A infância na história da educaçÃo brasileira e o trabalho dos professores: convergências e divergências. Liliana Soares Ferreira1



Baixar 46.49 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho46.49 Kb.


A INFÂNCIA NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA E O TRABALHO DOS PROFESSORES: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS.
Liliana Soares Ferreira1

RESUMO


O estudo da educação no Brasil revela uma proximidade entre a infância e os modelos de profissão dos professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental, perceptível nos processos utilizados ao produzirem a aula. Da análise da compatibilidade entre esses sujeitos e a forma como são percebidos, observa-se como têm evoluído os processos educativos para os professores e a educação escolar. Assim, este trabalho, tendo como base pesquisa bibliográfica em obras relacionadas à História da Educação e à Sociologia da Educação, foi elaborado sob a perspectiva metodológica de uma sistematização, buscando inter-relacionar os temas e aprofundando-os com base na leitura de obras representativas dos estudos acerca dos aspectos sobre os quais está-se estudando. Os argumentos estão organizados em torno de um eixo comum: os professores são profissionais da educação que produzem sua práxis com base em um projeto pedagógico individual, elaborado em movimentos dialéticos entre o individual e o coletivo, no espaço-tempo da escola. Assim encaminhado, o trabalho propõe reflexões sobre quem são os professores na história da educação brasileira e como o são, explicitando tais concepções de modo comparativo à infância e à escola ao longo desta história.
PALAVRAS-CHAVES

Trabalho, escola, conhecimento, políticas públicas.


A infância é uma elaboração de caráter subjetivo, resultante das manifestações sociais de um grupo, no intuito de explicar a diferença cognitiva, corporal, política, econômica e cultural entre crianças e não-crianças. Deste modo, mais do que a diferença quantitativa de anos, o que faz uma criança ser uma criança são as representações que seu grupo social tem de infância. Estas representações agrupam-se no espaço-tempo da escola, sendo referência para a elaboração de sentidos, de modos de vida, interações e, em conseqüência, institucionalizações e disciplinamento, pois toda instituição caracteriza-se por um modo de lidar com os poderes e a disciplina. Do mesmo modo, tais representações2 estão diretamente ligadas ao trabalho desenvolvido pelos professores, sua profissão, elementos implicados em sua práxis3 que é, efetivamente, a produção da aula, e, nesta, a produção do conhecimento, realizada por estes profissionais e os estudantes.

Por isto, se pode afirmar que as representações de infância justificam muitas das ações da escola. Sendo um espaço-tempo tido como caracteristicamente apropriado à recepção, socialização e educação da infância, a escola lida a partir das representações de infância e, com base nelas, organiza a práxis pedagógica. Os professores, então, como um dos sujeitos desta práxis, elaboram e produzem o seu fazer em acordo com estas representações, de tal sorte que, observando a história da educação no Brasil, podem-se relacionar as características próprias, de modo geral, do trabalho dos professores, principalmente nos anos iniciais do Ensino Fundamental, em determinadas épocas, e a infância, revelando que os professores agiam em acordo com as representações de infância, contribuindo para reforçá-las.

Considerando os estudos realizados até agora sobre estes temas, apresento, em acordo com um recorte da história da educação, as características do trabalho dos professores no país e a imagem de infância correspondente, procurando comprovar o argumento da similaridade entre estes aspectos, em cada época. Observo a necessidade de entender este esforço como demonstração do argumento central do texto: os professores tornam-se professores por processos de educação e de educação continuada, apreendendo não só sobre o fazer pedagógico, mas elaborando um projeto pedagógico individual que os caracterizam, que traduzem em trabalho ao produzirem a aula, e que supõe concepções de infância, estudante e dos professores, constituídas cultural e historicamente, além de revelar ou não atendimento às orientações impressas nas políticas educacionais de seu tempo. Estes sentidos produzidos e nem sempre objeto de reflexão são basilares no entendimento de quem são os professores quando se dão o lugar de professores e por que agem pedagogicamente na forma como agem.

O texto se constitui em sistematização de pesquisa bibliográfica que estou realizando há alguns anos. Entendo que a sistematização é um processo de produção de conhecimentos por excelência, pois é o momento de se atribuir sentidos às pesquisas realizadas inclusive, às bibliográficas, estes esforços de compreensão dos fenômenos com base no que já foi escrito sobre eles. Assim, diante de uma problematização inicial oriunda da observação dos fenômenos educacionais, cuja essência era o perguntar-se sobre como acontece a práxis pedagógica e a relação desta com as imagens de professores e da infância, fiz uma ampla seleção de materiais bibliográficos, inicialmente, relativos à História da Educação e à Sociologia da Educação. Com o tempo, fui ampliando os estudos, abarcando também compreensões relativas às políticas públicas, aprofundando as concepções de trabalho e práxis dos professores.

Feitos estes esclarecimentos, inicialmente, apresento representações de professor e infância, destacando as inter-relações e, após, teço argumentos sobre a relação entre o entendimento desta trajetória histórica e as possibilidades na reflexão sempre necessária sobre o trabalho dos professores, entendidos como profissionais da educação. Meus argumentos situam-se na perspectiva de propor a reflexão também sobre o descaso político com a educação, evidenciado na relativa e limitada eficácia das políticas educacionais e, conseqüentemente, na falta de investimento prioritário em uma educação para todos com igual qualidade, uma educação que considere a integralidade dos sujeitos e sua cultura, com vistas à efetiva emancipação.

Saliento não estar preocupada se os argumentos incorrem em certa linearidade, entendendo que também esta linearidade pode ser entendida como um argumento implicitando haver uma seqüência de representações que se coadunam políticas educacionais, cuja gênese contribuiu para o quadro educacional brasileiro contemporâneo.


O primeiro tempo: padres jesuítas-professores

O período inicial da educação brasileira, o colonial, tinha um modelo de professor bem característico: o padre jesuíta. Eram professores cultos, muito bem preparados para ação de “transmitir” o conhecimento, através de seu trabalho. Sua ação incidia basicamente em relação aos indígenas, para catequizar, e aos filhos de portugueses proprietários de terra, para educar.

A ação educacional dos jesuítas é, sem dúvidas, o primeiro investimento na educação da infância brasileira, uma vez que, até então, no contexto europeu, as turmas não eram organizadas com distinção de idades; crianças, jovens e adultos aprendiam no mesmo ambiente e tempo. E coube aos jesuítas inaugurarem a educação da infância no Brasil. Chambouleyron refere-se à opção jesuítica pelo público infantil como resultado das transformações entre os sujeitos e o grupo, gerando manifestações afetivas diferenciadas e a afirmação do que foi denominado “sentimento da infância”. As crianças e, sobretudo, as crianças indígenas se apresentavam como seres nos quais poderiam imprimir a cultura cristã européia (1999, p.58).

Se as crianças eram vistas como seres ignorantes, os professores, em acordo com esta concepção, eram sábios, os donos do saber, atentos a quaisquer manifestações do caráter para, ao educar, amalgamar esforços em prol da moralização também:

Assim, não se tratava somente de aprender a doutrina e as coisas da fé. Para os padres, o mais difícil era justamente perseverar nos bons costumes (...). Eram louvados também aqueles que, instruídos desde cedo com os padres, e já crescidos, davam-se a ofícios, como o caso de alguns meninos da Bahia, criados na Casa do Espírito Santo que aprendendo o ofício de tecelão, e sendo casados com moças que haviam aprendido a fiar, finalmente ganhavam sua vida ao modo dos cristãos (...). (CHAMBOULEYRON, 1999, p. 60-61)
Do ponto de vista das características, padres-jesuítas professores e estudantes do Brasil quinhentista marcaram uma dualidade condizente com a pedagogia tradicional: o professor que sabe e o estudante que é ignorante. Esta é uma das características observáveis ainda hoje na educação em muitos lugares. Do mesmo modo, o estudante, criança, era visto como “papel branco”, sem memórias, sem historicidade, sem função social ou política, um vir-a-ser, no qual deveria ser investido, pois poderia se tornar um sujeito condizente com a sociedade cristã. De um lado, tem-se, portanto, os professores, adultos, rígidos e metódicos nos processos de educação formal e, de outro, os estudantes, cuja imagem é de um integrante de uma fase da vida ainda pouco reconhecida, pouco percebida em sua importância e menos ainda em sua utilidade social.

Neste contexto, práxis pedagógica não acontece de modo democrático e democratizante. Ao contrário, basta reproduzir modelos didáticos e impor o aprender.


O tempo dos professores com alvará

Período posterior, o Brasil imperial será palco de muitas discussões sobre educação e poucas ações concretas. Um descaso gerado, muitas vezes, não só pela escassez de professores, pela escassez de investimentos nessa área, pelo desprestígio do ensino primário, pois nem sequer era pré-requisito para a freqüência no ensino secundário, além de não atingir toda a população, restringindo-se apenas a uma parte da sociedade que excluía negros, pobres e, com exceção das cidades mais populosas, as mulheres.

Portanto, no segundo momento da história do país, a infância ainda não é uma prioridade, um investimento e, coincidentemente, também não era incentivada a existência de professores aptos para o trabalho com a infância, pois esta era “um tempo sem maior personalidade, um momento de transição e por que não dizer, uma esperança” (PRIORE, 1999, p. 84). Por isto “A formação de uma criança acompanhava-se também de certa preocupação pedagógica que tinha por objetivo transformá-la em um indivíduo responsável” (PRIORE, 1999, p.100).

Paralelamente, a partir da segunda metade do século XIX, em todo o mundo, iniciam-se estudos em áreas como a Psicologia, a Sociologia, a Biologia, a Filosofia e Pedagogia, que re-elaboram o lugar da infância nas fases da vida, atribuindo-lhe o mérito de ser o momento estruturante da subjetividade humana e dimensionando diferenciadamente o papel dos espaços sociais de educação, família e escola, nesta fase.

Porém, no Brasil, continuarão ascendendo aos quadros de Magistério professoras e professores que, muitas vezes, somente sabiam ler e escrever e pouco liam e escreviam (MARQUES, 1992). Sobretudo logo após a Proclamação da República, com o incentivo à abertura de escolas eram aplicadas provas e as pessoas aprovadas recebiam um alvará para a abertura de escolas. Somente estando o país com quarenta anos de República, iniciou o incentivo à educação de professores. Estes dois processos Ghiraldelli (2006) denomina “entusiasmo e otimismo da educação”. Assim, o Brasil republicano estará muito preocupado em alfabetizar uma população cujos índices de analfabetismo eram estrondosos, porém necessitava, antes, qualificar professores para este trabalho.

O auxílio à qualificação dos professores chegará por dois caminhos: os processos imigratórios, sobretudo no Sul do país, trazendo junto um padre/pastor e uma professora/professor para dar continuidade ao trabalho educativo formal; a ação política dos sindicatos e Ligas de Alfabetização no intuito de dirimir os quadros de analfabetismo. Enquanto isto, proliferam as escolas de Magistério. Marques (1992) relata ser o início das escolas destinadas à educação dos professores bastante caracterizado pela improvisação e pela despreocupação com a qualidade da educação e das escolas no país. Segundo o autor, em 1830, surgiram as primeiras Escolas Normais, integrantes do sistema público educacional. Depois deste momento, as escolas normais se disseminaram progressivamente, realizando um trabalho destinado, no início, a profissionais do sexo masculino. (MARQUES, 1992)

Assim, inicia-se um processo mais planejado de pedagógico, e a aula passa a ser vista como algo sério e um investimento para um futuro. Aos professores, é dado o lugar de quem conduziria a este futuro.
Terceiro tempo: normalistas e crianças.

O final do século XIX até a década de 1970 foram tempos de relação direta entre a ação educar e um ícone da história da educação brasileira: a normalista. Oriundas, normalmente, da chamada classe média, descendentes de famílias cujas posses lhe garantiriam uma vida tranqüila, as normalistas eram moças que, não raramente, com o objetivo de cumprir uma função social, escolhiam dedicar-se ao Magistério, iniciando o Curso Normal.

Entretanto, por menos refletidas, muitas vezes, que tenham sido suas escolhas pelo Magistério, revelando que lhe pudessem restar poucas alternativas, em uma sociedade marcada pelo patriarcalismo e pelo autoritarismo, as normalistas inauguram uma época educacional diferenciada no país: a época dos professores habilitados para a ação pedagógica e o início do processo de feminização da profissão. Este processo, marcado pelas características próprias da mulher em uma sociedade patriarcal, a feminilidade, meiguice, maternidade, corroborou para uma dimensão diferente na relação criança, professores, escola e conhecimento, tendo como centralidade as relações interpessoais. Deste modo, a escola deixa de ser, no imaginário, o lugar distanciado e frio para a produção do conhecimento, tornando-se um local de acolhimento e atenção também.

Hypolito confirma esta argumentação, defendendo que a feminização do Magistério acontece em meio ao desenvolvimento industrial e urbano do país, fenômenos correspondentes à formação social e econômica capitalista (1997, p.55). Instrução não era o objetivo das camadas populares, pois não resultava em ascensão social imediata. Neste âmbito, ingressar no mundo do trabalho como professora foi uma oportunidade de as mulheres elaborarem um viés de participação social compatível com suas feminilidade e maternidade, configuradas em ambiente cultural e social adequado. Entre estas, Hypolito considera a similaridade entre ser professora e ser mãe, as características femininas propícias para o cuidado de crianças, a compatibilização entre o horário do labor e a possibilidade de conciliá-lo com o de casa, o reconhecimento social (1997, p.55). Tais explicações, oriundas do social, como se pode perceber, são bastante tendenciosas e compelem as mulheres a acreditarem na sua “vocação” para o Magistério, além de facilitarem em muito a percepção do Magistério como a realização de uma aspiração: ser trabalhadora, desempenhar uma ação social, ter um salário e continuar sendo mãe, esposa e dona-de-casa.

Louro também descreve a situação, afirmando: “Assim constrói-se a relação magistério-domesticidade, ou seja, entende-se que o magistério é o mais adequado para a mulher, por exigir o cuidado de crianças; ser professora é, de certa forma, uma extensão do papel de mãe” (1997, p.35). Além disto, o Magistério também servia como preparação para assumir o lugar de mãe e dona-de-casa, o que aponta uma relação entre os cursos normais, seus currículos e o futuro, na perspectiva tradicional, das mulheres.

Este lugar dado às mulheres, com certeza, pode ser utilizado para explicar a crença na vocação para o Magistério e a subserviência às políticas e ditames externos à profissão. A professora pareceu resignar-se no papel de dona-de-casa e professora, resignando-se também ao salário: se pode auxiliar sua família e trabalhar, por que ter um salário mais alto? Parece acreditar estar cumprindo seu papel social.

Somem-se as alterações no mundo do trabalho urbanizado e industrializado. A analogia que se pode fazer é que o conhecimento, uma produção masculina ao longo da História, ao se tornar responsabilidade feminina e, simultaneamente, tornando-se atividade profissional feminina, passa a ser considerada uma atividade menor, tanto na organização, quanto no salário. Obviamente, está pressuposto aqui um preconceito, bastante difundido, principalmente na sociedade brasileira, patriarcal e machista, que o labor masculino tem maior relevância do que feminino. Este preconceito é explicado com base na configuração biológica do corpo feminino, tido como mais frágil e na subjetivação da mulher, a qual se emocionar facilmente, em detrimento do homem, que deve conter suas emoções.

Paradoxalmente, o público feminino no Magistério aumentou significativamente. Até parece que houve uma conformação da profissional com esta situação de ser vista como menos. Hoje, sem dúvidas, os quadros do Magistério são majoritariamente femininos. Segundo pesquisa realizada pela UNESCO, em 2004, e publicada na Revista Nova Escola, do total de professores no Brasil, 81,3% são mulheres; destas, 29,7% são chefes de família; 36,6% das mulheres-professoras ganham entre 5 e 10 salários mínimos; 50,4% querem continuar trabalhando na mesma escola e apenas 7% querem ocupar cargos de direção e administração escolar. Logo, se a população de professores no país é feminina, isto determina características próprias da referida contingência, em toda a abrangência da profissão: condições de trabalho, salário, estudos, concepções, hierarquias, o lugar dado à trabalhadora, a compreensão deste grupo de trabalhadores como inserido em uma esfera social mais ampla.

Deste modo, se as normalistas caracterizam-se como professora/professores que acolherão melhor os estudantes e estarão preocupadas/preocupados com o bem-estar simultâneo ao processo de aprender, também se caracterizam por professar um currículo menos centrado nas ciências exatas, nas tecnologias e priorizando os conhecimentos relativos às humanidades. Inicia-se assim um processo de práxis pedagógica, assentada no acolhimento dos estudantes e na preocupação em como produzir conhecimento com eles.
Quarto tempo: professores profissionalizados

Foi enfaticamente a partir da década de 1980, o surgimento da percepção dos professores, como agentes de mudanças na educação, um reconhecimento manifestado inclusive na Constituição de 1988, conforme Weber, cujo texto legal incluiu: “o resgate do concurso público, a garantia de padrão de qualidade como princípio da educação e a visão do docente como profissional do ensino” (2003, p. 1.125). É uma época de revisão do perfil profissional e de investimento, em grande escala, nos processos de educação dos profissionais. Com todas estas reflexões circulando no mundo educacional, chega-se à década de 1990 com uma calorosa discussão acerca da educação dos professores e alternativas para alcançar este intento, buscadas por diversos setores: a própria escola, os sistemas educacionais, o governo, comunidades, empresas, órgãos internacionais.

As políticas educacionais, elaboradas e aplicadas ao contexto brasileiro, mais do que nunca, revelam-se muito mais fruto de decisões relativas às relações internacionais do país e ao ajuste de sua dívida externa do que propriamente ao cenário interno da educação. Desde então, esta evidência vem se revelando cada vez mais presente, a cada nova lei, orientação ou exigência do sistema educacional e suas conseqüências no desarticulado e carente ambiente da escola e no trabalho dos professores. Resultam daí leituras do pedagógico, que é o fazer profissional, para além da ingenuidade de que os professores são professores por vocação.

A razão de ser dos professores e sua profissão são fenômenos complexos, porque não são lineares, nem unidimensionais. Ao mesmo tempo em que revelam certa lógica (nem sempre elaborada por estes sujeitos), revelam, principalmente, incertezas, inseguranças, incapacidade de parâmetros lógicos e, inclusive, legais para este fazer, porque está imerso em um mundo contraditório, incerto, em meio a outros fenômenos distintos e diversos que influem e determinam o mundo educacional. Não há como elaborar uma lista limitada de competências, características e ações para os professores. Ele age no imprevisível, no complexo. A linguagem é o ambiente com o qual trabalha e a partir do qual produz, em interações dialógicas. A compreensão da professoralidade acontece nesta dimensão complexa, sem fragmentações, sem reducionismos, revelada nos discursos de seus protagonistas, os professores. É por estes motivos a crítica à abordagem de Perrenoud (2002) e seus simpatizantes, quando reduzem toda a análise do trabalho dos professores à aquisição de competências, com as quais estariam aptos a seu trabalho.

O entendimento de Perrenoud (2002) sobre competência do profissional da educação possibilita pensar que seria uma espécie de apropriação das dimensões técnicas e organizacionais do trabalho. Se assim é, por decorrência, a competência, segundo Ramos, acaba por cumprir “também o papel de ordenar as relações sociais de trabalho externamente às organizações produtivas, no sentido de gerir as condutas e reconfigurar valores éticos-políticos dos trabalhadores no processo permanente de instabilidade social” (2001, p. 176). Ou seja, regulando a ação dos sujeitos, determina-lhes uma responsabilidade: garantir sua empregabilidade, sua inclusão, ou ser o único responsável pela sua exclusão profissional. Este processo, descrito similarmente por Perrenoud (2002), configura-se, intencionalmente, individual: cada um é responsável pelo desenvolvimento de suas competências e por sua empregabilidade.

Neste espaço contraditório, surgem propostas inúmeras de cursos, palestras, congressos e seminários, uma verdadeira venda de informações, possibilidade para desenvolvimento de competências. A escola, nestas configurações, não é vista como o espaço-tempo privilegiado para os professores constituírem sua professoralidade. Pensando sobre competências no campo da educação, concordo com Ramos: “A valorização das competências individuais dos trabalhadores inscreve-se, portanto, no marco de um individualismo liberal e de subjetividades atomatizadas” (2001, p. 57). Por isto, a escola, ambiente de trabalho dos professores, em seu projeto pedagógico, precisa demonstrar estar ciente que um movimento “contra-hegemônico exige outro entendimento da noção de competência na perspectiva humana, sócio-histórica e sócio-coletiva, bem como a construção de um projeto político-pedagógico comprometido com a transformação da realidade da classe trabalhadora” (RAMOS,2001, p. 57).

Portanto, evidencia-se uma preocupação de há muito tempo: o fazer pedagógico precisa ser redimensionado para que se redimensione também a educação na escola. O profissional tornar-se cada vez mais apto para a práxis pedagógica é, sem dúvidas, uma das condições para a diminuição dos índices de analfabetismo, dos índices de evasão, de insatisfação com a ação escolar e dos fatores de exclusão social. Contudo, as pesquisas, muitas vezes, somente quantitativas, não consideram elementos significativos: os professores são sujeitos sociais, cuja historicidade se elabora cotidianamente, seu trabalho é caracteristicamente coletivo, dá-se em um ambiente específico, a escola (ambiente dinâmico e complexo) e exige-lhe suas condições intelectuais, mas as afetivas, evidenciadas lingüisticamente.

Nesta perspectiva, reitera-se a necessidade de se evidenciar a ação pedagógica, compreendida então como iniciativa dos professores que se entendem autores do seu trabalho, denotando autonomia, embora partilhem concepções e propostas coletivas, porque inseridos na escola. Para tanto, defende-se a necessária elaboração de um projeto pedagógico individual, preliminar ao Projeto Pedagógico da Escola, no qual são explicitadas crenças e aportes teóricos, intencionalidades, justificativas, metodologias. Com isto, apesar do processo coletivo de construção do pedagógico, a individualidade dos professores não se perde no conjunto, pelo contrário, contribui e reforça o coletivo. Se a dinâmica escolar assim se encaminha, há um movimento capaz de garantir ações dos professores, entendidos como sujeitos e trabalhadores, podendo reconhecer-se e serem reconhecidos em seu trabalho, porque autores dele. A autonomia é a possibilidade de dar vazão a propostas de trabalho e fazê-lo acontecer, não somente como labor, mas como implicação entre o sujeito, seu fazer e o contexto onde está inserido. Supõe-se ser este um modo de superar o descolamento entre ser humano e trabalho, entre educação, escola e cotidiano.


Atando algumas pontas: o quinto tempo, o atual que será.

Vive-se um tempo infantil paradoxal: por um lado as crianças são compelidas a ingressarem e a reproduzirem cada vez mais cedo o mundo dos adultos nas vestimentas, nos hábitos, no uso de tecnologias; por outro, os adultos, talvez no afã de garantirem a diferença de gerações, tratam as crianças como crianças, ignorando, muitas vezes, esta precocidade. Percebo nesta situação paradoxal uma diferenciação cada vez mais acentuada entre o que, tradicionalmente, se entende por infância: lugar de diferença, do menor, do vir-a-ser e o que, cotidianamente, vislumbro como infância: um adulto sem a idade de adulto, reproduzindo e vivenciando a maturação, de forma confusa e incipiente.

Paralelamente, o mundo tecnológico no qual se está imerso compele crianças à virtualidade, a uma alfabetização digital cada vez mais precoce. A escola, por sua vez, não acompanha este processo na mesma velocidade. Há uma disparidade entre o mundo vivido cotidianamente pelas crianças e o mundo escolar, em muitos lugares do país.

As professoras e os professores, por sua vez, desdobram-se entre muitas tarefas e, avidamente, buscam alternativas para a produção da aula e do pedagógico no intuito de torná-lo prático e atraente a esta nova configuração infantil, pois neste mundo coordenado pelo capital, um trabalho bom parece ser aquele que denota racionalidades, se apropria de técnicas e as aplica à produção. O trabalho passa a ser percebido diferenciadamente: não há trabalho, nem emprego estável; aprender uma profissão é uma exigência contínua, exige inúmeros cursos, processos re-educativos; a tecnologia assume preponderância sobre o fazer manual e intelectual; trabalhar necessariamente é estar no local; surgem os trabalhos informais; os trabalhadores se organizam informalmente em seus sindicatos e estes já não têm a força para encaminhar lutas e mudanças nas condições laborativas.

Em âmbito social, outra exigência se apresenta. Há a expectativa de uma profissionalidade dos professores compatível com tempos de mudanças rápidas e de um novo tipo de capitalismo, cujo esteio é o capital e este comanda todas as relações sociais, demandando profissionais da educação em contínua educação e atentos às informações, tecnologias e mudanças, ou seja, professores que trabalham em escolas também em acordo com os ditames do capital.

Entretanto, uma escola efetivamente atenta ao mundo presente, buscando uma educação pautada pela humanização precisa ser um espaço-tempo onde se pratique a práxis pedagógica, entendendo-a como a evidência do trabalho e profissionalidade dos professores, que, assim, colocam em ação seu projeto pedagógico individual, a soma de suas crenças e práticas. Deste modo, agem com maior autonomia e denotam seu conhecimento não só em relação à ciência que praticam, mas em relação à interação e à convivência humana.


REFERÊNCIAS
CHAMBOULEYRON, R. “Jesuítas e as crianças no Brasil Quinhentista”. IN: PRIORE, Mary Del (org.). História das Crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999.
GHIRALDELLI, P. História da Educação Brasileira. São Paulo: Cortez, 2006.
HYPOLITO, Á. L. M. Trabalho docente, classe social e relações de gênero. SP: Papirus, 1997 (Coleção Magistério: formação e trabalho pedagógico).
LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.
MARQUES, M. O. A formação do profissional da educação. Ijuí: Editora UNIJUÍ, 1992.
PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.
PRIORE, M D (org.). História das Crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999.
RAMOS, M. N. “A noção de competência como ordenadora das relações educativas: implicações curriculares”. IN: Anais do 2º Encontro Estadual das Escolas Técnicas, Porto Alegre, SUEPRO, 2001, vol. 1, ano 1, Edição Especial, pp. 51-57.
Revista Nova Escola. janeiro/fevereiro 2006. São Paulo: Editora Abril, p. 12.
WEBER, S. “Profissionalização docente e políticas públicas no Brasil”. In: Revista Educação e Sociedade, São Paulo, dez. 2003, vol.24, no.85, p.1125-11

1 Doutora em Educação, Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Maria, Coordenadora do Grupo de Estudos sobre Gestão do Pedagógico, Trabalho e Políticas Públicas (Pólo no Rio Grande do Sul do HISTEDBR)

2 Entendo por representações, as elaborações coletivas, porque estas pretendem constituir-se em explicações mais totalizantes sobre os fatos cotidianos e, assim, determinando comportamentos em grupos específicos. Reitero ainda que excluo o uso do adjetivo “social” quando me refiro a representações, mesmo sabendo (e até por saber) não haver como qualquer representação não ser de caráter social. As representações evidenciadas pelos sujeitos em seus discursos, estabelecem-se e mantêm-se no e a partir do social, ainda que, ao serem desveladas, o são com base na linguagem, no modo de dizer e revelar de apenas um dos integrantes deste social.

3 Entendo práxis, com base em Marx, como a síntese dialética entre a teoria e a prática, um momento de superação da dualidade, a ação humana transformadora do real. Para Castoriadis (nota de rodapé 36), denomina-se práxis “(...) este fazer no qual o outro ou os outros são visados como seres autônomos e considerados como o agente essencial do desenvolvimento da própria autonomia” (1982, p. 94).


Catálogo: acer histedbr -> seminario -> seminario8 -> files
files -> Cartas sobre a educação infantil
files -> Os professores e seu papel na sociedade imperial
files -> Os projetos educacionais do empresariado industrial mineiro associado a fiemg a partir das diretrizes educacionais da cni (1980-2000) Jane Maria dos Santos
files -> Processos históricos e educacionais da escola alemã da colônia riograndese – sp (1924-1938)
files -> Experiências Educacionais Libertárias no Brasil: Autonomia, Solidariedade e Liberdade Ingredientes para uma ação educativa eficaz
files -> A pedagogia Libertária e a Educação Integral Angela Maria Souza Martins Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – unirio neb/Grupo do histedbr – unirio introdução
files -> O projeto tavares lyra e sua proposta de reforma para o ensino secundário no brasil. A instruçÃo pública no início do século XX
files -> ContribuiçÕes de tomás de aquino para a história da educaçÃO: interrelaçÕes entre ética e educaçÃO
files -> Os jesuítas e o ensino de filosofia no brasil
files -> Ginásio de conquista


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal