A categoria de gênero nos livros didáticos



Baixar 48.74 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho48.74 Kb.

A CATEGORIA DE GÊNERO NOS LIVROS DIDÁTICOS


Fabiana Poças Biondo - Acadêmica / Letras - Universidade Estadual de Maringá – UEM


Resumo: A categoria de gênero é responsável pela divisão dos nomes em classes. Esta classificação se dá, na língua portuguesa, através da dicotomia: masculino e feminino. Ao abordar a aplicação desta classificação em livros didáticos do ensino fundamental, constatou-se alguns equívocos que remetem às falhas de determinação de conceitos de flexão de gênero. Foram analisados exercícios de diferentes livros didáticos atuais e usuais, nos quais foi possível constatar uma tendência bastante forte de ensinar o gênero por meio de uma íntima relação com o sexo dos seres. Esta idéia, imanente ao ensino do gênero, induz a uma mistura entre flexão de gênero e outros processos lexicais de indicar o sexo dos seres, como os processos de heteronímia e de derivação.

Introdução

Quando se trata da aquisição de conceitos, é necessário que se estabeleça uma considerável distinção entre a compreensão e a simples aprendizagem memorística de informações. A aprendizagem memorística, ou seja, a simples repetição e fixação de informações constitui-se num aprendizado bastante incompleto e falho, tendo em vista que os conhecimentos adquiridos desta maneira são mais rapidamente esquecidos e, portanto, não disponíveis para aplicação em novas situações. Desta forma, torna-se óbvia a necessidade de que o aprendizado seja realizado de maneira significativa a fim de permitir o desenvolvimento da capacidade de reflexão dos alunos sobre os conteúdos ensinados e sua utilização em novas situações-problema (Calsa, 2002; Coll, 1998).

Estudos recentes (Catelão, 2003; Dias, 2003; Calsa, 2002; Sposito, 2001; Coll,1998) mostram que a escola não tem levado os alunos a esse tipo de aprendizagem. Segundo estes estudos, os conceitos pré-estabelecidos dos alunos, incompletos ou equivocados conceitualmente, continuam persistindo mesmo após a transmissão de conhecimentos formais por parte da escola. Ou seja, muitos alunos permanecem com os mesmos conceitos (ou pré-conceitos) com os quais entraram na escola. Segundo Sposito (2001), a ausência de um modelo conceitual sobre os conteúdos, bem como aspectos estruturais da escola como o currículo, livros didáticos e formação dos professores são alguns dos fatores que têm contribuído para esta realidade.

No que diz respeito à aprendizagem de língua portuguesa e, mais especificamente de gramática, Catelão (2003) demonstra que os conceitos internalizados dos alunos muitas vezes têm se sobreposto aos aprendidos na escola. Em seu estudo, os melhores desempenhos em tarefas de análise sintática foram encontrados justamente entre os alunos que utilizaram melhor seus conhecimentos implícitos de gramática, ou seja, que utilizaram sua competência lingüística internalizada. Segundo o autor, localizar o sujeito de uma frase implica em um bom conhecimento de gramática que deve ser alcançado através de uma integração entre os conhecimentos prévios, que os alunos trazem consigo quando entram na escola, e os conhecimentos formais, que são os ministrados pela instituição de ensino.

Dada a importância do ensino de gramática na escola fundamental, para que os alunos possam compreender e produzir textos de maneira satisfatória, este projeto buscou investigar como estão sendo ensinados os conceitos a respeito da categoria de gênero, imanente aos nomes substantivos. A escolha dos livros didáticos analisados neste primeiro momento foi feita aleatoriamente entre os livros de língua portuguesa utilizados regularmente no ensino fundamental. Esta análise primária mostrou a ênfase dada por estes materiais à relação entre gênero dos substantivos e sexo dos seres. Esta abordagem do gênero dos substantivos, além de seus limites e equívocos conceituais, pode estar contribuindo para a manutenção dos conceitos implícitos dos alunos sobre o tema, ao longo da escolarização.

Complexidades da categoria de gênero

De acordo com Câmara Jr. (1984a), o conceito de categoria gramatical não deve estender-se apenas às classes de vocábulos, como o fazem algumas gramáticas, mas também, em sentido estrito, a todo um conjunto de “acidentes de idéia” que os falantes levam em consideração ao organizar sua língua. Dessa forma, pode-se utilizar a designação de categoria gramatical para a representação de todos estes acidentes, que permitem que idéias estritamente relacionadas não tenham que ser expressas por conjuntos fônicos completamente distintos, marcando assim, a economia da linguagem.

Dentre estas categorias, umas delas merece destaque por ser bastante complexa, portanto, constante alvo de estudos, e por, não raramente, ser pensada e trabalhada de maneira incoerente: a categoria de gênero. A categoria de gênero caracteriza-se por ser uma categoria nominal que divide os nomes em classes. Na língua portuguesa todos os nomes estão agrupados, quanto ao gênero, na dicotomia masculino/feminino. Esta categoria impõe-se de maneira tão forte, que quando se pensa em um nome, ele já vem com um gênero agregado. O que acontece, no entanto, é que muitas vezes pode-se encontrar incoerências na maneira como tal categoria é trabalhada, tanto nas gramáticas normativas quanto nos livros didáticos.

Isso acontece principalmente porque as pessoas costumam associar semanticamente a categoria de gênero ao sexo dos seres. Há uma tendência de se ensinar gênero por meio da diferença entre o sexo masculino e o feminino, o que acaba por criar uma grande confusão de sentidos.

Lapa (1982), em estudos relativamente recentes, reafirma a existência desta confusão semântica. Para ele, é bastante natural que os animais sejam divididos em machos e fêmeas. O que o deixa curioso, no entanto, é o fato de as pessoas transmitirem também para os objetos, ou seja, para os seres assexuados, esta idéia de diferença sexual. Para o autor, a língua portuguesa teria criado pares de substantivo para os substantivos masculinos, como saco-saca, barco-barca, cesto-cesta, além de outros, levando em consideração que os substantivos masculinos representam maior grandeza em relação à largura. Desta forma, para o autor, a língua portuguesa teria transferido para os objetos a imagem do homem e da mulher, vendo o homem mais forte, mais alto, mais esbelto, e a mulher mais baixa, mais larga e com curvas arredondadas. Essa visão metafórica do autor torna explícita a forte tendência para ligação do gênero gramatical com o sexo dos seres.

Câmara Jr. (2000, p.62) busca esclarecer esta confusão conceitual lembrando que existe nos nomes de animais uma relação do gênero com o sexo, tanto é que muitos deles são marcados através da diferenciação do sexo masculino e feminino. Porém, de acordo com o autor, mesmo com os animais esta idéia, com certeza, não é absoluta: “mesmo no reino animal tal coincidência está longe de ser absoluta”. Para confirmar a fragilidade da natureza do sexo em relação ao gênero gramatical, Câmara Jr. (1984) apresenta vários argumentos. Primeiramente, chama a atenção para o fato de que o gênero se faz presente em todos os nomes substantivos portugueses, sem exceção, quer sejam seres providos de vida (passíveis então da distinção de sexo), quer sejam objetos e coisas (portanto sem vida), dos quais traz o exemplo dos substantivos casa, ponte, andaiá – femininos, e palácio, pente, sofá – masculinos. O lingüista destaca o fato de que “explicar todas essas ocorrências pela metáfora, à maneira de pansexualismo freudiano como até certo ponto tentou Leo Spitzer, embora numa focalização diacrônica, não nos levaria muito longe” (Câmara Jr., 1984b, p.88). Nesta concepção pansexual enquadra-se os estudos de Lapa (1982), mencionados anteriormente.

Em outro momento, Câmara Jr. (1980, 1984a, 1984b) atenta para o fato de, mesmo em substantivos relacionados a animais e pessoas, não raras vezes, se encontrar esta discrepância entre gênero e sexo. Para exemplificar sua idéia, cita o substantivo testemunha, do gênero feminino, mesmo quando se refere a pessoas do sexo masculino. É o mesmo caso de cônjuge, substantivo exclusivamente do gênero masculino, independente de sua utilização por um ou outro sexo. O mesmo acontece com os animais denominados epicenos, como a cobra, o tigre ou o jacaré, que possuem apenas um gênero, quer designem animais de sexo feminino ou masculino.
Na realidade, sob o aspecto semântico, trata-se [a categoria de gênero] de uma categoria formal, para os nomes, como as três conjugações são em português uma classificação formal dos verbos. A diferença entre uma e outra está na circunstância de que o gênero pode variar para um mesmo nome substantivo, condicionando uma especialização de sentido, que no reino animal, quando há variação de gênero, é em regra correspondente à distinção de sexos. (...) (Câmara Jr., 2000, p.62)
Outro problema inerente à classificação do gênero, conforme Câmara Jr. (1984b), é a confusão estabelecida entre flexão de gênero e processos lexicais ou sintáticos utilizados para marcar o sexo. Segundo o autor, este problema é comum, principalmente nas gramáticas normativas, onde se costuma opor o substantivo mulher – feminino – a homem. Na verdade, mulher é um substantivo privativamente feminino, que está relacionado ao substantivo homem, privativamente masculino, apenas por uma correlação semântica. Esses casos, chamados de “heteronímia” não entram na flexão de gênero da língua portuguesa, pois, são apenas formas de marcar o sexo dos seres. Fato semelhante ocorre com substantivos como imperatriz e imperador. O primeiro possui sufixo desinencial triz, não flexional, enquanto o segundo possui sufixo não flexional, dor. Dizer que este é um caso de flexão de gênero é afirmação equívoca, pois, de acordo com o autor, é confundir flexão com derivação. O mesmo ocorre com os substantivos perdigão/perdiz, galo/galinha, entre outros.

Outro fato a ser considerado é a confusão aplicada aos nomes de animais ditos epicenos. É comum acrescentar-se a nomes que se referem a esses animais as palavras ‘macho’ e ‘fêmea’, conforme designem animais do sexo masculino ou feminino. Porém, esta distinção refere-se apenas à natureza sexual dos animais, e não a uma flexão de gênero, como se costuma dizer. Ora, o acréscimo destas palavras não é obrigatório, e, além disso, o gênero não muda com a indicação do sexo. Tomemos o exemplo cobra, apresentado anteriormente. Trata-se de um substantivo exclusivamente do gênero feminino, como se pode comprovar pelo uso do artigo feminino a – a cobra, independente de acrescer-se a ele as palavras macho ou fêmea. (Câmara Jr., 1984b)

É possível discordar, portanto, de afirmações como as de Kehdi (2002, p.29), segundo as quais o “gênero, em português, pode exprimir-se através de flexão [...], de derivação [...] ou de heteronímia [...]”, tendo em vista que essas outras formas de marcar o sexo não devem ser confundidas com a marca de gênero gramatical. Deve-se ter clareza da distinção entre gênero gramatical e a simples noção semântica de sexo dos seres. O sexo não é, portanto, um critério sistemático de classificação do gênero, pois, esta se dá, na maioria dos casos, através de regras formais, muitas vezes arbitrárias, ou à luz da analogia – “essa filha do instinto natural da imitação, princípio que exerce influência larga [...] em todo o domínio da linguagem” (Barreto, 1980, p.73). Segundo Câmara Jr. (2000, p.62), desde que “deixemos de considerar a categoria de gênero como umbilicalmente ligada à de sexo, introduzimos enorme simplificação na sua apreciação em português”.

Apesar de tratar-se de um tema extremamente polêmico e de repercussão importante no ensino da língua, o levantamento bibliográfico de pesquisas recentes1 sobre categoria de gênero mostra carência bastante grande na abordagem deste tema. Entre dissertações e teses produzidas nos últimos dez anos encontrou-se apenas um trabalho direcionado a este assunto. Botelho (1996), em sua dissertação de mestrado, investigou a formação da flexão de gênero dos substantivos portugueses, concluindo que ela é inadequadamente tratada na gramática escolar pela confusão freqüente entre sexo e gênero gramatical.

No ensino fundamental, a categoria de gênero é um dos conteúdos trabalhados pelos professores de língua portuguesa. Segundo Catelão (2003), com base em estudos de vários autores (Neves, 1991; Ignácio, 1993; Batista, 1997 e Lonardoni, 2001 apud Catelão, 2003), o ensino de língua portuguesa, e mais especificamente o ensino de gramática, vem sendo desenvolvido de forma mecânica e repetitiva. Esta forma de abordar a gramática não se adequa à nova postura do ensino de língua portuguesa proposta pelos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental (Secretaria de Educação Fundamental, 1997). Segundo estes documentos, o ensino da língua deve exercitar a capacidade humana de refletir, analisar e pensar sobre os fatos e os fenômenos que envolvem a linguagem. É preciso que os professores estejam conscientes desta necessidade, a fim de que auxiliem seus alunos no desenvolvimento de uma capacidade lingüística significativa. A reflexão torna possível a diferenciação dos conceitos de gênero gramatical e gênero biológico, ponto a ser investigado nesse estudo.
Apresentação e discussão de resultados parciais
Embora o estudo preveja uma abordagem mais ampla e completa, contando com uma amostra maior de livros didáticos de língua portuguesa – selecionados a partir de sua utilização em escolas da região – bem como com a análise de gramáticas normativas diversas, este trabalho traz um recorte da análise parcial realizada nos primeiros livros didáticos. Ao analisar as aplicações de gênero neste material pôde-se constatar, até o presente momento, que a confusão conceitual entre o gênero gramatical e a natureza do sexo dos seres é uma idéia bastante forte, bem marcada na mente das pessoas, e que se faz presente no ensino de gramática das séries fundamentais.

Com base em exercícios retirados desta amostra preliminar foi possível destacar as confusões mais comuns no que se refere às discussões de gênero. Os exercícios dos livros didáticos deixaram evidentes as complicações causadas pela influência da marca sexual sobre o gênero dos substantivos. Observou-se ainda a falta de distinção entre flexão e outros processos aleatórios de indicar o sexo, como a derivação, a heteronímia e a utilização das palavras macho e fêmea em nomes de animais conhecidos como epicenos. Essas confusões semânticas podem ser observadas nos seguintes exemplos, selecionados aleatoriamente da análise preliminar:


Exemplo 1

Escreva de novo as frases, colocando no feminino os substantivos destacados. Se for necessário, faça mudanças na frase.




  1. Você parece ser um bom leitor.

R: Você parece ser uma boa leitora.


  1. Um galo preto ciscava no quintal do vizinho.

R: Uma galinha preta ciscava no quintal da vizinha





  1. Quando o freguês foi embora, respirei aliviado.

R: Quando a freguesa foi embora, respirei aliviado.


  1. Era uma cena perigosa. O ator acabou se machucando.

R: Era uma cena perigosa. A atriz acabou se machucando.

(Faraco ; Moura, 1996, p. 36)


No exercício acima percebe-se uma mistura entre flexão de gênero e o processo derivação. De acordo com Câmara Jr. (1984b, p.89), o “substantivo galinha é um diminutivo de galo, que passa a designar as fêmeas em geral da espécie galo”. Dessa forma, ao opor galinha como feminino de galo o exercício estabelece uma correlação semântica com o sexo desses animais, já que o sufixo -inha, de galinha é derivacional e não flexional. Nessa mesma concepção, para o autor, o substantivo ator se caracteriza, não flexionalmente, pelo sufixo derivacional –tor, e atriz, analogamente, pelo sufixo derivacional –triz. Dizer que –triz ou –inha são aí flexão de gênero é confundir, para Câmara Jr, flexão com derivação. Os casos de flexão estão marcados em freguês/freguesa e leitor/leitora.
Exemplo 2

Ligue o substantivo masculino ao substantivo feminino correspondente:


ator cabra cavaleiro vaca

bode juíza cavalheiro ovelha

genro atriz zangão amazona

juiz nora touro dama

príncipe profetisa carneiro abelha

profeta princesa herói heroína

(Godoy, 2001b, p.161)
Nesse exercício, percebe-se que o objetivo pretendido desde o título não se faz cumprir na escolha dos substantivos apresentados. Isto porque, ao opor o substantivo nora (feminino), por exemplo, como feminino de genro (masculino) o livro didático está utilizando um processo de heteronímia. Segundo Câmara Jr. (1980) este processo não cabe dentro da flexão de gênero. Desta forma, o que o exercício propõe que seja ligado não são os substantivos masculinos aos substantivos femininos, enquanto critério de gênero, mas sim pares de “sexos” opostos. Já nos substantivos ator/atriz o que se tem é a já mencionada confusão de flexão com derivação, que também não cabe ao propósito desta categoria, conforme Câmara Jr. (1984b, 2000).
Exemplo 3
Compare os substantivos no masculino e no feminino e circule só o que está diferente:


Masculino

Feminino

O genro

A nora

O guia

A guia

O herói

A heroína

O homem

A mulher

O imperador

A imperatriz

(Godoy, 2001a, p.159)

Neste exercício, os problemas são bastante parecidos com os citados anteriormente. Encontramos novamente casos de heteronímia, nos pares semanticamente opositivos genro/nora e mulher/homem, caso de derivação, por exemplo nos substantivos imperador/imperatriz, além da peculiaridade do substantivo guia, que não sofre alteração para marcação do gênero – a não ser no emprego do artigo – independente de ser utilizado para referir-se a seres de um ou de outro sexo. Depara-se mais uma vez com as confusões conceituais tão comumente observadas nas aplicações da categoria de gênero.


Conclusões preliminares
Os resultados obtidos até então, na análise parcial da primeira amostra de exercícios de livros didáticos, deixam claros que existe uma complexa e confusa rede de conceitos que regem as aplicações de gênero.

Com base nesses resultados foi possível constatar que não existe uma distinção clara, por parte desses materiais, entre o processo de flexão de gênero e outros processos lexicais ou sintáticos comumente utilizados para marcação do sexo dos seres. Além disso, é possível admitir que a influência semântica que diz respeito à natureza do sexo dos seres se faz extremamente marcada e é responsável, na maioria das vezes, pelas confusões conceituais estabelecidas.

De acordo com esses resultados preliminares, é possível considerar que apesar de existir um complexo mundo de idéias por traz da categoria de gênero, que convergem entre si a cada momento e não são passíveis de uma definição taxativa e imposta, alguns equívocos se fazem nítidos nas aplicações de tal categoria, que se constitui em um dos tópicos mais confusos da gramática normativa.

Pode-se dizer então que, apesar de o presente trabalho estar ainda em caráter exploratório, já se faz nítida a importância ressaltada por Câmara Jr. e que vale repetir:

... desde que deixemos de considerar a categoria de gênero como umbilicalmente ligada à de sexo, introduzimos enorme simplificação na sua apreciação em português”. (Câmara Jr. 2000, p.62),

Referências
BARRETO, M. Novos estudos da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Presença; Brasília, DF: Fundação Casa do Rui Barbosa, 1980.

BOTELHO, J.M. Gênero imanente do substantivo no português. 1996.91f. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ. Disponível em: Acesso em: 08 mar.2003.

CALSA, G. C. Intervenção psicopedagógica e problemas aritméticos no ensino fundamental. Campinas: Unicamp (tese de doutorado), 2002.

CÂMARA JUNIOR, J. M. Dicionário de lingüística e gramática. 11.ed. Petrópolis: Vozes, 1984a, Pp.70-1.

CÂMARA JUNIOR, J. M. Estrutura da língua portuguesa. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 1984b.

CÂMARA JUNIOR, J. M. Princípios de lingüística geral: como introdução aos estudos superiores de língua portuguesa. 6. ed. Rio de Janeiro: Padrão – Livraria Editora, 1980.

CÂMARA JUNIOR, J. M. Problemas de lingüística descritiva. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

CATELÃO, E. e CALSA, G. Desenvolvimento de estratégias de definições do sujeito utilizadas por alunos do ensino fundamental. Revista Colloquium (em avaliação).

CATELÃO, E. e CALSA, G. Examinando a interface sintático-semântica dos procedimentos de análise sintática utilizados por alunos do ensino fundamental. In: Semana de Letras: Outras Palavras. XIV, 2003, Maringá. Anais... Maringá: UEM/DLE, 2003. (em avaliação)

COLL, C. Os conteúdos na reforma: ensino e aprendizagem de conceitos, procedimentos e atitudes. Porto Alegre: Saraiva, 1998.

DIAS, L. V. H. e CALSA, G. C. Estudo sobre o conceito de compreensão textual de alunos do ensino fundamental. Maringá: Revista teoria e prática da educação, 2003 (Em apreciação).

FARACO ; MOURA. Linguagem nova: 5ª série. 5. ed. São Paulo: Editora Ática, 1996.

GODOY, M. Língua portuguesa: 3ª série. 1. ed. São Paulo: Ática, 2001a. Coleção Nosso Mundo.

GODOY, M. Língua portuguesa: 4ª série. 1. ed. São Paulo: Ática, 2001b. . Coleção Nosso Mundo.

KEHDI, V. Morfemas do português. 6. ed. São Paulo: Ática, 2002. Série Princípios.

LAPA, M. R. Estilística da língua portuguesa. São Paulo: Martins Fontes, 1982.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares nacionais: Língua Portuguesa. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998.

SPOSITO, N. E. C. Concepções de estudantes do ensino médio sobre a nutrição vegetal. UNESP: tese de mestrado, 2001, 156p.



1 Dados coletados no banco de teses – CAPES/2003


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal