4ccadfcamt01-o monitoria para o ensino e contextualizaçÃo da taxonomia para o curso de agronomia



Baixar 47.35 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho47.35 Kb.

UFPB-PRG XII Encontro de Iniciação à Docência



4CCADFCAMT01-O

MONITORIA PARA O ENSINO E CONTEXTUALIZAÇÃO DA TAXONOMIA PARA O CURSO DE AGRONOMIA

Marina Matias Ursulino(1); Leonardo Pessoa Felix(3).

Centro de Ciências Agrárias/ Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais/ MONITORIA

RESUMO

A sistemática é a ciência dedicada a inventariar e descrever a biodiversidade e compreender as relações filogenéticas entre os organismos. Inclui a taxonomia e também a filogenia. Os trabalhos referentes ao projeto de monitoria da disciplina de Taxonomia são destinados ao curso de Agronomia do Centro de Ciências Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). A monitoria vem sendo desenvolvida no Prédio da Fitotecnia, localizado no Departamento de Fitotecnia (DF) nos períodos de 2008(1) e 2008(2), com o objetivo de melhorar o desempenho dos alunos, auxiliando-os nas deficiências, indicando bibliografias complementares, esclarecendo dúvidas, além de contextualizar o conteúdo teórico a situações práticas referentes ao curso. Para desenvolver as atividades de monitoria usa-se como recurso principal o quadro negro, a fim de esclarecer os possíveis questionamentos e dúvidas dos alunos, de forma a resolver os problemas necessários ao domínio da disciplina. Deste modo, o projeto de monitoria vem auxiliar o professor na tarefa de tornar mais fácil a assimilação do conteúdo e técnicas para resolução de problemas necessários ao entendimento global. Este projeto é de fundamental relevância ao monitor, pois o ajuda a ter um melhor entendimento acerca do assunto, como também favorece um melhor desenvolvimento acadêmico, incentivando-o a docência.



Palavras-chave: Aplicação da Taxonomia, Taxonomia e Monitoria.

INTRODUÇÃO

A sistemática é a ciência dedicada a inventariar e descrever a biodiversidade e compreender as relações filogenéticas entre os organismos. Inclui a taxonomia (ciência da descoberta, descrição e classificação das espécies e grupo de espécies, com suas normas e princípios) e também a filogenia (relações evolutivas entre os organismos). Em geral, diz-se que compreende a classificação dos diversos organismos vivos.

O objetivo da classificação dos seres vivos, chamada taxonomia, foi inicialmente o de organizar as plantas conhecidas em categorias que pudessem ser referidas. Posteriormente a classificação passou a respeitar as relações evolutivas entre organismos, organização mais natural do que a baseada apenas em características externas. Para isso se utilizam também características ecológicas, fisiológicas, e todas as outras abordagens que estiverem disponíveis para os táxons em questão. É a esse conjunto de investigações a respeito dos táxons que se dá o nome de Sistemática (JOLY, Aylton Brandão, 1993), disciplina pertencente a diversos cursos de graduação e pós-graduação das áreas de Ciências Agrárias e Biológicas.

A partir da monitoria, foram disponibilizadas aos alunos do curso de Agronomia aulas práticas realizada no Laboratório de Botânica – CCA – UFPB, para que estes possam aprender a usar e usufruir tais conhecimentos de forma correta, e conhecer os métodos de coleta de plantas e herborização. Realizaram-se aulas onde foram utilizadas chaves analíticas para a identificação de grupos vegetais (principalmente famílias). Foram expostos resumos com base nas características morfológicas das partes vegetais e a terminologia científica usada nas descrições e classificação dessas estruturas, para que o aluno possa conhecer os táxons que exemplifiquem os tipos de raízes, caules e folhas e suas modificações e tenha o conhecimento á respeito da morfologia das partes reprodutivas e a terminologia científica usadas nas descrições e classificação dessas partes.

É fundamental saber da importância da Taxonomia para a Agronomia, porque esta é uma ciência que pode ser desenvolvida e praticada profissionalmente pelos agrônomos, além de ser um conhecimento que será usufruído durante todo o curso. Dessa forma, o principal objetivo deste relatório foi explicitar o conjunto de trabalhos desenvolvidos pelo monitor, ao longo de sete meses letivos, no que se refere ao acompanhamento das aulas teóricas e práticas, bem como do atendimento aos alunos da disciplina em horários paralelos, para o esclarecimento de dúvidas referentes à Taxonomia e Sistemática Vegetal. Além disso, objetivou-se indicar os aspectos considerados positivos no programa de monitoria da Universidade Federal da Paraíba.

DESCRIÇÃO E METODOLOGIA

O desenvolvimento das atividades pertinentes ao projeto de monitoria para os períodos letivos 2008.(1) e 2008.(2) oferecidas aos cursos de Agronomia, estão sendo realizadas em salas localizadas no Prédio da Fitotecnia que se encontra nas dependências do Departamento de Fitotecnia (DF), as aulas práticas são ministradas no Laboratório da Botânica no Centro de Ciências Agrárias (CCA) da Universidade Federal de Paraíba (UFPB), com uma carga semanal de (1) (2) horas, onde são ofertados horários noturnos e diurnos para o curso de Agronomia. Os dados gerais da disciplina seguem expostos no quadro abaixo:






UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS

Curso de agronomia

Campus II - Areia – PB

PROGRAMA DE ENSINO DA DISCIPLINA




DEPARTAMENTO: FITOTECNIA

professor: LEONARDO PESSSOA FELIX

CÓDIGO

DISCIPLINA

3101068
TAXONOMIA VEGETAL

ANO/


SEMESTRE

PRÉ-REQUISITO(S)


2008.1


CRÉDITOS



CARGA HORÁRIA


DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA SEMANAL

OBRIGATÓRIA/

OPTATIVA





TOTAL

SEMANAL

TEÓRICA

PRÁTICA

TEÓRICA/PRÁTICA




04

120

08

04

04

8 h

Obrigatória

NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 10 a 20



EMENTA


Histórico e classificação vegetal. Regras de nomenclatura. Estudo sistemático, ecológico, adaptativo e evolutivo das principais famílias de Gimnospermas e Angiospermas. Coleta e preparação de amostras. Técnicas de herborização: organização e conservação de coleções botânicas.



Objetivo (Ao término da disciplina o aluno deverá ser capaz de):


  • Preparar o discente para as diversas disciplinas da Área Profissionalizante

  • Fornecer subsídios para o conhecimento dos principais grupos taxonômicos representados na flora brasileira e suas inter-relações filogenéticas.

  • Promover através do ensino da Taxonomia Vegetal, a metodologia científica.

  • Desenvolver atividades de laboratório e de campo.






O conteúdo programático da disciplina subdivide-se nos seguintes pontos:


1.INTRODUÇÃO: Definição e importância da Sistemática Vegetal. Importância da Classificação Biológica. Inter-relações com Ciências afins.

2. FILOGENIA. Definição e termos utilizados em cladística.

3. HISTÓRICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL: Classificação baseada no hábito das plantas (Período I). Sistemas Artificiais baseados em classificações numéricas (Período  II). Sistemas Baseados em Relações Morfológicas (Período III). Sistemas Filogenéticos (Período IV). Sistemas Atuais de Classificação Vegetal.

4. NOMENCLATURA BOTÂNICA: Princípios de Nomenclatura Botânica. Principais Regras e Recomendações do Código Internacional de  nomenclatura   Botânica.

5. GIMNOSPERMAS: Posição Sistemática. Considerações Evolutivas e Adaptativas. Caracterização das divisões: Cycadophyta, Ginkophyta, Coniferophyta, Gnetophyta, dando ênfase as famílias que ocorrem no Brasil.

6. ANGIOSPERMAS: Posição Sistemática. Considerações evolutivas e adaptativas dos grandes grupos.

6.1. Magnoliídeas
Caracterização das principais ordens e famílias: Magnoliales e Laurales.

6.2. Monocotiledôneas


Caracterização das suas principais ordens e famílias: Asparagales, Arecales, Poales, Commelinales e Zingiberales.

     6.3. Eudicotiledôneas

  6.3.1.Eudicotiledôneas-Caryophylales
  6.3.2.Rosídeas-Myrtales
  6.3.3.Eurosídeas-Cucurbitales,Fabales,MalpighialeseRosales
   6.3.4. Eurosídeas II- Malvales e Sapindales
   6.3.5. Euasterídeas I- Gentianales e Lamiales
   6.3.6. Euasterídeas II- Solanales e Asterales

PARTE PRÁTICA


1. HERBÁRIO. Definição e importância para Sistemática Vegetal e áreas afins

2. Técnicas de Campo e de herbário. Processos de Coleta. Preparação de exsicatas. Técnicas de conservação e armazenamento. Organização de herbário.

3. Dissecação, análise, e diagnose de material botânico dos principais grupos de Gimnospermas e Angiospermas. Uso de chaves analíticas de família.


  • Obs: Foram realizadas excursões para coleta de material botânico e observações de Campo.

metodologia de ensino (Aulas expositivas. Uso de recursos áudios-visuais...)





  • Aulas expositivas, por meio de explanações orais, com auxílio de “slides”, transparências, etc;

  • Laboratório: equipamentos (Lupa, seringas e estiletes)

  • No campo: coleta de material vegetal para posterior análise taxonômica.



critérios de avaliação da aprendizagem (Provas, Herbário...)


  • Provas escritas;

  • Participação (assiduidade, interesse)

  • Entrega de um herbário

bibliografia básica UTILIZADA NA DISCIPLINA TAXONOMIA E SISTEMÁTICA VEGETAL.

APG (Angiosperm Phylogeny Group). 1998. An ordinal classification for the families of flowering plants. Ann. Missouri Bot. Gard. 85: 531-553.


JOLY, A. B. Introdução a Taxonomia Vegetal. Companhia Editora Nacional, São Paulo, 2002.
SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2005. 640p.
VIDAL, W. N.; VIDAL, M. R. R. Botânica-Organografia; quadros sinóticos ilustrados de fanerógamos. – 4.ed. ver. Ampl. – Viçosa: UFV, 2003. 124p.
Para o desenvolvimento das atividades de monitoria foram realizados resumos sobre o assunto ministrado, onde os mesmos foram debatidos com os alunos durante os horários estabelecidos, além do acompanhamento de aulas e incentivos a consultas na Internet e ao acervo da biblioteca do CCA-UFPB. Sempre procurado revisar e contextualizar de forma clara e sucinta os conteúdos dados pelo professor à realidade do curso.

Com o intuito de analisar o desempenho da monitoria e a importância do projeto, buscou-se realizar um estudo representativo sobre a assiduidade dos alunos nas aulas de monitoria (freqüência) baseando-se no número de alunos que usufruíram no mínimo uma vez dos serviços da monitora, analisando a evasão (trancamento) das disciplinas e a quantidade de alunos que reprovaram.



RESULTADOS E DISCUSSÕES
No gráfico a seguir (gráfico (1)) estão representadas as quantidades de alunos matriculas nos períodos letivos de 2008.(1) e 2008.(2).

Gráfico (1): Números de alunos matriculados nas disciplinas por período.

Conforme os dados do gráfico (1), podemos afirmar que a quantidade de alunos matriculados na disciplina de Taxonomia nos períodos 2008.(1) e 2008.(2) houve um decréscimo, podendo ser devido a uma maior aprovação dos mesmos.

O gráfico (2) representa a quantidade relativa dos alunos matriculados, sua freqüência às monitorias e as desistências relacionadas a disciplina.



.

Gráfico (2): Estimativa da quantidade de alunos que freqüentaram a monitoria e o número de trancamentos.

Segundo a figura acima (gráfico (2)), percebemos um aumento significativo dos alunos às aulas de monitoria. Este parâmetro foi estabelecido nas quantidades de alunos que usufruíram no mínimo uma vez dos serviços de monitoria. Também percebemos uma diminuição nos trancamentos, devido a melhores aprovações em relação a períodos anteriores.

O Gráfico (3) apresenta a quantidade de alunos matriculados, aprovados e reprovados na disciplina dois semestres antes 2007(1) e 2007(2) da monitoria e com a monitoria no caso nos períodos 2008(1) e 2008(2).



Gráfico (3).Representação da quantidade de alunos matriculados, aprovados e reprovados nos períodos 2007(1), 2007(2), 2008(1) e 2008(2).

Analisando os valores do gráfico pode-se observar o saldo positivo em relação aos períodos que tiveram o auxilio da monitoria, não deixando de observar que houve um decréscimo considerável no número de reprovados.
CONCLUSÃO
A disciplina de Taxonomia é considerada difícil pelos alunos, pois suas dificuldades nessa área em geral vêm da carência que é encontrada na área de morfologia e no ensino básico antes do seu ingresso na Universidade. Diversas estratégias são usadas para ajudar a compreensão e fixação do conteúdo, além de disponibilizar aos alunos os serviços da monitoria para auxiliá-los, a fim de suprir essa carência e as dificuldades encontradas no decorrer do período.

Por isso entende-se que o projeto de monitoria torna-se indispensável, pois tem contribuído para melhorar o processo ensino-aprendizagem, e uma melhor compreensão dos objetivos e da importância da disciplina para seus respectivos cursos. Além do mais, tem auxiliado a desenvolver no que diz respeito ao monitor, tanto no âmbito pessoal, melhorando o seu relacionamento com os demais alunos, quanto no profissional, proporcionando um maior conhecimento dos conteúdos inerentes a disciplina.


BIBLIOGRAFIA
SCHULTZ, Alarich. Introdução à Botânica Sistemática. 6ª Ed.Porto Alegre: SAGRA: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1990.414p.
JOLY, Aylton Brandão. Introdução. In:_____. Botânica: introdução à Taxonomia Vegetal. 11ªed. São Paulo: Editora Nacional, 1993. Cap.1, pág 3-7.
GEMTCHÚJNICOV, Irina Delanova de. Introdução. In:____ . Manual de Taxonomia Vegetal. São Paulo: Ed. Agronômica Ceres, 1976. Cap.1, pág 9-20.


____________________________________________________________________________________________________________________________________________

1) Bolsista, (2) Voluntário/colaborador, (3) Orientador/Coordenador, (4) Prof. colaborador, (5) Técnico colaborador



Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal