6ccsdfppe04-p alteraçÕes oftalmológicas em crianças de idade escolar de joão pessoa



Baixar 22.26 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho22.26 Kb.
6CCSDFPPE04-P
ALTERAÇÕES OFTALMOLÓGICAS EM CRIANÇAS DE IDADE ESCOLAR DE JOÃO PESSOA

Cínthia Guedes Chaves2; Vinicius Veloso Teixeira2; Juliete Melo Diniz2; Larissa Vieira Baracuhy2; Luiza Toscano Dias Rodrigues2; Andréa Lins Tavares Bezerra2 ;José Lamartine de Sousa Andrade Neto2; Jana Luiza Toscano Mendes de Oliveira 3.



Centro de Ciências da Saúde/ Departamento de Fisiologia e Patologia/PROBEX

RESUMO:

OBJETIVOS: O presente trabalho tem como objetivo principal alertar para a necessidade de uma busca ativa de alterações oftalmológicas em crianças em idade escolar, a partir da avaliação da situação local quanto à procura do oftalmologista antes dos 10 anos de idade, esclarecendo também a importância de campanhas de conscientização; além de determinar a prevalência de déficits de acuidade visual dentro do universo estudado e apontar as alterações mais importantes. MÉTODO: A presente análise quantitativa possui um universo de 133 crianças na faixa etária de 5 a 10 anos. Estes dados foram coletados a partir do preenchimento de formulário com informações da acuidade visual ao exame com tabela de Snellen a seis metros, e, posteriormente, dados de avaliação oftalmológica completa gratuita por especialista da área daquelas crianças com acuidade igual ou inferior a 20x40 ao primeiro exame. RESULTADOS: De um universo de 133 crianças, 45 (equivalente a 33,8%) tiveram acuidade visual igual ou inferior a 20x40 em pelo menos um dos olhos e necessitaram encaminhamento a oftalmologista. Destas, 77,8% nunca haviam tido consulta com tal especialista. Daquelas crianças que receberam encaminhamento apenas 12 (26,7%) compareceram à consulta, das quais 2 tinham história de uso de óculos. Aproximadamente 66,7% dos que compareceram tinham acuidade visual sem correção igual ou menor que 20x70 em pelo menos um dos olhos, sendo que este valor cai para aproximadamente 15,1% entre os absentes. A alteração de refração mais freqüente foi o astigmatismo, apresentada por 7 das 12 crianças (58,3%), seguida pela miopia (33,3%) e hipermetropia (8,3%). A biomicroscopia estava normal e a pressão ocular entre 12mmHg e 20mmHg, em todos os casos. O fundo de olho estava alterado em apenas 1 caso, com escavação papilar (EP) em ambos os olhos - EP 0,7 ao olho direito e 0,5 ao esquerdo - o qual foi encaminhado para o serviço adequado. Oito crianças (equivalente a 66,7%) necessitaram de prescrição para o uso de óculos. CONCLUSÃO: A grande maioria das crianças que necessitavam de encaminhamento não compareceram à consulta e tampouco haviam ido alguma vez a oftalmologista, verificando-se a falta de conscientização acerca da importância da avaliação oftalmológica na infância, o que pode privar as crianças de um desenvolvimento pleno, através do tratamento adequado - cuja necessidade poderia não ter sido verificada precocemente senão pela busca ativa. O astigmatismo constitui a alteração de maior prevalência, na amostra analisada.
Palavras-chave: Pré-escolar; Acuidade Visual; Astigmatismo; Miopia
INTRODUÇÃO
Durante os primeiros anos de vida do ser humano, ocorre o desenvolvimento da visão, que é uma capacidade de fundamental importância para a formação biopsicossocial, na medida em que ela promove a integração com outras habilidades sensoriais, permitindo uma maior compreensão e reação sobre os estímulos que recebemos do meio (GRAZIANO, 2005). Portanto, a evolução normal da visão permite que a criança desenvolva funções cognitivas e motoras, estimulando a aprendizagem, e os relacionamentos interpessoais.

Em contrapartida ao papel fundamental da visão e do seu cuidado, há estimativa de que cerca de 20% de crianças em idade escolar apresentam dificuldades visuais devido a defeitos refracionais não corrigidos, estrabismo e ambliopia, entre outros (GASPARETTO, 2004), e que cerca de 10% necessitam de óculos (5% com menos de 50% da visão sem correção) (ALVES, 2000).

A maioria da população não detém o conhecimento sobre a importância imensa de uma triagem oftalmológica na infância e, somado a isso, grande parte depende do sistema público de saúde, cujo acesso é burocrático. Assim, há uma desatenção para o cuidado com a saúde da visão, vendo-se esta como justificativa para os dados supracitados de estudos prévios.

O presente projeto tem o objetivo de fazer uma avaliação oftalmológica de crianças com dificuldade visual sem correção das escolas públicas de João Pessoa, mensurando a sua prevalência dentro da amostra a ser estudada, bem como identificar causas de baixa de acuidade visual no grupo selecionado; e fazer uma análise sobre a atenção prestada pelas famílias à atenção oftalmológica, assim sendo possível direcionar medidas de prevenção e tratamento das enfermidades, de forma a evitar seqüelas definitivas e irreversíveis, como a ambliopia, por exemplo.



METODOLOGIA

1. Aspectos Éticos
Todos os aspectos éticos relacionados à pesquisa com seres humanos serão observados conforme reza a Resolução CNS 196/96.

O projeto será devidamente analisado pelo para o Comitê de Ética em Pesquisa do HULW/ UFPB antes de ser implantado.

Os participantes da pesquisa serão devidamente esclarecidos quanto à natureza do projeto e sua finalidade antes de assinarem o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Anexo 2) para então responder ao questionário de coleta de dados (Anexo 1).
Amostragem
Este projeto dar-se-á, em uma primeira fase, em escolas públicas de João Pessoa (PB), com prévia autorização da Prefeitura e combinação com as diretorias, em um processo de triagem oftalmológica de crianças de 5 a 10 anos de idade com uso de tabelas de Snellen. O universo desta pesquisa será constituído das crianças de 5 a 10 anos das escolas publicas municipais da capital, espera-se uma amostra de 1000 crianças.

Aquelas crianças que forem selecionadas com baixa visão (visão igual ou inferior a 20/30 em pelo menos um dos olhos), serão instruídas a dirigirem-se ao Núcleo Especializado em Oftalmologia, situado na Avenida Rui Barbosa, 187, Torre, onde as oftalmologistas Jana Luiza Toscano Mendes de Oliveira e Maria Carmen Toscano Dias Rodrigues, realizarão exame oftalmológico completo, constando de refração, biomicroscopia, tonometria e fundoscopia e, desta forma, realizando o diagnóstico e prescrevendo o tratamento necessário.


Coleta de dados


A partir dos dados obtidos do preenchimento da ficha de avaliação e triagem - em anexo -, pelos pesquisadores, nesses dois momentos da pesquisa, será possível, realizar análise, entre outras, das principais afecções visuais das crianças de escolas públicas da cidade, estimar a prevalência de crianças de escolas públicas com consulta oftalmológica prévia – a partir de que pode-se gerar hipóteses para justificar uma possível baixa desse índice, assim como propostas para solução desta questão; ou verificar se há um bom incentivo ao cuidado visual na cidade de estudo –, além de determinar a prevalência de crianças que necessitarem de acompanhamento mais adequado, no caso de afecções sem resolutividade em primeira consulta.

RESULTADOS

O que se percebe que existiam sim crianças com miopia (3), astigmatismo (7) que não sabiam, a importância de corrigir essas alterações nesta idade permite que essas crianças tenham um desenvolvimento escolar melhor, ao mesmo tempo, possibilita que não percam o ano letivo ou que sofram preconceito por terem algum grau de dificuldade ou rendimento escolar a baixo da média.

Relacionando os dados da consulta oftalmológica e do questionário, percebemos que ainda existe o desinteresse dos pais em cuidar da saúde dos filhos, pois das 100 crianças encaminhadas para atendimento especializado só 35% compareceram, numa consulta gratuita, desses 16 vão precisar usar óculos. Os outros 65% correm o risco de sofrerem os danos causados pela dificuldade da visão.

Um fator a se notar é que pela tabela de snellen repetida no consultório a oftalmologista detectou que das 35 crianças selecionadas pelos universitários do projeto, 11 delas tinham acuidade inferior ou igual a 20x30, demonstrando que o exame feito na escola tem uma taxa de erro considerável, provavelmente em vista da falta de estrutura das escolas, iluminação que ofusca as crianças, treinamento ainda em execução dos universitários que ajudam no exame.
CONCLUSÃO

A grande maioria das crianças que necessitavam de encaminhamento não compareceram à consulta e tampouco haviam ido alguma vez a oftalmologista, verificando-se a falta de conscientização acerca da importância da avaliação oftalmológica na infância, o que pode privar as crianças de um desenvolvimento pleno, através do tratamento adequado - cuja necessidade poderia não ter sido verificada precocemente senão pela busca ativa. O astigmatismo constitui a alteração de maior prevalência, na amostra analisada.




Referências
ABUD, A. B.; OTTAIANO, J. A. A. Aspectos socioeconômicos que influenciam no comparecimento ao exame oftalmológico de escolares com alterações visuais. Arquivo Brasileiro de Oftalmologia. v.67. n.5. p.773-739. 2004.
ALBUQUERQUE, R. C.; ALVES, J. G. B. Afecções oculares prevalentes em crianças de baixa renda atendidas em um serviço oftalmológico na cidade do Recife – PE, Brasil. Arquivo Brasileiro de Oftalmologia. v.66. p.831-834. 2003.
ALVES, M. R.; TEMPORINI, E. R.; KARA-JOSÉ, N. Atendimento oftalmológico de escolares do sistema público de ensino no município de São Paulo – aspectos médico-sociais. Arquivo Brasileiro de Oftalmologia. v.63. n.5. Out. 2000.

GASPARETTO, M. E. R. F. et al. Dificuldade visual em escolares: conhecimentos e ações de professores do ensino fundamental que atuam com alunos que apresentam visão subnormal. Arquivo Brasileiro de Oftalmologia. v.67. p.65-71. 2004.


GRANZOTO, J.A. et al. Avaliação da acuidade visual em escolares da 1ª série do ensino fundamental. Arquivo Brasileiro de Oftalmologia. v.66. n.2. São Paulo. 2003.
GRAZIANO, R. M. Exame oftalmológico do recém-nascido no berçário: uma rotina necessária. Jornal de Pediatria. v.78. n.3. 2002.
GRAZIANO, R. M.; LEONE, C. R. Problemas oftalmológicos mais freqüentes e desenvolvimento visual do pré-termo extremo. Jornal de Pediatria. v.81. n.1. 2005.
SHIMITI, R. B.; COSTA, V. P.; CREGUI, M. J. F.; KARA-JOSÉ, N.; TEMPORINI, E. R. Prevalência de ametropias e afecções oculares em crianças pré-escolares e escolares de Ibiporã – PR, Brasil (1989 a 1996). Arquivo Brasileiro de Oftalmologia. v.64. p.379-84. 2001.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal