A ciência como conhecimento em movimento



Baixar 26.76 Kb.
Encontro01.08.2016
Tamanho26.76 Kb.

A ciência como conhecimento em movimento


Michel Paty

Centre National de la Recherche Scienfique (cnrs); Equipe Rehseis; Université Paris 7; Departamento de Filosofia/USP

1. A minha questão é a seguinte: Quando se considera uma ciência através de um processo histórico, mesmo localizado, sempre constatam-se mudanças e até progresso: aponta este movimento para uma diferença entre conhecimento (relacionado à idéia de movimento e de procura) e saber (conjunto de conteúdos considerados estaticamente)? O que se chama ciência é este saber, ou é também este conhecimento em movimento? Deve-se considerar a racionalidade somente nas proposições estabelecidas ao final, ou ela participa do próprio movimento que elabora a ciência? A ciência em elaboração é um campo de problemas filosóficos? Em que sentido?

2. Devo comentar um pouco sobre esta questão, seus porquês e como. Trata-se, com a formulação aqui proposta, de especificar um aspecto da ciência considerada de maneira geral como objeto de investigação pelo pensamento. Tal aspecto é que a ciência se transforma, muda, nas suas formas e nos seus conteúdos de significação: ela varia e se modifica com o tempo, com a história dos homens no tempo; ela é histórica, porém contínua, apesar das diferenças de formas e de conteúdos, assegurados e confirmados (até um certo ponto), pelos confrontos com a efetividade ou a realidade do mundo (com os fenômenos) e também pela sua expressão racionalizada, por sua organização racional.

3. Ela continua sendo a ciência, em particular porque ela nos é inteligível, por ser racional e capaz de ser assimilada e comunicada, e vamos admitir aqui que se ela nos é inteligível, é fundamentalmente por ser racional. É verdade que a idéia da ciência como algo racional não é aceita por todos: os empiristas consideram outras propriedades do conhecimento, além da razão, e notavelmente a “evidência empírica”, para justificar este conhecimento como legítimo e admitido. Na verdade, as palavras formadas para explicitar a razão e explicitar sua função, tais como “racional” (na forma de adjetivo ou de substantivo, “o racional”) e “racionalidade”, são muitas vezes ausentes das considerações dos filósofos do tempo presente. É verdade também que é difícil definir exatamente todos estes termos, que são tomados geralmente de maneira intuitiva, ao invés da lógica, pois só a lógica tem uma definição e operatividade exata, que pode ser reduzida a signos e sequências ordenadas de signos para expressar uma operação exata da mente sobre objetos exatamente definidos. A razão é mais complexa do que a lógica, pois ela opera de maneira não tão precisamente definida e sobre objetos que não são definidos de maneira exata e unívoca como os objetos de um raciocínio lógico. A razão é complexa, ela não se reduz à lógica, mas sabemos por experiência (a nossa experiência própria e a experiência dos cientistas ao longo da história) que sem ela não teríamos conhecimentos seguros e objetivos (capazes de libertar-se da subjetividade, do seu peso e das suas limitações, como crenças chamadas precisamente “irracionais”, imersas nos afetos e nos sentimentos, ou mitológicas) e nem poderíamos comunicar os nossos conhecimentos a outros. Pode-se atribuir várias formas de racionalidade aos vários domínios do conhecimento (Bachelard fala, neste sentido, de racionalidades “regionais”, segundo as disciplinas científicas) e aos vários gêneros, relacionados com os diversos campos da razão, abstrata, pura à maneira da matemática, científica, prática (orientada pela consideração de questões morais), técnica etc. Mas nessa diversidade dos tipos e das formas de razão em relação com seus objetos de aplicação, existe uma unidade de função de todas elas, que nós chamaremos de função de racionalidade, que permite considerar uma coerência (possível) no ser pensante entre seus vários campos de pensamento e de ação.

4. Admitindo estas considerações (que poderiam e deveriam ser investigadas em mais detalhes ainda), retomemos os elementos de questionamento sobre o objeto “ciência” considerado como evolutivo e histórico. Em geral, a filosofia, quando considerava a ciência como seu objeto de reflexão, a tomava no seu estado supostamente atual, na forma de suas proposições estáticas. A atitude, exemplar a este respeito, de Kant, era de se perguntar como a ciência é possível, como ela é um conhecimento inteligível e seguro, e ele foi assim levado a formular o seu edifício da teoria crítica da razão pura. Ele tomava de início a ciência tal como ela acabava de ser transformada e edificada na modernidade, como já adquirida de maneira essencialmente bem delineada nas suas grandes estruturas, e parecendo bastante segura, com o papel notável da ciência newtoniana, da matemática e da física matematizada. Esta ciência nova mostrava um grau bastante alto de verdade, pois combinava o caráter inteligível com a adequação à natureza, dando conta de uma grande quantidade de fenômenos naturais. A potência da teoria física da época (a mecânica ou dinâmica) lhe vinha da forma matemática da sua expressão, que todos os avanços do século xviii tinham confirmado e ampliado, em particular nas áreas da mecânica dos corpos e da astronomia matemática. A análise (infinitesimal, ou diferencial e integral), fundada por Newton e Leibniz na última parte do século precedente, tinha sido desenvolvida consideravelmente, em primeiro lugar, pelos discípulos de Leibniz (na escola dos Bernoulli, e nas academias parisiense e berlinense), e, ao tempo de Kant, mesmo pela obra notável e celebrada dos “Geômetras” (matemáticos e físicos-matemáticos tais como Euler, Clairaut, d’Alembert, Lagrange…).

Os avanços deste ramo da matemática e sua utilização nos fenômenos mecânicos e astronômicos e até no próprio pensamento a seu respeito, parecia dar uma grande segurança a respeito das possibilidade da razão humana no conhecimento do mundo. Claro que existiam muitos ramos do conhecimento que não pertenciam ao domínio da mecânica e cuja aproximação não se fazia, nem se podia fazer, da mesma forma, como este uso particular da matemática no pensamento da mecânica. Mas a matemática dava uma grande lição até para os outros conhecimentos, sendo ela, segundo Kant, um exemplo nítido da “razão pura”. Era assim possível, baseando-se nos resultados mais seguros da ciência do seu tempo, delinear uma teoria crítica da razão pura, que permita entender como é que a ciência (na variedade dos seus ramos) é possível.

5. Encontramos aqui uma lição do programa kantiano de justificação racionalista do conhecimento, que é este de tomar o conhecimento, na forma e nos modos que ele tem, como um fato, e sendo este um fato, como os demais fatos, é legítimo tentar entendê-lo (como ele é, e, sobretudo, como ele é possível). Ao contrário do empirismo, a perspectiva kantiana é de entender o conhecimento racionalmente, e por isto, de estabelecer racionalmente a sua possibilidade. Tal é um aspecto importante, talvez o mais importante, da questão “a ciência como objeto”. Temos que entender como é que a ciência é possível, a ciência considerada como sendo um conhecimento seguro (pelo menos bastante seguro) e inteligível, isto é, captado pela estruturação racional do pensamento do sujeito humano transcendental. Esta estruturação racional era concebida por Kant (das “formas puras da sensibilidade”, que enquadram e condicionam a percepção, até as categorias do entendimento que permitem a apreensão analítica e sintética, incluindo o “sintético a priori”, nó da elaboração kantiana) como intangível, adquirida uma vez por todas1. Se não fosse o caso, estimava ele, recairíamos nas perspectivas do empirismo, sem possibilidade de entender porque se entende a ciência: ela seria simplesmente dada, e deixaria de ser a ciência, se ela não fosse enquadrada pela razão (pura). Em princípio, o conhecimento segundo Kant pode se modificar e crescer. Mas, basicamente, ele teria que ficar dentro dos moldes da razão pura, os quais, por abrangentes que estejam, estavam, como nós sabemos hoje, marcados pelos limites da ciência mais segura do tempo, elaborada em tôrno da mecânica clássica.

6. Ora, a ciência muda, sem entretanto deixar por isso de ser ciência. A ciência mudou desde o tempo do iluminismo e da filosofia kantiana, sem deixar de ser ciência, e na continuação daquela precedente, mas sem mais se deixar adequar aos requisitos da filosofia kantiana que devia, pelo menos, sofrer alterações e ser adaptada. Tais tentativas foram feitas pelos neo-kantianos: por exemplo por Ernst Cassirer, que propôs superar os limites da concepção kantiana do espaço e do tempo, inadequada para dar conta da teoria da relatividade, substituindo estas formas da intuição pura por uma “função de espacialidade” permitindo a construção de conceitos de espaço e de tempo mais físicos e adequados às exigências da física contemporânea2. Mas este tipo de adaptação sofre de uma falta de generalidade, quando se necessita repensar as grandes linhas da filosofia racionalista. Em particular, era necessário reconsiderar o sintético a priori, que Kant colocava no centro do seu edifício. Os empiristas e positivistas lógicos, propunham uma pura e simples “dissolução do sintético a priori”, mas esta seria também a dissolução da racionalidade. Pois, com a rejeição do sintético a priori, rejeita-se a sua função, que é a da organização racional dos elementos de conhecimento.

7. Se nós compartilhamos da perspectiva racionalista, no sentido kantiano da superação do empirismo, nós temos que manter a idéia de uma função de racionalidade, que teria de ser concebida diferentemente do sintético a priori kantiano no sentido estrito, isto é, no seu caráter intangível, inerente, na sua forma proposta, ao pensamento humano3. Da nossa perspectiva racionalista, pretendemos, como Kant, tomar a ciência como um dado, sem com isso nos satisfazer com a sua simples aceitação à maneira dos empiristas, mas tentando entendê-la com a razão. Só que nós sabemos agora que este objeto da nossa investigação, o conhecimento científico, transforma-se historicamente de tal maneira a colocar em jogo até as noções que nos pareciam as mais bem estabelecidas e fundadas (espaço, tempo, uma certa acepção da causalidade etc.). Tomando como objeto de investigação a ciência tal como é dada, temos que levar em conta esta lição dos fatos do conhecimento: a ciência muda, nossas formas de conhecimento mudam também. A nossa concepção das condições de possibilidade também vão ter que mudar, se mantemos o programa de uma inteligibilidade racional do objeto científico mesmo. Há indícios de que tal programa não só é legítimo, mas também é conformado aos fatos (a ciência e sua história). É possível pensar que a razão seja capaz de dar conta destas mudanças, pois ela fornece de fato conhecimentos teóricos, que estão bem longe de todo empirismo, e que são pelos menos tão adequados quanto na época de Kant (em verdade, eles são mais adequados, e mais diversificados). São conhecimentos inteligíveis que por sua firmeza parecem bem fundados na razão. Tais índices sugerem o rumo a tomar para nossa investigação: temos que empreender novamente, como Kant o fez no seu tempo, o estudo das estruturas da razão, mas numa perspectiva transformada pelo fato de mudanças radicais do conhecimento e da estruturação do conhecimento terem ocorrido e, portanto, serem possíveis. O guia a seguir será considerar a racionalidade não como uma forma fixa e fechada, mas como sendo definida essencialmente por sua função: como a função do pensamento que integra os conhecimentos de tal modo que nos tornam inteligíveis.

8. Há outros aspectos das mudanças no “objeto ciência”. Mencionamos apenas alguns: a questão de fundamentos racionais do conhecimento não sofre da impossibilidade lógica encontrada no século xx pela questão dos fundamentos lógicos, mas se se fala de fundamentos, não pode ser no mesmo sentido que previamente, e a noção de fundamentos ou de fundação deve ser repensada. Em particular, se se pode pensar em atribuir fundamentos racionais ao conhecimento científico, é claro que estes fundamentos não podem ser concebidos como já presentes no início, como uma base estática que conteria em potência o conhecimento, atual e futuro. Seria no melhor dos casos uma base provisória, considerada como numa parada no caminho, para avaliar onde estamos e o que temos obtido em matéria de conhecimento assegurado. Aqui aparece uma distinção necessária a ser feita entre conhecimento (relacionado com a idéia de movimento e de procura) e saber (como conjunto de conteúdos considerados estaticamente). O que se chama ciência não se limita a um saber considerado parado, mas é também e sobretudo este conhecimento em movimento. Uma questão de fundamentos de uma ciência em movimento só pode ser considerada dinamicamente: o saber atual não é o fim da ciência, a ciência de hoje está direcionada para a ciência de amanhã, e toda questão de fundamento só pode ser considerada “pela frente”4.

9. Um dos aspectos da dimensão dinâmica da ciência é este da natureza dos elementos de novidade que aparecem, e que eram impensáveis anteriormente. Esta novidade é criada, no lugar próprio do pensamento, antes de ser comunicada e posta à disposição dos outros pensamentos. A dinâmica da ciência dada como inteligível, nos remete ao mesmo tempo, e num mesmo movimento, à objetividade de seus conceitos e teorias, e à um processo criativo do sujeito transcendental movido pela exigência interna de entender melhor, de chegar a uma maior inteligibilidade racional. Esta “criação científica”, ligada à inteligibilidade e à assimilação e apropriação do conhecimento, manifesta-se como a resposta do sujeito transcendental à exigência do conhecimento objetivo ser inteligível por ele e pelos outros sujeitos (ali entra a intersubjetividade). Ela constitui um problema filosófico em torno da racionalidade, ligado com a faculdade de intuição (intelectual) como representação mental sintética de um conjunto de elementos de conhecimento integrados entre si5.

10. Enfim, propomos uma última consideração (por ora) sobre esta criação mental que faz nascer formas novas e conteúdos novos de conhecimento, como conseqüência “transcendental” da transformação do conhecimento: tal mudança, ou criação, por ser entendida racionalmente, supõe, como condição de possibilidade, uma mudança correspondente da forma da racionalidade mesma. De tal maneira, com efeito, que na permanência da função de racionalidade, esta racionalidade também evolui, se fazendo mais abrangente, permitindo a extensão do conhecimento fora dos seus limites anteriores, dando aos novos elementos de conhecimento a possibilidade de ser concebidos e formulados. Esse duplo movimento resulta, em última instância, da interação do pensamento com o mundo, segundo os modos do conhecimento científico. Esta perspectiva esclarece também as modalidades do pensamento humano comum, e das suas adaptações aos meios ambientes, na geografia e na história, levando à formas refinadas de conhecimento e de uso da função do racional.

Referências


Cassirer, E. [1921]. “Zur Einstein'schen Relativitätstheory”, Bruno Cassirer, Berlin, 1921. Trad. angl., “Einstein's theory of relativity considered from the epistemological standpoint”, in Cassirer, E [1923]. Substance and function and Einstein's theory of relativity. Trad. ingl. por William Curtis Swabey e Mary Collins Swabey, Open Court, Chicago, 1923 ; Dover, New York, 1953 [édition utilisée], p. 347-460.

Kant, I. [1781, 1787]. Critik der reinen Vernunft, J.F. Hartknoch, Riga, 1781; 2a ed. modificada, 1787. Trad. fr. por A.J.L. Delamarre e F. Marty, Critique de la raison pure, in Kant, E., Oeuvres philosophiques, vol. 1, Gallimard, Paris, 1980, p. 705-1470.

Paty, M. [1992]. “L'endoréférence d'une science formalisée de la nature”, in Dilworth, Craig (ed.), Intelligibility in science, Rodopi, Amsterdam, 1992, p. 73-110. Trad. en portugais par Belkiss Jasinevicius Rabello, “A endoreferência de uma ciência formalizada da natureza”, Estudos Avançados (IEA, São Paulo) 6, n°14 (janeiro-abril), 1992, 107-141; errata, 7, 1993, n°17 (janeiro-abril), 223-224.

___________ [1993]. Einstein philosophe. La physique comme pratique philosophique, Presses Universitaires de France, Paris, 1993

___________ [2005]. “A teoria da relatividade de Einstein como exemplo de criação científica”, Atas do 3º Encontro da Rede Paranaense de Pesquisa em História e Filosofia da Ciência, Curitiba (Paraná), março de 2005.

___________ [no prelo]. “Des fondements vers l'avant. Sur la rationalité des mathématiques et des sciences formalisées”, Contribution au Colloque International “Aperçus philosophiques en logique et en mathématiques. Histoire et actualité des théories sémantiques et syntaxiques alternatives”, Nancy, 30 sept.-4 oct. 2002; Philosophia Scientiae.



1 Kant [1781-1787].

2 Cassirer [1922]; veja Paty [1993], cap . 7.

3 Veja, a este respeito: Paty [1992].

4 M. Paty [no prelo].

5 Refiro-me aqui à conferência dada neste mesmo evento, na sessão de encerramento, sobre uma aproximação do tema da criação científica através do caso do trabalho de Einstein com a teoria da relatividade: M. Paty [2005].




Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal