICA
É importante uma prática pedagógica que leve à integração dos conceitos científicos e valorize o pluralismo metodológico.

Os conteúdos de Ciências devem ser entendidos em sua complexidade de relações conceituais, não dissociados em áreas de conhecimento físico, químico e biológico, estabelecendo relações interdisciplinares abordados a partir dos contextos tecnológico, social, cultural, ético e político que os envolvem.

Para tanto o professor colocará os alunos diante de situações problemáticas que, para serem resolvidas requerem o uso de recursos, tais como:


  • Discussão e trocas de idéias para interpretação das ciências;

  • Análise de situações que ilustram a importância das ciências;

  • Aulas práticas para investigação de problemas, elaboração de hipótese, planejamento e realização de experimentos, interpretação de dados e conclusões;

  • Utilização de informações veiculadas, pelos meios de comunicação como: Tvs, jornais e revistas;

  • Uso de recursos tecnológicos.




AVALIAÇÃO

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

HOFFMANN, J. Avaliar para promover: As setas do caminho. Porto Alegre: mediação, 2001.


SECRETARIA DO ESTADO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares de Ciências para o Ensino Fundamental. Curitiba, 2008.
BARROS, C. Paulino, W. R. Ciências . 64 ed. São Paulo: Ática, 2001.
VALLE, Cecília. Coleção Ciências .1. ed. – Curitiba: Nova Didática, 2004.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal