40 Dias de Rendição a Jesus – Parte VI texto Bíblico



Baixar 18.56 Kb.
Encontro03.08.2016
Tamanho18.56 Kb.

40 Dias de Rendição a Jesus – Parte VI


Texto Bíblico: João 2: 12-25
A expulsão dos cambistas do templo de Jerusalém é uma das histórias mais famosas dos Evangelhos.
Todos os quatro evangelhos mencionam este incidente, embora nem todos da mesma forma, como vamos observar.
Mas o fato é que você não pode ler qualquer evangelho mais cedo ou mais tarde passar por este episódio na vida de Jesus.
Mas esta história é perturbadora porque aparentemente vemos Jesus em um ato não cristão: com um chicote na mão e fogo nos olhos. Este Jesus parece muito longe de o homem que era de outra maneira tão gentil que atraia crianças para o seu lado.
Por que Jesus agiu desta maneira?
Antes de responder a isso, no entanto, precisamos olhar outros problemas que cercam essa história.
Mateus, Marcos, Lucas apresentam a purificação do templo de Jesus acontecendo logo após ao Domingo de Ramos, a Entrada Triunfal em Jerusalém. Em todos os três dos evangelhos sinóticos esta história vem no final do ministério de Jesus. É a ação que leva diretamente para a sua morte.
Mas no Evangelho de João, João mostra Jesus fazendo essa mesma exata ação no início do seu ministério.
Há duas opções de acadêmicos para explicar essa diferença. A explicação mais literalista é que Jesus purificou o templo em Jerusalém, não uma, mas duas vezes, primeiro no início do seu ministério público e, em seguida, uma segunda vez, no final de seu ministério. Mateus, Marcos, Lucas e escreveram sobre a segunda limpeza, mas não a primeira, enquanto João registra a primeira, mas não a segunda.

Mas isto parece quase impossível porque não se trata de dois sermões, mas de duas expulsões.


O evangelho de João, afinal, é o mais teológico dos quatro evangelhos.
João está escrevendo um evangelho, um pedaço de proclamação, e não um livro de história ou diário. A fim de nos ajudar a entender quem é Jesus, João optou por colocar a purificação do templo no início de seu evangelho e ele fez isso para nos ajudar, logo no início, a entender sobre quem é Jesus.
Ao apresentar esta história onde e como ele faz, João quer nos ensinar algo vital.
Bem, para começar, podemos notar o ponto óbvio de que antes desta história terminar, Jesus vai deixar claro que, finalmente, o verdadeiro templo será nada mais do que o templo de Jerusalém.
Jesus vai se tornar o "templo", pois será o sacrifício, e depois da ressurreição, de seu corpo, finalmente, e uma vez por todas realizar o que tinha sido o objetivo do templo o tempo todo; a saber, o perdão dos pecados e o reencontro de Deus com o seu povo.
O templo no antigo Israel era o lugar onde se sacrificava animais pela expiação pelo pecado.
No caso de Jesus, o seu próprio corpo vai se tornar, simultaneamente, o templo e o sacrifício.
Agora há um detalhe importante: a inserção de João no versículo 17 do Salmo 69: 9, "zelo por tua casa me consome".
Se você olhar para o Salmo 69, você vai descobrir que ele é um salmo de lamento, um grito interior a Deus por parte do salmista.
A razão pela qual ele clamou era porque ele estava sendo desprezado e zombaram por causa de sua fé.
O Salmo 69 é sofre o sofrimento por causa da fé.
É sobre como o mundo zomba de nós por afirmarmos que um culto de adoração é mais valioso do que qualquer coisa que poderia acontecer nas cidadelas do poder mundano.
É preciso ter fé para acreditar que o que fazemos aqui no culto envolvem questões na perspectiva eterna.
É preciso fé para acreditar que o que um pregador transmite ao pregar a Palavra de Deus em um verdadeiro sermão é muito mais importante do que qualquer coisa que jamais poderia emergir da ONU ou de qualquer um presidente, rei, ou primeiro-ministro.
O autor do Salmo 69, acreditava que o antigo templo de Israel era o centro do universo, a casa de Deus, a morada do Criador . E os seus vizinhos viram este zelo pela casa de Deus e eles riram em voz alta. Que coisa absurda?
Esse é o verso João lança nessa história.
Assim, o contexto original do versículo citado em João 2:17, é de alguém que é zeloso para com a casa de Deus, mas que está sofrendo por causa do desejo de proteção.
O zelo pela casa de Deus, significa protegê-la.
Jesus expulsou os cambistas porque o real valor do templo estava se apagando.
Talvez o templo tinha começado a parecer apenas a qualquer velho mercado de pulgas de Jerusalém. Jesus queria sacudir as pessoas, para que pudessem lembrar que ter fé é uma coisa radical que deve fazer-nos radicalmente diferentes daqueles que não têm fé.
Eles tinham o foco errado. Eles eram obcecados por tijolo e argamassa. A menção de quanto tempo tinha sido levado para construir o templo era um sinal de que eles tinham perdido o seu caminho. Eles não tinham mais a fé radical do Salmo 69.
O salmista suportou insultos e ferimentos por causa de sua crença ultrajante que o Deus vivo, na verdade, morava no templo.
Mas alguns dos judeus nos dias de Jesus havia esquecido. Viram-no como a sua própria realização em que eles poderiam fazer o que quisessem, porque era, afinal, o seu lugar.
Jesus lembrou-lhes que era o lugar de Deus, ou deveria ser, e se eles não perceberam a presença do Deus vivo lá, então não havia nada de distintivo sobre o templo em tudo.
Jesus precisava lembrar as pessoas de que a presença do Deus vivo era o evento principal. E ao longo do tempo, ele teve que ensinar-lhes que ele mesmo era o Deus vivo em carne. Jesus estava no templo. Jesus era o templo, porque em Jesus, Deus estava lá.
Isso é o que nós acreditamos agora como cristãos. A presença viva de Jesus é tudo o que importa agora.
Seu corpo é o nosso templo e, além do mais, o seu corpo está presente onde quer que no dia de hoje o Espírito Santo toque em alguém e sele a graça de deus em Cristo a vida.
O Espírito de Cristo nos transforma de uma reunião ordinária de pessoas para a realidade extraordinária de ser o Corpo de Cristo.
Nós somos o Corpo de Cristo, agora, o seu santo templo, construído não por mãos humanas, mas pelo poder do Espírito de Deus através da Palavra.

40 Dias Vivendo com Jesus é um bom momento de nos lembrar, do momento doloroso que o templo do corpo de Jesus foi demolido. Mas também nos alegrarmos porque Deus estava realmente presente no templo do corpo de Jesus, o templo foi construindo novamente em três dias. Esse templo sagrado do Corpo de Cristo vive e ainda somos membros dele.
Voltemos ao início deste sermão:
Jesus agiu com o chicote porque o que estava acontecendo no templo foi tão pessoal porque tocaram em seu próprio corpo. Foi uma reação a dor e a libertação da mesma.
Se nós somos agora membros do Corpo de Cristo, seu templo vivo da fé, foi porque Jesus foi tão longe para morrer por nós.
Se entendermos como a igreja surgiu e o que realmente significa ser um membro dela agora, então o zelo pela casa de Deus vai consumir também a cada um de nós de maneira que pode muito bem ser radical, de fato. Amém.




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal