7101 a voz da profecia casamento, instituiçÃo divina neumoel Stina



Baixar 15.06 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho15.06 Kb.

CASAMENTO, INSTITUIÇÃO DIVINA

Neumoel Stina

Várias instituições formam a estrutura da civilização ocidental: o casamento, a propriedade privada, e o estado.

 

Mas, com todo o respeito, cremos que a instituição do casamento e da família é a mais importante de todas. Dela depende a estabilidade social e a segurança do Estado, e das pessoas.



 

Na esfera individual, nada abaixo de Deus exerce tão poderosa influência como o casamento. O êxito ou o fracasso na vida, tanto do homem como da mulher, muito depende do êxito ou do fracasso no casamento.

 

Hoje a instituição do casamento, ou seja, da família, está em crise. Milhares de casais estão se separando. Outro sintoma é o elevado número de casais que vivem sob tensão, com lares sacudidos por discussões acaloradas, por palavras duras e maus tratos.



 

A tensão a que estão expostos e com frequência quase insuportável, destroça os nervos, e arruina a saúde. Muitos casais continuam vivendo juntos por amor aos filhos, ou por alguma outra consideração.

 

Mas, não são felizes. Pelo contrário, são profundamente infelizes, o casal e também os filhos.



 

Entretanto, o casamento foi instituído para o bem do homem. Sim, para o seu mais elevado bem. Deus é o Seu Autor. Com efeito, Deus oficiou o primeiro casamento da História.

 

Isto significa que a condição ideal para o homem é de estar casado, como Deus mesmo disse no princípio: “Não é bom que o homem esteja só: far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea.” Gênesis 2:18



 

A instituição do casamento foi honrada pelo Senhor Jesus Cristo, que assistiu um festa nupcial, as Bodas de Caná. Jesus honrou o casamento também nos seus ensinos, comparando o recebimento da igreja por Ele, na Sua segunda vinda, a uma festa nupcial. Mateus 22: 1-14.

 

A instituição do casamento tem lugar de honra na tradição judaico-cristã. Na sua fórmula para o ato do casamento os judeus empregam a palavra kiddushin, que significa santidade.



 

A Igreja Católica considera o casamento uma instituição natural feita pelo Criador, parte da natureza do homem. Ela encara o matrimônio como sacramento, como capaz de conferir graça que purifica e santifica a alma. As igrejas evangélicas o encaram como instituição divina.

 

Santo Agostinho escreveu: “Casamento humilde é melhor que virgindade orgulhosa”. The New Dictionary of Thoughts, p. 32. E Martinho Lutero também disse algo sobre o casamento: “Deus pôs o símbolo do casamento em toda a parte na natureza: Cada criatura busca a perfeição noutra.” idem, p. 393.



 

Ao instituir o casamento, no princípio da história humana, Deus disse: “Por isso deixa o homem pai e mãe, e se une á sua mulher, tornando-se os dois uma só carne”. Gênesis 2.24

 

O plano de Deus estabelece a monogamia, não a poligamia - quer seja ela legalizada, ou clandestina. O homem deve ter uma só mulher, a mulher, um só marido.



 

O apóstolo Paulo declara:”. . . cada um tenha a sua própria esposa e cada esposa o seu próprio marido.” I Coríntios 7:2

 

No plano de Deus a união do casamento é indissolúvel. Jesus ensinou: “. . .o que Deus ajuntou não o separe o homem”. Mateus 19:6. Lemos também: “A mulher está ligada enquanto vive o marido; contudo, se falecer o marido, fica livre para casar com quem quiser, mas somente no Senhor.” I Coríntios 7:39.



 

Há uma só base para dissolução do casamento, que Deus reconhece: a infidelidade conjugal.

 

Nas palavras de Jesus: “Qualquer que repudiar sua mulher, exceto em caso de adultério, a expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com a repudiada, comete adultério.” Mateus 5:32



 

Como afirmamos antes, o casamento foi instituído para o bem do homem. E sempre que “os princípios divinos são reconhecidos e obedecidos nesta relação, o casamento é uma bênção.

 

Ele preserva a pureza e a felicidade do gênero humano, provê as necessidades do homem, eleva a natureza física, intelectual e moral.”



 

Com efeito, na união conjugal o homem e a mulher encontram sadio companheirismo. E no convívio do lar o caráter é aprimorado, enobrecido, enriquecido.

 

Desenvolvem-se as qualidades da compreensão, da tolerância, da apreciação das virtudes de outrem, da solicitude pelo bem de outrem, do serviço abnegado.



 

A esposa temente a Deus abranda e eleva o caráter do marido. O marido cristão edifica espiritualmente a esposa. E não só os cônjuges são beneficiados por esta união: mas também os filhos.

 

Pois nada se iguala a um lar em que reina harmonia para a criação de filhos sadios e felizes.



 

Querido amigo: como você encara o casamento? Como instituição humana, mero contrato pessoal, que pode se desconsiderar e mesmo desfazer pela vontade de uma ou de ambas as parte?

 

Ou você encara o casamento de acordo com a vontade de Deus? Como Ele quer que o encaremos?



 

Deus quer que encaremos o casamento como instituição divina, sagrada, indissolúvel, digna de honra.

 

Uma união para o êxito da qual devem, marido e mulher, fazer sempre o mais sincero e diligente esforço.



 

Como é maravilhoso quando marido e mulher consegue dizer um ao outro: Deus me escolheu pra você!






www.4tons.com

Pr. Marcelo Augusto de Carvalho


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal