A doença Como Linguagem da Alma



Baixar 1.22 Mb.
Página1/35
Encontro04.08.2016
Tamanho1.22 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   35
A Doença Como Linguagem da Alma

 


AS SINTOMAS COMO OPORTUNIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Tradução


DANTE PIGNATARI
 

EDITORA CULTRIX


São Paulo

1992


Para Margit

 
Sumário


Introdução
PRIMEIRA PARTE
1. Introdução à filosofia da significação dos sintomas
1. Interpretação e valoração
2. Cegueira de si mesmo e projeção
3. Valoração dos sintomas
4. Deslocamento de sintomas em duas direções
5. Forma e conteúdo
6. Homeopatia
7. O jogo das causas
8. Analogia e simbolismo
9. Campos formativos
2. Doença e ritual
1. Rituais em nossa sociedade
2. Rituais de passagem
3. Rituais da medicina moderna
4. Rituais da medicina antiga
5. Doença e padrão
6. Pensamento vertical e princípios primordiais
7. Doença como ritual
3. Indicações práticas para a elaboração dos sintomas
1. Nosso vocabulário
2. Mitos e contos de fadas
3. O caminho do reconhecimento sobre o pólo oposto
4. Resumo
1. Pontos de partida
2. Instruções e perguntas básicas
3. Doença como oportunidade

SEGUNDA PARTE


1. O esquema cabeça-pé
2. Câncer
1. A imagem do câncer em nossa época
2. O câncer no nível celular
3. A gênese do câncer
4. Os níveis de significação do evento cancerígeno
5. Fases de desenvolvimento do sintoma
6. Regressão e religião
7. O câncer como caricatura de nossa realidade
8. Câncer e defesa
9. O câncer no plano social
10. Solução (redenção) do problema do câncer
11. Princípios terapêuticos
3. A cabeça
1. Os cabelos
Hirsutismo - A perda de todos os pêlos do corpo - Queda de cabelos
2. O rosto
Ruborização - Nevralgia do trigêmeo ou dores nervosas no rosto - Paralisia facial ou paralisia nervosa do rosto - Erisipela facial - Herpes labial
Vista e visão
Ouvido e audição
Tinnitus ou ruído nos ouvidos
Órgão do equilíbrio e estabilidade
A vertigem - Mal de Ménière
Nariz e olfato
Inflamação dos seios da face ou sinusite - Pólipos - Desvio de septo nasal - Rinofima ou nariz bulboso ou nariz de bêbado - Fratura do vômer
Paladar
4. O sistema nervoso
1. Do nervosismo ao colapso nervoso
2. Comoção cerebral
3. Meningite
4. Sintomas neurológicos
Mal de Parkinson – Coréia ou dança de São Guido - Derrame - Esclerose múltipla - Epilepsia
5. O pescoço
1. A laringe
A voz: barômetro do ânimo - O pigarro como sintoma
2. A tireóide
O bócio - Hipertireoidismo - Hipotireoidismo
6. A coluna vertebral
1. Problemas de disco
2. Deslocamento da primeira vértebra cervical
3. Problemas de postura
Cifose, lordose e “espinha esticada"
4. A corcunda
5. A escoliose ou desvio lateral da coluna
6. Paralisia causada por secção da medula
7. Os ombros
1. Problemas dos ombros
O braço luxado - A síndrome ombro-braço - Tensão nos ombros
8. Os braços
1. Problemas dos braços
Fraturas dos braços - Inflamação dos tendões
2. O cotovelo
9. As mãos
1. Contração de Dupuytren ou mão torcida
2. As unhas
Inflamação das unhas
10. O peito
1. O tórax saliente
2. O tórax estreito
3. “Sintomas" do peito
Fratura de costelas - Roncar - Parada respiratória em recém-nascidos ou morte infantil súbita
4. O peito feminino
Câncer de mama
11. O ventre
1. Herpes-zoster, a zona
2. Rompimentos ou hérnias
Hérnia umbilical - Hérnia inguinal
12. A bacia
1. Herpes genital
2. A próstata e seus problemas
3. A articulação coxo-femural
13. As pernas
1. A articulação do joelho - Problemas de menisco
2. A panturrilha e suas cãibras
3. Rompimento do tendão de Aquiles
14. Os pés
1. O astrágalo
2. Olho de peixe
3. Fungos
4. Verrugas na sola do pé
15. Os problemas da velhice
1. A velhice em nossa época
2. A guerra moderna contra o padrão da vida
3. Menopausa e osteoporose
4. A crise da meia-idade
5. Fratura do fêmur
6. Barba feminina ou a integração dos opostos
7. Da ampla visão da velhice às rugas
8. A cor cinza
9. O Mal de Alzheimer
Conclusão
Notas
 

Introdução


 

Dez anos após a publicação da primeira edição de Krankheit als Weg (A Doença como Caminho, publicado pela Editora Cultrix, São Paulo, 1992), chegou a hora de continuar e ampliar o tema descrito naquele livro. O fato de que o conceito tenha encontrado tanta ressonância, a princípio sobretudo entre os leigos interessados e, com o tempo, cada vez mais também entre os profissionais da medicina, pode ser um sinal da crescente necessidade de uma compreensão da doença que volte a unificar forma e conteúdo, corpo e alma.


As reações de pacientes, participantes de seminários e leitores também expressavam a necessidade de mais interpretações, especialmente daqueles sintomas que não foram abordados no primeiro livro. Essas interpretações são apresentadas agora de forma ampliada. Seguindo vários estímulos e sugestões, não se enfatiza a imensa quantidade de sintomas. A idéia foi apresentá-los de tal maneira que a pessoa afetada reconheça a direção na qual deve continuar a trabalhar.
Uma das conseqüências do primeiro volume foi tomar os passos intermediários, dos quais resultam interpretações, mais explícitos, bem como aprofundar o assim chamado “pensamento vertical”, que esta na base de todo esse principio. Um recurso que se revelou igualmente útil em conferências foi o de não só mostrar os aspectos particularmente impressionantes de um sintoma, mas cercá-lo por vá-rios lados. Talvez a interpretação de vários sintomas e diagnósticos individuais de um mesmo quadro diminua o prazer da leitura por parte das pessoas não afetadas, mas dessa maneira o trabalho dos afetados toma-se mais frutífero e conseqüente. Na mesma linha de pensamento, surgiram no entretempo os livros de bolso da série “Heilen” [“Curar”], que abordam pormenorizadamente grandes temas tais como problemas coronários e de circulação, problemas digestivos e problemas de peso, tornando possível tanto uma compreensão aprofundada dos próprios sintomas como o aprendizado da interpretação.
Para iluminar melhor o campo de abrangência de cada sintoma, prescindiu-se de uma divisão de acordo com as funções tais como são descritas pela medicina, em favor de um esquema cabeça-pé. Os temas do câncer e os problemas da idade são as únicas exceções, sendo apresentados tanto no inicio como no final. Dessa maneira, é possível proceder a uma extensa introdução a um determinado sintoma não só em relação ao simbolismo do órgão afetado mas também ao simbolismo da região correspondente.
O trabalho psicoterapêutico prático com esses conceitos resultaram na ampliação de alguns pontos e na correção de outros. Assim, no primeiro volume, abandonamos parcialmente a base da prática homeopática, por exemplo quando se recomendava ao (à) paciente com pressão arterial baixa que imaginasse e fingisse ter vigor. De fato, trata-se neste caso de antes, conformar-se com a exigência direta do sintoma e, portanto, de aprender a aceitar a fraqueza e exercitar a abnegação e a humildade. Significativamente, o caminho em direção ao pólo oposto somente pode resultar da liberação da exigência direta. Com o tempo, o vigor surge da entrega e da humildade, não sendo entretanto o objetivo primário. Dedicou-se toda uma seção à idéia homeopática para tornar mais claro esse principio básico. Ao lado do conceito fundamental de que “a doença enobrece", neste volume levou-se sempre em consideração a forma salvadora no que se refere a um sintoma, o axioma “a doença indica a tarefa a ser executada". As perguntas ao final de cada capítulo almejam tanto o âmbito liberado como aquele que ainda não foi resolvido.
O capitulo "Introdução à filosofia da significação dos sintomas" é unicamente um resumo dos pressupostos básicos. Deu-se uma ênfase especial àqueles pontos que, de acordo com nossa experiência, levam mais freqüentemente a mal-entendidos. De resto, a parte geral de A Doença como Caminho levou-nos a evitar as repetições. A Introdução a este novo volume esta parcialmente impregnada das reações ao primeiro e, neste caso, pressupõe sua existência. Temas concretos tais como "polaridade e unidade", "bem e mal” e “sombras” somente são tocados para embasar novos conceitos tais como os campos de desenvolvimento e os rituais.
Os grandes campos temáticos, tais como o coração, os nervos e o fígado, tratados por outro lado no primeiro volume ou nos livros de bolso da série "Heilen" ["Curar"], não são repetidos.
Certamente foi necessário retomar e ampliar consideravelmente todo o tema do câncer, tendo em vista o câncer mais freqüente nas mulheres, o câncer de mama. Tendo servido originalmente como encerramento ao primeiro volume, o capítulo sobre o câncer provou ser enganoso para muitos(as) pacientes por colocar demasiada ênfase no segundo passo do aprendizado, o amor, menosprezando o necessário primeiro passo, o da luta.
Por fim, resta-me ainda lamentar que Thorwald Dethlefsen, que imprimiu sua marca em todo este principio, tenha-se retirado de maneira tão definitiva da atividade pública, a ponto de não se deixar convencer a participar da continuação do trabalho começado.
 
Primeira Parte
 

1
Introdução à Filosofia da Significação dos Sintomas


 

1. Interpretação e valoração



O titulo A Doença como Caminho levou a alguns mal-entendidos. Ele deve ser encarado de maneira absolutamente literal e sem qualquer atributo de valor. A doença é um caminho que pode ser percorrido, nem bom nem mau em si mesmo. O que fazer a respeito depende única e exclusivamente do afetado. Eu vivenciei com uma série de pacientes como eles percorreram conscientemente esse caminho e puderam constatar retrospectivamente que "seu excesso de peso", "seu infarto do miocárdio" ou até mesmo "seu câncer" transformaram-se em uma grande oportunidade. Hoje é preciso assumir que foi seu infarto do miocárdio que levou santa Teresa de Ávila a percorrer o caminho que percorreu. Sabemos quão intimamente as visões de Hildegard von Bingen estavam ligadas à sua enxaqueca. Estas duas mulheres extraordinárias evidentemente receberam as mensagens transmitidas por seus sintomas e transformaram suas vidas de maneira exemplar. É isso exatamente o que exige A Doença como Caminho: aprender e crescer a partir dos próprios sintomas.
Utilizar mal esse conceito e a filosofia que subjaz a ele é um grande mal-entendido. O esoterismo não tem nada a ver com a atribuição de culpa, tratando-se, tal como esta explicitado extensamente no primeiro volume, de que cada pessoa é fundamentalmente culpada por ter se separado da unidade. Ser culpado não é uma questão de pequenas ou grandes faltas cometidas na vida cotidiana, mas de algo fundamental. A culpa humana primordial reside no abandono da unidade paradisíaca. A vida neste mundo de opostos é necessariamente cheia de faltas e serve para que se reencontre o caminho de volta à unidade. Cada falta e cada sintoma significam elementos que faltam para a perfeição, transformando-se em oportunidades de desenvolvimento.
Distorcer o significado da doença para avaliar outras pessoas é um mal-entendido sob vários pontos de vista. Ele não pode servir para a atribuição de culpa, já que a culpa primordial foi distribuída há muito e não precisa de nenhuma colaboração humana. Da mesma forma, poderíamos congratular os afetados por suas doenças devido às possibilidades de desenvolvimento e aprendizado nelas contidas. Os assim chamados “primitivos" estão bastante mais avançados que nós nesse sentido, já que consideram os sintomas da doença como golpes do destino em suas vidas, e os aceitam de bom grado como provas. Em muitas tribos, o candidato a xamã sofre sua doença de iniciação, único meio que pode introduzi-lo em novos campos de experiência. Às vezes esse pensamento é seguido de maneira tão conseqüente que um curandeiro somente pode tratar aqueles sintomas que ele mesmo padeceu de corpo e alma. Essa postura é forçosa caso se entenda o curandeiro como sendo um guia de almas pelos mundos interiores, já que, afinal, um guia de viagens deveria conhecer de antemão o país através do qual guia os outros.
Entre nós existem somente traços dessa maneira de pensar. Assim, em alemão se reconhece a “cura enviada" (geschickte Heil, do latim salus = Heil) na palavra destino (Schicksal). Dever-se-ia pensar também nas provas de medicamentos dos homeopatas. Nesse caso, o médico penetra de livre e espontânea vontade no âmbito de experiências da doença para reconhecer o padrão de seu medicamento, ou meio de cura. E finalmente esperamos com razão que um psicoterapeuta tenha viajado extensamente pelos países anímicos próprios e coletivos e que saiba aonde está acompanhando seu paciente.
Acusar o fato fundamental e que nos une a todos, o estar doente de uma pessoa, uma difícil época de aprendizado com as correspondentes oportunidades de crescimento, não leva a lugar algum. Isso, pelo menos, não tem nada a ver com “a doença como caminho", e sim com o desejo de atormentar alguém.
Quem transforma seu dedo indicador em arma e, “interpretando" seus sintomas, incrimina outras pessoas ou culpa a si mesmo em relação a isso, dá a entender além do mais que compreendeu mal todo o principio. O mau uso da interpretação como incriminação, segundo o lema “você está com prisão de ventre porque é um tremendo de um avarento!", implica no desconhecimento do caráter de sombra que existe em cada sintoma de uma doença. Por definição, sombra é o que é inconsciente para o afetado. Por isso mesmo, a pessoa incriminada dessa maneira não poderá de modo algum aceitar a interpretação. Se ela soubesse que é avarenta, não haveria a menor razão pata que tivesse prisão de ventre. A sombra não assume o ataque. Ao contrário, é preciso proceder com extrema cautela neste que é o tema mais difícil de nossa existência. O afetado precisa de toda a sua energia e de muito espaço em termos de ambiente para, de pequeno passo em pequeno passo, descobrir sua relação com o tema expresso no sintoma da doença. Para isso a valoração é tão prejudicial quanto a interpretação é significativa.
Quem culpa a si mesmo dessa maneira deixa igualmente de reconhecer as oportunidades de crescimento da doença. Ver o plano da alma através do sintoma não muda nada nem devido à culpa fundamental nem devido aos fatos concretos do problema em questão. Isso tampouco faz com que uma pessoa se tome melhor ou pior; ela se toma única e exclusivamente mais sábia e com mais consciência de responsabilidade. Caso se ignore esse conhecimento e a responsabilidade nele implícita, pouco muda, tudo continua como antes. Caso contrário, se assume a responsabilidade pelo próprio destino, a doença transforma-se em oportunidade e possibilita responder às indicações do próprio padrão.
O procedimento para isso não é de forma alguma difícil. Qualquer um pode indicar na superfície do corpo, ou seja, colocar o dedo sobre o lugar que lhe causa incômodos. O objetivo deste livro é relacionar essa experiência com o plano anímico. Apontar com o dedo corpóreo era tão óbvio antes quanto o é agora. Trata-se de colocar o dedo na ferida em sentido figurado. Isso exige coragem, mas nem tanta assim, pois a ferida já está lá. Ela não surge no momento em que se coloca o dedo sobre ela, somente se torna mais consciente. Através desse passo corajoso obtém-se, a longo prazo, a possibilidade de curar-se.
 

2. Cegueira de si mesmo e projeção

A oportunidade mesma não se encontra na interpretação de sintomas alheios e sim na interpretação dos próprios sintomas. Isso é dificultado pela onipresente cegueira de si mesmo. A problemática da projeção, nossa tendência de transportar tudo o que é incômodo e difícil para fora e lá também elaborá-lo e combatê-lo, prova ser prejudicial também no que se refere à interpretação dos sintomas. Ao mesmo tempo que reconhecemos claramente o cisco no olho dos outros, de bom grado deixamos de ver a trave que temos no nosso. A experiência com A Doença como Caminho resultou em um padrão notável. Às interpretações de sintomas verbalizadas por amigos e conhecidos contrapõe-se um grande "Mas" no que se refere aos próprios sintomas. O que tinha funcionado de maneira tão convincente com os parceiros ou sogros, de repente falhava.
Interpretar os sintomas da doença é trabalhar nas sombras e, justamente por essa razão, freqüentemente desagradável. Pode-se inclusive concluir a partir disso que as interpretações orais tropeçam na recusa espontânea. Se uma interpretação de repente parece agradável, ela ou não é correta ou, de qualquer forma, não é suficientemente profunda. Nesse caso, o mais simples é aprender com os sintomas alheios e então aplicar esses conhecimentos em si mesmo. O conceito somente adquire sentido como conseqüência desse difícil passo. Mas então ele transforma-se em um verdadeiro caminho de auto-conhecimento e auto-realização.
Em relação a outros sistemas de interpretação, especialmente do âmbito esotérico, o simbolismo dos sintomas tem a vantagem de não deixar praticamente qualquer margem para mal-entendidos quanto à área afetada. O risco de interpretar uma úlcera do estômago como sendo um sinal de um iminente processo de fulminação imediata é bem menor. O corpo confirma que se trata aqui de uma tarefa de aprendizado palpável, substancialmente enraizada no mundo material.
 

3. Valoração dos sintomas

À primeira vista, a diferença mais marcante em relação à medicina usual é a nossa avaliação positiva dos sintomas. Em vez de aliar-se ao paciente contra seus sintomas, como é costume, trata-se de aliar-se ao mesmo tempo aos sintomas para reconhecer o que falta ao paciente e presenteá-lo tanto com esses sintomas como com as suas carências. O sintoma, quando liberado de sua valoração negativa, pode se transformar em um excelente indicador de caminho e guiar-nos aos temas carenciais, ajudando a que nos tomemos mais saudáveis e íntegros.
Há aqui uma imensa oportunidade de crescimento, já que todas as pessoas apresentam sintomas. Quanto a este último conto, impera uma rara unanimidade em todos os campos da medicina. A medicina acadêmica, com seus métodos de pesquisa cada vez mais refinados, encontra algum desvio da norma em praticamente todos os seres humanos. As estatísticas de saúde , que são na verdade estatísticas de doença, falam uma linguagem igualmente clara. A medicina natural, com seus procedimentos de diagnóstico ainda mais sensíveis, já não encontra mais indivíduos saudáveis. As duas tendências combatem esse estado de coisas, enquanto a religião e o esoterismo o aceitam como sendo uma realidade inevitável. Segundo sua concepção, o ser humano é um universo polar necessariamente não saudável, em busca da unidade perdida que ele deixou no Paraíso quando empreendeu seu caminho de desenvolvimento. É interessante notar que a maneira pela qual a saúde é definida pela OMS  e que é adotada pela medicina acadêmica lembra a tradição esotérica. Trata-se de um estado livre de sofrimento físico, espiritual e social. Conseqüentemente, fora dos livros de anatomia e fisiologia não existe neste mundo um único ser humano são.
Tanto se vemos nosso estado geral de doença como um escândalo das políticas de saúde ou como sendo a necessária conseqüência de nosso desvio da Unidade, permanece o fato de que todos temos sintomas e, com isso, a oportunidade de crescer a partir deles. A questão é: queremos continuar tentando o que tem fracassado há milênios, ou seja, eliminá-los do mundo, ou queremos fazer o esforço de reconhecê-los como indicadores de caminho e segui-los?
 

4. Deslocamento de sintomas em duas direções



A medicina é absolutamente a única que acredita poder eliminar coisas do mundo. Os químicos e os físicos sabem e provam que somente é possível a transformação de uma manifestação em outra, jamais um desaparecimento sem reposição.
Através do aquecimento de um bloco de gelo, matéria sólida transforma-se em água. Caso continuemos a aquecê-la, o liquido passa para a forma gasosa, transformando-se em vapor. Através do resfriamento, esse processo pode ser revertido, gás transformando-se em líquido que por sua vez se transforma em gelo sólido. Isso é óbvio para nós, e é explicado pela física através da lei da conservação de energia, segundo a qual a soma da energia permanece sempre constante. Nada jamais é realmente aniquilado.
A física ensina ainda que as várias formas de manifestação da água estão ligadas a diferentes estados de vibração de suas moléculas. No estado sólido, os componentes moleculares básicos vibram a uma freqüência relativamente baixa. No âmbito líquido eles estão energeticamente mais estimulados e vibram mais rapidamente. No estado gasoso sua estimulação e conseqüentemente sua freqüência são as mais altas possíveis.
O esoterismo deriva uma interpretação correspondente ao relacionar o sólido ao elemento terra, material, o liquido à água anímica e a forma gasosa ao espiritual, elemento ar. Transposto para o tema em questão, isto significa o seguinte: o corpo, como expressão do mundo material, tem a freqüência de vibração mais baixa, o plano anímico tem uma freqüência média, enquanto o plano mental tem a freqüência mais alta. Para que um tema que se degradou ao plano inferior de freqüência de vibração como sintoma corporal seja elevado ao nível anímico, é preciso injetar-lhe energia. Mais energia ainda é necessária para elevá-lo ao plano mental. Na interpretação dos sintomas da doença, essa energia deve surgir sob a forma de conscientização e de entrega.
No processo contrário, o do surgimento da doença, essa energia foi armazenada. Quando um tema com o qual não queremos lidar se aproxima de nós, economizamos energia ao deixar que ele mergulhe no âmbito anímico e, mais longe ainda, no corpo. Aquilo que não queremos ter na consciência e, ignorando, acreditamos deixar de lado, aterrissa de fato ao lado ou, na terminologia de C. G. Jung, na sombra. A sombra consiste portanto de tudo aquilo que não percebemos e não aceitamos, e que gostaríamos de não ver. Em posição diametralmente oposta está o Ego, que consiste de tudo aquilo que aceitamos em nós e com o qual nos identificamos. Neste sentido, não há nenhum Ego nem nenhum ser humano que se alegre ao reencontrar os temas acumulados na sombra.
Como, entretanto, a sombra é uma parte necessária de nossa totalidade, somente podemos tornar-nos sãos, no sentido de íntegros, através justamente de sua integração. Uma pessoa inteira consiste de ego e sombra. Os dois juntos resultam no “si mesmo", ou self, que representa a pessoa integrada, que realizou a si mesma. A aceitação e a elaboração dos temas da sombra materializados nos sintomas é conseqüentemente um caminho de busca de si mesmo. Sintomas são manifestações da sombra muito acessíveis devido ao fato de terem emergido das profundezas da alma para a superfície do mundo corpóreo, tomando-se assim excepcionais indicadores do caminho da perfeição.
O fenômeno do deslocamento dos sintomas com suas duas direções diferentes ficará mais claro com o exemplo concreto de uma úlcera estomacal. O conceito foi difundido pela medicina e pela psicologia acadêmica quando se reconheceu que sintomas "eliminados" pela terapia voltavam a emergir em outro lugar. Para a medicina acadêmica, fixada no corpo, o deslocamento de sintomas também ocorre, naturalmente, no corpo. Cinicamente, poder-se-ia dizer que os sintomas deslocam-se de órgão para órgão, de paciente para especialista e de especialista para especialista.
Quem procura o médico devido a moléstias nervosas do estômago, geralmente recebe hoje em dia um psicofármaco que produz um assim chamado desligamento psicovegetativo. Isso quer dizer que a ligação entre os nervos vegetativos do estômago e a psique é bloqueada quimicamente, o que então impede que o estômago reaja aos impulsos da psique. A remoção da dor, que não modifica nada na situação da pessoa afetada, tem um efeito temporalmente limitado. O passo seguinte da medicina acadêmica seria o desligamento psicovegetativo por via cirúrgica, onde os ramos correspondentes do nervo vago são seccionados. Caso já seja tarde demais para isso também, amputa-se um ou dois terços do estômago ultrafatigado. O que não existe mais não pode doer, esta é a lógica tão simples quanto míope, já que logo o estômago diminuído dessa maneira começa a apresentar outros problemas digestivos. Todos esses passos visam exclusivamente o corpo. Os sintomas são deslocados para o corporal e, ao mesmo tempo, para o plano horizontal.
A alternativa seria deslocá-los na vertical: do plano corporal para o anímico e, finalmente, para o plano mental. Entretanto, para passar de um plano de baixa freqüência de vibração para outro de freqüência mais alta é necessária uma certa quantidade de energia que o próprio afetado deve prover. Neste caso, o médico pode unicamente desempenhar o papel de catalisador . Com o engajamento consciente é possível ir em busca das razões anímicas da dor de estômago. O que pressiona esse estômago, o que é que se engole e que não é digerível, o que leva a este ato de auto dilaceramento que toda úlcera do estômago representa? É possível, através da pesquisa correspondente. encontrar e elaborar os padrões de consciência que estão por trás dos temas assim sensibilizados. Tal deslocamento de sintomas na vertical tem a vantagem de não permitir que a escalada da sintomática continue, tornando-a, ao contrário, solúvel.
 

5. Forma e conteúdo



Os planos do corpo, da alma e da mente, dispostos verticalmente um sobre o outro, correspondem aos âmbitos da forma e do conteúdo. O corpo representa o aspecto formal, enquanto tanto a alma como o espírito formam o conteúdo. Do ponto de vista religioso e esotérico esse paralelismo é óbvio, sendo, ao contrário, estranho para as ciências naturais. Para os antigos, toda forma, e portanto toda coisa, era a manifestação da idéia que está por trás dela. Goethe ainda formulou sem ser refutado: "Tudo o que é transitório é somente uma metáfora". Em muitas áreas da vida, da arte à técnica, a relação entre forma e conteúdo é evidente para nós até hoje. Nós apreciamos uma escultura de Michelangelo por aquilo que ela expressa. Por mais importante que seja it material, ele vem depois do conteúdo. A lâmpada de alerta que se acende em um aparelho técnico nos leva a investigar as causas subjacentes. Nós queremos saber o que a lâmpada acesa significa. Entretanto, quando o corpo expressa dolorosos sinais de alarma, muitas pessoas tentam subjugá-los com comprimidos sem aprofundar-se em busca das causas. Por que justamente os sinais do corpo não significariam nada? Nossa saúde já estaria atendida se tratássemos o corpo de maneira tão consciente como o fazemos com qualquer máquina.
O exemplo seguinte pode esclarecer a relação entre a medicina científica e a medicina interpretativa. Suponhamos que, ao ser perguntado sobre a última peça de teatro, um conhecido responda: "O palco tinha oito metros de largura por quatro de profundidade e dois metros de altura. Havia 14 atores, dentre eles oito mulheres e seis homens. Os figurinos foram feitos com 86 metros de linho e 45 metros de seda, o palco estava iluminado por 35 holofotes [...], etc.". Nós ficaríamos bastante insatisfeitos com essa resposta, mas valorizamos muito um médico que, após o exame, nos comunica uma série de dados e fatos sobre nosso corpo. Esse médico, que flutua no âmbito formal, deixa que seus pacientes fiquem igualmente boiando no ar. Somente ao final, após toda a enumeração das medidas e dos resultados obtidos, quando ele diz, por exemplo, que "tudo isso chama-se pneumonia", é que o paciente se sente um pouco mais esclarecido. Agora o médico interpretou seus números e seus resultados, e aquilo que expressam imediatamente adquire sentido para o afetado.
Neste ponto, nosso princípio unicamente dá mais alguns passos adiante. Pois naturalmente é possível prosseguir um pouco mais nesta direção significativa com a pergunta: o que significa pneumonia? O local nos dá o respectivo plano afetado. Os pulmões são o órgão da troca de gases, com sua ajuda nós também nos comunicamos, pois a linguagem surge através da modulação do fluxo respiratório. Todos nós respiramos o mesmo ar e, portanto, estamos em contato uns com os outros através dos pulmões. No corpo, os dois pulmões ligam o lado esquerdo e o direito, assim como a respiração também liga a consciência com o inconsciente. Nenhuma outra função orgânica tem acesso aos dois planos de maneira tão equivalente. Com o órgão pulmão é enunciado também o plano do problema e o tema do contato, da comunicação. Tal como demonstram insistentemente os resultados da medicina acadêmica, uma inflamação é um conflito bélico, uma guerra. Os anticorpos lutam contra o agente causador, que é armado, combatido, morto e vencido. Conseqüentemente, com uma pneumonia [inflamação dos pulmões] nós encarnamos um conflito no âmbito da comunicação. Após essa interpretação, que já vai um pouco mais longe, pode-se prosseguir e continuar interpretando: por que justamente comigo, justamente isso, justamente agora? O que é que isso impede, a que me força?
De qualquer maneira, interpretações realmente acertadas resultam somente quando o contexto individual é delimitado e a sintomática, sempre especifica, e levada em consideração. A interpretação de diagnósticos em procedimentos sumários, tal como já aconteceu, é tão ineficaz como o próprio diagnóstico. Ainda assim faz sentido interpretar diagnósticos, embora isso contribua apenas com algumas pedrinhas na composição do grande mosaico que é o quadro da doença. Sejam eles constituídos de vocábulos latinos ou, mais recentemente, em inglês, a primeira coisa que se recomenda é a tradução. A tradução do diagnóstico sempre joga alguma luz sobre o sintoma. Alguns diagnósticos simplesmente implodem, perdendo assim pelo menos sua capacidade de assustar. Pacientes abalados podem recobrar o ânimo, por exemplo, através da tradução do "veredicto" PCP : Poli (muitas) Artrite (inflamação da articulação) Crônica (de evolução lenta) Primária (desde o inicio). Não é preciso médico algum para tal diagnóstico. O próprio paciente sabe que desde o principio muitas articulações começaram lentamente a se inflamar.
Confrontar forma e conteúdo pode ajudar a esclarecer o quanto ambos são importantes. Nenhuma peça de teatro faz sentido sem um palco e sem atores, ela no mínimo causaria uma impressão penosa caso não houvesse figurinos, sem iluminação o sentido permaneceria necessariamente obscuro. Todas essas coisas são importantes, mas elas não são tudo. A situação é análoga em relação aos diagnósticos e dados métricos do corpo. Eles são indispensáveis para a descrição dos aspectos formais, e nós obviamente também os usamos como ponto de partida. Eles possibilitam o primeiro passo e tornam-se com isso condição necessária para o segundo, encontrar o sentido, ou seja, a interpretação. Mas eles naturalmente não a substituem.
A medicina acadêmica, portanto, fornece uma base importante, e a medicina interpretativa não a torna supérflua, ampliando-a substancialmente. Não há portanto qualquer ataque fundamental a ela de nossa parte. De fato, ambas as tendências têm a mesma base, o corpo humano, mas seus âmbitos principais de atividade estão em planos diferentes.
A medicina acadêmica restringiu-se ao corpo, e no âmbito das reconstituições realiza muitas vezes verdadeiros milagres. Mais recentemente, ela deixou a preocupação com a alma para a psicologia, e a teologia há muito encarregou-se do espírito. Quem ataca a medicina acadêmica por não curar sua alma faz como aquele que visita uma piscina pública e se queixa porque não tem vista para o mar. Não lhe prometeram isso, assim como a medicina hoje não promete mais a cura do corpo, da alma e do espírito, limitando-se modestamente a um bom trabalho de reparação no âmbito do corpo.
A medicina acadêmica compartilha a retirada do plano interpretativo com a maioria das práticas naturalistas . Ambas são mais semelhantes do que em geral se supõe, pois partem da mesma visão mecânica do mundo. Elas procuram as causas no passado e competem para ver qual encontra a mais profunda e elimina os sintomas da maneira mais efetiva. Elas são mais parecidas  do que admitem até mesmo na escolha das armas. Quem sai o campo contra os sintomas precisa de armas e evidentemente defende o ponto de vista alopático, que visa o oponente e tenta neutralizá-lo com os melhores antídotos.
Quando médicos naturalistas atacam a medicina acadêmica porque ela utiliza a cortisona com demasiada freqüência, dever-se-ia pensar que a cortisona é um hormônio fabricado pelo próprio corpo, e que, por conseqüência, pertence inequivocamente à natureza, mais especificamente à nossa própria natureza. O preparado para o coração preferido pela medicina acadêmica, digitalis, não é outra coisa que uma planta cuja naturalidade não pode ser contestada. Por trás até mesmo do primeiro e mais utilizado antibiótico, a penicilina, está o Aspergillus penicillinum, um cogumelo. Por outro lado, a homeopatia não é absolutamente natural. Jamais ocorre naturalmente uma concentração tal como uma C 30 ou uma D 200. A homeopatia é uma prática artificial, e os antigos médicos homeopatas não se acanham em caracterizá-la e praticá-la como arte.
 

6. Homeopatia



A homeopatia e sua compreensão do mundo opõe-se diametralmente tanto à medicina acadêmica como à medicina natural, formando a base espiritual para uma medicina realmente alternativa que também está comprometida com nosso principio. Não se trata aqui de combater um sintoma com seu contrário, mas sim de aliar-se ao sintoma e em última instância até mesmo apoiá-lo em sua tentativa de trazer um principio carencial à vida do doente.
O símbolo da medicina, a serpente que sobe pelo bastão de Esculápio, demonstra que originalmente a medicina estava profundamente enraizada nessa maneira de pensar. Escolhido como símbolo médico obrigatório pela Organização Mundial de Saúde somente nos anos 50, esse símbolo tem uma história que remonta aos primórdios da humanidade. No Paraíso é a serpente que, como um prolongamento do braço do demônio, leva o homem ao caminho do desenvolvimento. Ela é o símbolo do mundo polar dos opostos e serpenteia pelos dois pólos da realidade para seguir adiante. Ela está presa à terra como nenhum outro animal, tanto devido ao banimento divino ocasionado pelo pecado original como por sua forma. O filósofo da religião Herman Weidelener diz que toda ela é pé . Ela engole suas vitimas inteiras, como o reino dos mortos, do qual também é símbolo. Além de seus dois dentes que injetam veneno, ela tem também a língua bifurcada, um símbolo da deslealdade, da discórdia e da desunião. Ela tem ainda a capacidade de deixar radicalmente para trás o velho e o já vivido e a cada ano, ao trocar de pele, estabelece um início totalmente novo. Mas ela tem acima de tudo o veneno, que pode matar e curar. A palavra inglesa gift [veneno], que também quer dizer presente, dom, representa muito bem essa relação contraditória de significados.
Tal como na Antiguidade, quando a serpente era mantida no templo sagrado de Esculápio (Asklepios, em grego), a missão mais característica e nobre do médico é transformar o veneno  da polaridade em um presente, com o qual o paciente pode crescer e curar-se. A medicina homeopática segue esse caminho desde o início em sua maneira de pensar e agir e até mesmo na produção de seus medicamentos. A homeopatia fabrica remédios a partir de venenos tais como arsênico e Lachesis , livrando-os pouco a pouco de sua materialidade através da agitação. Essa assim chamada potenciação não é uma diluição, mas uma agitação ou dinamização, tal como enfatizam os homeopatas. Dessa maneira, a cada etapa de dinamização a substância ou tintura original é reduzida a um décimo (potência D para decimal) ou um centésimo (potência C para centesimal) e a cada etapa transfere seu padrão para o solvente através da dinamização . Através deste método, potências superiores a D 23 já não contêm nada da substância original, conservando sua informação totalmente livre da toxicidade original. Essa informação pertence ao plano espiritual, tendo superado o plano material, que tem uma freqüência de vibração mais baixa. Liberada de sua materialidade e transportada a um plano superior, ela pode agir como um verdadeiro remédio. Ela dá ao paciente uma informação que lhe falta, tornando-o assim mais são.
Os medicamentos homeopáticos são descobertos através das provas médicas já mencionadas. Nelas, médicos sãos tomam os medicamentos em potências baixas, e que portanto contêm a substância, registram os sintomas provocados por eles. Caso um paciente tenha os mesmos sintomas, ou sintomas semelhantes, ele na maioria das vezes toma o medicamento em uma potência mais alta, livre da substância. Como informação pura, ela pode agora contribuir para sua cura, contanto que o quadro do medicamento corresponda ao quadro de sintomas.
Cada sintoma é a expressão de uma idéia que afundou no corpo, sendo portanto um padrão que falta à consciência. Ele pode ser tratado com uma informação medicamentosa ou espiritual semelhante. No primeiro caso falamos de homeopatia, no segundo, de conscientização do padrão ou interpretação dos sintomas. De acordo com sua natureza, a informação está em um plano de vibração superior ao do problema corporal. Quando se consegue levar a problemática a esse plano superior, o veneno se transforma em presente. A manifestação da sombra na sintomática leva à sua iluminação, a doença transforma-se em caminho de auto-conhecimento.
 

7. O jogo das causas



O conceito de causalidade esta no caminho da medicina tanto no que se refere ao conteúdo como à mensagem transmitida pelos sintomas. Assim como as ciências naturais, ela chegou à conclusão de que tudo tem uma causa que se encontra no passado. Seu objetivo é encontrá-la e eliminá-la. Defensores de outros princípios costumam atacar a medicina acadêmica por não ser científica, uma crítica que se volta contra eles mesmos, como se verá.
O que mais chama a atenção nesse conceito de causalidade é sua limitação. Ele só pode investigar em uma direção, ou seja, no passado, e a pergunta standard, “Por quê?", somente pode ser feita uma ou no máximo duas vezes. Naturalmente se poderia pesquisar em outras direções continuar perguntando tanto quanto se queira. Por que tenho um resfriado? Uma resposta acadêmica aceitável poderia ser: “Porque contrai o agente causador há dois dias". Mas por que contraí o agente causador? - "Por que meu sistema imunológico estava debilitado". Aqui também pode-se continuar perguntando: Por que o sistema imunológico estava debilitado? Em algum momento a resposta se referirá à herança genética, seguindo o refrão: "Porque eu herdei esse sistema de defesa de meus pais". Mas por que meus pais me transmitiram exatamente este equipamento imunológico? A resposta então dirige-se aos avôs, que novamente o herdaram de seus pais, etc. Ao final chega-se a Adão e Eva e à pergunta: "Por que os primeiros seres humanos incorporaram um tal sistema imunológico?" Com a mesma técnica de perguntas, poderíamos chegar "cientificamente" ao Big Bang. De qualquer maneira, a resposta à pergunta seguinte permanece em aberto: Por que - pelo amor de Deus-  houve essa explosão inicial?
O principio de causalidade somente age de maneira tão convincente à primeira vista, mostrando fraquezas evidentes a um olhar mais atento. Sua maior fraqueza é que ele comprovadamente não se ajusta à realidade, como nos demonstra a física moderna. Sendo a ciência natural mais avançada, ela ultrapassou as fronteiras de uma visão de mundo mecanicista baseada no principio da causalidade e o refuta.
Os físicos chegaram a este ponto de transição, decisivo não apenas para a medicina, pesquisando as minúsculas partículas no interior do átomo. Eles descobriram que todas as partículas, até mesmo o fóton de luz, possuem uma imagem em espelho no pólo oposto . Para cada partícula existe portanto uma partícula gêmea, que lhe é exatamente contrária em tudo. O método de experimentação segundo o qual uma das duas partículas gêmeas resultantes é estimulada enquanto a outra é deixada em paz remete a Albert Einstein. O desconcertante é que se comprovou que no momento da mudança de estado da partícula estimulada a outra, não-estimulada, também se modificava, de tal maneira que ambas continuavam em pólos opostos. Mais assombroso ainda é que ambas as modificações ocorriam no mesmo momento, descartando assim qualquer forma de transmissão de informações como explicação.
Finalmente o inglês John Bell pôde provar matematicamente que partículas de uma determinada fonte, chamadas partículas de fase fechada, estão ligadas para sempre, sendo que isso acontece de uma maneira não causal, que não pode ser concebida logicamente. O teorema de Bell dá ainda mais um passo e prova que isto não é válido somente para as minúsculas partículas subatômicas, sendo uma lei geral. Com isso, o princípio da causalidade foi refutado e rebaixado a um modelo de explicação que somente permite uma abordagem aproximada da realidade.
Considerando que, de acordo com a ciência, nosso universo surgiu de uma explosão, o chamado Big Bang, ele necessariamente tem que se constituir de partículas estreitamente ligadas umas às outras. E é exatamente disso que tratam as escrituras sagradas do Oriente. Os Vedas hindus e os Sutras do Budismo descrevem a realidade como estando permanentemente ligada em todos os seus aspectos a todos os seus outros aspectos. Embora hoje em dia os físicos apresentem resultados que parecem igualmente metafísicos, não se trata de uma aproximação do conhecimento moderno ao antigo, tal como se costuma afirmar, mas de uma aproximação unilateral por parte das ciências naturais ao conhecimento atemporal contido nos tratados de sabedoria.
Mas se a causalidade é refutada, permanece a pergunta: por que continuar atendo-se a ela? Não conseguimos viver totalmente sem a causalidade, de qualquer forma não nesta sociedade , porque nosso pensamento está impregnado de causalidade até na linguagem (como demonstra por exemplo esta frase). Entretanto, não há nenhuma razão para aferrar-se a uma forma inferior e limitada de pensamento causal, tal como o sistema cientifico. Na melhor das hipóteses, podemos ampliar a causalidade para utilizá-la como meio de aproximação ao universo que “acontece" sincronicamente, tal como já o fez Aristóteles. A vantagem de sua compreensão mais ampla da causalidade torna-se evidente assim que colocamos cientificamente sob a lupa um fenômeno simples tal como um acontecimento esportivo. Até mesmo a corrida de cem metros rasos ainda é longa demais, e precisamos portanto recortar uma pequena seção, talvez a largada. À pergunta cientifica padrão: qual é a causa para que os esportistas se ponham a correr repentinamente? ha uma resposta cientificamente aceitável: o tiro de largada. Ele atua do passado para o presente, sempre acontece e pode ser reproduzido.
Entretanto, qualquer um que entenda um pouco de atletismo ficará pouco satisfeito com essa explicação. Ele então indicará que a causa real para a partida dos esportistas é seu desejo de ganhar uma medalha de ouro. Mas uma eventual vitória encontra-se ainda no futuro, não sendo portanto aceitável como causa pela ciência. Segundo a concepção de Aristóteles, também existe uma causa-padrão por trás de cada acontecimento. Na corrida de cem metros rasos, seriam as regras do jogo. Estas, por exemplo, proíbem que se use uma bicicleta ou outro meio de auxilio não permitido. Na verdade, os esportistas somente sabem em que direção devem largar graças ao padrão "cem metros rasos", que existe há muito tempo. Finalmente, há ainda a base material ou causas que se encontram nas raias, nos músculos, etc., e que também são aceitas pela ciência. Com quatro causas em vez de uma, ainda não fazemos justiça à realidade, mas estamos mais perto. E se de qualquer maneira não existe causa alguma em última instância, deve-se permitir que se complete uma com três outra;. Caso empreguemos essas quatro causas para a interpretação dos sintomas, aquela apresentada pela medicina acadêmica não se torna errada, sendo somente completada e ampliada.
Devido ao hábito e à cegueira de si mesmo, acontece muitas vezes que a pessoa se refugie nos braços da monocausalidade habitual justamente quando se trata de importantes sintomas próprios. A pneumonia própria é então atribuída unicamente ao agente causador, e a partir daí não se pergunta mais nada. Em cada caso de pneumonia há naturalmente agentes causadores em jogo, eles fornecem a causa que atua a partir do passado. Talvez o fato de que a maioria das pessoas sas abriguem em seus pulmões os agentes correspondentes sem que por isso adoeçam comprove que eles não são os únicos responsáveis. Caso a pessoa seja isolada em uma unidade de terapia intensiva devido, por exemplo, a um grave acidente de carro, os mesmos agentes podem tornar-se subitamente ativos. O perigo de contrair uma pneumonia em uma unidade de terapia intensiva não é tão grande pelo fato de haver tantos agentes, ao contrário, em nenhum outro lugar eles são tão perseguidos e dizimados. A verdadeira razão está no conflito de comunicação que se estabelece assim que todo contato somente ocorre através de tubos de plástico. Assim como sempre se encontra uma causa funcional, sempre surgirá também uma causa de objetivo ou de significado, bem como um padrão em que todo o acontecimento ocorre.
 

8. Analogia e simbolismo



Ainda que recorramos às quatro causas de Aristóteles, a filosofia de A Doença como Caminho está baseada muito mais no pensamento analógico que no pensamento causal. Novamente, é a física que pode abrir-nos o caminho para essa visão de mundo. Os físicos colocaram a simetria no lugar da causalidade, explicando que as últimas leis que podem ser concebidas por nós são teoremas simétricos. O pensamento analógico da medicina antiga, tal como expresso na proposição de Paracelso "microcosmos = macrocosmos" ou na tese fundamental de todo o esoterismo "assim em cima como embaixo e assim dentro como fora", aproxima-se dessa concepção simétrica. Estamos mais próximos da realidade quando vemos forma e conteúdo, corpo e alma , ser humano e mundo de maneira análoga do que buscando causas, pois a física prova que o mundo não está constituído de fatos que se sucedem, mas de fatos sincrônicos justapostos.
A chave para esta compreensão do mundo não está na analise, mas no simbolismo. Este também se encontra no centro da interpretação dos sintomas. Sintomas são imagens da doença; assim como outras imagens, eles não podem ser compreendidos através da análise do material, mas por meio da observação contemplativa  de sua totalidade. A expressão de uma imagem nos escapa quando tentamos encontrá-la na análise do material, por mais refinada que esta seja. Ao final obtemos alguns dados numéricos sobre a combinação de pigmentos, mas perdemos o ambiente outonal. Este está mais no simbolismo das cores que em sua química. Para que possamos interpretar uma imagem, todos os detalhes devem unir-se em uma impressão geral. O todo é mais que a soma de suas partes.
Nossa palavra "símbolo" deriva da palavra grega symballein, que significa algo como juntar, reunir. Para compreender a interpretação dos sintomas do ser humano em sua totalidade é necessário juntar todas as impressões individuais em um padrão, ou seja, reunir todos os pequenos símbolos em um único símbolo abrangente.
Apesar da legitimação obtida graças à física moderna, o pensamento analógico passa facilmente ao segundo plano em relação ao pensamento analítico. Ainda assim, ele impregna nossas vidas em muito maior medida que a que estamos dispostos a admitir. Quando encontramos uma pessoa pela primeira vez, formamos uma imagem dela que se apóia em uma compreensão simbólica e analógica. Ainda que o intelecto nos queira sugerir que a primeira impressão é enganosa, sabemos que não é assim. Caso nos fiemos da razão, precisamos freqüentemente de muito tempo para chegar à conclusão de que tudo já estava lá desde o Inicio. Assim que visitamos alguém em sua casa, formamos uma imagem da casa e da pessoa, o mesmo acontecendo quando ele sai de seu carro. Tudo isso baseia-se em uma compreensão simbólica mais ou menos consciente. Todas as referências religiosas também estão baseadas no simbolismo e na analogia. Somente dessa maneira pode-se entender as comparações. Quando, no pai-nosso, rezamos "Seja feita a Sua vontade, assim na Terra como no céu", utilizamos uma outra formulação para o "assim em cima como embaixo"; estamos nos movendo sobre o solo da analogia.
A um olhar mais atento, até mesmo as ciências naturais baseiam-se no pensamento comparativo, já que qualquer fenômeno mensurável é uma comparação e um processo de estabelecer relações, ou seja, de criar analogias. Tanto faz se medimos uma distância, a temperatura ou a pressão, somos sempre remetidos à comparação com uma escala de aferição. Como as medidas são a base das ciências naturais, em última instância elas também estão baseadas no pensamento comparativo.
Pode-se reconhecer ainda mais claramente o quanto a medicina está próxima do pensamento comparativo no âmbito da estatística, uma de suas disciplinas preferidas. Estamos sempre nos deparando com tentativas de extrair provas de estatísticas. Trata-se de um método conhecido e tentador. Pergunta-se a 100 heroinômanos se eles antes tinham consumido produtos derivados da Cannabis tais como o haxixe e a maconha. Quando 90% respondem com um "sim", produz-se a "prova" de que a Cannabis é a droga de iniciação ao consumo de heroína. O que soa tão lógico não prova entretanto absolutamente nada. Mudando-se a pergunta, pode-se "provar" estatisticamente que o leite é a droga de iniciação mais perigosa do mundo, já que 100% dos heroinômanos e todos os alcoólatras começaram com ele. Não se trata aqui de maneira alguma de distorcer as estatísticas e sim, ao contrário, de reabilitar o pensamento comparativo que está em sua base. A estatística pode expressar coisas substanciais, mas jamais poderá provar algo, pois suas correlações não têm nada a ver com a causalidade. Tanto os fenômenos mensuráveis como as estatísticas mostram como o pensamento analógico está difundido. O fato de que não o queiramos perceber não muda muita coisa.
O simbolismo continua tendo um significado decisivo para a própria medicina moderna. Tal como ainda se mostrará, hoje, tanto quanto antigamente, os símbolos e os rituais que se organizam a partir deles desempenham na sanidade um papel dominante que, entretanto, passa em grande parte despercebido. Isso está bem já por essa mesma razão, por que os sintomas também se compõem de símbolos e compelem a autênticos rituais.
 

9. Campos formativos



Como não existe nenhuma cultura antiga nem tampouco qualquer sociedade moderna sem rituais, pode-se deduzir que eles forçosamente fazem parte da vida humana. Em proporção à sua disseminação, a maneira como atuam ainda é pouco conhecida. Somente na última década encontrou-se um principio esclarecedor, com a teoria de Sheldrake sobre campos morfogenéticos ou formativos. Através de experimentos, Sheldrake confirmou que há relações entre distintos seres vivos que escapam a explicações lógicas. Ele postulou os chamados campos formativos, que servem de mediadores para essas ligações sem a necessidade de transmitir matéria ou informações. Várias experiências comprovam que seres vivos em um campo comum estão ligados uns aos outros de maneira inexplicável, de maneira muito semelhante às partículas gêmeas dos físicos atômicos. Eles vibram ao mesmo tempo no mesmo plano de vibração e comportam-se quase como se fossem um ser, comparável talvez a um grande cardume de peixes ou um campo de trigo sobre o qual o vento sopra. Nas situações que foram observadas, não havia nem mesmo tempo para que se comunicassem entre si no sentido tradicional.
O americano Conden pôde descobrir algo semelhante entre seres humanos. Ele filmou de perfil e em câmara lenta pessoas que se comunicavam. Com isso constatou-se que tanto a pessoa que fala como o ouvinte estão ligados no mesmo instante por movimentos minúsculos, chamados micromovimentos. Este vibrar um com o outro está presente em todos os seres humanos, com exceção das crianças autistas. Está-se aqui na pista de uma conexão que, no âmbito da vida orgânica, corresponde aquela inexplicável e característica conexão das partículas físicas elementares.
Qualquer um pode fazer um experimento de tais campos independentes no tempo e no espaço em uma sala de concertos, onde reina uma harmonia inexplicável segundo critérios tradicionais. Como é possível, pode-se perguntar ingenuamente, que tantos músicos diferentes com tempos de reação tão diferentes toquem todos no mesmo andamento? Eles naturalmente estão todos olhando para o mesmo regente, mas devido aos tempos de reação individuais, cada um deles deveria transpor os sinais para seu instrumento em tempos diferentes. A razão de isso não ser assim está no padrão vinculante da música. Em lugar do caos que logicamente seria de esperar, pode resultar uma sinfonia, um soar conjunto, porque os músicos tornam-se um no padrão e atuam como um único ser. Os ouvintes também podem introduzir-se nesse padrão e tornar-se um na música, com o regente, os músicos e os outros ouvintes. Esse é um mistério que nem mesmo a melhor reprodução técnica possível do conceito pode substituir.
Experiências práticas com esses campos que não podem ser compreendidos logicamente, nem vistos, mas que podem ser sentidos, permitem também a meditação. Em quase todos os mosteiros havia salas de oração que eram mantidas exclusivamente com esse propósito, para não perturbar a atmosfera. Quem já meditou em um claustro onde somente a meditação foi praticada nos últimos mil anos conhece a experiência. Aqui, entra-se em estado de meditação mais facilmente e mais profundamente que no dormitório de casa ou até mesmo viajando de avião. Grandes grupos que estão em uníssono também criam um campo que pode ser sentido. No Tai-Chi, uma antiga meditação chinesa feita através de movimentos, ele é especialmente perceptível. Surge uma enorme energia quando um grupo se movimenta como se fosse um único ser. Uma antiga experiência militar afirma que é mais fácil marchar ao mesmo tempo. Pode-se ver quão grande a energia do uníssono, da ressonância pode se tornar quando se sabe do perigo (de desabamento) que as colunas em marcha representam para as pontes.
Para ilustrar como esses campos podem se formar ao mesmo tempo a grandes distâncias, temos o fato de que freqüentemente as descobertas são feitas ao mesmo tempo em diferentes partes do mundo e que as mesmas idéias surgem no mesmo instante em lugares diferentes. Essa experiência pode precipitar-se até mesmo na política. A energia de um campo de padrão vigente ficou demonstrada na queda quase sincrônica dos regimes do bloco europeu oriental. Seu tempo tinha se esgotado e até mesmo os tanques, que durante décadas tinham preservado a paz dos cemitérios, repentinamente não podiam fazer mais nada. Embora o intelecto, movendo-se por caminhos estreitos, ainda possa procurar outras explicações para todos esses exemplos, há uma experiência drástica que nesse sentido representa para ele um problema insolúvel. Separou-se uma cadela poodle de seus filhotes que foram levados a milhares de quilômetros de distância em um submarino atômico. À medida em que eles iam sendo sacrificados a espaços de tempo determinados, a mãe "reagia" de maneira mensurável. A palavra "reagir" não é de fato apropriada para este caso, pois não havia qualquer razão para que a mãe reagisse a qualquer coisa; ela na verdade estiva ligada a seus filhotes em um campo. A reação requer tempo, sendo que aqui tudo sucedia simultaneamente.
Enquanto ainda acreditamos que são as mais diversas causas que mantêm o mundo em movimento, a física moderna prova justamente o contrário. na realidade, somos regidos por uma sincronicidade inexplicável, não passando a causalidade de um equívoco, ainda que plausível. Os fenômenos que emergem nos campos formativos ocorrem de maneira sincrônica e não podem mais ser explicados de maneira causal. Estamos começando a suspeitar que a física e a biologia estão na pista daquela realidade mais profunda que nas escrituras sagradas do Oriente é descrita como um grande padrão ocorrendo de maneira sincrônica em planos diferentes, onde tudo tem seu lugar, está relacionado entre si, mas não está de modo algum relacionado de maneira causal. A doutrina analógica é a que mais coincide com as noções dos campos formativos. Neste sentido é compreensível que ensinamentos antigos tais como de Paracelso, de que o homem e o mundo são um , voltem a ser levados em consideração.
Falta pouco para que se relacione o efeito dos rituais com os campos formativos. Os rituais são o caminho mais direto para construir esses campos e ancorá-los na realidade. A suspeita transforma-se em certeza quando se considera os antigos ritos de iniciação e de cura. Nos rituais da puberdade não se explica aos adolescentes o mundo dos adultos e suas regras, mas através da execução dos procedimentos rituais eles se tornam parte do mesmo sem precisar entender coisa alguma. Uma vez introduzidos no campo da nova esfera, todas as suas possibilidades abrem-se para ele automaticamente. Nós, que não acreditamos mais em rituais e por essa razão tampouco construímos campos fortes, mal podemos imaginar algo semelhante.
 

2
Doença e Ritual


 

1. Rituais em nossa sociedade



As antigas culturas que conhecemos tinham, sem exceção, uma coisa em comum: a partir de símbolos, elas criavam rituais não só para as principais fases de transição da vida, mas também para o dia-a-dia e suas exigências. Somente o homem moderno acredita poder seguir adiante sem rituais, considerando-os crendices já superadas. Contra este pano de fundo, é de admirar ainda mais o grande número de rituais que foram conservados em nossa esclarecida época. Despercebidos ou propositadamente ignorados, eles continuam dominando a imagem da sociedade. Ao lado dos poucos rituais que perduraram conscientemente, tais como o batismo, a primeira comunhão, a crisma, o matrimônio e o sepultamento, há inúmeras ações semiconscientes e inconscientes que vivem de seu caráter ritual. Pequenos rituais obrigatórios preenchem o cotidiano, como se repentinamente pessoas adultas não pudessem, sem eles, desenvolver seqüências de passos próprias dentro do padrão da marcha diária, seja a compulsão de contar as colunas que passam rapidamente pela janela enquanto viajamos de metrô, quando se tem que verificar cinco vezes se o carro está realmente fechado, se a porta da casa está trancada, se os aparelhos estão desligados da tomada e assim por diante. Todos esses procedimentos não têm qualquer sentido lógico apreensível, tratando-se unicamente, tal como é típico dos rituais, da ação por si mesma. Ao lado desses rituais cotidianos e aparentemente secundários, há também grande número de rituais importantes.
Nossa justiça ergue-se sobre o pressuposto de que os membros da sociedade reconhecem e acreditam nesse antigo ritual que é a jurisdição. Em cada procedimento, o caráter ritual torna-se claro em sua evolução rigidamente ritualizada. A jurisdição corresponde quase a uma ordem, seja ela religiosa ou laical. As togas dos magistrados, dos promotores e dos advogados de defesa são hábitos rituais cheios de significado. Por que outra razão deveria um jurista adulto usar um vestido e uma peruca se não para servir ritualmente à deusa Justiça? Tal como os sacerdotes, o juiz exerce seu cargo sem levar em consideração sua própria pessoa ou a do acusado. Enquanto ocupa seu cargo, só está submetido às regras do ritual da justiça e deixa de ser uma pessoa individual particular com opiniões próprias até o final do julgamento. Caso não consiga isso, estando comprometido com outras coisas que não exclusivamente os livros da lei, ele é recusado por ser parcial.
O fechamento de um contrato, o reconhecimento consciente dos fatos através da assinatura do próprio punho, preenche os critérios de um ritual. Precisamente, não é possível datilografar ou carimbar o nome na folha de papel, ainda que assim ele fosse mais legível. Nos acordos políticos, a celebração da ratificação como ritual de reconhecimento chama especialmente a atenção. As relações usuais entre as pessoas também estão submetidas a regras rituais que têm pouco sentido se consideradas do ponto de vista funcional. Por que, ao cumprimentar alguém, se dá justamente a mão direita aberta e não o punho esquerdo fechado? Nossa vida está determinada por símbolos e sinais, das cores das roupas até os sinais de trânsito. Todos os procedimentos rituais desse tipo somente subsistem porque são reconhecidos e seguidos. Regras e sinais de trânsito não têm qualquer sentido em si mesmos mas, respeitados por todos, regulamentam as mais difíceis situações. Rituais não são lógicos, mas simbólicos. eles são o padrão operante. Sem eles, a vida em sociedade seria impossível.
O problema está em que rituais inconscientes não funcionam tão bem quanto aqueles que são conscientes, e na sociedade industrial moderna predomina uma forte tendência à inconsciência. De maneira cada vez mais duradoura, o significado dos rituais perde seu embasamento na consciência e mergulha na sombra. Na superfície social, as formas esvaziadas de sentido degeneram em costumes. Estes são manifestamente persistentes devido ao fato de terem suas raízes profundas no padrão que um dia foi consciente. Ainda que o sentido original tenha sido esquecido há muito, os costumes subsistem e continuam dando à sociedade uma moldura. As tentativas de eliminá-los através de reformas muitas vezes naufragam devido a seu profundo enraizamento. Por muito brio que os revolucionários franceses de 1789 tenham posto na tentativa de transformar a semana de 7 dias em um ritmo decimal mais lógico e produtivo, o ritmo setenário estava profundamente enraizado na realidade e sobreviveu à Revolução.
Até mesmo quando não conhecemos mais as raízes, continuando ainda assim vigentes as regras que delas se originaram, permanecemos na segurança do padrão. O único perigo está em que a carga anímica esmoreça junto com a consciência. Caso as regras somente sejam cumpridas mecanicamente, sem consciência, elas se trivializam. Quando seu sentido não é mais reconhecido, elas nos parecem absurdas. Por essa razão, nós não as interpretamos mais, e elas necessariamente perdem significado.
 

2. Rituais de passagem



As etapas de transição da vida exigem rituais e eles estiveram presentes em todas as épocas. Enquanto as culturas arcaicas confiavam na energia iniciática dos ritos da puberdade, nós desvalorizamos em grande medida as últimas relíquias destes últimos, a primeira comunhão e a confirmação. Não estando suficientemente carregados de consciência, eles degeneraram em costumes que praticamente já não podem mais cumprir sua função. É difícil para um jovem de hoje crescer pois faltam-lhe rituais de passagem conscientes que o prendam com segurança no novo padrão do mundo dos adultos, com suas regras e símbolos totalmente diferentes. Alí onde acreditávamos estar-lhes poupando dos horrores das mais sombrias superstições, na verdade lhes roubamos substanciais oportunidades de amadurecimento. Por mais duros e sinistros que possam ser os ritos correspondentes das culturas arcaicas, desde passar dias a fio ao relento no mato ou em escuras cavernas até sangrentas provas de coragem e encontros com espíritos que causam verdadeiro terror, tratava-se de etapas viáveis para passar ao novo plano.
Como é impossível fazê-lo sem rituais, os adolescentes de hoje têm de se esforçar para encontrar substitutos. O primeiro cigarro, fumado quase ritualmente no círculo de correligionários, é uma tentativa correspondente. Sabendo muito bem que ainda não são adultos, eles ousam antecipar-se em um dos ainda proibidos privilégios do mundo dos adultos. Quebrando esse tabu, eles inconsciente-mente esperam forçar a entrada no novo padrão. A angústia está presente, de maneira similar aos rituais de puberdade arcaicos. O novo plano é perigoso, e o primeiro cigarro o demonstra. A maioria dos participantes do ritual sentem a correspondente diarréia, um sinal do quanto eles têm as calças cheias. Mas tossindo corajosa e agressivamente, eles desafiam essas dificuldades iniciais.
O exame para a obtenção da carteira de motorista é um ritual substitutivo ainda mais importante. É preciso receber a correspondente legitimação para tornar-se membro de uma sociedade motorizada. Após a superação dessa verdadeira prova de maturidade, têm inicio as provas de coragem nas ruas. O número e o tipo de acidentes que ocorrem no primeiro ano de carta de motorista demonstram que corresponde sobretudo aos homens jovens aprender a conhecer o medo dessa maneira.
O problema de tais procedimentos substitutivos é que eles não oferecem nenhuma segurança no novo plano devido à falta de consciência e, sobretudo, devido à falta de uma mão auxiliar do outro lado, nesse caso do lado adulto. Dessa maneira, os adolescentes acabam ficando dependentes dos rituais substitutivos, tornando-se fumantes inveterados e motoristas furiosos e fantasmagóricos, mas não adultos.
Antigamente, os jovens profissionais eram enviados em peregrinação e até há poucos anos as moças au-pair viajavam ao estrangeiro para ganhar experiência e "cortar as garras". A sociedade ainda tinha consciência do quanto os jovens ignorantes podiam tornar-se perigosos caso suas garras não fossem cortadas. Hoje em dia, é freqüente que principalmente crianças burguesas, legitimadas pelos regulamentos educacionais profundamente reformados, permaneçam em casa, tornando-se verdadeiros apêndices do amor paterno ou materno. As ruas representam portanto uma saída, ainda que perigosa. Os filmes de terror, cujo boom pode ser explicado pelo déficit de medo, terror e aventura que existe entre os jovens, não podem preencher o vácuo, eles apenas o ilustram.
 

3. Rituais da medicina moderna



Na Antiguidade, a vida começava com um ritual de nascimento e terminava com um ritual de morte. Hoje em dia, ambos foram transferidos em grande parte para as clínicas, transformando-as assim em refúgios de ritos inconscientes. Os rituais predominantes na medicina podem ajudar-nos a entrever o valor geral da ritualística para os processos de cura, devendo portanto ser considerados de maneira mais minuciosa.
Com o necessário olhar aguçado, pode-se encontrar nas clínicas modernas uma desconcertante quantidade de mágica, à altura de qualquer curandeiro. Em tempos arcaicos, quando os pacientes se entregavam aos cuidados dos curandeiros, precisando confiar inteiramente no outro mundo destes últimos, eles perdiam todos os direitos de autodeterminação e entregavam-se a Deus e, portanto, aos xamãs que o representavam. Hoje em dia nós encenamos um efeito semelhante de maneira ainda mais ostentosa. O paciente moderno também abdica de seu direito à autodeterminação, em geral já na recepção. Esta continua sendo um lugar essencial de qualquer clínica, guardando o limiar do outro mundo assim como o faziam antigamente as portas do templo. Devido à sua invisibilidade e à temática da doença, sentida por trás de tudo, o mundo que está além da recepção provoca angústia. De maneira correspondente, não é raro que os pacientes se sintam oprimidos por todas as coisas que vêm até eles e que eles não compreendem. Os antigos deviam sentir-se de maneira semelhante ao entrar em um templo de Esculápio em busca de cura, com a diferença de que o faziam de forma mais consciente.
Após serem registrados segundo um esquema rígido, os pacientes são enviados para a cama o mais rapidamente possível. Ainda que estejam totalmente sãos e cheguem na noite anterior a um exame ou uma intervenção, no hospital os pacientes devem deitar-se, Aqui a cabeça, que representa o comando central, não pode ser mantida erguida, devendo por princípio reclinar-se. Dessa maneira assegura-se também que os pacientes estejam aos pés dos médicos, ao menos fisicamente, manifestando-se com clareza que discussões de igual para igual estão fora de questão. Para eles, não resta muito para conversar e praticamente nada que possam decidir. Tanto em relação à forma quanto ao conteúdo, eles são transformados o mais rapidamente possível em pacientes. Faz parte desse ritual ser colocado na cama por uma enfermeira tal como se fossem crianças, isso depois de obedecer à ordem de se despir, assim como o fato de que não podem mais decidir por si mesmos quando devem ir para a cama e quando devem se levantar. Tem início o retrocesso ao nível de responsabilidade de uma criança. Na maioria das clinicas passa-se a maior parte do tempo no quarto, exatamente como na época da infância. Isso acarreta ainda o efeito adicional de que a enfermeira deve decidir quando é hora de dormir, isso desejando o melhor para as "queridas crianças", naturalmente: apagar a luz, fechar os olhos! Na manhã seguinte, após a ordem de lavar-se, não há nada daquilo que os pacientes gostam de comer no café da manhã. Novamente, são outros que decidem o que é melhor para eles. E quando não comem tudo, são brandamente repreendidos e recebem os olhares correspondentes. Muitas enfermeiras ainda caricaturam essa situação inconscientemente ao recair em uma espécie de tatibitate infantil que, ainda que a intenção seja carinhosa, indica ainda mais univocamente ao paciente o papel que lhe corresponde.
Celebra-se aqui um grandioso ritual com o único objetivo de transformar seres humanos em pacientes, mais propriamente transformando-os de novo em crianças. Muitos detalhes concorrem para a consecução desse processo: caso os pacientes queiram passear, têm de fazê-lo de pijama, camisola ou roupão de banho, mas nunca como adultos emancipados normais. Eles não podem estar tão saudáveis a ponto de não ter de deitar-se na cama quando o médico os visita, aguardando pacientemente as manifestações dos semideuses. Estes, de fato, decidem em grande medida o destino dos pacientes, os quais são informados apenas dos resultados. Os médicos, quando discutem entre si, utilizam uma linguagem secreta praticamente incompreensível, comparando curvas, gráficos e medidas que parecem um cofre fechado a sete chaves.
As visitas do médico ao leito do doente regem-se por regras rituais rígidas. Na maioria das vezes, celebra-se uma lição de hierarquia. Hierarquia, traduzido literalmente do grego, quer dizer "governo do que é sagrado". Trata-se, portanto, somente de uma conseqüência quando o chefe, na ponta da hierarquia, governa e deixa governar como se fosse um sacerdote do Sol. Certas liberdades, que são possíveis com a infantaria de enfermeiros, estão obviamente fora de questão no que a ele se refere. Ele dá a impressão de saber tudo e não precisa
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   35


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal