A festa da páscoa – História e sentido I. Festa da primavera: Páscoa da Natureza



Baixar 18.5 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho18.5 Kb.

A FESTA DA PÁSCOA – História e sentido



I. FESTA DA PRIMAVERA: Páscoa da Natureza

A Festa da Páscoa, de que nos fala a Bíblia, no Antigo Testamento (Ex.12) é a associação de duas festas diferentes relacionadas com a Primavera, que nesse tempo, era também início de ano. Eram celebradas na Lua Cheia da Primavera (Março – Abril).




    1. A Páscoa do Cordeiro – Festa dos Pastores;

    2. A Páscoa do Pão Ázimo – Festa dos Lavradores;




    1. Festa nómada do sacrifício do Cordeiro: para afastar os espíritos maus que prejudicavam o rebanho ou para pedir aos espíritos bons a fecundidade do mesmo. Alguns destes ritos entrarão, mais tarde, na celebração da Páscoa bíblica do Cordeiro:




  1. Imolação da Vítima pela efusão do sangue;

  2. Unção da tenda ou da casa com o sangue;

  3. Refeição Familiar sagrada com o cordeiro assado, o pão ázimo e as ervas amargas;

  4. Proibição de quebrar os ossos da vítima e de deixar restos para o dia seguinte;

  5. Celebração na noite de Lua Cheia do primeiro mês do ano, na Primavera.



    1. Festa das Primeiras Colheitas ou do Pão sem fermento

Primeira colheita das espigas de cevada, as primeiras que se podiam ceifar. Oferta a Deus do primeiro molho de espigas (Lev.23,10-11). Proibição de comer o Pão fermentado, ou seja, o pão da colheita do ano anterior.



II. A PÁSCOA DA BÍBLIA - Páscoa da libertação, do Êxodo

É na mesma época de Primavera, que se dá a grande «epopeia» da libertação do Povo hebreu do Egipto, da passagem do Mar Vermelho. A Páscoa torna-se «passagem»..., «êxodo»... Deixa de ser uma Festa da Natureza, para ser uma Festa ligada à História do Povo de Deus.


Os antigos ritos, de significado «natural», passam a ter significado «histórico»:


    • sacrifícios das primícias dos rebanho  morte dos primogénitos do Egipto (Ex.13,2)

    • Sangue que tingia os postes das tendas...  Javé que poupa os israelitas ao extermínio, «saltando», «passando», ao lado...

    • Ervas amargas do deserto  opressão do Egipto...

    • Pão ázimo e vestes de peregrino  saída apressada...

    • Celebração nocturna  vigília que Deus fez em favor do seu Povo...

Esta Festa que começara por ser uma Festa de Família, tornar-se-á Festa do Templo, a partir da reforma de Josias (716-687), uma espécie de Festa Nacional de Israel, que celebrava a sua constituição como Povo de Deus. Mas nunca deixará de perder o seu carácter familiar.



III. A PÁSCOA DE JESUS: Corpo Dado e Sangue Derramado

No tempo de Jesus, a Páscoa incluía o ritual da imolação dos Cordeiros no Templo de Jerusalém e a Ceia Pascal familiar. Para os Evangelhos de Mt. Mc. e Lc. a Ceia da instituição da Eucaristia foi a ceia pascal (Mt.26,2).


a) Jesus come a Páscoa com os seus discípulos (Mt.26,18;Mc.14,14; Lc.24, 26.46) e celebra a Páscoa judaica, «em família», com os Doze (Mc.14,1), e tudo indica segundo os ritos da celebração: bebida da taça de vinho, legumes, cordeiro sobre a mesa, 2ª taça de vinho, diálogo do filho mais novo com o Pai sobre o sentido do ritual, Cântico dos Salmos (Sal.113-114); 3ª taça de vinho, acção de graças pela ceia pascal, 4ª taça de vinho, últimos Salmos (Sal.115-118).
b) Jesus, na Última Ceia, institui um novo rito da Páscoa, comemorando o dom do seu Corpo e Sangue: a Eucaristia. Não se faz referência ao cordeiro, às ervas amargas, nem a outros elementos integrantes da Ceia Pascal hebraica. A sua ceia pascal tem apenas pão e vinho, comida de todos os dias... e celebra, em jeito de memorial e antecipação, a sua entrega, morte e ressurreição.
c) Jesus morre e ressuscita por ocasião da páscoa judaica. Por isso a morte e ressurreição de Jesus é interpretada e celebrada a partir da linguagem pascal: pão ázimo, cordeiro imolado... Jesus é o verdadeiro «Cordeiro Pascal» que se oferece pela redenção dos Homens. Jesus foi condenado e morto, na véspera de Sábado, «no dia da Preparação», à hora em que os cordeiros eram imolados em grande quantidade no Templo de Jerusalém. São Paulo diz claramente:
«Não sabeis que um pouco de fermento faz levedar toda a massa? Purificai-vos do velho fermento, para que sejais uma nova massa, assim como sois ázimos. Porque Cristo nossa Páscoa foi imolado. Celebremos, pois a Festa, não com o fermento velho nem com o fermento da malícia, mas com os ázimos da pureza e da verdade».

IV. A Páscoa dos Cristãos: A Morte e Ressurreição de Jesus

Os cristãos, desde muito cedo, celebram a Páscoa de Cristo, na celebração dominical da Eucaristia. São Paulo, em meados dos anos 50, dá já conta da celebração da Eucaristia, como memória viva da Páscoa de Jesus.


Virá mais tarde, a celebração anual da Páscoa. No século II dividem-se entre:
- os que pensam que a data da Páscoa deve seguir o calendário judaico (lua cheia da Primavera: 14 de Nisan), calhe em que dia da semana calhar,
- e os que pensam que ela deve ser celebrada no domingo seguinte à Lua Cheia da Primavera, manifestando a diferença: a Páscoa celebra a Ressurreição de Jesus, que aconteceu ao Domingo, «primeiro dia da semana». E assim ficará, até aos nossos dias.

A Igreja celebra, em cada Domingo, a Páscoa do Senhor, na Eucaristia.



V. A Páscoa cristã anual
A Igreja celebra anualmente a Páscoa de Cristo, num Tríduo Pascal: Três dias:

Introdução ao Tríduo: Missa da Ceia do Senhor, com o rito do lavapés


1º dia: Paixão – Sexta-Feira Santa: Entrada em Silêncio, Leitura da Paixão segundo São João, Oração Universal, Adoração da Cruz e Comunhão.
2º Dia: Sepultura – Sábado Santo – silêncio Absoluto
3º Dia: Ressurreição – Vigília Pascal (Liturgia da Luz, Liturgia da Palavra, Liturgia Baptismal e Liturgia Eucarística) e Dia de Páscoa.


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal