A igreja do diabo Machado de Assis



Baixar 116.38 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho116.38 Kb.
A igreja do diabo

Machado de Assis


CAPÍTULO I / DE UMA IDÉIA MIRÍFICA
Conta um velho manuscrito beneditino que o Diabo, em certo dia, teve a idéia de

fundar uma igreja. Embora os seus lucros fossem contínuos e grandes, sentia-se

humilhado com o papel avulso que exercia desde séculos, sem organização, sem

regras, sem cânones, sem ritual, sem nada. Vivia, por assim dizer, dos

remanescentes divinos, dos descuidos e obséquios humanos. Nada fixo, nada

regular. Por que não teria ele a sua igreja? Uma igreja do Diabo era o meio

eficaz de combater as outras religiões, e destruí-las de uma vez.

-- Vá, pois, uma igreja, concluiu ele. Escritura contra Escritura, breviário

contra breviário. Terei a minha missa, com vinho e pão à farta, as minhas

prédicas, bulas, novenas e todo o demais aparelho eclesiástico. O meu credo será

o núcleo universal dos espíritos, a minha igreja uma tenda de Abraão. E depois,

enquanto as outras religiões se combatem e se dividem, a minha igreja será

única; não acharei diante de mim, nem Maomé, nem Lutero. Há muitos modos

de afirmar; há só um de negar tudo.

Dizendo isto, o Diabo sacudiu a cabeça e estendeu os braços, com um gesto

magnífico e varonil. Em seguida, lembrou-se de ir ter com Deus para

comunicar-lhe a idéia, e desafiá-lo; levantou os olhos, acesos de ódio, ásperos

de vingança, e disse consigo: -- Vamos, é tempo. E rápido, batendo as asas, com

tal estrondo que abalou todas as províncias do abismo, arrancou da sombra para

o infinito azul.


CAPÍTULO II / ENTRE DEUS E O DIABO
Deus recolhia um ancião, quando o Diabo chegou ao céu. Os serafins que

engrinaldavam o recém-chegado, detiveram-no logo, e o Diabo deixou-se estar à

entrada com os olhos no Senhor.

-- Que me queres tu? perguntou este.

-- Não venho pelo vosso servo Fausto, respondeu o Diabo rindo, mas por todos

os Faustos do século e dos séculos.

-- Explica-te.

-- Senhor, a explicação é fácil; mas permiti que vos diga: recolhei primeiro

esse bom velho; dai-lhe o melhor lugar, mandai que as mais afinadas cítaras e

alaúdes o recebam com os mais divinos coros...

-- Sabes o que ele fez? perguntou o Senhor, com os olhos cheios de doçura.

-- Não, mas provavelmente é dos últimos que virão ter convosco.

Não tarda muito

que o céu fique semelhante a uma casa vazia, por causa do preço, que é alto. Vou

edificar uma hospedaria barata; em duas palavras, vou fundar uma igreja. Estou

cansado da minha desorganização, do meu reinado casual e adventício. É tempo de

obter a vitória final e completa. E então vim dizer-vos isto, com lealdade, para

que me não acuseis de dissimulação... Boa idéia, não vos parece?

-- Vieste dizê-la, não legitimá-la, advertiu o Senhor,

-- Tendes razão, acudiu o Diabo; mas o amor-próprio gosta de ouvir o aplauso

dos mestres. Verdade é que neste caso seria o aplauso de um mestre vencido, e

uma tal exigência... Senhor, desço à terra; vou lançar a minha pedra

fundamental.

-- Vai.


-- Quereis que venha anunciar-vos o remate da obra?

-- Não é preciso; basta que me digas desde já por que motivo, cansado há tanto

da tua desorganização, só agora pensaste em fundar uma igreja?

O Diabo sorriu com certo ar de escárnio e triunfo. Tinha alguma idéia cruel no

espírito, algum reparo picante no alforje da memória, qualquer cousa que, nesse

breve instante da eternidade, o fazia crer superior ao próprio Deus. Mas

recolheu o riso, e disse:

-- Só agora concluí uma observação, começada desde alguns séculos, e é que as

virtudes, filhas do céu, são em grande número comparáveis a rainhas, cujo manto

de veludo rematasse em franjas de algodão. Ora, eu proponho-me a puxá-las por

essa franja, e trazê-las todas para minha igreja; atrás delas virão as de seda

pura...


-- Velho retórico! murmurou o Senhor.

-- Olhai bem. Muitos corpos que ajoelham aos vossos pés, nos templos do mundo,

trazem as anquinhas da sala e da rua, os rostos tingem-se do mesmo pó, os lenços

cheiram aos mesmos cheiros, as pupilas centelham de curiosidade e devoção

entre o livro santo e o bigode do pecado. Vede o ardor, -- a indiferença, ao

menos, -- com que esse cavalheiro põe em letras públicas os benefícios que

liberalmente espalha, -- ou sejam roupas ou botas, ou moedas, ou quaisquer

dessas matérias necessárias à vida... Mas não quero parecer que me detenho em

cousas miúdas; não falo, por exemplo, da placidez com que este juiz de

irmandade, nas procissões, carrega piedosamente ao peito o vosso amor e uma

comenda... Vou a negócios mais altos...

Nisto os serafins agitaram as asas pesadas de fastio e sono. Miguel e Gabriel

fitaram no Senhor um olhar de súplica, Deus interrompeu o Diabo.

-- Tu és vulgar, que é o pior que pode acontecer a um espírito da tua espécie,

replicou-lhe o Senhor. Tudo o que dizes ou digas está dito e redito pelos

moralistas do mundo. É assunto gasto; e se não tens força, nem originalidade

para renovar um assunto gasto, melhor é que te cales e te retires. Olha; todas

as minhas legiões mostram no rosto os sinais vivos do tédio que lhes dás. Esse

mesmo ancião parece enjoado; e sabes tu o que ele fez?

-- Já vos disse que não.

-- Depois de uma vida honesta, teve uma morte sublime. Colhido em um

naufrágio, ia salvar-se numa tábua; mas viu um casal de noivos, na flor da vida,

que se debatiam já com a morte; deu-lhes a tábua de salvação e mergulhou na

eternidade. Nenhum público: a água e o céu por cima. Onde achas aí a franja de

algodão?

-- Senhor, eu sou, como sabeis, o espírito que nega.

-- Negas esta morte?

-- Nego tudo. A misantropia pode tomar aspecto de caridade; deixar a vida aos

outros, para um misantropo, é realmente aborrecê-los...

-- Retórico e subtil! exclamou o Senhor. Vai; vai, funda a tua igreja; chama

todas as virtudes, recolhe todas as franjas, convoca todos os homens... Mas,

vai! vai!

Debalde o Diabo tentou proferir alguma coisa mais. Deus impusera-lhe silêncio;

os serafins, a um sinal divino, encheram o céu com as harmonias de seus

cânticos. O Diabo sentiu, de repente, que se achava no ar; dobrou as asas, e,

como um raio, caiu na terra.

CAPÍTULO Ill / A BOA NOVA AOS HOMENS
Uma vez na terra, o Diabo não perdeu um minuto. Deu-se pressa em enfiar a

cogula beneditina, como hábito de boa fama, e entrou a espalhar uma doutrina

nova e extraordinária, com uma voz que reboava nas entranhas do século. Ele

prometia aos seus discípulos e fiéis as delícias da terra, todas as glórias, os

deleites mais íntimos. Confessava que era o Diabo; mas confessava-o para

retificar a noção que os homens tinham dele e desmentir as histórias que a seu

respeito contavam as velhas beatas.

-- Sim, sou o Diabo, repetia ele; não o Diabo das noites sulfúreas, dos

contos soníferos, terror das crianças, mas o Diabo verdadeiro e único, o

próprio gênio da natureza, a que se deu aquele nome para arredá-lo do coração

dos homens. Vede-me gentil a airoso. Sou o vosso verdadeiro pai. Vamos lá:

tomai daquele nome, inventado para meu desdouro, fazei dele um troféu e um

lábaro, e eu vos darei tudo, tudo, tudo, tudo, tudo, tudo...

Era assim que falava, a princípio, para excitar o entusiasmo, espertar os

indiferentes, congregar, em suma, as multidões ao pé de si.E elas vieram; e logo

que vieram, o Diabo passou a definir a doutrina. A doutrina era a que podia ser

na boca de um espírito de negação. Isso quanto à substância, porque, acerca da

forma, era umas vezes subtil, outras cínica e deslavada.

Clamava ele que as virtudes aceitas deviam ser substituídas por outras, que

eram as naturais e legítimas. A soberba, a luxúria, a preguiça foram

reabilitadas, e assim também a avareza, que declarou não ser mais do que a mãe

da economia, com a diferença que a mãe era robusta, e a filha uma esgalgada. A

ira tinha a melhor defesa na existência de Homero; sem o furor de Aquiles, não

haveria a Ilíada: "Musa, canta a cólera de Aquiles, filho de Peleu"... O mesmo

disse da gula, que produziu as melhores páginas de Rabelais, e muitos bons

versos do Hissope; virtude tão superior, que ninguém se lembra das batalhas de

Luculo, mas das suas ceias; foi a gula que realmente o fez imortal. Mas, ainda

pondo de lado essas razões de ordem literária ou histórica, para só mostrar o

valor intrínseco daquela virtude, quem negaria que era muito melhor sentir na

boca e no ventre os bons manjares, em grande cópia, do que os maus bocados, ou a

saliva do jejum? Pela sua parte o Diabo prometia substituir a vinha do Senhor,

expressão metafórica, pela vinha do Diabo, locução direta e verdadeira, pois não

faltaria nunca aos seus com o fruto das mais belas cepas do mundo. Quanto à

inveja, pregou friamente que era a virtude principal, origem de prosperidades

infinitas; virtude preciosa, que chegava a suprir todas as outras, e ao próprio

talento.

As turbas corriam atrás dele entusiasmadas. O Diabo incutia-lhes, a grandes

golpes de eloqüência, toda a nova ordem de cousas, trocando a noção delas,

fazendo amar as perversas e detestar as sãs.

Nada mais curioso, por exemplo, do que a definição que ele dava da fraude.

Chamava-lhe o braço esquerdo do homem; o braço direito era a força; e concluía:

muitos homens são canhotos, eis tudo. Ora, ele não exigia que todos fossem

canhotos; não era exclusivista. Que uns fossem canhotos, outros destros;

aceitava a todos, menos os que não fossem nada. A demonstração, porém, mais

rigorosa e profunda, foi a da venalidade. Um casuísta do tempo chegou a

confessar que era um monumento de lógica. A venalidade, disse o Diabo, era o

exercício de um direito superior a todos os direitos. Se tu podes vender a tua

casa, o teu boi, o teu sapato, o teu chapéu, cousas que são tuas por uma razão

jurídica e legal, mas que, em todo caso, estão fora de ti, como é que não podes

vender a tua opinião, o teu voto, a tua palavra, a tua fé, cousas que são mais

do que tuas, porque são a tua própria consciência, isto é, tu mesmo? Negá-lo é

cair no obscuro e no contraditório. Pois não há mulheres que vendem os cabelos?

não pode um homem vender uma parte do seu sangue para transfundi-lo a outro

homem anêmico? e o sangue e os cabelos, partes físicas, terão um privilégio

que se nega ao caráter, à porção moral do homem?

Demonstrando assim o princípio, o Diabo não se demorou em expor as vantagens

de ordem temporal ou pecuniária; depois, mostrou ainda que, à vista do

preconceito social, conviria dissimular o exercício de um direito tão legítimo,

o que era exercer ao mesmo tempo a venalidade e a hipocrisia, isto é, merecer

duplicadamente.

E descia, e subia, examinava tudo, retificava tudo. Está claro que combateu o

perdão das injúrias e outras máximas de brandura e cordialidade. Não proibiu

formalmente a calúnia gratuita, mas induziu a exercê-la mediante retribuição,

ou pecuniária, ou de outra espécie; nos casos, porém, em que ela fosse uma

expansão imperiosa da força imaginativa, e nada mais, proibia receber nenhum

salário, pois equivalia a fazer pagar a transpiração. Todas as formas de

respeito foram condenadas por ele, como elementos possíveis de um certo decoro

social e pessoal; salva, todavia, a única exceção do interesse. Mas essa mesma

exceção foi logo eliminada. pela consideração de que o interesse, convertendo o

respeito em simples adulação, era este o sentimento aplicado e não aquele.

Para rematar a obra, entendeu o Diabo que lhe cumpria cortar por toda a

solidariedade humana. Com efeito, o amor do próximo era um obstáculo grave à

nova instituição. Ele mostrou que essa regra era urna simples invenção de

parasitas e negociantes insoldáveis; não se devia dar ao próximo senão

indiferença; em alguns casos, ódio ou desprezo. Chegou mesmo à demonstração de que a noção de próximo era errada, e citava esta frase de um padre de Nápoles,

aquele fino e letrado Galiani, que escrevia a uma das marquesas do antigo

regímen: "Leve a breca o próximo! Não há próximo!" A única hipótese em que ele

permitia amar ao próximo era quando se tratasse de amar as damas alheias,

porque essa espécie de amor tinha a particularidade de não ser outra cousa mais

do que o amor do indivíduo a si mesmo. E como alguns discípulos achassem que uma tal explicação, por metafísica, escapava à compreensão das turbas, o Diabo

recorreu a um apólogo: -- Cem pessoas tomam ações de um banco, para as operações comuns; mas cada acionista não cuida realmente senão nos seus dividendos: é o que acontece aos adúlteros. Este apólogo foi incluído no livro da sabedoria.
CAPÍTULO IV / FRANJAS E FRANJAS
A PREVISÃO do Diabo verificou-se. Todas as virtudes cuja capa de veludo acabava

em franja de algodão, uma vez puxadas pela franja, deitavam a capa às urtigas e

vinham alistar-se na igreja nova. Atrás foram chegando as outras, e o tempo

abençoou a instituição. A igreja fundara-se; a doutrina propagava-se; não havia

uma região do globo que não a conhecesse, uma língua que não a traduzisse, uma

raça que não a amasse. O Diabo alçou brados de triunfo.

Um dia. porém, longos anos depois notou o Diabo que muitos dos seus fiéis, às

escondidas, praticavam as antigas virtudes. Não as praticavam todas, nem

integralmente, mas algumas, por partes, e, como digo, às ocultas. Certos glutões

recolhiam-se a comer frugalmente três ou quatro vezes por ano, justamente em

dias de preceito católico; muitos avaros davam esmolas, à noite, ou nas ruas mal

povoadas; vários dilapidadores do erário restituíam-lhe pequenas quantias; os

fraudulentos falavam, uma ou outra vez, com o coração nas mãos, mas com o mesmo rosto dissimulado, para fazer crer que estavam embaçando os outros.

A descoberta assombrou o Diabo. Meteu-se a conhecer mais diretamente o mal, e

viu que lavrava muito. Alguns casos eram até incompreensíveis, como o de um

droguista do Levante, que envenenara longamente uma geração inteira, e, com o

produto das drogas socorria os filhos das vítimas. No Cairo achou um perfeito

ladrão de camelos, que tapava a cara para ir às mesquitas. O Diabo deu com ele à

entrada de uma, lançou-lhe em rosto o procedimento; ele negou, dizendo que ia

ali roubar o camelo de um drogman; roubou-o, com efeito, à vista do Diabo e foi

dá-lo de presente a um muezim, que rezou por ele a Alá. O manuscrito beneditino

cita muitas outra descobertas extraordinárias, entre elas esta, que desorientou

completamente o Diabo. Um dos seus melhores apóstolos era um calavrês, varão de cinqüenta anos, insigne falsificador de documentos, que possuía uma bela casa na campanha romana, telas, estátuas, biblioteca, etc. Era a fraude em pessoa;

chegava a meter-se na cama para não confessar que estava são. Pois esse homem,

não só não furtava ao jogo, como ainda dava gratificações aos criados. Tendo

angariado a amizade de um cônego, ia todas as semanas confessar-se com ele, numa capela solitária; e, conquanto não lhe desvendasse nenhuma das suas ações

secretas, benzia-se duas vezes, ao ajoelhar-se, e ao levantar-se. O Diabo mal

pôde crer tamanha aleivosia. Mas não havia duvidar; o caso era verdadeiro.

Não se deteve um instante. O pasmo não lhe deu tempo de refletir, comparar e

concluir do espetáculo presente alguma cousa análoga ao passado. Voou de novo ao céu, trêmulo de raiva, ansioso de conhecer a causa secreta de tão singular

fenômeno. Deus ouviu-o com infinita complacência; não o interrompeu, não o repreendeu, não triunfou, sequer, daquela agonia satânica. Pôs os olhos nele, e disse:

-- Que queres tu, meu pobre Diabo? As capas de algodão têm agora franjas de

seda, como as de veludo tiveram franjas de algodão.Que queres tu? É a eterna

contradição humana.

Quem conta um conto...

Machado de Assis


I
Eu compreendo que um homem goste de ver brigar galos ou de tomar rapé. O rapé, dizem os tomistas, que alivia o cérebro. A briga de galos é o Jóquei Clube dos pobres. O que eu não compreendo é o gosto de dar notícias.

E todavia quantas pessoas não conhecerá o leitor com essa singular vocação? O

noveleiro não é o tipo muito vulgar, mas também não é muito raro. Há família

numerosa deles. Alguns são mais peritos e originais que outros. Não é noveleiro

quem quer. É ofício que exige certas qualidades de bom cunho, quero dizer as

mesmas que se exigem do homem de Estado. O noveleiro deve saber quando lhe

convém dar uma notícia abruptamente, ou quando o efeito lhe pede certos

preparativos: deve esperar a ocasião e adaptar-se os meios.

Não compreendo, como disse, o ofício de noveleiro. É coisa muito natural que um

homem diga o que sabe a respeito de algum objeto; mas que tire satisfação disso,

lá me custa a entender. Mais de uma vez tenho querido fazer indagações a esse

respeito; mas a certeza de que nenhum noveleiro confessa que o é, tem impedido

a realização deste meu desejo. Não é só desejo, é também necessidade; ganha-se

sempre em conhecer os caprichos do espírito humano.

O caso de que vou falar aos leitores tem por origem um noveleiro. Lê-se depressa

porque não é grande.


II
Há coisa de sete anos, vivia nesta boa cidade um homem de seus trinta anos, bem

apessoado e bem falante, amigo de conversar, extremamente polido, mas

extremamente amigo de espalhar novas.

Era um modelo do gênero.

Sabia como ninguém, escolher o auditório, a ocasião e a maneira de dar a

noticia.

Não sacava a notícia da algibeira como quem tira uma moeda de vintém para dar B

um mendigo.

Não, senhor.

Atendia mais que tudo as circunstâncias. Por exemplo: ouvira dizer, ou sabia

positivamente que o Ministério pedira demissão ou ia pedi-la. Qualquer noveleiro

diria simplesmente a coisa sem rodeios. Luís da Costa, ou dizia coisa

simplesmente, ou adicionava-lhe certo molho para torná-la mais picante.

As vezes entrava, cumprimentava as pessoas presentes, e, se entre elas alguma

havia metida em política, aproveitava o silencio causado pela sua entrada, para

fazer-lhe uma pergunta deste gênero:

- Então, parece que os homens...

Os circunstantes perguntavam logo:

- Que é? Que há?

Luís da Costa puxava os punhos e dizia negligentemente:

- É o Ministério que pediu a demissão.

- Ah! sim? quando?

-Hoje.

-Sabe quem foi chamado?



- Foi chamado o Zózimo.

Mas por que caiu o Ministério?

- Ora, estava podre.

Etc., etc.

Ou então:

- Morreram como vieram.

- Quem? Quem? Quem?

Luís da Costa puxava os punhos e dizia negligentemente: todos, e em vez de dizer

com simplicidade.

- Os ministros.

Suponhamos agora que se tratava de uma pessoa qualificada que devia vir no

paquete: Adolfo Thiers ou o príncipe de Bismarck.

Luís da Costa puxava os punhos e dizia negligentemente:

-Veio no paquete de hoje o príncipe Bismarck.

Ou então;

-o Thiers chegou no paquete.

- Chegaria o paquete?

-Chegou, dizia o circunstante.

-o Thiers veio?

-Veio.


Aqui entrava a admiração dos ouvintes com que se deliciava Luís da Costa, razão

principal do seu oficio.


III
Não se pode negar que este prazer era inocente e quando muito singular.

Infelizmente não há bonito sem senão, nem prazer sem amargura. Que mel não deixa

um travo de veneno? perguntava o poeta da "Jovem Cativa", eu creio que nenhum

nem sequer o de alvissareiro.

Luís da Costa experimentou um dia as asperezas do seu oficio.

Eram duas horas da tarde. Havia pouca gente na loja do Paulo Brito, cinco

pessoas apenas. Luís da Costa entrou com o rosto fechado como homem que vem

pejado de alguma notícia.

Apertou a mão a quatro das pessoas presentes; a quinta apenas recebeu um

cumprimento, porque não se conheciam. Houve um rápido instante de silêncio, que

Luís da Costa aproveitou para tirar o lenço da algibeira e enxugar o rosto.

Depois olhou para todos e soltou secamente essas palavras:

- Então fugiu a sobrinha do Gouveia? Disse ele rindo.

- Que Gouveia?

- O major Gouveia, explicou Luís da Costa.

Os circunstantes ficaram muito calados e olharam de esguelha para o quinto

personagem, que por sua parte olhava para Luís Costa.

Voltaram-se para um dos circunstantes:

- O major Gouveia da Cidade Nova? Perguntou o desconhecido ao noveleiro.

- Sim, senhor.

Novo e mais profundo silêncio.

Luís da Costa, imaginando que o silêncio era efeito da bomba que acabava de

queimar, entrou a referir os pormenores da fuga da moça em questão. Falou de um

namoro com um alferes, da oposição do major ao casamento, do desespero dos

pobres enamorados, cujo coracao, mais eloqüente que a honra, adotara o alvitre

de saltar por cima dos moinhos.

O silêncio era sepulcral.

O desconhecido ouvia atentamente a narrativa de Luís daCosta, meneando com muita

placidez uma grossa bengala que tinha na mão.

Quando o alvissareiro acabou, perguntou-lhe o desconhecido:

- E quando foi esse rapto?

- Hoje de manhã.

- Oh!

- Das oito para as nove horas.



- Conhece o major Gouveia?

- De nome.

- Que idéia forma dele?

- Não formo idéia nenhuma. Menciono o fato por duas circunstâncias. A primeira é

que a rapariga é muito bonita. . .

-Conhece-a?

Ainda ontem a vi.

- Ah! A segunda circunstancia ...

- A segunda circunstância e a crueldade de certos homens em tolher os movimentos

do coração da mocidade. o alferes de que se trata dizem-me que c um moço

honesto, e o casamento seria, creio eu, excelente. Por que razão queria o major

impedí-lo?

- O major tinha razões fortes, observou o desconhecido,

-Ah! conhece-o?

- Sou eu.

Luís da Costa ficou petrificado. A cara não se distinguia da de um defunto, tão

imóvel e pálida ficou. As outras pessoas olhavam para os dois sem saber o que ia

sair dali. Deste modo correram cinco minutos.


IV
No fim de cinco minutos, o major Gouveia continuou:

- Ouvi toda a sua narração e diverti-me com ela. Minha sobrinha não podia fugir

hoje de minha casa; visto que ha quinze dias se acha em Juiz de Fora.

Luís da Costa ficou amarelo.

- Por essa razão ouvi tranqüilamente a história que o senhor acaba de contar

com todas as suas peripécias. o fato, se fosse verdadeiro, devia causar

naturalmente espanto, porque, além do mais, Lúcia é muito bonita, e o senhor o

sabe porque a viu ontem.. .

Luís da Costa tornou-se verde.

-A noticia entretanto, pode ter-se espalhado, continuou o major Gouveia, e eu

desejo liqüidar o negócio pedindo-lhe que me diga de quem a ouviu ..

Luís da Costa ostentou todas as cores do arco-íris.

-Então? disse o major, passados alguns minutos de silêncio.

-Sr. major, disse com voz trêmula Luís da Costa, eu não podia inventar

semelhante notícia. Nenhum interesse tenho nela. Evidentemente alguém ma contou.

- É justamente o que eu desejo saber.

-Não me lembro...

-Veja se se lembra, disse o major com doçura.

Luís da Costa consultou sua memória; mas tantas coisas ouvia e tantas repetia,

que já não podia atinar com a pessoa que lhe contara a história do rapto.

As outras pessoas presentes, vendo o caminho desagradável que as coisas podiam

ter, trataram de meter o caso à bulha; mas o major, que não era homem de graças,

insistiu com o alvissareiro para que o esclarecesse a respeito do inventor da

balela.


-Ah! agora me lembro, disse de repente Luís da Costa, foi o Pires.

-Que Pires?

-Um Pires que eu conheço muito superficialmente.

-Bem, vamos ter com o Pires.

-Mas, Sr. major..

O major já estava de pé, apoiado na grossa bengala, e com um ar de quem estava

pouco disposto a discussões. Esperou que Luís da Costa se levantasse também. o

alvissareiro não teve remédio senão imitar o gesto do major, não sem tentar

ainda um:

-Mas, Sr. major...

-Não há mas, nem meio mas. Venha comigo; porque é necessário deslindar o negócio

hoje mesmo. Sabe onde mora esse tal Pires?

-Mora na Praia Grande, mas tem escritório na Rua dos Pescadores.

-Vamos ao escritório.

Luís da Costa cortejou os outros e saiu ao lado do major Gouveia, a quem deu

respeitosamente a calçada e ofereceu um charuto. o major recusou o charuto,

dobrou o passo e os dois seguiram na direção da Rua dos Pescadores
V
- O Sr. Pires?

-Foi à Secretaria da Justiça.

-Demora-se?

-Não sei.

Luís da Costa olhou para o major ao ouvir estas respostas do criado do Sr.

Pires. o major disse fleumaticamente:

-Vamos à Secretaria da Justiça.

E ambos foram a trote largo na direção da Rua do Passeio. Iam-se aproximando as

três horas, e Luís da Costa, que jantava cedo, começou a ouvir do estômago uma

lastimosa petição. Era-lhe porém, impossível fugir às garras do major. Se o

Pires tivesse embarcado para Santos, é provável que o major o levasse até lá

antes de jantar.

Tudo estava perdido.

Chegaram enfim à Secretaria, bufando como dois touros.

Os empregados vinham saindo, e um deles deu noticia certa do esquivo Pires;

disse-lhe que saíra dali, dez minutos antes, num tilburi.

-Voltemos à Rua dos Pescadores, disse pacificamente o major.

-Mas, Senhor...

A única resposta do major foi dar-lhe o braço e arrastá-lo na direção da Rua dos

Pescadores.

Luís da Costa ia furioso. Começava a compreender a plausibilidade e até a

legitimidade de um crime. o desejo de estrangular o major pareceu-lhe um

sentimento natural. Lembrou-se de ter condenado, como jurado, um criminoso de

morte, e teve horror de si mesmo.

O major, porém, continuava a andar com aquele passo rápido dos majores que andam

depressa. Luís da Costa ia rebocado. Era-lhe literalmente impossível apostar

carreira com ele.

Eram três e cinco minutos quando chegaram defronte do escritório do Senhor

Pires. Tiveram o gosto de dar com o nariz na porta.

O major Gouveia mostrou-se aborrecido com o fato; como era homem resoluto,

depressa se consolou do incidente.

-Não há dúvida, disse ele, iremos à Praia Grande.

- Isso é impossível! clamou Luís da Costa.

-Não é tal, respondeu tranqüilamente o major, temos barca e custa-nos um cruzado

a cada um: eu pago a sua passagem.

-Mas, senhor, a esta hora ...

- Que tem?

- São horas de jantar, suspirou o estômago de Luís da Costa.

- Pois jantaremos antes.

Foram dali a um hotel e jantaram. A companhia do major era extremamente

aborrecida para o desastrado alvissareiro. Era impossível livrar-se dela; Luís

da Costa portou-se o melhor que pôde. Demais, a sopa e o primeiro prato foram o

começo da reconciliação. Quando veio o café e um charuto, Luís da Costa estava

resolvido a satisfazer o seu anfitrião em tudo o que lhe aprouvesse.

O major pagou a conta e saíram ambos do hotel. Foram direitos à estação das

barcas de Niterói; meteram-se na primeira que saiu e transportaram-se à imperial

cidade.

No trajeto, o major Gouveia conservou-se tão taciturno como até então. Luís da

Costa, que já estava mais alegre, cinco ou seis vezes tentou atar conversa com o

major; mas foram esforços inúteis. Ardia entretanto por levá-lo à casa do Sr.

Pires, que explicaria as coisas como as soubesse.
VI
O Sr. Pires morava na Rua da Praia. Foram direitinho à casa dele. Mas se os

viajantes haviam jantado, também o Sr. Pires fizera o mesmo; e como tinha por

costume ir jogar o voltarete em casa do Dr. Oliveira, em São Domingos, para lá

seguira vinte minutos antes.

o major ouviu esta notícia com a resignação filosófica de quem estava dando

provas desde as duas horas da tarde. Inclinou o chapéu mais à banda e olhando de

esguelha para Luís da Costa, disse:

-Vamos a São Domingos.

-Vamos a São Domingos, suspirou Luís da Costa.

A viagem foi de carro, o que de algum modo consolou noveleiro.

Na casa do Dr. Oliveira passaram pelo dissabor de bater cinco vezes, antes que

viessem abrir.

Enfim vieram.

-Está cá, o Sr. Pires?

Os dois respiraram.

O moleque abriu-lhes a porta da sala, onde não tardou que aparecesse o famoso

Pires, "l'introuvable"

Era um sujeitinho baixinho e alegrinho. Entrou na ponta dos pés, apertou a mão

de Luís da Costa e cumprimentou cerimoniosamente ao major Gouveia.

-Queiram sentar-se.

-Perdão, disse o major, não é preciso que nos sentemos; desejamos pouca coisa.

O Sr. Pires curvou a cabeça e esperou.

O major voltou-se então para Luís da Costa e disse:

- Fale.


Luís da Costa fez das tripas coração e exprimiu-se nestes termos:

-Estando eu hoje na loja de Paulo Brito contei a história do rapto de uma

sobrinha do Sr. major Gouveia, que o senhor me referiu pouco antes do meio-dia.

O major Gouveia é esse cavalheiro que me acompanha, e declarou que o fato era

uma calúnia, visto sua sobrinha estar em Juiz de Fora, há quinze dias. Intenta

contudo chegar à fonte da notícia e perguntou-me quem me havia contado a

história; não hesitei em dizer que fora o senhor. Resolveu então procurá-lo, e

não temos feito outra coisa desde as duas horas e meia. Enfim, encontramo-lo.

Durante o discurso, o rosto do Senhor Pires apresentou todas as modificações de

espanto e de medo. Um ator, um pintor, ou um estatuário teria ali um livro

inteiro para folhear e estudar. Acabado o discurso, era necessário

responder-lhe, e o Sr. Pires o faria de boa vontade, se se lembrasse do uso da

língua. Mas não; ou não se lembrava, ou não sabia que uso faria dela. Assim

correram uns três a quatro minutos.

-Espero as suas ordens, disse o major, vendo que o homem não falava.

-Mas que quer o senhor?-balbuciou o Sr. Pires.

-Que me diga de quem ouviu a notícia transmitida a este senhor. Foi o senhor

quem lhe disse que minha sobrinha era bonita?

-Vê? disse o major voltando-se para Luís da Costa.

Luís da Costa começou a contar as tábuas do teto.

O major dirigiu-se depois ao Sr. Pires:

-Mas vamos lá, disse; de quem ouviu a notícia?

-Foi de um empregado do tesouro.

- Onde mora?

-Em Catumbi.

O major voltou-se para Luís da Costa, cujos olhos, tendo já contado as tábuas do

teto, que eram vinte e duas, começavam a examinar detidamente os botões do punho

da camisa.

-Pode retirar-se, disse o major; apertou a mão do Sr. Pires, balbuciou um pedido

de desculpa, e saiu. Já estava trinta passos, e ainda lhe parecia estar colado

ao terrível major. Ia justamente a sair uma barca; Luís da Costa deia correr, e

ainda a alcançou, perdendo apenas o chapéu, o herdeiro foi um cocheiro

necessitado.

Estava livre.


VII
Ficaram sós o major e o Sr. Pires.

-Agora, disse o primeiro, há de ter a bondade de me acompanhar à casa desse

empregado do tesouro... Como chama?

-O bacharel Plácido.

-Estou às suas ordens; tem passagem e carro pago.

o Sr. Pires fez um gesto de aborrecimento, e murmurou:

-Mas eu não sei... se...

-Se?


-Não sei se me é possível nesta ocasião..

-Há de ser. Penso que é um homem honrado. Não tem idade para ter filhas moças,

mas pode vir a tê-las, e era se e agradável que tais invenções andem na rua.

-Confesso que as circunstâncias são melindrosas; mas poderíamos . .

-O quê?

-Adiar?


- Impossível.

- Então? disse o major ao cabo de algum tempo de silêncio.

-Refleti, disse o bacharel; é melhor irmos a pé; eu jantei há pouco e preciso

digerir. Vamos a pé...

-Bem, estou às suas ordens.

O bacharel arrastou a sua pessoa até a alcova, enquanto o major, com as mãos nas

costas, passeava na sala meditando e fazendo, a espaços, um gesto de

impaciência.

Gastou o bacharel cerca de vinte e cinco minutos em preparar a sua pessoa, e

saiu enfim à sala, quando o major ia já tocar a campainha para chamar alguém.

-Pronto?

- Pronto.

-Vamos.

Se uma pipa andasse seria o bacharel Plácido; já porque a gordura não lho

consentia, já porque desejaria pregar uma peca ao importuno, o bacharel não ia

sequer com passo de gente. Não andava... arrastava-se. De quando em quando

parava, respirava e bufava; depois seguia vagarosamente o caminho.

Com este era impossível o major empregar o sistema de reboque que tão bom efeito

teve com Luís da Costa. Ainda que o quisesse obrigar a andar era impossível,

porque ninguém arrasta oito arrobas com a simples força do braço.

Tudo isso punha o major em apuros. Se visse passar um carro, tudo estava

acabado, porque o bacharel não resistiria ao seu convite intimativo; mas os

carros tinham-se apostado para não passar ali, ao menos vazios, e só de longe em

longe um tilburi vago convidava, a passo lento, os fregueses.

O resultado de tudo isto foi que só às oito horas, chegaram os dois à casa do

capitão Soares. o bacharel respirou à larga, enquanto o major batia palmas na

escada.

-Quem é? perguntou uma voz açucarada.

-O Sr. capitão, disse o major Gouveia.

- Eu não sei se já saiu, respondeu a voz; vou ver.

Foi ver, enquanto o major limpava a testa e se preparava para tudo o que pudesse

sair de semelhante embrulhada. A voz não voltou senão dali a oito minutos, para

perguntar com toda a singeleza.

- O Sr. quem é?

-Diga que é o bacharel Plácido, acudiu o indivíduo deste nome, que ansiava por

arrumar a católica pessoa em cima de algum sofá.

A voz foi dar a resposta e daí a dois minutos voltou a dizer que o bacharel

Plácido podia subir.

Subiram os dois. O capitão estava na sala e veio receber à porta o bacharel e o

major. A este conhecia também, mas eram apenas cumprimentos de chapéu.

-Queiram sentar-se.

Sentaram-se.


IX
-Que mandam nesta sua casa? perguntou o capitão

-Capitão, eu tive a infelicidade de repetir aquilo que você me contou a respeito

da sobrinha do Sr. major Gouveia.

-Não me lembro; que foi? disse o capitão com uMa cara tão alegre como a de um

homem a que estivesse torcendo um pé.

-Disse-me você, continuou o bacharel Plácido, que o namoro da sobrinha do Sr.

major Gouveia era tão sabido que até já se falava de um projeto de rapto...

-Perdão! interrompeu o capitão. Agora me lembro que alguma coisa lhe disse, mas

não foi tanto como você acaba de repetir.

- Não foi?

-Não.

-Então que foi?



-O que eu disse foi que havia notícia vaga de um namoro da sobrinha de V. Sa.

com um alferes. Nada mais disse. Houve equívoco da parte do meu amigo Plácido.

-Sim, há alguma diferença, concordou o bacharel.

-Há, disse o maior deitando-lhe os olhos por cima do ombro.

Seguiu-se um silêncio.

-Enfim senhores, disse ele, ando desde as duas horas da tarde na indagação da

fonte da notícia que me deram a respeito de minha sobrinha. A notícia tem

diminuído muito, mas ainda há aí um namoro de alferes que incomoda. Quer o Sr.

capitão dizer-me a quem ouviu isso?

-Pois não, disse o capitão; ouvi-o ao desembargador

- É meu amigo!

-Tanto melhor.

- Acho impossível que ele dissesse isso, disse o major levantando-se.

- Senhor! Exclamou o capitão.

- Perdoe-me, capitão, disse o major caindo em si. Há de concordar que ouvir a

gente o seu nome assim maltrado por culta de um amigo...

-Nem ele disse por mal, observou o capitão Soares. Parecia até lamentar o fato,

visto que sua sobrinha está para casar com outra pessoa.

- É verdade, concordou o major. O desembargador não era capaz de injuriar-me;

naturalmente ouviu isso a alguém.

-E provável.

- Tenho interesse em saber a fonte de semelhante boato, acompanha-me à casa

dele.

-Agora?


- É indispensável.

- Mas sabe que ele mora no Rio Comprido?

- Sei; iremos de carro.

O bacharel Plácido aprovou esta resolução e despediu-se dos dois militares.

-Não podíamos adiar isso para depois? perguntou o capitão logo que o bacharel

saiu.


-Não, senhor.

O capitão estava em sua casa; mas o major tinha tal império na voz ou no gesto

quando exprimia a sua vontade, que era impossível resistir-lhe. O capitão não

teve remédio senão ceder.

Preparou-se, meteram-se num carro e foram na direção do Rio Comprido, onde

morava o desembargador.

O desembargador era um homem alto e magro, dotado de excelente coração, mas

implacável contra quem quer que lhe interrompesse uma partida de gamão.

Ora, justamente na ocasião em que os dois lhe bateram à porta, jogava ele o

gamão com o coadjutor da freguesia, em cujo dado era tão feliz que em menos de

uma hora lhe dera já cinco gangas. o desembargador fumava... figuradamente

falando, e o coadjutor sorria, quando o moleque foi dar parte de que duas

pessoas estavam na sala e queriam falar com o desembargador.

O digno sacerdote da justiça teve ímpetos de atirar o copo à cara do moleque;

conteve-se, ou antes traduziu o seu furor num discurso furibundo contra os

importunos e maçantes.

-Há de ver que é algum procurador à procura de autos, ou à cata de informações.

Que os leve o diabo a todos eles.

-Vamos, tenha paciência, dizia-lhe o coadjutor. Vá, vá ver o que é, que eu o

espero. Talvez que esta interrupção corrijo a sorte dos dados.

-Tem razão, é possível, concordou o desembargador, levantando-se e dirigindo-se

para a sala.


X
Na sala teve a surpresa de achar dois conhecidos.

O capitão levantou-se sorrindo e pediu-lhe desculpas do incômodo que lhe vinha

dar. o major levantou-se também mas não sorria.

Feitos os cumprimentos, foi exposta a questão. o capitão Soares apelou para a

memória do desembargador a quem dizia ter ouvido a notícia do namoro da sobrinha

do major Gouveia.

-Recordo-me ter-lhe dito, respondeu o desembargador, que a sobrinha do meu amigo

Gouveia piscara o olho a um alferes, o que lamentei do fundo d'alma, visto estar

para casar. Não lhe disse, porém, que havia namoro...

O major não pôde disfarçar um sorriso, vendo que o boato ia a diminuir à

proporção que se aproximava da fonte. Estava disposto a não dormir sem dar com

ela.


-Muito bem, disse ele; a mim não basta esse dito; desejo saber a quem o ouviu, a

fim de chegar ao primeiro culpado de semelhante boato.

-A quem o ouvi?

-Sim.


-Foi ao senhor.

- A mim!

-Sim, senhor; sábado passado.

-Não é possível.

-Não se lembra que me disse na Rua do Ouvidor, quando falávamos das proezas

da...


-Ah! mas não foi isso! exclamou o major. o que eu lhe disse foi outra coisa.

Disse-lhe que era capaz de castigar minha sobrinha se ela, estando agora para

casar, deitasse os olhos a algum alferes que passasse.

-Nada mais? perguntou o capitão.

-Nada mais.

- Realmente, é curioso.

O major despediu-se do desembargador, levou o capitão até Mataporcos e foi

direto para casa, praguejando contra si e todo o mundo.

Ao entrar em casa já estava mais aplacado. O que o consolou foi a idéia de que o

boato podia ser mais prejudicial do que fora. Na cama ainda pensou no

acontecimento, mas já se ria da maçada que dera aos noveleiros. Suas últimas

palavras antes de dormir foram:



- Quem conta um conto...
Catálogo: literatura
literatura -> Universidade federal de santa catarina centro de comunicação e expressão programa de póS-graduaçÃo em literatura
literatura -> Ode triunfal
literatura -> História da Fundação do Instituto Histórico de Mato Grosso
literatura -> Paisagens (des) montáveis: olhares técnicos primitivos
literatura -> 1, Elri Bandeira de Sousa
literatura -> Universidad de buenos aires facultad de filosofia y letras
literatura -> Linha de pesquisa teoria da modernidade
literatura -> Literatura e sociedade na Guiné-Bissau : o desafio do Escombro
literatura -> Universidade federal de santa catarina centro de comunicação e expressão programa de póS-graduaçÃo em literatura
literatura -> Pode-se definir Mitologia como o estudo e a interpretação do mito e do conjunto dos mitos de uma determinada cultura


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal