3. Eu ajudo a abençoar outras pessoas quando compartilho o evangelho



Baixar 25.23 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho25.23 Kb.
3. Eu ajudo a abençoar outras pessoas quando compartilho o evangelho
Traga para a Primária uma roupa camuflada (exército). Segure-a para todos verem e pergunte: Alguém já viu algum soldado andando na rua vestindo algo parecido com isso? Por que eles usam isso? Explique-lhes que usam esta roupa para se camuflarem, se misturarem com a paisagem, passarem despercebidos... Quando conhecemos o evangelho não nos é pedido para camuflarmos, mas sim o contrário, para sermos uma luz para que todos conheçam o evangelho.
Traga para a Primária um pote de bolinhas de gude. Peça para as crianças adivinharem quantas bolinhas tem dentro do seu pote. Depois de várias opiniões, guarde o pote e diga-lhes que logo você o usará novamente.
Diga que hoje, VOCÊS me ajudarão contando uma história de um grande missionário, alguém que não se camuflou, mas que tinha um enorme desejo de ensinar o evangelho do Senhor.
Divida a história de Abinádi em quantos segmentos achar necessário. No final deste recurso há 29 divisões. Você pode usá-las como referência. Não se esqueça de colocar as escrituras nos segmentos de história que as crianças ajudarão a contar.
Para Primária menor: Descreva a parte da história que você deseja que as crianças desenhem. Peça ajuda das professoras para que se certifiquem que as crianças estão desenhando a história de Abinádi. É interessante numerar em seqüência os papéis entregues às crianças para que façam os desenhos, assim fica fácil na hora de contar a história, chamando as crianças pelos números.
Para Primária maior: Escreva a referência de escritura no início de cada folha antes de entregar às crianças, todas relatando a história de Abinádi. É interessante numerar em seqüência os papéis entregues às crianças para que contem a história em ordem. Peça-lhes que leiam a escritura do papel e façam algum desenho que relate o que leram.
Quando todos terminarem de fazer seus desenhos, peça que sentem em seus lugares. Então peça para o grupo 1 mostrar seus desenhos e contar o pedaço da história com suas próprias palavras. E assim até que a história se complete.
Quando terminarem a história, pegue o pote com as bolinhas e passe as bolinhas para outro recipiente. Diga-lhes que Abinadi ficou sem saber se pelo menos uma pessoa havia acreditado nas palavras que ele disse (pegue uma bolinha que representa Alma, sacerdote do rei Noé que acreditou em suas palavras). Mas este não foi o resultado do seu trabalho. Muitas outras pessoas acreditaram em suas palavras através de Alma. Cada bolinha representa uma pessoa que se converteu – 450 almas!
Peça às crianças que cantem o hino: Vou cumprir o plano de Deus, 86. Peça que prestem atenção na letra do hino. Quando terminar a canção, diga às crianças: Existe razão em nosso viver. Nossa vida tem um propósito. O Pai Celestial tem um plano para nós. Abinádi fez o que o Pai Celestial o pediu que fizesse e acabou abençoando a vida de muitas pessoas. Vocês também podem fazer o que o Pai Celestial nos pede. Podem ser bons exemplos em família, na escola, com os amigos e fazer sempre as escolhas certas. (Segure a roupa camuflada) Não se camuflem. Sejam corajosos como Abinádi e compartilhem o evangelho com os outros. Vocês nunca saberão quantas pessoas irão influenciar. Preste seu testemunho.


Abinádi e o rei Noé


Abinádi e o rei Noé,” Friend, Jan. 1991, 15

Zênife envelheceu, e seu filho, Noé, se tornou o rei dos nefitas. Mosias 11:1



Noé não era um bom rei como seu pai. Ele era mau e não quis guardar os mandamentos de Deus. Mosias 11:2



Ele obrigou os nefitas e darem parte de seu ouro e prata. Eles também tinham que dar parte de seu zife e cobre, e de seus animais. Mosias 11:3



O rei Noé era preguiçoso. Ele queria que os nefitas dessem tudo o que ele precisava. Mosias 11:4



O rei Noé trocou os sacerdotes justos chamados por seu pai, Zênife, por homens maus, que ensinaram o povo a pecar. Mosias 11:5–7



O rei Noé construiu vários edifícios, incluindo um espaçoso palácio com um trono. Os prédios eram decorados com Madeira preciosa e com ouro, prata e outros metais. Mosias 11:8–11



O rei Noé amava as riquezas que ele pegou do povo. Ele e seus sacerdotes gastavam seu tempo bebendo vinho e sendo maus. Mosias 11:14–15



Deus enviou um profeta chamado Abinádi ao povo de Noé. Ele os advertiu que se eles não se arrependessem eles viveriam em cativeiro (virariam escravos). Mosias 11:20–25



Quando ouviu o que Abinádi disse, o rei Noé ficou bravo. Ele enviou homens para trazer Abinádi a ele para que ele pudesse matá-lo. Mosias 11:27–28



Abinádi foi trazido ao rei. O rei Noé e seus sacerdotes perguntaram-lhe muitas coisas. Eles tentaram pegá-lo dizendo algo errado. Mosias 12:17–18



Abinádi não tinha medo de responder às perguntas do rei. Ele sabia que Deus o ajudaria. Os sacerdotes se surpreenderam com as respostas de Abinádi. Mosias 12:19, 29



O rei Noé se enfureceu e ordenou que os sacerdotes matassem Abinádi. Abinádi disse que ninguém o tocasse, ou do contrário, Deus os mataria. Mosias 13:1



O Espírito Santo protegeu Abinádi para que ele conseguisse terminar de dizer o que o Senhor queria que ele dissesse. O rosto de Abinádi resplandeceu. Os sacerdotes ficaram com medo de tocar nele. Mosias 13:2–5



Abinádi falou com poder de Deus. Ele falou de seus pecados e leu os mandamentos de Deus para eles. Mosias 13:6–7, 11–24



Ele falou sobre o nascimento de Jesus Cristo na terra. Jesus tornaria possível o arrependimento, a ressurreição e nos permitiria viver com o Pai Celestial. Mosias 13:33–35; Mosias 15:21–23



Abinádi ensinou que deveriam arrepender-se de seus pecados e acreditar em Jesus Cristo, ou eles não seriam salvos. Mosias 16:13



O rei Noé e todos os sacerdotes, menos um, recusaram-se a acreditar em Abinádi. Noé ordenou aos sacerdotes que matassem Abinádi. Eles o amarraram e o colocaram em uma prisão. Mosias 17:1



Um dos sacerdotes de Noé acreditou em Abinádi. Seu nome era Alma. Alma pediu ao rei Noé que deixasse Abinádi livre. Mosias 17:2



O rei Noé se enfureceu com Alma. Ele expulsou Alma. Então enviou seus servos para matá-lo. Alma fugiu e se escondeu, e os servos do rei Noé não puderam encontrá-lo. Mosias 17:3–4



Depois de três dias, Abinádi foi trazido até o rei. Ele acusou Abinádi de mentir a respeito do filho de Deus. Mosias 17:5–7



Noé disse que se ele não negasse o que tinha dito, ele seria morto. Mosias 17:8



Abinadi sabia que o que ele tinha dito a respeito de Jesus era verdade. Abinádi estava disposto a dar sua vida pelo seu testemunho de Jesus Cristo. Mosias 17:9–10



O rei Noé ordenou que os sacerdotes matassem Abinádi. Eles o amarraram, chicotearam e o queimaram até a morte. Antes de morrer, Abinádi disse que Noé também morreria pelo fogo. Mosias 17:11–20



Alguns do nefitas se opuseram ao rei. O exército dos lamanitas também foi combater o rei e seus seguidores. Mosias 19:2–8



Noé e seus seguidores fugiram. Quando os lamanitas estavam para pegá-los e matá-los, Noé ordenou que deixassem suas esposas e filhos para trás. Mosias 19:9–11



Muitos dos homens não quiseram deixar suas esposas e filhos. Eles foram capturados pelos lamanitas. Mosias 19:12–15



Alguns dos homens que fugiram com o rei Noé se arrependeram de haverem deixado suas mulheres e filhos para trás. Desejavam voltar e ajudar seus familiares. Mosias 19:18–19



O rei Noé não queria que eles voltassem. Ordenou que eles ficassem com ele. Mosias 19:20





Os homens do rei Noé ficaram furiosos com ele. Eles queimaram o rei Noé até morrer. Depois voltaram para suas famílias. As palavras de Abinádi foram cumpridas. Mosias 19:21–24


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal