A interdisciplinaridade nos Processos e nas Manifestações Culturais



Baixar 18.49 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho18.49 Kb.




A interdisciplinaridade nos Processos e nas Manifestações Culturais
Juracy I. A. Saraiva

Cristina Ennes da Silva

Alessander Mario Kerber

Paula Regina Puhl

Marines Andrea Kunz
Os processos culturais abrangem, em uma acepção ampla, as práticas humanas e suas manifestações, como os conhecimentos, as crenças,os valores, os costumes, as artes, a tecnologia, que podem ser analisadas como representações simbólicas. A noção de processo decorre do fato de a cultura ser dinâmica e de estar ligada às transformações sócio-históricas em que interagem relações de causa e de conseqüência.

Essa dinamicidade exige que o foco das investigações seja orientado para as manifestações do processo cultural, em que ele se inscreve e se torna passível de análise. Entretanto, a natureza desses produtos ou manifestações da cultura solicitam uma abordagem interdisciplinar, na qual sejam visualizados em suas interações, sem o isolamento proveniente da orientação disciplinar. Portanto, os pesquisadores, ao enfocar os processos culturais e suas manifestações, utilizam-se das - conexões naturais e lógicas que cruzam áreas de conteúdo e se organizam ao redor de perguntas, temas, problemas ou projetos, em lugar dos conteúdos restritos aos limites das disciplinas tradicionais. (KLEIMAN, B. A.; MORAES, S. E. Leitura e interdisciplinaridade: tecendo redes nos projetos da escola. São Paulo: Mercado das Letras, 2003, p. 27).

A interdisciplinaridade permite repensar o estatuto epistemológico sob o qual inscrevemos nossa visão de mundo e de conhecimento e construir formas de compreensão da tradição cultural para, assim, atualizar o ser humano e seu legado, o que abre espaço para entender e discutir fatos históricos, estruturas político-sociais, processos de interação, ritos sociais, manifestações artísticas, avanços tecnológicos, em que se destaca o enraizamento da memória individual e coletiva.

Sob esse prisma, a diversidade dos processos culturais e suas variadas manifestações podem ser discutidas por diferentes campos discursivos, entre os quais podem-se citar a História, a Comunicação, a Literatura e a Arte Ainda que resguardem sua especifidade, esses campos se articulam e se complementam na análise dos processos culturais.

Os estudos recentes da Área de História, voltados para as representações e práticas sociais, introduzem uma nova perspectiva epistemológica, distinguindo-se das investigações anteriores em que predominavam concepções economicistas e político-factuais. As abordagens relacionadas à Nova História diversificaram não apenas o campo de ação da análise histórica, como também os objetos da pesquisa e, conseqüentemente, suas fontes, incluindo-se, entre elas, as mídias e os textos literários.

A idéia da imparcialidade da História, que lhe permitia produzir um conhecimento científico que pretendia ser a verdade sobre o passado, foi questionada e, no contexto atual, reconhece-se que a História é influenciada pelas imagens tanto das identidades dos que a escrevem, quanto pelas das personagens sobre as quais o historiador escreve. Sob essa perspectiva, a identidade é vista como uma representação, mais especificamente, a representação do "eu" e do "outro", instalada por meio da linguagem.

A aproximação da História com a Semiologia e a Lingüística, em decorrência dos avanços dessas áreas que apontaram para a distância que se estabelece entre os objetos e suas representações, levou à compreensão de que o registro de fatos e acontecimentos deve ser entendido como um discurso construído a partir de representações, presentes no imaginário social, e de relações de poder. Ao mesmo tempo, a História diversificou suas fontes de estudo e passou a agregar, aos documentos comprovadamente oficiais, fontes construídas a partir da subjetividade, em que se incluem depoimentos orais ou produções artísticas e midiáticas.

Junto à emergência das fontes anteriormente citadas, surgiram novos focos de estudo, entre os quais se destacam a construção de identidades étnicas, de gênero, de classes, nacionais, regionais, urbanas, institucionais e a reconstituição do passado por meio da memória. O estudo da memória sobressai como aspecto fundante, pois articula elementos presentes tanto na mídia quanto na literatura e revela vivências, interpretadas pelos agentes envolvidos no passado que se pretende conhecer.

Nesse contexto, a experiência vivida é a que constrói a memória, produzindo a união do mundo do indivíduo com o da sociedade em que ele vive. O lembrado confere e molda um sentimento de pertencimento, uma identificação, ou seja, remete o indivíduo a um grupo com o qual se identifica, do qual faz parte, mesmo que momentaneamente, definindo seu espaço. A identidade, portanto, é uma manifestação ligada à memória coletiva ou à dimensão do pertencimento social, no qual inúmeras memórias são compartilhadas e há a percepção da diferença em relação ao outro, ou seja, a identidade se constitui em sua relação com a alteridade. Ela está, pois, ligada à história e à memória do grupo, sendo decorrente de um conjunto de ações que criam formas de pertencimento e redes sociais. Nesse sentido, em uma ação recíproca, a memória, base da História, influencia ao mesmo tempo em que é influenciada pela Literatura e pela Comunicação.

A Comunicação, por sua vez, compreende processos de interação entre sujeitos, grupos e sociedades, os quais expressam suas marcas identitárias. Ela se utiliza de diversas linguagens e se insere em um processo histórico-estético-cultural, sobre o qual produz discursos, cuja materialidade abrange desde o ato da fala aos meios - impressos, eletrônicos e digitais - e revela o imaginário social. Organizada a partir de um sistema sígnico, a materialidade dos atos de linguagem estabelece a comunicação entre emissor e receptor.

Além disso, no processo de comunicação, redes informais, midiáticas, telecomunicacionais e virtuais, permitem a circulação de discursos, em busca de receptores-alvo, os quais interagem no processo comunicacional. Os agentes desse processo exercem um ato de poder recíproco, que pode ser depreendido nos discursos, em que se caracterizam as identidades e as diferenças que compõem os campos de interação.

Para compreender os processos culturais no âmbito da Comunicação, é preciso reconhecer as condições materiais e técnicas e os contextos sócio-históricos da produção, circulação e recepção dos discursos; paralelamente, é necessário examinar convenções e relações sociais que constroem campos diferenciados e socialmente estruturados. Nesse sentido, a Comunicação também contribui com a (re)construção da memória, que busca na bibliografia, em documentos, em depoimentos, em produtos midiáticos, em manifestações artísticas e em outros fragmentos do passado suas fontes de estudo, possibilitando, portanto, a investigação de processos culturais e de suas manifestações.

Sendo igualmente uma manifestação cultural, o texto literário é um ato de linguagem que, como os demais discursos do processo comunicacional, circula nos campos sociais e apresenta uma estrutura que a eles se articula. Portanto, Comunicação e Literatura se sobrepõem e se completam por procedimentos comuns ao seu processo de interação, pela proximidade dos recursos de análise e pela afinidade de configurações discursivas, como, por exemplo, a estrutura da narrativa e a recorrência a representações simbólicas, que instalam significações e sentidos.

Por sua natureza plural, os textos literários são um cronótopo, onde afloram diferentes discursos, sendo o campo de experimentação da linguagem. Nesse sentido, ocupam uma posição central no âmbito da Comunicação, pois, além de institituírem uma relação enunciativa peculiar que dá aos receptores a oportunidade de atuarem como participantes ativos da produção de sentidos, remetem a contextos sóciohistóricos e reproduzem um mundo de opiniões abstratas, ou da esfera das crenças, figurativizando questões éticas, morais, religiosas, estéticas. Portanto, interligam tempos distintos da história humana, introduzindo discussões em torno de temas como memória, identidade, nacionalidade, liberdade, justiça, amor, verdade, conhecimento, além de explorarem criticamente os recursos da própria linguagem, transformados em estratégias que podem aguçar a percepção do leitor e engendrar a significação.

Como linguagem, a literatura relaciona-se com outros âmbitos da ciência, da filosofia e da arte, com eles estabelecendo relações de aproximação e/ou de distanciamento. Sob essa perspectiva, a literatura converge com a História, no que tange aos procedimentos discursivos da narrativa, ao mesmo tempo em que dela se distancia quanto ao tratamento que é dado ao objeto e à finalidade para a qual esse se orienta. Ela dialoga com as outras artes, permitindo aproximações quer quanto aos apelos sensoriais instituídos pelas imagens, quer quanto ao papel de revelação do real que as artes desencadeiam; em contrapartida, a literatura preserva sua distinção em relação às demais artes, pela matéria verbal que a constitui, sendo, fundamentalmente, um ato de comunicação.

A dialogicidade, que está presente nos processos culturais, caracterizados como fenômeno dinâmico, onde o jogo dialético dos signos necessita ser verificado como algo translingüístico, ou seja, como produção social que tem referência na cultura e que se encontra implícita na discursividade, permite o estabelecimento de relações entre a área da História, que reconstrói contextos, a Literatura, que investiga a produção discursiva com um ato estético de linguagem, e a Comunicação, que investiga processos comunicativos, privilegia análises críticas sobre a produção, a circulação e a interpretação dos discursos, que são a base dos processos culturais.



Por essa razão, a temática é concebida sob uma perspectiva interdisciplinar em que se associam os saberes específicos da História, da Comunicação e da Literatura e que encontram a contribuição complementar das áreas da Filosofia e da Arte. No entanto, a interdisciplinaridade é um desafio e um processo permanente que não nasce plena nem pronta. Assim, no estudo dos processos e das manifestações culturais competências disciplinares encontram ambiente propício para a solidificação de seus saberes e para o exercício da prática interdisciplinar.


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal