A educação é a ferramenta mais poderosa que podemos usar para mudar o mundo



Baixar 123.42 Kb.
Encontro07.08.2016
Tamanho123.42 Kb.


A Educação é a ferramenta mais



poderosa que podemos usar para mudar o mundo”
Nelson Mandela



Revisões do mQ


Revisão

Data

Descrição das alterações

0

07-12-2004

Emissão

1

10-10-2005

Nova imagem da instituição;

Alteração de anexos.



2

14-09-2006

Atualização da história;

Missão;


Visão;

Alteração da abordagem por processos incluindo as especificações dos cursos de nível II.



3

14-09-2007

Alteração da Política da Qualidade, Objetivos da EPRALIMA e na abordagem por processos.

4

15/01/2008

Inclusão de moradas, contactos, e-mail;

Inclusão dos objetivos ambientais e de responsabilidade social.



5

02/03/2009

Inclusão da extensão de Ponte de Lima

Norma ISO 9001:2008



6

01/09/2010

Inclusão do CNO no Manual da Qualidade

Alteração da Morada da Delegação de Ponte de Lima



7

02/01/2013

Alteração do âmbito de certificação: Serviços de Formação Profissional

Revisão Geral

Revisão Geral – Acordo ortográfico


8

15/01/2015

Revisão de processos (FCT e DF), organigrama, objetivos.


ÍNDICE


  1. APRESENTAÇÃO DA EPRALIMA




    1. Contactos

    2. Introdução

    3. Compromisso da Gestão de Topo

    4. História

    5. Missão

    6. Visão

    7. Política da Qualidade

    8. Objetivos da Epralima

    9. Organigrama




  1. SISTEMA DA QUALIDADE




    1. Âmbito

    2. Exclusões

    3. Estrutura Documental

    4. Organização do Manual da Qualidade




  1. ABORDAGEM POR PROCESSOS




    1. Introdução

    2. Mapa de Processos

    3. Descrição dos Processos

3.3.1 Processos de Planeamento

3.3.2 Processos Operacionais

3.3.3 Processos de Suporte
4. Anexos



APRESENTAÇÃO DA EPRALIMA




    1. Contactos


Sede:

Rua Dr. Joaquim Carlos Cunha Cerqueira, Apartado 102

4974 – 909 Arcos de Valdevez

Telefone: 258 520 320

Fax: 258 520 329

E-mail: info@epralima.pt


Delegação Ponte da Barca

Fonte Cova, Paço Vedro de Magalhães

4980 – 548 Ponte da Barca

Telefone: 258 480 120

Fax: 258 480 129

E-mail: info@epralima.pt


Delegação Ponte de Lima

Avenida António Feijó

Casa da Graciosa

4990-029 Ponte de Lima

Telefone: 258 931 432

E-mail: info@epralima.pt



www.epralima.pt


    1. Introdução

A Escola Profissional do Alto Lima, CIPRL, abreviadamente designada EPRALIMA, é uma instituição sem fins lucrativos, de natureza privada, que visa uma mais-valia na formação de jovens proporcionando a estes um ensino profissional adequado.

A instituição tem infra-estruturas de qualidade adequadas aos cursos ministrados, estando a sede, em Arcos de Valdevez, freguesia de Vila Fonche, a funcionar em dois edifícios recentes. As delegações de Ponte da Barca e Ponte de Lima usufruem de instalações recentes, localizadas nas sedes dos concelhos, junto aos complexos escolares.
Este Manual descreve o Sistema de Gestão da Qualidade concebido e implementado na EPRALIMA, bem como os processos que a representam e que visam o cumprimento da sua Política da Qualidade.

O Sistema da Qualidade foi implementado com base na Norma NP EN ISO 9001:2000. A Revisão 5 deste Manual passou a regular a implementação do Sistema de Gestão da Qualidade com a Norma NP EN ISO 9001:2008, pretendendo esta certificação a interação com todas as funções e atividades da EPRALIMA.

A responsabilidade pela Qualidade não é exclusiva da Gestão da Qualidade, é sim um privilégio repartido por todos os colaboradores da EPRALIMA.

De forma a garantir o nível desejado de satisfação dos serviços prestados, este Manual demonstra de forma clara e inequívoca os procedimentos adotados pela EPRALIMA no âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade, sendo um documento de referência para a EPRALIMA.




(voltar ao Índice)



2.1

    1. Compromisso da Gestão de Topo


A Direção da EPRALIMA assume o compromisso de desenvolver e implementar um Sistema de Gestão da Qualidade focado na satisfação de todos os intervenientes de modo a assegurar a melhoria contínua da eficácia do Sistema.

Para isso:

  • Comunica aos vários níveis da EPRALIMA a importância do cumprimento dos requisitos legais e dos requisitos das partes interessadas (alunos, entidades empregadoras, encarregados de educação, comunidades, etc.);

  • Define uma Política para a Organização e os respetivos Objetivos;

  • Promove o seguimento dos objetivos e as revisões periódicas ao Sistema de Gestão da Qualidade;

  • Assegura a disponibilidade dos recursos necessários;

  • Assegura o cumprimento da legislação;

  • Assegura o estabelecimento de processos de comunicação apropriados dentro da organização.


A Gestão da Qualidade é a responsável para a Qualidade nomeado pela gestão de topo, competindo-lhe:

  • Assegurar que os processos necessários ao Sistema de Gestão da Qualidade são estabelecidos, implementados e mantidos;

  • Avaliar o desempenho do Sistema e quaisquer necessidades de melhoria;

  • Assegurar que toda a EPRALIMA esteja consciente da necessidade de cumprimento dos requisitos das partes interessadas.

A promulgação do Manual da Qualidade representa o compromisso escrito da Direção de que a Política da Qualidade é planeada, executada e avaliada de forma a garantir a sua contínua aplicabilidade e adequabilidade face ao cumprimento dos requisitos e evolução das atividades desenvolvidas.


Arcos de Valdevez, 15 de Janeiro de 2015
A Direção:
(voltar ao Índice)

    1. História


“As montanhas que nos delimitam o horizonte não esmorecem em nós a capacidade de sonhar…”

Oswaldo Cruz, 1937


A EPRALIMA foi criada nos termos do Decreto-Lei 4/98 de 8 de Janeiro, como Cooperativa de Interesse Público e Responsabilidade Limitada.

São cooperantes da Escola Profissional do Alto Lima as Câmaras Municipais de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca, a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Alto Minho, a ARTELIMA – Academia de Artes do Vale do Lima, CRL, a ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca e o GEPA - Grupo de Estudos do Património Arcuense.

A EPRALIMA, é uma instituição sem fins lucrativos, de natureza privada, que visa uma mais-valia na formação de jovens, proporcionando a estes um ensino profissional adequado.

A Escola Profissional do Alto Lima, no desempenho da sua atividade, está sujeita à tutela científica, pedagógica e funcional do Ministério da Educação.

A EPRALIMA, CIPRL, consubstancia um projeto intermunicipal de desenvolvimento que persegue os seguintes objetivos:


  • Formar quadros intermédios necessários ao desenvolvimento local;

  • Contribuir para a diminuição das taxas de abandono e insucesso escolar;

  • Valorização do potencial endógeno;

  • Revitalização do tecido social à luz da igualdade de oportunidades;

  • Optimização dos recursos endógenos.

A Epralima obteve autorização prévia de funcionamento a 31 de Agosto de 1999 (autorização n.º 45), com a entrada em vigor do Decreto-lei 4/98 de 8 de Janeiro e tem como área de influência o Vale do Lima.

Esta Escola conta com a experiência acumulada do funcionamento da Eprami – Escola Profissional do Alto Minho Interior, que foi criada a 29 de Junho de 1993, na sequência da publicação do D.L. 70/93 de 10 de Março que instituía as escolas profissionais e tinha como promotores as Câmaras Municipais de Arcos de Valdevez, de Melgaço e Paredes de Coura e o Parque Nacional da Peneda-Gerês. A dispersão que marca estes concelhos, associada a um conjunto de fatores que apontava para múltiplas dificuldades quer administrativas quer pedagógicas, levou a que os promotores se decidissem pela reestruturação desta instituição, tendo sido criada a epralima adaptada às necessidades do Vale do Lima e a eprami assumiu o Vale do Minho.

A Epralima tem em vista uma maior contextualização local dos planos educativos, assim ministra cursos orientados para a potenciação dos recursos endógenos da região, estando por isso vocacionada para a formação técnica e prática de quadros médios.


Assim sendo, a instituição leciona cursos profissionais de Nível II e IV; Educação e Formação, vocacionais e Qualificação de Ativos.

A escolha das ações de formação ministradas resulta da auscultação dos promotores e das forças vivas locais para que assim a EPRALIMA possa contribuir para o desenvolvimento do Vale do Lima.

A EPRALIMA tem também desenvolvido, em parceria com outra escolas e instituições da União Europeia, vários projetos que visam o contacto com outras realidades profissionais, o enriquecimento cultural e a desenvolvimento pessoal da população envolvida. Estes projetos têm como público-alvo os alunos, mas também são extensíveis a todos os colaboradores.

Correspondendo às expectativas da comunidade educativa, das entidades empregadoras e da comunidade local, o percurso encetado é de evidente sucesso aferido pela significativa percentagem de alunos colocados no mercado de trabalho e pela crescente procura da oferta formativa da Escola, que se encontra na sua lotação. Este sucesso é alicerçado numa constante procura da excelência de que são momentos significativos a inauguração das instalações com grande qualidade ao nível das infra-estruturas e equipamentos em Arcos de Valdevez (2000), Ponte da Barca (2004) e Ponte de Lima (2009); a acreditação pelo IQF (Instituto para a Qualidade na Formação); a E.C.D.L. (Carta de Condução Europeia de Informática); a pertença à rede ENIS (Rede Europeia de Escolas Inovadoras), a ATC (Authorized Training Centre); o CRVCC (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências), renomeado CNO (Centro de Novas Oportunidades), infelizmente extinto em Dezembro de 2011 por decisão governamental; os diversos projetos EQUAL de apoio técnico às empresas, os projetos Leonardo, os projetos Socrates, ERASMUS, Comenius, o SPOVIVA (Serviço de psicologia, orientação vocacional e integração na vida ativa) e o seu trabalho no apoio aos alunos, o Gabinete de Ensino Especial, em 2008 iniciou-se também, e pela primeira vez na história da EPRALIMA, uma formação EFA (Educação e Formação de Adultos) e Formações Modulares Certificadas, e, obviamente, a obtenção da Certificação de Qualidade pela ISO 9001:2000 em Dezembro de 2005 e adaptação à norma ISO 9001:2008 em Março de 2008. Com esta Certificação a EPRALIMA garante o rigor na qualidade dos serviços prestados afirmando-se como uma Escola moderna, perfeitamente integrada nas necessidades do tecido social e empresarial da região, e preparada para os novos desafios.



(voltar ao Índice)


    1. Missão


A EPRALIMA tem como missão formar técnicos intermédios, privilegiando o “saber”, o “saber fazer” e o “saber ser” contribuindo para formar cidadãos solidários, ativos e informados, preparados para uma nova cidadania europeia e para os novos desafios da sociedade do conhecimento, permitindo que possam fixar-se localmente, constituindo mais-valias nas respetivas áreas de intervenção

Compete à Escola proporcionar as condições que possibilitem aos jovens que a frequentam, a aquisição de conhecimentos, as competências e o desenvolvimento de capacidades e atitudes fundamentais, estruturantes e de natureza instrumental. Tal permitir-lhes-á prosseguir os seus percursos profissionais, académicos e pessoais, numa perspetiva de educação e de formação ao longo da vida, assumindo-se como cidadãos de pleno direito, críticos e intervenientes, numa sociedade democrática, moderna e desenvolvida.


Embora sejam os Cursos Profissionais o objeto das Escolas Profissionais, a EPRALIMA assume, também, como missão, contribuir para a formação contínua de ativos e reforçar as articulações entre a educação escolar e a formação profissional.

    1. Visão


A EPRALIMA, consciente que o ensino profissional ocupa um papel determinante na construção do futuro do indivíduo e da sociedade, ambiciona responder às necessidades educativas e formativas, às expectativas dos jovens e às necessidades e exigências da região. E EPRALIMA espera ser capaz de formar cidadãos com valores éticos e morais consolidados, aliados a uma formação de excelência, que lhes permita ser bem-sucedidos nas suas vidas profissionais e pessoais!


(voltar ao Índice)

    1. Política da Qualidade


A EPRALIMA define a Política de Qualidade tendo em conta o estabelecido pela Norma NP EN ISO 9001:2008.

Estes princípios estão inerentes à cultura da organização e traduzem-se na procura constante da satisfação das partes interessadas.



Assim a política de qualidade da EPRALIMA, traduz-se nos seguintes princípios orientadores:


  1. Integrar os alunos na escola e no meio em que esta se insere;

  2. Promover mecanismos que potenciem a cooperação entre os atores educativos e a sociedade, incentivando um maior conhecimento da realidade social e cultural regional, nacional e europeia;

  3. Dinamizar iniciativas e projetos que aprofundem a autonomia pessoal;

  4. Veicular uma cultura de escola que privilegia a liberdade pessoal, o debate, a discussão e a partilha de ideias, mas, também, o respeito por diferentes opiniões e perspetivas;

  5. Dinamizar percursos educativos tendentes a desenvolver competências científicas, tecnológicas, atitudinais, sociais e profissionais;

  6. Mobilizar diferentes e diversificadas áreas do conhecimento;

  7. Perseverar na construção de uma escola para todos, de cultura democrática e integradora;

  8. Promover práticas conducentes ao sucesso escolar e à integração profissional, através da inovação, da criatividade e da contante atualização;

  9. Promover o envolvimento da comunidade no processo educativo;

  10. Manter um quadro estável no que respeita ao pessoal docente e não docente;

  11. Valorizar a formação e constante atualização do pessoal docente e não docente;

  12. Otimizar os recursos educativos e materiais existentes no sentido de ministrar uma formação de elevada qualidade.

Os princípios que estão subjacentes a esta politica, são:




  • Princípio da igualdade: a educação e formação só podem ocorrer em sentido pleno longe de toda e qualquer discriminação, num ambiente de tolerância informada e critica;

  • Princípio da solidariedade: cujo sentimento acompanha o espírito de equipa e dignifica a existência humana;

  • Princípio da democraticidade: permitindo a participação ordenada de todos os membros da Comunidade Educativa na vida da Escola e educando para uma cidadania responsável.


(voltar ao Índice)

    1. Objetivos da EPRALIMA.


No desenvolvimento da sua atividade, a EPRALIMA tem como objetivos gerais (não obstante os definidos anualmente):


  • Contribuir para superar o défice estrutural de qualificações da população portuguesa, consagrando o nível secundário como referencial mínimo de qualificação, no quadro de uma política de qualidade orientada para o sucesso educativo;

  • Desenvolver as competências vocacionais dos jovens, alicerçadas num conjunto de saberes sociais, científicos e técnicos, que lhes permitam uma efetiva inserção no mundo do trabalho e o exercício responsável de uma cidadania ativa;

  • Construir estratégias e utilizar ferramentas promotoras de um auto posicionamento e de capacidades de metacognição, baseada num espírito crítico fundamentado, respeitador e integrador;

  • Envolver o aluno enquanto sujeito ativo na sua aprendizagem, formado na utilização e seleção da informação, conduzindo-o no traçado de um percurso escolar ativo e participativo;

  • Promover o conhecimento da sociedade e da sua identidade cultural, estimulando o sentimento de pertença a um projeto global e a uma comunidade, estruturado em redes sociais de suporte;

  • Valorizar a aprendizagem das tecnologias da informação e comunicação, aprofundando, nomeadamente, a formação em torno de ferramentas de produtividade que sustentem as tecnologias específicas de cada curso e o exercício da cidadania;

  • Estimular a criatividade, a inovação e o espírito empresarial, valorizando a sua importância tanto para o desenvolvimento pessoal como para o crescimento económico e o emprego, promovendo uma atitude empreendedora;

  • Proporcionar aos alunos a necessária orientação escolar e profissional, de modo a facultar-lhes os conhecimentos e ferramentas necessários à inserção na vida ativa ou o prosseguimento de estudos;

  • Preparar para o exercício profissional qualificado, numa perspetiva de aprendizagem ao longo da vida, enquanto instrumento promotor de (re)inserção socioprofissional e de uma progressão na qualificação;

  • Potenciar a ligação entre a escola e as instituições económicas, financeiras, profissionais, associativas, sociais e culturais, designadamente, do tecido económico e social, local e regional;

  • Reforçar os mecanismos pedagógicos conducentes a melhor habilitar os alunos para um mercado laboral europeu caraterizado pela forte competitividade;

  • Renovar a aposta na Escola Profissional como uma Escola Diferente no que respeita aos objetivos, às práticas e metodologias pedagógicas ativas;

  • Assegurar o cumprimento integral dos grandes princípios da Lei de Bases do Sistema Educativo Nacional, assumindo o compromisso de desenvolver estratégias nesse sentido;

  • Equacionar práticas pedagógicas que promovam nos alunos a interiorização do "Estatuto Profissional"/"Perfil de Técnico de..." a atingir no final dos cursos face à tendência da admissão de alunos que procuram uma forte componente prática do ensino;

  • Desenvolver práticas ambientais de respeito pelos princípios ecológicos e de sensibilização dos alunos para a temática;

  • Promover a Política Ambiental da Escola, integrando o programa Eco-Escolas, cuja Bandeira Verde foi conseguida no ano letivo 2008/2009 e com a respetiva renovação do galardão nos anos letivos posteriores, tendo sido, constituído um grupo de trabalho para levar a cabo este projeto;

  • Promover o envolvimento dos Pais/Encarregados de Educação na formação dos jovens, na resolução de problemas e no desenvolvimento de atividades;

  • Contribuir para o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância para a vida social;

  • Incentivar os Encarregados de Educação a partilharem experiências com os seus educandos na Escola;

  • Promover a interação entre o Gabinete de Apoio ao Aluno e os familiares dos alunos;

  • Envolver os Encarregados de Educação, Professores, Psicólogas, Alunos, Funcionários e restante Comunidade Educativa num projeto comum de partilha de sabedoria e bem-estar;

  • Estimular a interação dos alunos com a comunidade educativa e vice-versa, promovendo a dinâmica escolar;

  • Desenvolver ações no sentido de melhorar os equipamentos didáticos das salas de aula, em qualidade e quantidade, assegurando a sua operacionalidade;

  • Integrar práticas pedagógicas em laboratórios, entendendo estes como locais privilegiados de construção de saberes, permitindo que os alunos tomem contacto com diferentes contextos de organização do trabalho proporcionando experiência profissional e aproximação progressiva ao mundo empresarial;

  • Dinamizar projetos de âmbito local e regional com outras instituições que pretendam responder a problemas globais da população local;

  • Organizar de forma adequada e funcional os espaços escolares;

  • Modernizar os Serviços Administrativos com vista a uma maior eficácia;

  • Implementar estratégias de sensibilização contínua para a manutenção de uma escola limpa e saudável;

  • Prevenir todo o tipo de situações que ponham em risco a segurança e a saúde da comunidade escolar;

  • Implementar práticas que possam responder às necessidades resultantes da realidade social;

  • Estabelecer uma política de gestão voltada para o civismo, para a cidadania e pelo respeito pelos direitos do Homem e do trabalhador;

  • Incentivar a formação de cidadãos livres, responsáveis, participativos, autónomos, solidários e criativos;

  • Assegurar a qualidade do ensino ministrado, em conformidade com os requisitos da qualidade exigidos;

  • Garantir o cumprimento da ISO 9001:2008 e a eficácia do Sistema da Gestão da Qualidade.


(voltar ao Índice)
O planeamento e desenvolvimento do Sistema Integrado de Gestão da Qualidade da nossa organização é realizado tendo por base os princípios da melhoria contínua segundo o esquema seguinte:


(voltar ao Índice)

    1. Organigrama


A EPRALIMA está estruturada de acordo com o Organigrama:
anexos\final\organigrama.pdf

As descrições de cada função constante deste Organigrama, os critérios de substituição para o seu desempenho no âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade encontram-se descritas no Regulamento Interno.




2. SISTEMA DA QUALIDADE

    1. Âmbito


Prestação de Serviços de Formação Profissional.

Cursos de Ensino Profissional”

.

    1. Exclusões


Cláusula 7.6 – Controlo de equipamento de monitorização e mediação.


    1. Estrutura Documental

Os documentos constituintes do Sistema de Gestão da Qualidade encontram-se organizados da seguinte forma:







Projeto Educativo







Política da Qualidade







Manual da Qualidade







Matrizes de Processo







Procedimentos da Qualidade







Formatos




Outros Documentos



(voltar ao Índice)

    1. Organização do Manual da Qualidade


O MANUAL DA QUALIDADE é preparado pelo Gestão da Qualidade e aprovado pela Direção. É emitido em formato papel e em formato digital, conforme esta página.

No rodapé de cada página (exceto na primeira) são indicados:



  • Número da página;

  • Número total de páginas do MANUAL DA QUALIDADE;

  • Número da revisão;

  • Data de entrada em vigor.

A preparação e aprovação são evidenciadas por rubrica dos responsáveis respetivos na primeira página.

O MANUAL DA QUALIDADE é revisto sempre que ocorre qualquer alteração que o torne inadequado, enquadrada em ação de melhoria ou de correção. Propostas de revisão do MANUAL DA QUALIDADE, podem ser efetuadas por qualquer pessoa, dirigidas à Gestão da Qualidade.

Qualquer alteração ao conteúdo do MANUAL DA QUALIDADE implica a emissão de uma nova revisão do mesmo, sendo o respetivo número incrementado de uma unidade. A emissão é considerada revisão zero.

Nas revisões 1 e seguintes é preenchida a tabela na primeira página do manual com o registo das alterações introduzidas relativamente à versão anterior.


A publicação do MANUAL DA QUALIDADE é controlada pela Gestão da Qualidade que garante a sua atualização digital e emissão de cópias necessárias. Excetuam-se as cópias distribuídas para utilização por entidades externas que não são controladas (sendo assinaladas como tal).

As cópias controladas são atualizadas sempre que se procede a qualquer revisão.






(voltar ao Índice)

3. ABORDAGEM POR PROCESSOS




3.1 Introdução


A abordagem e descrição de processos foram realizados tendo por base uma “Matriz de Processos” modelo onde se definem:

  • Os inputs e outputs de cada processo;

  • As atividades principais associadas a cada processo;

  • As funções que executam e/ou participam cada uma das atividades;

  • Os documentos e/ou meios que são necessários à execução de cada atividade;

  • Os registos produzidos na execução de cada atividade;

  • Os indicadores de desempenho do processo.

O Sistema de Gestão da Qualidade é entendido como um conjunto de processos que interagem e se interrelacionam entre si (ver capítulo seguinte).

É propósito desta metodologia de abordagem por processos propiciar um enquadramento para poder determinar o seu desempenho através de indicadores adequados.

A sua determinação e prossecução são efetuadas regularmente com o objetivo de melhorar continuamente a eficiência e a eficácia dos processos e consequentemente da organização.

Os processos identificados e descritos de acordo com esta metodologia foram agrupados em três classes:

 Processos de Planeamento – Processo diretamente relacionado com a otimização do funcionamento dos serviços, tendo em vista a melhoria contínua de toda a Escola, inclui a Direção Administrativa e Financeira e a Gestão dos Recursos Humanos;

 Processos Operacionais da EPRALIMA – Processos diretamente relacionados com a execução do serviço prestado pela EPRALIMA (Ensino Profissional);

 Processo de Suporte – Processos que diretamente dão suporte aos processos operacionais e que garantem o funcionamento interno da organização (incluindo outras atividades da cooperativa).

(voltar ao Índice)

    1. Mapa de Processos



    1. Descrição dos Processos



3.3.1 Processos de Planeamento



A) Gestão da Qualidade

Este processo tem como objetivo definir e dinamizar o sistema de Gestão da Qualidade de forma a dar cumprimento à política de qualidade garantindo o estipulado pela norma ISO 9001.

Depois de estabelecidos e definidos os princípios de gestão da qualidade são definidos os documentos, registos, auditorias e controlo de não conformidade que após análise crítica da direção devem conduzir à melhoria do desempenho da organização.

Este Processo encontra-se definido na matriz de processo “ Gestão da Qualidade”.



anexos\final\Gestão da Qualidade.xls

B) Gestão Administrativa e Financeira

Este processo tem como objetivo assegurar os recursos financeiros para as atividades a desenvolver.

O processo inicia-se com a aprovação dos orçamentos os quais contemplam as diversas receitas e despesas a executar no decorrer do ano letivo. Este processo é sujeito a um controlo da execução física e financeira de forma a garantir o cumprimento do orçamento, prestação de contas às entidades competentes e proceder aos respetivos pagamentos.

Este processo engloba também toda a gestão administrativa da instituição, bem como o processo de compras.

Este Processo encontra-se definido na matriz de processo “ Gestão Administrativa e Financeira”

anexos\final\Gestão Administrativa e Financeira.xls

anexos\final\Gestão Administrativa e Financeira CBS.xls

3.3.2 Processos Operacionais





  1. Planificação dos cursos

Este processo tem como objetivo determinar a oferta formativa da EPRALIMA, em termos de ensino profissional, rentabilizando os recursos existentes, proceder à ocupação das vagas disponíveis para cada turma por forma a selecionar os alunos com o perfil mais adequado a cada curso e efetuar o planeamento de todas as atividades necessárias ao desenrolar do ano letivo.

Para a determinação dos cursos a realizar pela EPRALIMA é realizado um diagnóstico das necessidades de formação de forma a ir ao encontro das carências formativas, das entidades empregadoras e comunidade, sem esquecer a procura por parte dos potenciais alunos.

(voltar ao Índice)

A oferta formativa definida é sujeita a um processo de candidatura, após o qual é obtido o Plano de Formação da EPRALIMA.

Seguidamente, é realizada a divulgação da Oferta Formativa, com vista à maximização do número de candidatos. Posteriormente, estes são sujeitos a um processo de seleção com base em critérios previamente definidos, os quais se baseiam no referencial de competências do curso em causa.

Da seriação dos candidatos, resulta a constituição das turmas e respetiva matrícula, sendo os candidatos suplentes igualmente ordenados pela classificação obtida.

Após a análise dos planos curriculares e identificação dos módulos a lecionar, é feita a seleção dos professores, a respetiva atribuição de funções e cargas horárias e a elaboração dos horários.

Numa fase posterior é realizada uma atividade de integração de professores.

Este processo encontra-se definido na matriz de processo “Planificação dos Cursos”.
anexos\final\Planificação dos Cursos.xls


  1. Execução os Cursos:


B1) Direção de Cursos
Este processo tem como objetivo concretizar o plano formativo e assegurar o sucesso da formação.

Engloba ainda a execução e acompanhamento das atividades curriculares, extracurriculares e de complemento curricular.

O Diretor de Curso tem a seu cargo a supervisão de Estágios, Provas de Aptidão Profissional e o Plano Anual de Atividades do Curso, estabelecendo contacto com todas as entidades envolvidas nestas ações.

Este processo encontra-se definido na matriz de processo: “Direção de Curso”.



anexos\final\Direção de Curso.xls


B1.1) Formação em contexto de trabalho
Este processo tem como objetivo permitir aos alunos a aplicação e aprofundamento dos conhecimentos adquiridos na escola em contexto real de trabalho.

Após o levantamento das necessidades de formandos em contexto de trabalho no mercado de trabalho, são selecionadas as entidades que melhor correspondem aos critérios definidos. É elaborado um protocolo de Formação em Contexto de Trabalho onde são definidas as condições para o seu melhor desenvolvimento. Durante o decorrer do Formação em Contexto de trabalho é feito o acompanhamento pelo Professor Acompanhante de FCT, pelo Orientador de FCT na Instituição e pelo Diretor de curso. É realizada a avaliação.

Este processo encontra-se definido na matriz de processo “Formação em Contexto de Trabalho”.

anexos\final\Formação em contexto de trablaho.xls

(voltar ao Índice)

B1.2) Prova de Aptidão Profissional (PAP)

Este processo tem como objetivo aplicar os conhecimentos adquiridos ao longo da formação pelos alunos.

Numa primeira fase é escolhido o tema, realizada uma proposta e posteriormente elaborado o anteprojeto que, depois de aprovado, é desenvolvido. Numa segunda fase a PAP é apresentada perante um júri, constituído para o efeito, e avaliada.

Este processo encontra-se definido na matriz de processo “PAP”.



anexos\final\PAP.xls


B2.1) Direção de Turma
Este processo tem como objetivo promover o acompanhamento pedagógico, disciplinar e pessoal dos alunos de forma a optimizar o seu sucesso educativo.

O Diretor de Turma tem a seu cargo processos administrativos relacionados com o controlo da avaliação e assiduidade dos alunos, estabelecer contactos com os encarregados de educação e coordenar as reuniões do conselho de turma.

Este processo encontra-se definido na matriz de processo “Direção de Turma”.

anexos\final\Direção de turma.xls
(voltar ao Índice)

B3) Atividades curriculares e extra curriculares

Este processo visa planificar e executar as atividades de formação curriculares e extracurriculares.

Aos professores compete elaborar as planificações, apresentar propostas de atividades a incluir no plano anual de atividades do curso.

Este processo encontra-se definido na matriz de processo “Atividades Curriculares e Extracurriculares”.



anexos\final\Atividades curriculares e extra curriculares.xls

B4) Avaliação Contínua/Certificação

Este processo tem como meta proporcionar informação e elementos de apreciação sobre os pontos de êxito e os fatores encontrados na aprendizagem, permitindo controlar a organização do processo educativo, culminando na certificação de conhecimentos e competências dos alunos.

Este processo encontra-se definido na matriz de processo “Avaliação Contínua/ Certificação”

anexos\final\Avaliação Contínua e Certificação.xls

(voltar ao Índice)


3.3.2 Processos de Suporte




A) Gestão de Recursos Humanos

Este processo tem como objetivo garantir a adequabilidade dos Recursos Humanos existentes para o desempenho das funções da organização.

Depois de identificadas as necessidades de recrutamento, procede-se à divulgação, recolha de candidaturas e respetiva seleção.

Este serviço presta apoio administrativo a todos os colaboradores, organiza a Saúde no trabalho, participa no processo de formação interna e na avaliação de desempenho.

Este Processo encontra-se definido na matriz de processo “Gestão de Recursos Humanos”.

B) Gestão de Estágios e Intercâmbios Internacionais

Este processo tem como objetivo promover o intercâmbio de alunos e professores com outras instituições / Escolas da União Europeia, proporcionando novas experiências práticas aos diferentes intervenientes nos projetos.

Aplica-se a alunos, professores e pessoal não docente.

Este Processo encontra-se definido na matriz de processo “Gestão de estágios e intercâmbios internacionais”



anexos\final\Matriz-Gestão de estágios- intercambios internacionais.doc

C) Organização da Higiene e Segurança no Trabalho

Este processo tem como objetivo eliminar riscos/incidentes, definir o plano de prevenção e emergência da Escola, assim como garantir a funcionalidade e adequação ao uso de materiais, equipamentos e instalações.

Após proceder à atualização do inventário e da afetação do uso é elaborado e executado o plano de intervenções.

Este processo encontra-se definido na matriz de processo “Organização da Higiene, Saúde e Segurança”


anexos\final\Gestão de Organização Higiene Saúde S Trabalho_R3-novo.xlsx

D) Apoio Psicopedagógico, Vocacional e Profissional

Este processo tem como objetivo acompanhar os alunos durante o curso a nível psicopedagógico, de forma a garantir o seu bem-estar pessoal e social, assim como o sucesso educativo e profissional.

Pretende-se identificar as necessidades relacionados com a aprendizagem dos alunos de forma a planear e implementar metodologias de orientação pedagógicas e sociopsicológicas.

Este Processo encontra-se definido na matriz de processo “Apoio Psicopedagógico e Vocacional”.



anexos\final\Apoio Psicopedagógico,Vocacional e profissional.xls





(voltar ao Índice)





Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal