A arca da aliançA



Baixar 135.75 Kb.
Página1/3
Encontro22.07.2016
Tamanho135.75 Kb.
  1   2   3
A ARCA DA ALIANÇA

Muito se discute sobre a Arca. Alguns dizem que foi destruída no incêndio do templo, outros afirmam estar numa igreja localizada numa ilha em um lago na Etiópia e alguns acreditam estar escondida em algum monte em Israel, possivelmente o Nebo (no livro apócrifo II Macabeus 2.2-8). No entanto, uma outra história ocorreu em Jerusalém às 14:15h do dia 6 de Janeiro de 1982, numa caverna 7 metros abaixo do local da crucificação, no Calvário, e esta realmente com base bíblica e fundamento histórico. Passados cerca de 17 anos, foi revelado a nível internacional um fato mantido em segredo a pedido das autoridades judaicas em 1982, sendo divulgado naquela época apenas nos EUA.

Como é a Arca

Desejada por estadistas da antigüidade como símbolo de poder, a Arca foi tema de "Os Caçadores da Arca Perdida", o primeiro filme da série Indiana Jones, filmado apenas alguns meses antes da real descoberta. Porém, é completamente diferente daquela apresentada no filme.

Em Êxodo 25.10-22 e 37.1-9 está a descrição completa da Arca da Aliança e da sua tampa, chamada de propiciatório ou "assento de misericórdia".

É uma caixa de madeira de acácia coberta com ouro com aproximadamente 130 centímetros de comprimento e 80 centímetros de largura e altura, aberta apenas na parte superior. Para transportá-la, foram colocadas 4 argolas, uma em cada canto (parte inferior) e 2 varais de madeira de acácia cobertos com ouro passados por dentro das argolas.

A tampa, chamada de propiciatório, é totalmente feita em ouro puro e do mesmo tamanho da abertura da Arca. Em cada lado, nas extremidades, há um querubim feito de ouro batido de forma que ambos e o propiciatório formam um só objeto. As asas de cada querubim passam por cima do propiciatório e as suas faces, em cada extremidade, estão de frente olhando para o propiciatório. Moisés ouvia a voz de Deus vinda de uma nuvem que aparecia sobre o propiciatório (Levítico 16.2 e Números 7.89).

Nota-se que na arca do filme, as posições das argolas e dos querubins ajoelhados são bem diferentes da descrição bíblica!

A arca de "Os Caçadores da Arca Perdida"

 

A Arca no Templo e o seu desaparecimento

No Antigo Testamento, no capítulo 35 de II Crônicas a Arca da Aliança é mencionada pela última vez. Era por volta do ano 621 AC, 35 anos antes da invasão e destruição de Jerusalém em 586 AC pelos babilônios sob o comando do rei Nabucodonosor. Como o templo foi completamente destruído, não havia razão para crer que a Arca havia sido retirada antes. No entanto, em II Reis 24.13, 25.13-18 e Jeremias 52.17-23 está descrito em detalhes os artigos que os babilônios levaram da casa do rei Zedequias e do templo. As listas incluíam panelas e outros objetos menores que eram usados no templo, mas o mais valioso e mais significante de toda a mobília, a Arca da Aliança, não foi mencionado! Anos mais tarde, milhares de objetos foram devolvidos para serem colocados no novo templo (Esdras 1.7-11 e 6.5) e a Arca também não estava na lista. Tudo isto sugere que ela não foi levada para a Babilônia, tendo que ter sido retirada do templo entre os anos 621 e 586 AC. 

O apócrifo Livro de Baruque tem uma segunda parte onde ele, criado de Jeremias, vê 4 anjos se levantando da cidade e em seguida um outro anjo que desce do céu dizendo que Deus o enviou para avisar que a Arca e os tesouros santos ficariam escondidos sob a terra até o último tempo do domínio dos gentios (estrangeiros) sobre Jerusalém, de forma que os inimigos de Israel nunca os achariam, sendo recuperados ao término desse tempo quando Jerusalém fosse restabelecida totalmente das mãos dos gentios (II Baruque 6.4-10). Ou seja, no futuro, após o domínio de 42 meses do anticristo, a Arca será retirada e colocada no Templo Celestial (Apocalipse 11.19). Com o passar dos séculos se cumpriram as palavras do profeta Jeremias sobre a Arca: O povo judeu a esqueceu, nunca mais se interessou por ela e a Nova Aliança, o Senhor Jesus sentado no Trono, a substituirá no Novo Templo do Reino de Deus (Jeremias 3.16-17).

Há vários registros e histórias diferentes relativas ao destino da Arca. A maioria foi escrita muito tempo depois da Arca desaparecer e a maior parte baseada não nas Escrituras Sagradas ou em pergaminhos históricos mas em lendas. Alguma dessas histórias poderá ser usada futuramente pelo anticristo para enganar os judeus podendo até lhes apresentar uma réplica da Arca (existem algumas na Etiópia) como sendo a verdadeira, colocando-se como o substituto da velha aliança.

A invasão da cidade

"E sucedeu que, ao nono ano do seu reinado, no décimo dia do décimo mês, Nabucodonosor, rei de Babilônia, veio contra Jerusalém com todo o seu exército, e se acampou contra ela; levantaram contra ela tranqueiras em redor. E a cidade ficou sitiada até o décimo primeiro ano do rei Zedequias. Aos nove do quarto mês, a cidade se via tão apertada pela fome que não havia mais pão para o povo da terra. Então a cidade foi arrombada, e todos os homens de guerra fugiram de noite pelo caminho da porta entre os dois muros, a qual estava junto ao jardim do rei (porque os caldeus estavam contra a cidade em redor), e o rei se foi pelo caminho da Campina." II Reis 25.1-4

As tranqueiras eram comumente usadas na antiguidade para render os habitantes da cidade sitiada impedindo a entrada de alimentos. Eram construídas a uma determinada distância (300 metros ou mais) para a própria segurança dos invasores principalmente no caso de haver necessidade de incendiar a cidade.

O cerco durou aproximadamente um ano antes da cidade ser finalmente invadida. Zedequias (rei de Judá) e os soldados judeus fugiram por um caminho que passava entre os muros sendo que o rei foi perseguido e alcançado nas campinas de Jericó, mas os soldados escaparam. Isto foi no dia 9 de Av no calendário judeu.

A História Completa da Descoberta

Em 1978, após descobrir algumas rodas dos carros egípcios no Mar Vermelho, o arqueólogo Ronald Wyatt retornou a Jerusalém em decorrência das fortes queimaduras de sol que adquiriu na praia de Nuweiba, no Egito. Hospedado em um hotel e desapontado com o cancelamento da expedição, Wyatt descansava suas pernas inchadas pelas queimaduras até quando teve condições de caminhar pela vizinhança do muro norte da cidade velha.

Enquanto conversava com um profissional em antigüidades romanas, pararam em uma pedreira antiga conhecida como "Escarpa do Calvário", e apontou para um local que é usado para entulhar lixo. Repentinamente disse: "Esta é a Gruta de Jeremias e a Arca da Aliança está lá". Wyatt, que nunca se interessou pela procura da Arca, espantou-se com as suas próprias palavras! O homem que o acompanhava ficou entusiasmado prometendo-lhe obter permissão por escrito para escavar e, além disso, receber hospedagem e comida gratuitamente. Mas ele recusou temporariamente a oferta retornando para sua casa no Tennessee, EUA, iniciando um sério estudo sobre o maior tesouro da antigüidade.

Estudo sobre o destino da Arca

Wyatt tirou várias conclusões: A Arca não poderia ter sido levada para a Babilônia, de acordo com as referências bíblicas. Deveria ter sido escondida algum dia entre o ano 621 (18º ano do reinado de Josias) e 586 AC, quando os babilônios invadiram a cidade e o templo foi destruído. Finalmente, a Arca deveria ter sido escondida entre as tranqueiras babilônias e o muro da cidade pois ninguém em Jerusalém pôde sair, considerando que a cidade havia sido totalmente destruída e que era altamente improvável que a Arca estivesse escondida nela. Todos estes pontos emparelharam perfeitamente com a área que Wyatt havia apontado e identificado como sendo a Gruta de Jeremias. O lugar estava exatamente entre o muro e as tranqueiras. Isto era o suficiente para ele voltar a Jerusalém e iniciar a escavação.

Localização da Arca durante o cerco babilônio


Nova permissão para escavar

Em Jerusalém, Wyatt logo descobriu que não era tão fácil obter uma licença para escavar. O profissional de antigüidades romanas que havia lhe prometido a permissão por escrito, não pôde fazer assim. Wyatt tinha trabalhado por muitos anos em vários locais arqueológicos mas tudo feito reservadamente pois ele não era um arqueólogo profissional e isto dificultou a situação. Ele pediu uma licença e esperou três longas semanas. Enquanto isso, ele e sua pequena equipe viajaram para Ashkelon na costa oeste de Israel.

Enquanto nadavam no Mar Mediterrâneo, Wyatt esbarrou com os pés em algo na água. Ao verificar o que era, achou uma antiga e grande panela de pedra e continuando a observar na área descobriu vários destes jarros. Cada um estava cuidadosamente lacrado mantendo o seu interior intacto. Quebrando um dos jarros, achou restos de ossos humanos. Ficou evidente que eram panelas ossuárias antigas.

Wyatt as entregou imediatamente ao pessoal do Departamento de Antigüidades que ficou grandemente entusiasmado ao identificá-las como panelas ossuárias Canaãnitas! Um outro arqueólogo já as tinha procurado anteriormente em toda a praia porém sem sucesso. Ninguém pensou em procurá-las por alguns metros dentro do mar!

Para Wyatt estes achados não eram tão significantes quanto as outras descobertas que ele havia feito, mas como resultado deste achado foi-lhe concedido imediatamente uma licença para escavar em Jerusalém. Sem dúvida, foi uma providência divina! Ainda mais que algumas resoluções da ONU proibiam escavações arqueológicas em territórios ocupados por israelenses desde 1967.

O local da escavação

Os 3 dos mais famosos montes na área de Jerusalém são Sião, Moriá e o monte das Oliveiras. Embora seja construída sobre o Sião e o Moriá, a cidade velha normalmente é referida na Bíblia como "Sião".

Os montes onde a velha Jerusalém foi edificada.

O Moriá foi o local onde Davi ergueu um altar depois de ver o anjo que se levantava pronto para destruir a cidade e onde Salomão construiu o templo. De acordo com o livro de Gênesis havia outro evento significante e histórico que acontecera ali: o sacrifício de Isaque, que foi substituído por um carneiro.

Hoje o grande Domo da Rocha está neste local onde o primeiro e o segundo templos estavam anteriormente, onde Abraão tinha erguido um altar para sacrificar Isaque. Com grande alívio ele descobriu que não era o seu filho o escolhido para morrer pela humanidade e além disso, neste mesmo monte, Deus proveria o verdadeiro sacrifício (Gênesis 22.14).

No lado leste, sul e oeste de Jerusalém há vales fundos que proporcionaram excelente proteção para a cidade contra ataques inimigos. A parte norte era muito vulnerável. Uma parte do Moriá foi cortada para que os inimigos não atacassem pelo muro norte ao nível do solo. Esta parte também foi usada como pedreira e o primeiro livro de Reis relata que Salomão usou pedras de uma pedreira para construir o Primeiro Templo e provavelmente próxima. A parte norte do Monte Moriá está separado da cidade e ficou conhecida como "Monte da Caveira" (Monte Calvário) por causa da face do precipício chamada de "Escarpa do Calvário" que fica de frente para o muro norte. A área na frente da escarpa é a que Wyatt identificou estar a gruta de Jeremias.

Localização da "Escarpa do Calvário" em frente ao muro norte

Durante anos Jerusalém foi destruída e reconstruída. Era normal construir a cidade nova sobre os restos da velha. Por isso hoje há restos de várias cidades, um em cima do outro, na mesma área. Assim, para localizar o nível do solo original nesta região do Moriá ele teve que cavar diretamente para baixo pelo lado da face do precipício.



O primeiro problema

Era janeiro de 1979 e havia nevado um pouco na área revirando a lama. Além disto, o local estava cheio de lixo e emanava um odor terrível que incomodou-lhes muito no início da escavação. Em pouco tempo descobriram que o local tinha uma enorme pedra subterrânea com um pedaço que saía do monte dificultando a escavação para baixo. A equipe era composta por apenas 3 pessoas na época, Ronald Wyatt e seus dois filhos Danny e Ronny que já tinham-no acompanhado anteriormente em várias viagens arqueológicas. Por causa da grande pedra eles decidiram começar cavando alguns metros à direita.

Entrada da escavação


O local da crucificação no Gólgota

A forma de crânio na escarpa levou muitos a crerem que esta parte separada do monte Moriá seria o lugar onde Jesus foi crucificado. O local de crucificação era fora dos muros da cidade e era chamado "O Lugar da Caveira" ou Gólgota (Mateus 27.33, Marcos 15.22, Lucas 23.33 e João 19.17). A Bíblia não menciona "um Monte Calvário" mas "Lugar da Caveira". Até hoje a forma enorme de um crânio pode ser vista na face sul da escarpa, embora a face do precipício tenha ganho pouco interesse antes do 18º século. Atualmente há um terminal rodoviário no local da escavação. Abaixo, fotos de 1870 até 2003.

A face do precipício: "Gólgota" (em aramaico), "Caveira" (em grego) ou "Calvário" (em latim)

Os olhos, o nariz e a boca da caveira


Na década de 80


Em meados dos anos 90


Em 2003 durante a construção do terminal rodoviário


O "Lugar da Caveira" visto do Muro Norte de onde a crucificação podia ser observada


Otto Thenius, um alemão, chegou à conclusão em 1842, que este era o local da crucificação. Também houve várias visitas dos americanos que tiveram a mesma conclusão: Rufus Anderson (1845), Fisher Howe (1853), Charles Robinson (1867) e Selah Merill (1845) junto com o inglês Henry Tristam (1858) e o famoso francês Ernest Renan, autor de "Vie de Jèsus" (1863) ("The Weekend That Changed the World", Peter Walker, 1999, página 113).

Esta escarpa está próxima ao Portão de Damasco que era o principal para entrar e sair da cidade onde havia uma estrada movimentada no tempo de Jesus. Marco Fabio Quintiliano, professor de Latim e escritor romano, registrou que crucificavam criminosos próximo das estradas para que muitos, por causa daquele castigo, temessem a prática do crime. Segundo os judeus de Sefardic este precipício também foi um local de apedrejamento, também conhecido como Mishnah.

Em Gênesis 22.14 também afirma que no monte Moriá Deus proveria o sacrifício do verdadeiro cordeiro, o Messias. Este precipício está na parte norte do monte.



A Tumba de Jesus

"No lugar onde Jesus foi crucificado havia um jardim, e nesse jardim um sepulcro novo, em que ninguém ainda havia sido posto." João 19.41

Realmente há uma tumba, descoberta em 1857, no lado ocidental da escarpa, aproximadamente 200 metros da face do precipício e é exatamente como está definida em Lucas 23.53. A Inglaterra comprou a área que até hoje pertence a uma associação inglesa. Também no local foram descobertas várias cisternas de água onde a maior tem aproximadamente 900 mil litros. Em 1942 foi descoberto um lagar antigo, evidenciando que já houve uma vinha ali. Wyatt iniciou as escavações na região entre a face do precipício e a tumba.




Vista aérea do local


Os Nichos

Wyatt e seus dois filhos começaram cavando diretamente para baixo da face do precipício, paralela a esta. Ao mesmo tempo que removiam vários baldes de pedra e terra eles tiveram que seguir as exigências do Departamento de Antigüidades peneirando tudo para não perder qualquer tipo de artefato. Como eles cavaram para baixo, encontraram 3 nichos cortados como "estantes" na parede do precipício. Alguns arqueólogos já haviam descoberto nichos romanos semelhantes, assim Wyatt reconheceu imediatamente para que serviram.

Os nichos ficam abaixo da "boca da caveira"


Nos tempos romanos era comum usar nichos para apoiar grandes placas sinalizadoras. As placas eram feitas de tábuas de madeira cobertas com gesso e eram usadas para fazer notificações. Como estes nichos estavam na parede do precipício e Jesus havia sido executado no estilo romano, era extremamente provável que os 3 nichos foram usados para apoiar cada uma das 3 placas da acusação escritas em três idiomas diferentes (João 19.19-20). Wyatt suspeitou que os 3 nichos descobertos eram seguramente das placas romanas que identificavam "o criminoso". As suas conclusões seriam confirmadas a seguir.

Uso dos 3 nichos para fixar as placas

Simulação no local no tempo das escavações


O placa mais alta foi fixada abaixo da "boca" da caveira.




A Cisterna

As paredes do local onde estavam escavando começaram a parecer instáveis assim passaram a escavar no local onde Wyatt havia apontado primeiramente. Ele achou que havia bastante espaço para cavar atrás da pedra subterrânea que anteriormente foi um obstáculo, assim começou a escavar entre a pedra e a parede do precipício. Agora a pedra formava um "teto" semelhante a uma marquise.



A uns 11,5 metros abaixo do nível do solo encontraram o antigo chão do local, o ponto mais baixo. Depois de remover cuidadosamente os escombros, eles acharam uma câmara com um diâmetro de aproximadamente 4,5 metros. Havia degraus em espiral na parede e mais acima um buraco. Era a evidência que a câmara deve ter sido transformada em uma cisterna. No buraco teria uma corda que desceria um balde para coletar água ou talvez grãos.



Ao cinzelar através do emboço usado como enchimento para moldar a cisterna, ele achou vários fragmentos de cerâmica e os levou até as duas casas de antigüidades da cidade para avaliação. Nelas o informaram que alguns datavam do tempo dos Jebusitas, antes de David ter tomado Sião e declarado Jerusalém a capital de Israel, mas as amostras mais recentes eram do período romano. Assim a câmara deve ter sido emboçada e transformada durante a era romana.



O local de apedrejamento

Com o achado dos fragmentos de cerâmica e das moedas, conseguiram então encontrar o nível do solo da época. Neste momento eles começaram a cavar horizontalmente um túnel ao longo da parede do precipício, até o local onde eles tinham iniciado as escavações. O propósito era achar uma entrada de uma caverna ou escavar até a parte subterrânea da face do precipício. Mas o que eles encontraram foi a evidência da violência que era cometida ali. Um metro acima da extremidade da cisterna terminava a fundação. Cavando diretamente um metro abaixo, Wyatt achou várias pedras do tamanho de um punho, e entre elas achou também ossos humanos, particularmente ossos de dedo. As muitas pedras incomuns e ossos espalhados mostraram claramente que o local não foi uma sepultura, e concluiu que poderia ter sido o local de apedrejamento descrito no livro de Atos 7.57-58, onde descreve o apedrejamento de Estevão.



O buraco da cruz

Wyatt continuou escavando em direção ao local inicial da escavação quando encontrou a fundação de uma edificação antiga, presa à face do precipício. Era uma pedra lisa prolongada de uma das paredes parecendo um altar. Alguém poderia tê-la usado como um "memorial", mas para quê? Havia pouco espaço na frente da pedra horizontal e Wyatt notara que estava coberta com calcário. Era tão incomum e tão simétrica que certamente fora cortada pelo homem e Wyatt a inspecionou mais intimamente. Erguendo-a ficou surpreso ao descobrir que estava cobrindo um buraco quadrado cinzelado na base da pedra. O lugar parecia ter estado intacto por vários anos e havia muita sujeira e escombros ao redor que escondiam o buraco. Ao remover tudo isso, viu uma rachadura no chão saindo daquele buraco. Era uma plataforma, como uma borda, estendida dois metros e meio na frente da face do precipício e era nesta borda que o buraco quadrado fora cinzelado. Na área da frente da borda ele achou outros três furos quadrados cinzelados no chão de pedra da mesma maneira como o primeiro. Os lados dos buracos tinham aproximadamente 30 a 33 centímetros. As medidas de Wyatt mostraram que o primeiro buraco com a rachadura localizava-se 4,2 metros diretamente abaixo dos três nichos. A sua teoria de que estes nichos poderiam ter sido usados para sustentar placas que descreviam a natureza do crime era agora confirmado pela localização dos buracos. Eram nitidamente buracos de cruz. As circunstâncias que levaram Wyatt a começar cavando ali e a sua confiança de que Deus estava lhe dando uma direção, o fez crer que o primeiro buraco com a rachadura poderia muito bem ter fixado a cruz de Cristo.



Mas não foi só isso que o levou a esta conclusão. A fundação da estrutura indicava que a área inteira havia sido coberta em um certo tempo. Poderiam cristãos terem erguido uma edificação ali em memória do que havia acontecido? O modo com que a estrutura foi construída ao redor do buraco e alguém ter colocado uma pedra em cima do buraco quadrado, fortalecia a sua convicção de que aquele era o buraco que de fato fixou a cruz de Jesus. A rachadura do buraco da cruz era típica de um terremoto. Não haviam marcas que caracterizasse o uso de martelo ou cinzela, então tinha que ter sido natural. Mateus afirmou que houve um terremoto quando Jesus estava na cruz: "... a terra tremeu, fenderam-se as rochas;" (Mateus 27.51). O buraco tinha uma profundidade de 59 centímetros. A rachadura do buraco era ainda mais profunda, mas naquele momento Wyatt ainda não havia medido a sua profundidade. Após um ano ele descobriu que ela tinha aproximadamente 6 metros abaixo do chão.

A fenda tem 6 metros de descida

Há diversas fendas de terremotos no Calvário




Datando a edifícação

Wyatt e sua equipe acharam moedas que possibilitavam datar a edificação. Uma das moedas tinha a inscrição de Tibério, imperador que governou Roma entre os anos 14 e 37. Nenhuma moeda de datas anteriores foi achada, mas haviam outras que datavam do ano 135. A partir destas evidências, Wyatt calculou que a edificação foi erguida entre o tempo da crucificação e o ano 135. O lugar foi construído provavelmente depois que o imperador Tito destruiu Jerusalém em 70. Desde o tempo da crucificação até a destruição da cidade, este local provavelmente ainda estava sendo usado. No livro "Guerras dos judeus", Livro V, Capítulo XI, parágrafo I do historiador Josefus, é narrado que cerca de 500 homens foram crucificados diariamente em Jerusalém no período de Tito. Isto teria tornado quase impossível para os cristãos construírem qualquer memorial no local até então. Quando Jerusalém foi totalmente destruída pelos romanos em 70, a crucificação em massa terminou, e a maioria dos judeus foram mortos ou vendidos como escravos. A cidade que era tão magnífica, e que havia experimentado sua segunda destruição por completo, foi reduzida a um acampamento romano. O segundo templo que tinha sido construído no mesmo local do templo de Salomão ficou totalmente em ruínas (Mateus 24.1-2) e a mobília dourada foi roubada. Umas oitocentas guarnições romanas ficaram estacionadas no acampamento para assegurar que ninguém tentasse reconstruir a cidade novamente. Os cristãos tinham sobrevivido à destruição de Jerusalém por terem sido advertidos por Jesus, quando exatamente deveriam deixar a cidade. Enquanto Jesus estava vivo, havia lhes contado que a cidade seria destruída, e lhes deu um sinal que indicava quando fugir e evitar a morte pela invasão do exército inimigo (Lucas 19.43-44).

Quando o imperador romano Hadrian chegou para reconstruir a cidade no ano 130, ele se mostrou tolerante para com os cristãos. Aos judeus porém, não lhes foi permitido pisar na cidade. O imperador chamou a nova cidade que construíra de "Aelia Capitolina". Os judeus que voltaram para a Judéia se revoltaram contra ele, resultando na morte de meio milhão de judeus. Como a moeda mais recente encontrada era do ano 135, possivelmente os cristãos perceberam que era a chance de levantar a edificação após a destruição de Jerusalém quando o Cristianismo foi tolerado pelos romanos, que lhes permitiram acessar essas áreas. A ausência de qualquer moeda com data após 135 indica que o local poderia ter sido abandonado nos anos seguintes. A condição dos restos da edificação indicavam que não foi destruída, mas abandonada e deteriorada naturalmente. Com o passar dos anos a área foi coberta por terra e escombros.

  1   2   3


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal