2cchladcs01-o educaçÃo e cultura: um exercício de aprendizagem sobre a diversidade cultural em sousa-pb



Baixar 37.26 Kb.
Encontro25.07.2016
Tamanho37.26 Kb.
2CCHLADCS01-O

EDUCAÇÃO E CULTURA: UM EXERCÍCIO DE APRENDIZAGEM SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL EM SOUSA-PB

Aquiles Cordeiro do Nascimento1, Hermana Cecília Oliveira Ferreira2, Maria Patrícia Lopes Goldfarb3


Centro de Ciências Humanas, letras e Artes/Departamento de Ciências Sociais/PROBEX


Resumo
A presente comunicação apresenta os propósitos e o desenvolvimento do projeto de Extensão intitulado “Educação e Cultura: Um Exercício de Aprendizagem sobre a Diversidade Cultural em Sousa-PB”, contemplado pelo Programa PROBEX, da Pro-reitoria de Extensão da Universidade Federal da Paraíba, na área temática Cultura. O mencionado projeto esta sendo desenvolvido na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Celso Mariz, localizada no Jardim Sorrilândia III em Sousa-PB e constitui-se de atividades em ciclo de palestras e debates sobre as temáticas envolvendo as formas de interação entre os grupos ciganos residente em Sousa e a sociedade envolvente. Tem como objetivo promover atividades que possibilitem o conhecimento, a discussão e a valorização da atuação do profissional de Ciências Sociais.
Palavras-Chave: Ciganos, Educação e Diversidade Cultural

Introdução

O projeto Educação e Cultura: Um Exercício de Aprendizagem sobre a diversidade Cultural em Sousa-PB é uma ação de extensão que surgiu com o desdobramento do Projeto PIBIC, da linha de pesquisa Os Ciganos no Estado da Paraíba, sob a coordenação da professora Maria Patrícia Lopes Goldfarb. Salientando que o projeto Os Ciganos no Estado da Paraíba esta vinculado ao GEC- Grupos de Estudos Culturais1.

Este projeto se justifica pela escassa produção acadêmica a cerca de grupos ciganos no Brasil, embora já exista uma ampla produção de pesquisas sobre grupos étnicos no Brasil2 onde se destacam os trabalhos sobre populações indígenas e afro-descendentes, desenvolvidos pelos mais diferentes pesquisadores e áreas do conhecimento.

De acordo com registros históricos, a população cigana encontra-se no Brasil desde o século XVI, cuja entrada remonta o período de colonização do país. Neste sentido, compreendem grupos com pouca visibilidade nacional, estigmatizados no imaginário coletivo e pouco estudados nos centros acadêmicos. Deste modo, este trabalho pauta-se em tais grupos étnicos, objetivando suprir lacunas existentes na produção acadêmica acerca destes. Com o termo cigano, nos referimos a grupos específicos do ponto de vista cultural, que se pensam e são pensados como diferentes.

Nesse contexto foi idealizado o projeto de extensão que se propõe a investigar os processos de interação cultural que se desenvolve entre ciganos e não ciganos na cidade de Sousa, especialmente através das relações sociais (ou sua ausência) que são travadas dentro da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Celso Mariz, localizada no Jardim Sorrilândia III, nas proximidades da comunidade cigana e que a atende.

Em trabalhos anteriores3 verificou-se que na cidade de Sousa que as imagens que a população não cigana tem dos ciganos refere-se a elementos extremamente depreciativos, como o “roubo” e a “prostituição”. Além disso, a imagem cigana é costurada pelas noções de sujeira, pobreza, e desordem.

Neste sentido, este projeto possui uma enorme relevância social, na medida em que se volta para uma situação social de contatos entre grupos culturais distintos, que interagem cotidianamente, mas que na maioria das vezes não exercitam um diálogo necessário para o desenvolvimento de uma sociedade mais igualitária.

Descrição metodológica

Para atingir os objetivos anteriormente delineados, adotar-se-á como recorte metodológico uma pesquisa do tipo exploratória que, segundo Cervo e Bervian (1996, p. 49) procura descobrir, com a máxima precisão possível, a freqüência com que um fenômeno ocorre, sua relação e conexão com outros, sua natureza e características específicas.

O projeto justifica-se à medida que compreende as características e necessidades observadas na comunidade. Não pretendemos somente afirmar que em Sousa os grupos ciganos passam por um processo de estigmatização, mas problematizar a existência de tais estigmas dentro de uma escola existente nas proximidades da comunidade cigana.

Portanto, antes de começarmos o ciclo de palestras, pretendemos investigar, por meio de observação direta e de conversas informais com os membros da escola e as famílias ciganas, se há uma reprodução de estigmas e de relações discriminatórias na Escola Celso Mariz.

É necessário frisar que antes da pesquisa ser iniciada, realizaremos na comunidade cigana e na Escola, uma apresentação geral da mesma, sua gratuidade e importância para o processo educativo, visando divulgar nossas intenções e possíveis desdobramentos práticos do trabalho. Com este intuito, esperamos colaborar para minimizar os estereótipos recorrentes e as formas de suspeição que recaem sobre a população estudada.

As atividades previstas pelo projeto “Educação e Cultura: um exercício de aprendizagem sobre a diversidade cultural em Sousa-PB” ainda consistem na realização de (ao menos) quatro (4) palestras no decorrer dos sete meses de vigência da bolsa. Cada um destes eventos deverá possuir uma carga horária mínima de duas (2) horas, sendo as datas e os períodos de sua realização condicionados pela direção da Escola Celso Mariz, onde as palestras ocorreram. Estes cursos de extensão serão desenvolvidos no formato de palestras, dinâmicas de aulas, seguidas de debate, e compreenderão (como proposta preliminar) os seguintes tópicos:




  • O que é cultura: perspectivas antopológicas

  • diversidade e choque cultural; etnocentrismo e relativismo cultural

  • raça, racismo; grupos Étnicos e identidade cultural

  • etnicidade: direitos e cidadania: um caminho para o diálogo e o respeito às diferenças culturais

No primeiro módulo, pretende-se realizar encontros periódicos voltadas para o planejamento, envolvendo necessariamente os coordenadores e os bolsistas do projeto. Nesta fase, objetiva-se discutir o projeto como um todo, enfocando o debate sobre as temáticas das palestras. Ainda nesta etapa, serão organizadas as principais questões práticas e logísticas para a execução do projeto, como a formalização das palestras e convite junto à 10ª Região de Ensino, aos membros da Escola Celso Mariz e a comunidade cigana residente em Sousa- PB. Em seguida passaremos a divulgar as palestras em Sites da internet e em programas nas Rádios locais.

A etapa seguinte envolve a própria realização das palestras programadas e os debates com o público participante das atividades. Neste período, os membros do projeto, a coordenadoras e bolsistas, terão seus esforços especialmente voltados para a apresentação, organização e a mediação de cada evento do ciclo, de modo a permitir um bom desenvolvimento das atividades e o cumprimento dos objetivos estabelecidos no projeto.

Nesta terceira etapa, a equipe deverá se reunir para avaliar o sucesso alcançado pelas atividades propostas, analisando os acertos e as dificuldades verificadas na realização do ciclo de palestras. A partir deste balanço conjunto, os membros do projeto passarão entregar certificados aos participantes, a planejar materiais didáticos para serem entregues a escola, artigos científicos e produções acadêmicas como parte dos resultados deste projeto. Por fim, ainda nesta etapa, há a previsão de elaboração de relatórios escritos sobre o conjunto de atividades desenvolvidas por parte dos bolsistas do projeto.



Resultados

Embora o projeto esteja em andamento, é possível assinalar resultados relevantes dessa ação extensionista. No que diz respeito à extensão dos conhecimentos produzidos na Universidade, podemos assegurar que as duas integrantes extensionistas, apresentam frequência superior a 70% e demonstram bom nível de apreensão dos conteúdos teóricos.

No que se refere a objetivos práticos, estamos em fase de agendamento para então iniciarmos os ciclos de palestras, discussões e debates a cerca das áreas temáticas já citadas no decorrer do texto. Lembrando que, a equipe esta sujeita ao calendário das atividades escolares da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Celso Mariz, localizada no Jardim Sorrilândia III, em Sousa-PB, e da Décima Regional de Ensino.

É válido acrescentamos ainda, que a equipe extensionista esta adequando às teorias adotadas, a realidade da comunidade que nos propusemos a atender, o que viabilizara a um melhor entendimento da ação extensionista.



Conclusão

Diante dos resultados obtidos até a ocasião, verifica-se a assertividade dessa proposta de extensão, que se mostra competente, na medida em que se pretende articular ensino e pesquisa, contribuindo para a transformação da sociedade. A aplicação prática dos objetivos específicos varia de acordo com a disponibilidade de tempo escola envolvida, mas tem na presença constante da aluna bolsista e da aluna voluntária/colaboradora, um forte apoio para desenvolvimento das atividades.

Concluímos que com este projeto de extensão, foi iniciado um passo essencial para a construção de conhecimentos que ultrapasse os muros da Universidade. Acreditamos ainda, que o projeto contribui de forma significativa para um melhor entendimento a cerca da relação Educação e Diversidade Cultural.

Referências
BACHARELADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS (habilitações: Antropologia, Ciência Política, Sociologia). Universidade Federal da Paraíba. Departamento de Ciências Sociais. João Pessoa: Editora Universitária, UFPB, 2007.
BARTH, F. Grupos Étnicos e suas Fronteiras. In:POUTGNAT, P & FENART-STREIFF, J. Teorias da Etnicidade. São Paulo: Difel, 1998.

CAMPOS, Cláudia Camargo de. Ciganos e suas Tradições. São Paulo: Madras, 1999.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Makeron Books, 1996.

CHARLEMAGNE, Jacqueline. A Renovação da Consciência Cigana. O Correio da UNESCO, nº 12, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1984.

CHINA, José d’Oliveira. Os Ciganos do Brasil. Revista do Museu Paulista, Tomo XXI, São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1936.

Contra a Perseguição aos Ciganos. Jornal Mudar de Vida. Disponível em: <http://www.jornalmudardevida.net/>. Acesso em 11 de março de 2011.


COSTA, Cristina da. Os Ciganos Continuam na Estrada. Revista da Cultura Vozes, nº. 84, jul./ag., 1990.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Antropologia do Brasil: mito, historia, etnicidade. São Paulo: EDUSP, 1986.

FOLETIER, F. de Vaux. Le Monde des Tsiganes. Paris: Berger Levrault, 1983.

___________________. O Mundo como Pátria. In: O Correio da Unesco, nº. 12, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1984.

FONSECA, Isabel. Enterre-me em pé: os ciganos e sua jornada. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1989.

GIDDENS, A. Sociologia. Porto Alegre: Artemed, 2005.

GOLDFARB, Maria Patrícia Lopes. Os Ciganos. Galante, Fundação Helio Galvão, nº. 02, Vol. 03, Natal, Setembro de 2003.

___________. O Tempo de Atrás: um estudo da construção da identidade cigana em Sousa-PB. Universidade Federal da Paraíba. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Tese de Doutorado. João Pessoa, agosto de 2004.

GOLDFARB, Maria Patrícia Lopes; NASCIMENTO, Aquiles C. Os Ciganos no Estado da Paraíba. Projeto de Pesquisa para Iniciação Científica. UFPB, João Pessoa, 2010.

GOFFMAN, Erving. O Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Guanabara/Koogan, 1998.

HOSBAWN, E & RANGER, T. A Invenção das Tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

IVATS, A. Os Ciganos no Mundo Moderno: da escola do caminho ao caminho da escola. Correio da UNESCO, ano 3, nº. 1, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1975.

LOPES, José Sérgio Leite. Condições de Vida das Camadas Populares. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

MARTINEZ, Nicole. Os Ciganos. São Paulo: Papirus, 1989.

MOONEN, Frans. Ciganos Calon no Sertão da Paraíba. João Pessoa, MCS/UFPB, Cadernos de Ciências Sociais, nº. 32, 1994.

MORAES FILHO, Melo. Os Ciganos no Brasil e o Cancioneiro dos Ciganos. Belo Horizonte: Itatiaia, 1981 (1885).

MOTA, Ático Vilas-Boas. Os Ciganos do Brasil. O Correio da UNESCO, nº. 12, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1984.

NOVAES, Silvia C. Jogos de Espelhos: Imagens e representação de si através dos outros. São Paulo: Editora da USP, 1993.

NOVITCH, M. Os ciganos e o terror nazista. O Correio da UNESCO, nº 12, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1984.

OKELY, J. M. The Traveller-Gypsies. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

PEREIRA DA COSTA, F. A. Anais Pernambucanos, Vol. 5, Recife, 1985.

POUTIGNAT, P. e FENART-STREIFF, J. Teorias da Etnicidade. Seguido de Grupos Étnicos e Suas Fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: UNESP, 1998.

RUDIO, Franz V. Introdução ao Projeto de Pesquisa Cientifica. Petrópolis:Vozes,1986.

SANT’ANA, Maria de Lourdes. Os ciganos: aspectos da organização social de um grupo cigano em Campinas. São Paulo: FFLCH/USP, 1983. (Antropologia, 4)

SEYFERTH, Giralda. Etnicidade e Cidadania: Algumas Considerações Sobre as Bases Étnicas da Mobilização Política. Boletim do Museu Nacional. Nova Série, Antropologia Nº. 42, Rio de Janeiro, 20 de Outubro de 1983.

SULPINO, Maria Patrícia Lopes. Ser Viajor, Ser Morador: Uma análise da construção da identidade cigana em Sousa-PB. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Porto Alegre, 1999, Dissertação Mestrado.

TEIXEIRA, Rodrigo. C. História dos Ciganos no Brasil .Acesso em: 12 de Outubro de 2002.



UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Departamento de Ciências Sociais, Coordenação do Curso de Ciências Sociais. Projeto Político Pedagógico Curso de Ciências Sociais: Bacharelado e Licenciatura. João Pessoa, novembro de 2006.

1 Grupo de Pesquisa cadastrado no CNPq

2 Um grupo étnico pode ser definido como grupos que consideram-se culturalmente distintos de outros e são vistos como tal. Barth, 1998; Giddens, 2005.

3 Goldfarb, 2004; Goldfarb e Nascimento, 2010.

Catálogo: anais -> XIIIENEX XIVENID -> ENEX -> PROBEX -> ARTIGO
ARTIGO -> 4ccaedcspx02-o extensão universitária como incentivo para a prática de ensino por discentes: um estudo empírico no projeto de extensão do curso de secretáriado bilingue da ufpb
ARTIGO -> 7cchsadgtapx02-o caracterizaçÃo da qualidade de tangerinas produzidas no município de matinhas-pb
ARTIGO -> 4ccaededpx01-o história e memória: expoentes da educaçÃo e dos movimentos sociais do vale do mamanguape-pb
ARTIGO -> 3ccjdcjpx04-o ymyrapytã: memória e extensãO
ARTIGO -> 4cchsadepx03-o a história da formaçÃo docente em bananeiras/PB: a instituiçÃo do curso normal no colégio sagrado coraçÃo de jesus
ENEX -> Ufpb-prac XIII encontro de Extensão
ARTIGO -> 4cchladhpx02-o subindo a ladeira: educaçÃo patrimonial e história da paraíba no varadouro – joão pessoa pb
ENEX -> 5ccendegeopxt01-o agroecologia e extensãO: um instrumento de educaçÃo ambiental em assentamentos rurais
ARTIGO -> 4cchsadcsapx05-o a educaçÃo como promotora da identidade do homem do campo e do desenvolvimento rural


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal