A distinção de Mecenato



Baixar 44.39 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho44.39 Kb.
História

A Distinção de Mecenato

O Renascimento conheceu uma notável renovação das letras, das artes e das ciências. Mas assistiu igualmente, á expansão do capitalismo comercial e à afirmação dos homens de negócios; ao reforço dos Estados territoriais; à construção do espaço planetário e consequentemente alargamento do conhecimento do Mundo. O Homem nesta altura viveu um ambiente de entusiasmo, pois descobriu o seu valor, o seu poder de descoberta e de intervenção nos seus talentos.



A ostentação das elites cortesãs e burguesas

O renascimento viu nascer uma atitude otimista de exaltação da vida, que fora desconhecida na Idade Media. A alegria pela existência foi naturalmente mais vincada naqueles a quem a sorte sorria: as elites sociais, onde se misturavam nobres burgueses em busca de ascensão.

Rodeadas de luxo, conforto, beleza e sabedoria, as elites mostraram-se apreciadoras dos prazeres terrenos. Ostentavam vestes luxuosas, ricos palácios e solares, consumiam requintadas iguarias. Mas investiam, também, na aquisição de obras de arte, no reforço das suas bibliotecas, que orgulhosamente se exibiam. Para estas elites a cultura era um sinal de riqueza.

Fomentaram a erudição humanista e os talentos artísticos, foram palcos de animadas festas e tertúlias; nelas brilhavam as elites sociais.



Cortesão ideal

  • Talentos físicos

  • Intelectual

  • Qualidades morais

  • Boas maneiras

  • Reconhecível pelo seu porte e pela linguagem do seu corpo

A vida quotidiana das elites cortesãs era fortemente condicionada por exigentes regras de comportamento social. Conhecidas por civilidade, instruíam sobre o modo como se deveria comer, vestir, cumprimentar, falar, estar e sobre os preceitos de higiene pessoal.

Na sociedade cortesã é de salientar o progressivo e importante papel cultural concedido à mulher. Embora permanecesse ainda o ideal da mulher submissa, educada pelo pai ou marido, há indícios de dignificação e elevação do seu estatuto, como individuo que deve ser respeitado e estimado, mesmo fora do círculo familiar. Na corte são lhe reconhecidas capacidades de beleza, graça e ilustração.



O estatuto de prestígio dos intelectuais e artistas; o mecenato

O renascimento admirou profundamente a força criadora do Homem, que se elevava à perfeição divina pelas obras do pensamento. Especialmente acarinhados e reconhecidos foram os intelectuais e os artistas. Merecem elogios sem fim e a proteção dos grandes.

Elites cortesãs, príncipes, monarcas e papas rivalizaram entre si nas honras a prodigalizar aos intelectuais e aos artistas. Trata-se do mecenato prática que podemos fazer recuar o mundo greco-romano e que, no contexto do renascimento, nos elucida sobre a promoção do individualismo.

Por um lado os mecenas garantiram a sua fama e gloria, não só através das grandiosas oras que particionavam, mas também graças a uma orientação da opinião pública, inteligentemente praticada pelos humanistas protegidos.

Por outro, artistas e intelectuais obtinham um reconhecimento dos seus méritos e talentos, que elevavam, também aos cumes da glória.

Portugal: o ambiente cultural da corte régia

Em Portugal não faltaram exemplos de mecenato por parte da corte régia. D. João, D. Manuel e D. João III não se pouparam a despesas para acolher humanistas estrangeiros, assim como custear bolsas a estudantes portugueses na Itália, na França e em Coimbra.

Patrocinando grandes obras arquitetónicas e contratando artistas estrangeiros para a corte, contribuíram aqueles monarcas para a elevação da arte e a gloria dos seus reinados.

O ambiente da corte régia mostrava-se na verdade, deveras proporcionador da cultura. Provam-no ainda as festas por ocasião de casamentos reais ou de embaixadas.

O testemunho dos cronistas elucida-os das atividades desportivas dos cortesãos dos tecidos caros exibidos; dos touros inteiros que se mandavam assar para o banquete popular.

Pelas ruas de Roma desfilavam fidalgos e as ofertas ao Sumo Pontífice: o cavalo persa, a onça caçadora, o elefante indiano. Moedas de ouro eram entretanto, lançadas ao povo a lembrar a riqueza e o poderio do soberano português.



Os caminhos abertos pelos humanistas

A produção cultural do Renascimento reflete a mentalidade antropocêntrica da época. Tem o Homem no centro das suas preocupações, considerando-o um ser bom e responsável, inclinado para o Bem e para a Perfeição.

Estes princípios estão presentes no humanismo, que é a faceta literária do renascimento. Os seus protagonistas são reconhecidos pelo nome de humanistas e foram os intelectuais da altura. A poesia, a história, o teatro e a filosofia constituíram os seus domínios de eleição.

O Homem é o único ser da Natureza dotado de razão, o único que se faz a si próprio, que auto determina a sua conduta, que escolhe a sua missão.



Valorização da antiguidade clássica

Eram na sua maioria eclesiásticos e professores, os humanistas condenam fortemente os valores e a produção cultural da Idade Media. Pelo contrário, valorizavam a Antiguidade Clássica, em cujos textos e autores consideravam estarem contidas as verdadeiras sabedorias e beleza.

As sementes do humanismo foram lançadas pelos italianos. Coube-lhes iniciar a renovação da literatura, invocando a herança clássica, a exaltação da figura humana, a expressão sentimental, a fruição da vida. A erudição humanista começou por se distinguir na procura entusiasta de manuscritos clássicos, no aperfeiçoamento da língua latina e na aprendizagem do grego e do hebreu. Viajantes incansáveis, os humanistas percorreram bibliotecas e mosteiros, onde recuperam textos de grande valor poético, histórico, filosófico e até cientifico.

O latim foi a língua de comunicação entre os humanistas, estando na origem da criação de uma autêntica república de letras. Na correspondência, que entre si trocavam, não deixavam de expressar ideias concretas sobre o mundo, realçando sempre a dignidade do Homem. Insurgiram-se contra as traduções e interpretações erradas que a Idade Media fizera dos autores clássicos a própria Bíblia. Os humanistas deram provas de um espírito crítico notável, ao analisarem os textos antigos. E, penetrando na essência do pensamento clássico e dos textos religiosos, procurando absorver os valores antropocêntricos da Antiguidade e restaurar, também, a pureza original e a missão espiritual da Igreja



Afirmação das línguas nacionais e consciência da modernidade

A paixão dos humanistas pelos clássicos levou-os bem além da recuperação, tradução e divulgação dos seus escritos. Levou-os também a criar obras onde imitavam os autores greco-latinos. Os humanistas tinham consciência da inovação civilizacional que a sua época lhes proporcionava. Esta consciência de modernidade permitiu-lhes rivalizar com os clássicos e, até, ultrapassa-los. Os humanistas sabiam que, mais útil do que a cópia formal, seria a observação do espírito critico, criativo, antropocêntrico, de gregos e latinos.

A cultura antiga seria um instrumento educativo e formativo da personalidade humana, um meio de o indivíduo desenvolver as suas capacidades intelectuais e morais, se conhecer a si próprio e ao mundo que o rodeia.

Concluindo, mostrar a dignidade e a liberdade da condição humana pelo uso da razão. Assim os humanistas faziam triunfar o ideal antropocentrismo.



Racionalidade, espírito crítico, individualismo e utopia

Os humanistas demonstraram as possibilidades da razão humana ao exercerem o seu espírito crítico. Fizeram-no denunciando os problemas do mundo que os rodeia e concebendo utopias.

Erasmo de Roterdão procurou recuperar os valores de humildade, da caridade e da fraternidade do cristianismo primitivo. Foi pelos seus ideais de conduta, um ponto de referência para todos aqueles que buscavam a autenticidade, a honestidade e a pureza evangélica.

É usual dizer-se que o renascimento descobriu o homem, libertando-o dos constrangimentos do passado, fossem ele familiares, corporativos, religiosos ou da sociedade em geral e que os colocou no centro do mundo. Não existindo este corte entre a idade média e o renascimento que alguns historiadores defenderam, é verdade que entre uma época e outra assiste-se a um enfraquecimento dos vínculos sociais: indivíduos que não pertenciam aos grupos dirigentes conseguiram afirmar-se, segundo carreiras fora dos quadros tradicionais. Foi a tomada de consciência do seu valor que produziu os aspetos que tradicionalmente se associam ao homem renascentista: um homem universal – hábil nas letras e na ciência, cortesão e soldado – egoísta, com ambição de fama e de nome imortal.

Frequentemente, a crítica social conduziu a construção de utopias. Com efeito, muitas obras literárias do renascimento perspetivaram mundos de perfeição e harmonia, onde se praticava um novo ideal de vida centrado nos valores humanos. A utopia mais célebre foi a de Thomas More, esta utopia concebeu um mundo ideal, racionalizado, onde havia paz espiritual, igualdade, fraternidade e tolerância. Um mundo onde o homem, como ser superior, sabia vencer as paixões e os vícios e estabelecer a prosperidade.

A reinvenção das formas artísticas

A imitação e superação dos modelos da antiguidade

Tal como nas letras e o pensamento renascentistas, também a arte do séc. XV e XVI foi marcada por uma nova estética e uma nova sensibilidade, que irradiaram da Itália. O regresso aos clássicos e o regresso à natureza inscreveram-se nos seus propósitos fundamentais.



Classicismo

O ressurgimento da Antiguidade clássica influenciou profundamente o mundo das formas. Os artistas do Renascimento, tal como os humanistas, manifestaram um tal repúdio pela estética medieval, particularmente pela gótica, que consideravam oposta à clássica. Só a arte dos antigos é que era harmoniosa, proporcionada e bela, pois baseava-se em leis e regras racionais.

Como manifestações de classicismo na arte do Renascimento, devemos referir:


  • A recuperação dos elementos arquitetónicos greco-romanos, tal como a própria teoria clássica de ordem arquitetónica.

  • Adoção de temáticas e figuras da mitologia e da história clássica

  • O gosto pela representação do corpo humano com uma plenitude quase pagã. O nu ressurge glorificado, no Homem, a perfeição divina das suas formas.

  • O sentido de harmonia, simetria e ordem que transparece das criações artísticas, verdadeiramente celebrador da excelência humana. Ao fazer do Homem uma medida na arte, o classicismo acabou por se tornar uma forma de humanismo artístico.

Naturalismo e capacidade técnica

Um vivo sentido de captação do real animou os artistas do Um vivo sentido de captação do real animou os artistas do Renascimento, que exprimiam um verdadeiro prazer nas representações do ser humano e nas reproduções da Natureza. Foi o naturalismo na arte responsável pela descoberta de duas importantes e revolucionarias técnicas:



  • A perspetiva, conjunto de regras geométricas que permitem reproduzir, numa superfície plana, objetos e pessoas com aspeto tridimensional.

  • A pintura a óleo, favorece a visualização do detalhe e a obtenção de uma gama de cores rica em tonalidades.

A capacidade técnica dos artistas do renascimento que os levou a produzir uma obra original, superando os modelos da Antiguidade. Conscientes do seu valor, da sua cultura e experiencia e dos seus múltiplos talentos, os artistas não mais quiseram ser considerados apenas bons artífices de uma oficina de arte. Por isso, recusaram a integração nas corporações e, orgulhosamente, colocaram a sua assinatura nas obras de arte. O artista do renascimento sentiu-se um criador.

PINTURA

É durante o renascimento que a pintura europeia se promove e emancipa, adquirindo uma dignidade e elevação sem precedentes. Leonardo da Vinci elevou a pintura ao cume das artes. Ela era a arte por excelência e o pintor o um criador.

Falando agora das características gerais da pintura renascentista, diremos que ela comungou da paixão pelos clássicos. Tal como se fez sentir no gosto pela representação da figura humana. Deste modo, a pintura refletia, também, a redescoberta homem e do indivíduo, que foi uma imagem de marca da cultura renascentista. O que mais vinca a pintura do Renascimento é a sua originalidade e criatividade.

Pintura a óleo

É realizada sobre a madeira ou tela, a pintura a óleo conheceu uma grande aceitação. Não só pela durabilidade e possibilidade de retoque que conferia às obras de arte, mas também pela variedade de matizes e de gradações de cor, que garantiam representações pormenorizadas e efeitos de luz e de sombra.



Terceira dimensão

A descoberta da terceira dimensão ficou-se a dever aos estudos matemáticos sobre a perspetiva. De acordo com tais estudos, o campo de visão do observador é estruturado por linhas que tendem a unificar-se no horizonte. Servindo-se do cruzamento d obliquas, de efeitos de luz e cores, de aberturas rasgadas nos fundos arquitetónicos, construindo assim um espaço tridimensional, marcado pela profundidade, pelo relevo e pelo volume das formas. Deste modo, concretizaram a perspetiva linear.

No séc. XVI, Leonardo da Vinci tornou-se um grande teórico da perspetiva aérea. Para o efeito utilizava o sfumato, gradação pequeníssima da luz, que nos permitiu ver os objetos locais com maior nitidez, enquanto os mais afastados se transformam em sombras azuladas.

Geometrização

Para a composição das cenas, os pintores renascentistas adotaram formas geométricas, com preferência pela piramidal, para composição das cenas. Considera-se que perspetiva e geometria foram os grandes fundamentos da composição artística no Renascimento.



As representações naturalistas

As representações naturalistas enquadram-se no movimento de descoberta da Natureza e de valorização do real numa época de renovação de hábitos e ideias, em que se despontava a conceção do homem.

A expressividade dos rostos, aos quais não se inibia de apontar imperfeições. Não lhes bastou a veracidade dos traços fisiológicos. A grandeza dos retratos renascentistas residiu na sua capacidade de exprimir sentimentos e estados de alma e de refletir os traços da personalidade. Ressalta também, a espontaneidade dos gestos e a verosimilhança das vestes e dos cenários, que eram de casas e paisagens da época, em lugar dos fundos dourados das pinturas góticas.

Por sua vez, o corpo, de humanos ou animais, foi pintado com verdadeiro rigor anatómico.

Quanto à variedade de rochas, plantas, rios, lagos, montanhas e cidades, foram consequência de um conhecimento experimental do mundo envolvente, que permitiu fazer da paisagem um elemento essencial da composição pictórica.

ESCULTURA

A escultura recuperou a grandeza e a preeminência alcançadas na Antiguidade Clássica. Nelas se inspiraram os escultores do Renascimento para traçar os novos caminhos da sua arte. Ao deixar de estar subordinada ao enquadramento arquitetónico, para onde a Idade Media a relegara, a escultura ganhou agilidade e naturalidade. O corpo nu readquiriu a dignidade perdida e a estátua equestre voltou a triunfar na praça pública.



Humanismo e naturalismo são, efetivamente, as grades características da escultura do são, efetivamente, as grades características da escultura do Renascimento. Os escultores interessaram-se pela figura humana pelo indivíduo dotado de ossos, músculos e personalidade. Foram excelentes no rigor anatómico e na expressão fisionómica que produziram nas suas obras. As formas rígidas da escultura medieval deram lugar à espontaneidade e à ondulação das linhas.

O equilíbrio e a racionalidade marcaram a escultura renascentista que mostrou um especial interesse pela composição geométrica

O elevado aperfeiçoamento técnico de que os escultores do os escultores do Renascimento mostraram ser capazes. Salientam-se os estudos de perspetiva, baseados em rigorosos desenhos prévios, que permitiram a proporção e o naturalismo da escultura.

Escultores do renascimento:


  • Lorenzo Ghiberti

  • Donatello

  • Bernardo Rossellino

  • Andrea del Verrocchio

  • Miguel Ângelo

ARQUITETURA

Foi na Itália, que a arquitetura renascentista se afirmou e definiu as suas principais características.



Simplificação e racionalização da estrutura dos edifícios

De costas voltadas para o estilo gótico e influenciada pela Antiguidade a arquitetura procedeu, a simplificação e racionalização da estrutura dos edifícios.

Com efeito:


  • Verificou-se uma matematizaçao rigorosa do espaço arquitetónico a partir de múltiplos de uma unidade-padrao. As relações proporcionais, estabelecidas entre as várias partes do edifício estenderam-se às suas medidas principais. Se estas coincidissem, o edifício inscrever-se-ia num cubo. “Cubos e paralelepípedos”

  • Procurou-se a simetria absoluta, partindo-se do princípio de que o edifício ideal é aquele em que todos os eixos, na horizontal e na vertical, são simétricos. As fachadas, por sua vez visível no rigoroso enquadramento que preside às portas e janelas.

  • Aplicou-se a perspetiva linear

  • Retomaram-se as linhas e os ângulos retos

  • Preferiram-se as abóbadas de berço e de arestas

  • Fez-se a cópula

  • Utilizou-se preferentemente o arco de volta perfeita

Gramática decorativa greco-romana

Para além dos aspetos estruturais, a influência da Antiguidade fez-se também sentir na adaptação da gramática decorativa greco-romana. Assim:



  • Empregam-se as colunas e os entablamentos das ordens clássicas. No séc. XVI, os arquitetos elaboraram uma nova teoria das regras de proporção

  • Retomaram-se os frontões triangulares

  • Utilizaram-se os grotescos

  • Proporções urbanísticas

A arte em Portugal: o gótico-manuelino e a afirmação das novas tendências renascentistas

Portugal, no séc. XVI sob a influência das descobertas marítimas, do afluxo das riquezas de além-mar, da consolidação do poder real e do fausto da vida cortesã, a arquitetura gótica renova-se e multiplica-se os motivos ornamentais, dando origem a um estilo híbrido, denominado por manuelino.



GOTICO-MANUELINO

Desde o séc. XIX, o manuelino foi considerado um estilo artístico vincadamente português, com fortes ligações às descobertas marítimas. Forjado num contexto de nacionalismo romântico, este conceito de manuelino surgia como a concretização artística da época da Historia de Portugal.

Atualmente, os especialistas veem com as maiores reservas tal interpretação. Mais do que um estilo, dotado de originalidade e uniformidade, o manuelino é uma arte heterogénea. Manifesta-se na arquitetura e na decoração arquitetónica e nela se fundem:


  • O naturalismo

  • O exotismo

  • A simbologia cristã

Do ponto de vista estrutural, o estilo gótico foi mantido, embora se introduzissem algumas alterações. No que se refere à decoração, o manuelino caracteriza-se pela exuberância das formas naturalistas, onde os motivos marinhos se conjugam com a vegetação terrestre.

Embora o manuelino esteja maioritariamente representado na arquitetura religiosa de Portugal, não devemos esquecer os progressos verificados na arquitetura civil…os paços régios e os solares nobres representam bem a decoração manuelina.



A ARQUITETURA RENASCENTISTA

O classicismo renascentista foi introduzido na arquitetura sob a forma decorativa plateresca. Foi no entanto no reinado de D. João III que a estrutura arquitetónica acusaria a influência da estética clássica. O austero espírito do monarca e a contração de despesas régias levaram ao abandono da exuberância manuelina, substituída pela depuração e severidade das linhas clássicas.



A ESCULTURA

A persistência do gótico e a sua renovação decorativa explicam que a escultura portuguesa do Renascimento continuasse fortemente ligada ao enquadramento arquitetónico, impedindo-a de uma emancipação e monumentalidade verificadas na Itália

No séc. XV um surto escultórico, seja na decoração ou estatuária. Aos artistas nacionais e estrangeiros devemos uma obra multifacetada de crescente capacidade técnica, onde o gótico, o manuelino e o classicismo se funde harmoniosamente.

A PINTURA

Entre o séc. XV e o séc. XVI, verifica-se uma renovação na pintura portuguesa, que de um formulário gótico evoluiu para cânones mais próximos do Renascimento europeu. Tal factos não foram alheios os contactos culturais.



As mestrias cromáticas, onde avultam as cores vivas, os retratos individualizados, o pormenor realista aproximam-nos da pintura flamenga. Já a modelação escultórica das figuras humanas e a monumentalidade geométrica da composição acusam a influência italiana.





Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal