A atuaçÃo dos livreiros e a circulaçÃo de romances em fortaleza no século XIX



Baixar 34.88 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho34.88 Kb.
Ozângela de Arruda Silva (Mestranda em Teoria e História Literária - UNICAMP)
A ATUAÇÃO DOS LIVREIROS E A CIRCULAÇÃO DE ROMANCES EM FORTALEZA NO SÉCULO XIX.

Alguns comerciantes livreiros de Fortaleza do oitocentos ficaram registrados através da escrita dos memorialistas, dos almanaques e em alguns anúncios de jornal. Seguimos esses indícios e verificamos que o debate sobre a possível primeira livraria em Fortaleza se faz na escrita de alguns autores. Uns defendem que foi o estabelecimento de Antônio Ildefonso de Araújo, com a ressalva de que, essa loja, além de vender livros proporcionava um ambiente de socialização entre os freqüentadores (GIRÃO e SOUSA, 1987). Outros apontam para o comerciante Manoel Antônio da Rocha Júnior que, dentro da sua loja de diversos, abriu uma seção para a venda e aluguel de livros (CORDEIRO, 2000). Outra parte considera Joaquim José de Oliveira como o mais antigo dono de livraria e iniciante desse ramo de comércio (ABREU, 1922).

Alguns autores que comentaram o comércio livreiro cearense consideram livreiros os comerciantes que, dentro de suas vendas de artigos diversos, dedicaram-se também ao comércio do livro. Outros consideram apenas os livreiros que se dedicaram com maior exclusividade aos impressos, além de utilizarem seus estabelecimentos como espaço de sociabilidade. Em nosso caso, mais importante que identificar qual foi a “livraria” pioneira é chamar atenção para a presença, na Fortaleza oitocentista, dos estabelecimentos que promoviam a venda de livros; seja por mãos de comerciantes/livreiros que com o decorrer das décadas se especializaram na venda de livros, seja por mãos de comerciantes de diversos que conjuntamente ao acervo de variedades vendiam o objeto livro.

Entendemos que os livreiros cearenses muito contribuíram para o escoamento dos impressos na cidade. Através de suas campanhas de venda, sociabilidades e visão comercial tornaram-se agentes de difusão. Suas trajetórias deixaram rastros da leitura, construíram pontes para que a circulação das letras pudesse caminhar. Entretanto, foram, em grande medida, deixados de lado pela historiografia cearense. Em nosso trabalho, buscamos resgatá-los como "intermediários esquecidos da literatura";i como agentes que proporcionaram o escoamento de diversificados impressos na cidade, dentre esses impressos, os textos de prosa ficcional.

Observamos alguns nomes: Ildefonso Araújo, Rocha Júnior, Joaquim José de Oliveira, João Luiz Rangel, Gualter Silva, De Lacy Wardlaw, Satyro Verçosa. Esses são alguns dos homens que conseguimos identificar como comerciantes/livreiros atuantes na cidade na segunda metade do século XIX.

Para esse texto pretendemos apresentar três deles: Manoel Antônio da Rocha Júnior, Joaquim José de Oliveira e Gualter Rodrigues Silva. Observaremos algumas das suas atividades ligadas ao romance, entendendo esses homens como difusores de uma leitura consumida/comprada na cidade.

Comecemos com Manoel Antônio da Rocha Júnior. O Sr. Rocha Júnior era português, possuía loja na rua Formosa (atual rua Barão do Rio Branco). Era proprietário de algumas lojas de diversos no centro de Fortaleza, desde a primeira metade do século XIX.

Em 1849, Manoel Antônio da Rocha Júnior anunciava aos consumidores/leitores do jornal O Cearense que em sua loja era possível alugar livros. Mediante, claro, algumas especificações:


Leitura de livros.

Na loja de Manoel Antonio da Rocha Junior, na rua Formosa, alugão-se livros, debaixo das condições seguintes:

1° Pagarão mensalmente 2$000 por assignatura, pagos adiantados.

2° Deixarem depositado o valor da obra.

3° Responsabilisarem-se pela danificação que os livros soffrerem.ii


No anúncio, inicialmente, salta aos olhos a expressão "leitura de livros" utilizada pelo comerciante livreiro para chamar a atenção dos interessados pelo assunto. Após fisgar os leitores que, possivelmente distraídos, folheavam o jornal, o Sr. Rocha Júnior enumera suas condições de empréstimo: uma mensalidade fixa, um depósito de garantia e a responsabilidade pela obra. Mediante as condições estabelecidas, os livros eram retirados.

Mas quais eram os livros dispostos para o aluguel? O texto do anúncio não revela as obras. Entretanto, um comentário de Cruz de Abreu indica que a loja contava com grande acervo de obras jurídicas disponíveis na loja do Sr. Rocha Júnior no final da década de 40 do XIX.iii

Podemos imaginar a loja do Sr. Rocha Júnior não só alugando livros de assuntos jurídicos que, em geral, os profissionais necessitavam possuir para seu trabalho cotidiano, mas alugando também obras de poesia ou prosa ficcional que continham um verso ou história que não necessariamente deveriam ser relidos pelos leitores/consumidores para alguma aplicação. Dessa forma, o aluguel de obras literárias poderia ser uma boa opção não só para leitores de assuntos jurídicos como para os amantes de poesia, folhetins, romances, que com alguns poucos réis poderiam ampliar as opções e a diversidade de suas leituras.

Raimundo Girão faz um breve comentário sobre a loja de Rocha Júnior e sua prática de aluguel. O autor corrobora nossa hipótese de outras leituras disponíveis ao público. Diferentemente de Cruz de Abreu que concentra sua citação em obras jurídicas, Raimundo Girão comenta que em sua loja, Rocha Júnior "alugava romances e novelas, a tanto por mês, o que de alguma forma propiciava oportunidades de leitura àqueles que não podiam adquiri-los" (GIRÃO, 1971, p. 263).

Ainda não conseguimos verificar quais romances eram alugados por Rocha Júnior, no entanto, sabemos que além da compra os consumidores/leitores de Fortaleza poderiam optar por alugar romances em 1849.

Conjuntamente aos espaços de sociabilidade atuavam os comerciantes, como Rocha Júnior, com atividades de venda/aluguel que difundiam os impressos pela cidade. Até o início da segunda metade do século XIX, não encontramos registros de “lojas de livros” em Fortaleza. Mas, entendemos que possivelmente essa lacuna era preenchida por atividades de comerciantes, vendedores, que, como Rocha Júnior, dedicavam uma seção das suas lojas/vendas ao comércio de livros.

Passemos para o segundo livreiro. Em 1850, encontramos o segundo livreiro, escolhido para essa apresentação, em suas primeiras atividades livrescas. Joaquim José de Oliveira, desde as suas atividades iniciais, esteve relacionado ao comércio de ficção. Vejamos como isso aconteceu.

J. J. Oliveira era português, não sabemos quando chegou ao Brasil, mas viveu por muitas décadas em Fortaleza e morreu em julho de 1900. Durante muitos anos Joaquim foi editor do jornal cearense Pedro II. Como consta no artigo da Revista do Instituto do Ceará,iv em 1845, Joaquim morava em casa de esquina no sexto quarteirão da Rua da Boa Vista, na casa onde editava o jornal.

Segundo Cruz de Abreu, em 1850, como editor do Pedro II, foi incumbido de viajar ao Rio de Janeiro para comprar alguns materiais tipográficos para o jornal . Na volta da viagem, em 17 de junho de 1850, trouxe em suas malas não só o material tipográfico que foi escolher, como também um bom número de impressos. O autor afirma que:
[Joaquim] trouxe grandes quantidades de novellas, traduzidas de autores francezes, e contos infantis, romances de alta cavallaria, comedias e dramalhões, muitos ao sabor literário da gente que lia. E não era minguado o numero de leitores; quase todos os portuguezes bem installados então no commercio de Fortaleza amava o dramalhão, devoravam os livros bregeiros de Paulo de Kock e sabiam de cor o complicado enredo dos alentados romances de Alexandre Dumas (ABREU, 1922, p. 34).
Pelo que descreve o autor, a capital do Império deixou Joaquim encantado com o comércio das letras. Resolveu trazer em sua bagagem um pouco do que ele possivelmente achava que seria bem-vindo aos leitores cearenses que "devoravam os livros bregeiros de Paulo de Kock" e aos que "sabiam de cor o complicado enredo dos alentados romances de Alexandre Dumas".

Embora Cruz de Abreu não explique as causas das “compras extras” realizadas na viagem, provavelmente Joaquim já vinha sondando o comércio livreiro da cidade. Pensamos na possibilidade do editor do jornal ter percebido, antes da viagem, que havia um público consumidor para esse tipo de material. Talvez seus conterrâneos fossem possíveis clientes para um comércio das letras, já que, segundo o autor, "quase todos os portuguezes bem installados então no commercio de Fortaleza amavam o dramalhão".

Por trabalhar no jornal, Oliveira poderia ter contato, por exemplo, com a aceitação negativa ou positiva de determinados folhetins publicados no Pedro II, com anúncios de vendas de impressos, de procura por subscrições, de uma carência de espaços formais para a venda de livros na cidade, dentre outras tantas possibilidades. Anteriormente à viagem ou não, o fato é que Joaquim, observando uma possibilidade de venda, levou para Fortaleza diversos impressos de prosa ficcional.

Segundo os dados dos almanaques do Ceará, observamos a atuação do livreiro na cidade por um período de, no mínimo, 30 anos dedicados à venda de livros em Fortaleza, com loja sempre na praça da Municipalidade (atual praça do Ferreira).

Cruz de Abreu diz que tempos depois Joaquim José de Oliveira funda sua livraria. Provavelmente outras viagens ocorreram antes da inauguração, talvez Oliveira tenha levado para as terras alencarinas outros tantos livros desejados por alguns compradores/leitores, ação que pôde lhe proporcionar um panorama das demandas antes de se “aventurar” totalmente no comércio livreiro.

No inventário de morte de sua esposa, Angélica Alexandrina, são arrolados os bens do casal, dentre eles, o balanço da livraria no ano de 1870. Se em 1850 Oliveira levava para Fortaleza um variado número de textos ficcionais, em 1870, dispunha de muitos outros títulos. Vinte anos depois, obras de Camilo Castelo Branco, Macedo, Ponson du Terrail, Alencar, Paul de Kock e muitos outros compunham o acervo da livraria.

Já observamos dois livreiros e algumas das suas atividades relacionadas à venda de romances, agora, faz-se necessário observar um último comerciante dessa apresentação: Gualter Rodrigues Silva.

Gualter R. Silva era natural do Ceará, nasceu em 1843 e morreu em 1891, no entanto, sua livraria funcionou até o final do século XIX em mãos de sua viúva. Em 1870, atuou como caixeiro despachante, sendo 1 dentre os 10 nomes que constam nos almanaques daquele ano. Ainda em 1873 atuava como caixeiro. Ainda não sabemos se já nesse período fazia suas vendas de impressos, porém, na década de 80 do XIX, sua atuação como livreiro começa a se difundir nos jornais da cidade.

Ele procurou atuar não só como comerciante livreiro, em alguns momentos exerceu também atividades de editor. Verificamos a existência de referências para as obras Lendas e canções populares, de Juvenal Galeno, e A fome, de Rodolfo Teófilo, editados por “Gualter R. Silva Ed.”, respectivamente em 1892 e 1890; além do livrinho Catecismo da diocese do Ceará, doado pelo próprio livreiro para algumas escolas da cidade.

Para bem exercer suas vendas, assim como os outros livreiros, utilizava diversas artimanhas comerciais para chamar a atenção dos seus clientes. Seus anúncios sinalizam para uma “publicidade livresca” que se preocupava em angariar compradores/leitores para sua loja, em melhor apresentar e detalhar alguns títulos, além de proporcionar uma legitimação dos seus produtos à venda aos possíveis clientes/leitores.

Em 1887, no jornal Libertador,v Gualter R. Silva anunciava:

Juntamente com o “texto publicitário”, o livreiro expôs uma “imagem publicitária” que deixava o anúncio do seu “produto” à venda mais destacado na página do jornal. Certamente nos perguntamos se essa não era uma técnica comum ao período, ou mesmo ao ramo comercial em geral ao divulgar produtos. Possivelmente sim, no entanto, cada seleção escolhida para essa “arte publicitária” não acontece por acaso, está entrelaçada de significados, de escolhas, de tentativas para melhor agradar o olhar de um futuro cliente/leitor.

Assim, Gualter Silva informava aos interessados em leitura que em sua livraria havia vários romances à venda. Optava por não colocar títulos, mas o nome dos autores, possivelmente “Romances de E. Zola, J. Verne, Escrick [sic], Macedo e J. de Alencar” eram os mais procurados naquele momento, pelo menos, na seleção do livreiro, foram os indicados para compor o texto e chamar compradores.

O anúncio começa com o nome “romance” aparecendo em grandes letras, chamando a atenção do leitor do jornal para a delimitação do gênero de leitura que estava sendo anunciado, a imagem de um livro reforça a materialidade do impresso anunciado. A interferência visual da figura e o título do anúncio, possivelmente, encheu os olhos dos leitores que folheavam as páginas do jornal à procura de romances.vi

Mas, por que o livreiro selecionou esses cinco autores como “autores abre-alas” da sua livraria? Talvez esses autores circulassem mais junto aos consumidores da livraria naquele momento, já que para os outros preferiu indicar apenas: “e muitos outros na Libro-Papelaria de Gualter Silva”. Provavelmente eram nomes que, nas estratégias de venda elaboradas pelo livreiro, trariam retorno de público a sua loja.

O inventário de morte do livreiro Gualter Rodrigues Silva descreve o balanço de sua livraria em 1891. Ao consultar esse material, vimos que o livreiro possuía em seu estoque de vendas alguns títulos dos autores “selecionados” para o texto do anúncio anteriormente citado. Passados cinco anos, Zola, Verne, Escrich, Macedo e Alencar continuavam presentes nas prateleiras da “libro-papelaria Gualter”.

Não sabemos se, nesse outro momento, o livreiro ainda representaria seu anúncio com os mesmos cinco romancistas. No entanto, a partir do nosso levantamento parcial, percebemos que Gualter R. Silva ainda dispunha de 5 títulos e 34 exemplares de Zola (sendo 24 exemplares apenas de Contos à Ninon), 12 títulos e 15 exemplares de Macedo, 10 títulos e 13 exemplares de Verne, 10 títulos e 13 exemplares de Alencar e 26 títulos e 55 exemplares de Escrich.vii

Para aquele momento, Escrich era o autor de romances com o maior número de títulos disponíveis ao público. Suas obras possuíam preços distintos, variavam entre 2$000 réis para As culpas dos pais e 12$500 réis para A formosura da alma. Ou seja, um comprador/leitor de Escrich, que entrasse na livraria Gualter em 1891, poderia optar por títulos variados e preços para todos os bolsos.

Mas, não só esses cinco autores enchiam as prateleiras de prosa ficcional da livraria. A frase “e muitos outros”, colocada no final do anúncio anteriormente citado, cinco anos depois, ainda faz jus ao escrito.

Uma variedade de obras ficcionais estava presente no balanço de livros do estabelecimento. Os preços e títulos disponíveis na livraria atendiam realmente a todos os gostos e bolsos. Um comprador/leitor que estivesse disposto a gastar 1$000 réis em uma leitura ficcional, poderia sair da loja de Gualter Silva com As fábulas de la Fontaine em mãos. E se outros compradores/leitores necessitassem da mesma obra, realizariam a compra com tranqüilidade, pois, a livraria Gualter dispunha de 67 exemplares das Fábulas, todas a 1$000 réis. Com esse valor em mãos um cliente da livraria poderia comprar um exemplar de As fábulas de La Fontaine ou optar por uma régua de madeira, um frasco de aguardente, um envelope, ou, ainda, duas escovas de dente.

Com 2$000 réis um comprador/leitor levava para casa qualquer um dos três títulos de Aluízio Azevedo: O homem, O mulato, O coruja. Juntando mais 1$000 réis ao seu valor poderia escolher entre O primo Basílio de Eça de Queiroz, As pupilas do Sr. Reitor de Júlio Diniz ou Lucíola de Alencar. Ou ainda entre três títulos da Condessa de Segúr e dez títulos de Georges Ohnet. Para os que estavam dispostos a retirarem muitos mil-réis da algibeira, Gualter possuía cinco exemplares de Os miseráveis de Victor Hugo; três exemplares a 40$000 réis e dois exemplares a 50$000 réis.

Várias obras literárias estavam presentes na livraria de Gualter Silva, assim como na livraria de Oliveira e, possivelmente, na seção de aluguel da loja de Rocha Júnior. Esse último continuou com sua loja de diversos, mas não montou uma “loja de livros”. Entretanto, a livraria de J. J. Oliveira e a livraria Gualter Silva, durante mais de duas décadas, atuaram no mesmo período, com um acervo variado ofereciam ao público uma diversidade de títulos, inclusive, os de prosa ficcional.

Com preços para todos os bolsos e autores para todos os gostos esses homens, juntamente com outros livreiros do período, atuaram como uma das vias de difusão da leitura na cidade.

Nesse texto, apresentamos um levantamento parcial da circulação de romances atrelada ao comércio livreiro cearense do século XIX. Nossa pesquisa pretende apresentar um leque de obras de prosa ficcional que estavam disponíveis ao mercado consumidor/leitor do período. Trabalhando com o balanço das livrarias, com os preços dos livros e com os anúncios de “obras recém chegadas”, poderemos traçar um perfil de obras à venda em Fortaleza do XIX, observando a disposição das obras ao público/consumidor e a relação das obras levadas pelos livreiros para os fortalezenses do oitocentos.

Fica evidente que as obras dispostas não equivalem às obras compradas/consumidas, mas nos apresentam parte das possibilidades abertas ao consumidor/leitor. Acreditamos que, por serem comerciantes, os livreiros estavam atentos ao lucro, apostando em obras que possuíam saída, conseqüentemente, ganho para seus estabelecimentos. Assim, concordando com Maria Beatriz Nizza, ao falar dos catálogos dos livreiros, entendemos que as consultas às obras dispostas nas livrarias e à circulação de romances “nos abrem o leque de ofertas a partir do qual as preferências individuais podiam selecionar os livros” (SILVA, 2000, p. 154).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:


ABREU, Márcia. Os caminhos dos livros. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

ABREU, Cruz de. Presidentes do Ceará: segundo reinado cel. Joaquim Mendes da Cruz Guimarães 2° vice-presidente em exercício (De 1° de agosto de 1850 a 16 de novembro de 1850). Revista do Instituto do Ceará, Fortaleza, tomo 36, ano 36, p. 34, 1922.

CORDEIRO, Celeste. O Ceará na segunda metade do século XIX. In: Sousa, Simone. (org.). Uma nova história do Ceará. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2000.

CHARTIER, Roger. História cultural: entre práticas e representações. São Paulo: Difel, 1988.



_______. A beira da falésia: a história entre incertezas e inquietude. Porto Alegre: Ed. Universidade UFRGS, 2002.

DARNTON, Robert. O beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

_______. Edição e sedição: o universo da literatura clandestina no século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

GIRÃO, Raimundo. Pequena história do Ceará. 3. ed. rev. Fortaleza: Imprensa Universitária, 1971.

_______ e SOUSA, Maria da Conceição. Dicionário da literatura cearense. Fortaleza: Imprensa Oficial, 1987.

HALLEWELL, Laurence. O livro no Brasil: sua história. São Paulo: T. A. Queiroz / USP, 1985.

LAJOLO, Marisa. Como e por que ler o romance brasileiro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. “História da leitura luso-brasileira: balanços e perspectivas”. In: Márcia Abreu (org.). Leitura, história e história da leitura. São Paulo: Fapesp, Campinas: Mercado das Letras, 2000.




i A frase utilizada faz menção ao título de um texto de Robert Darnton do livro: DARNTON, Robert. O Beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

ii O Cearense, Fortaleza, 18 jun. 1849, n° 246, p. 4. (grifo do autor).

iii Cruz de Abreu cita algumas obras que, segundo ele, faziam parte do acervo da loja de Rocha Júnior: “Digesto Portuguez, - Digesto Brasileiro, - Ordenações e Leis do Reino, - O advogado do Povo, - Manual do Tabellião, - Doutrina das Acções, - Manual de Apellações e Aggravos, - Roteiro dos Orphãos, - Primeiras Linhas Orphanologicas, - Tratado Sobre os Tombos, - Diccionario jurídico e commercial, - Formulário dos Libellos, - Synopse do Código do Processo, - Tratado das Obrigações de Pothier, - Conselheiro Fiel do Povo, - Primeiras Limhas de Pereira e Souza, - Memória Sobre o Direito Pratico, - Código do Processo, - Código Criminal, - Lei da Guarda Nacional, Lei das Eleições. etc". Ver: ABREU, 1922, p. 33.

iv Esse trabalho está publicado na Revista do Instituto do Ceará como Documentário, Fortaleza de 1845, Almanaque do Ceará para o ano de 1845 tendo como autor Outro Aramac. Em nota é dito que possivelmente seria esse o pseudônimo de João Brígido que teria publicado esse material parceladamente no Unitário. Ao longo do texto seguem notas de João Nogueira. Consta que o material foi doado por D. Maria José Nogueira ao Dr. Manuel Albano Amora. Ver: OUTRO ARAMAC. Fortaleza de 1845. Revista do Instituto do Ceará, Fortaleza, tomo 62, ano 62, p. 237, 1958.

v Libertador, Fortaleza, 08 mar. 1887, ano 7, n° 67, p. 4.

vi Na revista A Quinzena do Clube Literário existe um anúncio de Gualter utilizando a mesma imagem como moldura de um outro texto que dizia: “LIBRO-PAPELARIA DE GUALTER R. SILVA montada para satisfazer ao commercio e às repartições publicas livros impressos de lettras e sciencias e sobretudo de ensino. RECEBE consignações de qualquer mercadoria GRANDE DEPÓSITO de papéis pintados aos preços da fábrica”. (grifo do autor). Ver: A Quinzena, 15 jul. 1887, ano 1, n° 11. A revista A Quinzena foi publicada em Fortaleza de 13/01/1887 a 10/06/1888, em 2 anos veiculou 30 números.

vii Inventário de Gualter Rodrigues Silva. Cartório de Órfãos de Fortaleza - CE. Pacote 122 – Processo 2 – 1892. Arquivo Público do Ceará.

Catálogo: estudos -> abralic
abralic -> Our doubts are traitors, And make us lose the good we oft might win, By fearing to attempt
abralic -> Leitores e livros no imperial colégio de pedro II i
abralic -> RecepçÃo crítica oitocentista da prosa ficcional de Joaquim Manuel de Macedo Introdução
abralic -> Cristina Betioli Ribeiro – (Doutoranda em Teoria e História Literária unicamp) franklin távora: um norte para o romance brasileiro
abralic -> Os romances nos anúncios da Gazeta de Lisboa e da Gazeta do Rio de Janeiroi I
abralic -> O passado e o romance: narrativas ficcionais e construçÕes históricas no século XVIII
abralic -> A sociedade como um teatro: relaçÕes perigosas, de choderlos laclos1
abralic -> A ascensão do romance no brasil – consideraçÕes acerca da presença do gênero em anúncios do jornal do comércio
abralic -> Revista ilustrada: romances e leitura no brasil dos fins do século XIX
abralic -> Profª Drª Maria Eulália Ramicelli (ufsm)


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal