A escola técnica de artes da universidade federal de alagoas – eta/ufal



Baixar 18.36 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho18.36 Kb.
A ESCOLA TÉCNICA DE ARTES

DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS – ETA/UFAL
A proposta deste texto é apresentar a Escola Técnica de Artes vinculada a Universidade Federal de Alagoas. No decorrer do final década de 80 do século passado, as inquietudes de alguns professores pertencentes a quadro do Curso de Teatro da UFAL e a presença da Profª. Draª Barbara Heliodora, criaram o Projeto intitulado Curso Técnico Profissionalizante de Formação do Ator.

A primeira aula inaugural do Curso Técnico Profissionalizante de Formação do Ator de caráter Extensivo-Módulo Básico se deu no segundo semestre do ano de 1990, no Circo-Teatro da UFAL, instalado no estacionamento do Espaço Cultural na Praça Sinimbu, recebendo estrutura cênica para aglutinar setenta alunos e atores convidados. As aulas foram ministradas pelos professores da UFAL e convidados. O Curso funcionava no período noturno e também utilizava algumas salas das instalações do Espaço Cultural. A Folha Semanal da UFAL n. 152, Ano IV, de 10 à 16 de dezembro de 1990, traz o seguinte registro:


...nas aulas os alunos serão avaliados e selecionados para o Curso de Formação do Ator, em nível de 2º grau, com duração de três anos, com o objetivo de atender as necessidades imediatas do quadro teatral alagoano e está baseado nos dispositivos legais que regulamentam a profissão do artista ou do técnico em espetáculos de diversões. [...] regulamentado pela PROGRAD, funcionando em conjunto com a Pró-Reitoria de Extensão.

Como trabalho de conclusão do Módulo Básico, foi escolhido um texto do dramaturgo e antropólogo Sávio de Almeida intitulado Festa nas Alagoas, sua estréia aconteceu no Circo-Teatro da UFAL entre os meses de janeiro e fevereiro de 1991 sob a direção do pernambucano José Pimentel. No programa de apresentação, constam as seguintes palavras do Curso:



Fora do eixo Rio de Janeiro-São Paulo, onde populações de milhões criam as exigências de atividades artísticas e culturais a nível profissional, cada vez mais cresce a convicção de que é a Universidade que cabe a árdua, porém gratificante tarefa de formar artistas e, por meio deles, produzir eventos que, por um lado, atenda as necessidades comunitárias de auto-conhecimento, e auto expressão por intermédio da visão imaginativa – que deve correr paralela às atingidas pela ciência e tecnologia – como também, pelo exemplo de seus frutos estimularem essa mesma comunidade e desenvolver sua própria criatividade nesse campo. Dando continuidade às atividades acadêmicas e artísticas na área das artes cênicas, a Universidade pretende contribuir, de maneira decisiva, para o incremento e profissionalização do teatro alagoano.

O autor, Sávio de Almeida faz a seguinte colocação:


Entreguei o espoco do texto às mãos competentes de Luis Maurício e aos alunos do Curso de Formação de Ator, uma grande contribuição da Universidade à vida cultural do Estado... .
E o diretor José Pimentel, faz o seguinte comentário:
Havia entusiasmo na voz e um brilho de amor nos olhos, enquanto me falava do Curso de Formação do Ator promovido pelo Departamento de Artes da Universidade Federal de Alagoas. Ele, como Coordenador do Curso e amante do teatro, queria alguma coisa diferente para dar aos alunos. Teoria, claro, porém uma ênfase maior na parte prática, pois desejava que os futuros atores, atrizes, cenógrafos, iluminadores etc. se acostumasse com o ritmo frenético que envolve a criação de um espetáculo e, assim, saíssem da escola preparados para enfrentar a dura realidade lá fora. E veio o convite para que eu dirigisse um espetáculo, num curto espaço de tempo, com muitos atores e atrizes inexperientes e dependendo, ainda de uma produção que estaria atrelada à burocracia dos órgãos públicos, geralmente lenta e jamais condizente com a dinâmica que o teatro requer. [...] O sucesso, entretanto, deverá ser creditado aos atores, atrizes, técnicos, a todos enfim que participaram dessa doce loucura. E, principalmente, deve ser creditado a Luiz Maurício Carvalheira [...] E quase ia esquecendo de dizer que o personagem a quem me referi no início deste papo que “havia entusiasmo na voz e um brilho de amor nos olhos” era, exatamente Luiz Maurício Cavalheira.
No decorrer da carreira acadêmica, os alunos/atores tiveram e continuam tendo o privilégio de ser dirigido por inúmeros Diretores/Encenadores José Pimentel, Homero Cavalcante, Glauber Teixeira, Consuelo Maldonado, Nara Salles, René Guerra, Jonatha Albuquerque, Lauro Gomes, Geusa Correia, Flávio Rabello, Joaquim Alves, Marcus Antonio, Washington da Anunciação, Antonio Lopes, Lael Correia, Elizandra Lucca, Juliana Telles, os quais utilizaram e se apropriaram de textos de autores como Eurípedes, Jean Baptista Racine, José de Alencar, Qorpo Santo, Martins Pena, Joaquim Manoel de Macedo, João Cabral de Melo Meto, Bertold Brechet, Samuel Bechet, Jean Cacteau, August Strindberg, Timochenco Webi, Nelson Rodrigues, Plínio Marcos, Jairo Lima, Machado de Assis, Millôr Fernandes, Maria de Lourdes Nunes Ramalho, José Victor Motta, Ariano Suassuna, Sávio de Almeida, Ronaldo de Andrade, entre outros não menos importantes.

Em 11/12/1998, o Curso Técnico Profissionalizante de Formação do Ator, foi aprovado através da Portaria Ministerial n°. 99, publicado no Diário Oficia da União em 16/12/1998. Em toda sua trajetória, o Curso manteve em seu quadro docente, professores efetivos e substitutos, oriundos do Curso de Graduação em Teatro e Música, e seu corpo discente era agraciado com diploma intitulado pós-médio.

Ao assumir em 2006 a Coordenação do Curso Teatro/Licenciatura, a Profª. Drª. Nara Salles juntamente com o Colegiado de Curso, dá início a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso, na necessidade de repensá-lo desde o seu início. Não só na sua nomenclatura como também no desenho curricular (disciplinas e cargas horárias), além na emissão do diploma, deu-se lugar ao que seria pós-médio o termo subseqüente, o que significa que o Curso só poderá ser oferecido para aqueles que já concluíram o Ensino Médio, de acordo com o Inciso III do parágrafo 1º do Artigo 4º, previsto no Decreto nº 2.208/97, alterada pelo Decreto nº.5.154/2004.

É criada à ESCOLA TÉCNICA DE ARTES – ETA/UFAL, dando início ao Curso Técnico Profissionalizante de Formação do Ator/Atriz – Ensino Subseqüente, aprovado pelo CONSUNI/UFAL através da resolução nº. 65/2006, de 06 de novembro de 2006. Esta Escola tem como missão promover o ensino das linguagens artísticas com qualidade técnica, no Teatro, na Dança, na Música e nas Artes Visuais e naquelas que vierem a ser criadas, formando um cidadão e uma cidadã com amplos conhecimentos artísticos, humanísticos, científicos e tecnológicos que garantam a competência profissional e o exercício efetivo da cidadania. Desenvolve também a ETA uma ação educativa no campo das Artes e da Cultura inspirada nos propósitos estabelecidos no momento da criação do Curso Técnico Profissionalizante de Formação do Ator, reconhecido em 1998 pelo MEC, cujos princípios fundamentam-se em criar um espaço de formação profissional na arte do ator/atriz, como um curso inovador com idéias arrojadas e a partir da cooperação, da solidariedade e, sobretudo nos princípios democráticos, e, portanto com a participação efetiva da comunidade escolar. Estes princípios nortearam a criação da ETA/UFAL. Atuando no Ensino Técnico Profissionalizante de caráter subseqüente, a Escola direciona seu trabalho pedagógico com o objetivo principal de fornecer as competências, habilidades e atitudes que contribuam para a formação geral do educando na área de saber das Artes, de acordo com o Projeto Pedagógico de cada Curso, tanto para o mundo do trabalho como para o efetivo exercício da cidadania. A Gestão Democrática da Escola estimula a participação ativa dos que lhe fazem nas decisões administrativas e pedagógicas, de acordo com o seu Regimento, no processo de construção de uma sociedade democrática e humanitária.

Para isso a ETA/UFAL, realiza todos os seus esforços no sentido de aperfeiçoar e avaliar constantemente o seu trabalho pedagógico. A ETA/UFAL tem como objetivo atuar no ensino médio subseqüente, no ensino profissional técnico no campo das Artes, na prestação de serviços e para a comunidade escolar e geral. O objetivo central consiste em formar cidadãos com competências, habilidades e atitudes condizentes com as exigências da sociedade e do mundo do trabalho na área das Artes, para tanto oferece Ensino Técnico profissionalizante na área das Artes qualificando os alunos para o mundo do trabalho.Compreende-se isso como o ensino que tem organização curricular própria e independente do Ensino Médio, conforme Decreto 5154 de 23/07/04, que dispõe sobre a oferta de Escolas Técnicas vinculadas as Universidades Federais. Essa modalidade de Ensino é oferecida a uma clientela heterogênea, formada por jovens e adultos egressos do Ensino Médio o antigo Segundo Grau.

A prestação de serviços constitui fator complementar do ensino e da aprendizagem, uma vez que cria novos desafios para os professores e motivações especiais para os alunos, possibilitando uma efetiva integração da Escola com a Comunidade, assim os alunos da Escola apresentam obras artísticas produzidas no âmbito da Escola para a comunidade, seja em teatros ou demais espaços de apresentações artísticas, em convênio com órgãos fomentadores da Arte e da Cultura e ONGs.

A integração Escola – Comunidade é uma das metas principais da ETA/UFAL e uma exigência da sociedade globalizada, uma vez que a formação do profissional deve estar em estreita relação com as necessidades do mercado de trabalho. Nesse sentido, a Escola tem como um dos seus objetivos principais a aproximação Escola-Comunidade como forma de estreitar as relações entre a formação técnica escolar e o mercado de trabalho. Essa integração possibilita uma atualização constante dos conteúdos ministrados, cujos resultados se concretizarão em melhores condições de ensino para os discentes.

Atualmente a Escola Técnica de Artes – ETA/UFAL tem a composição de sua diretoria formada pela Diretora: Profª. Drª. Rita Luiza de Pércia Namé, Vice-Diretor: Prof. José Guido Dantas Lessa da Silva, Coordenador do Curso de Teatro: Prof. Dr. Antonio Lopes Neto, Coordenador do Curso de Música: Prof. Dr. José Eduardo Rolim de Moura Xavier da Silva, Coordenadora do Curso de Dança: Profª. Ms. Paula Caruso Teixeira, Coordenador do Curso de Artes Visuais: Prof. Esp. José Acioli da Silva Filho e Secretaria Maria Auxiliadora Lamenha.












©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal