A marquesa de Santos



Baixar 0.59 Mb.
Página1/9
Encontro30.07.2016
Tamanho0.59 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9

Falares Literários

http://www.falares.hpg.com.br




A Marquesa de Santos
Paulo Setúbal

UM ACONTECIMENTO ALVOROÇANTE

13 de janeiro de 1813. Toda a gente, na cidadezinha de São Paulo, engalanara-se com espavento. Não houve matrona que se não enfeitasse de suas velhas jóias. Não houve moça que se não alindasse de galantezas e tafularias. Tudo isso, tanto primor e garridice, para assistir a um acontecimento alvoroçante, inteiramente inesperado, que viera abalar com ruído, aquela pequenina sociedade de Província: o casamento do Alferes Felício Pinto Coelho de Mendonça, Moço Fidalgo da Casa Real, com a encantadora Domitila de Castro, última filha do Coronel João de Castro Canto e Melo.

Por isso, no casarão da Rua do Ouvidor, onde morava a noiva, burburinhava, há dias já, tremenda fervedura de arranjos e preparativos.

O velho João de Castro sempre se gabara de seus avós. Gloriava-se, freqüentes vezes, de ser fidalgo de lei. A sua mulher, D. Escolástica Bonifácia, apregoava-se, também, com orgulho, descendente dos Toledo Ribas. Eram eles, não havia dúvida, gente de sangue limpo, honrada, com larga parentela na cidade e na Província. E ambos, no casamento da caçula, timbraram em oferecer aos amigos bela noitada de festança grossa, com bródio e baile, que estivesse à altura do seu sangue e do seu nome.

Que rebuliço o que ia pela casa adentro! D. Escolástica, muito atarefada, não cessava de vascolejar, de arejar, de espanejar. Era um destramelar armários, um remexer empoeiradas arcas, um revirar canastras, um escancarar baús, um arrancar lá do fundo de tudo isso, para expor ao sol, os preciosos guardados antigos, as coisas nobres e magníficas, as largas toalhas de crivo, as rendas de bilro, os panos bordados, a prataria do Reino, as peças de porcelana. Sobretudo, com muitos mimos, era um esfregar aquelas pesadas louças de friso azul, tão faladas na cidade, que a boa velha guardava com ciúmes, enternecidamente, para os graves regabofes da família. Quando, em meio àquela lufa-lufa, um canto de sala parecia mais despido, ou faltavam, acolá, enfeites mais vistosos, logo a cuidadosa D. Escolástica, com o seu pronto expediente, gritava para um dos moleques da cozinha:

- Dito! Corra à casa de prima Angélica e diga assim para ela me emprestar o jarrão vidrado da sala de fora.

Os moleques e os escravos, à busca de jarrões vidrados, corriam à Rua do Ouvidor. Da Rua do Ouvidor à Rua do Cotovelo. Da Rua do Cotovelo à Rua da Princesa. Enquanto isso, na cozinha, entre as mucamas, ia largo e febril atarefamento. Despejavam-se pacotes de araruta. Besuntavam-se forminhas para bons-bocados. Desenferrujavam-se as rosetas de florear sequilhos. Folheava-se a massa das queijadas. Recheavam-se os pastéis de Santa Clara. Pingavam-se assadeiras de suspiro. E as raparigotas, brandindo garfos célebres, faziam ecoar sonoramente, no bojo das terrinas, furioso bater de gemas e de claras de ovo.

Essa atordoante trabalhadeira, tão desusado empenho em preparar a noite de gala, revelavam bem o júbilo que dava aos pais o casamento da caçula. Esse casamento, no entretanto, tivera curiosa trama. Fora um caso violento de paixão. Romance de amor tão fulminante, tão inesperado, que espantou a todos na cidade.

A história foi assim:

* * *

Domitila, a Titília, como lhe chamavam os de casa, era uma criaturinha perturbante, linda boneca de dezesseis anos, leve como pluma, botão de rosa pelo amanhecer. Tinha o talhe fino, a cinturinha breve, ar de graciosa petulância. Que primor de tentações! Os cabelos eram negros, profundamente negros, encaracolando-se num donaire petulante. Olhos também negros, negríssimos, dum fulgor líquido, que enchiam de quentura e brejeirice o moreno róseo de seu rosto. A boca, vermelha, muito úmida, a cavar ao lado, quando ela sorria, uma covinha gaiata, tentadora, que enlouquecia a rapaziada do tempo.



E não foram poucos os que enlouqueceram! Toda a gente sabia que Pedro Gonçalves de Andrade, primo e colaço do juiz de casamentos, passava noites inteiras, de violão em punho, a entoar modinhas e lundus às janelas da rapariga.

E era de ver-se, nos bailes, o Aires da Cunha, sobrinho do Almoxarife da Real Fazenda! O rapaz grudado acintosamente às saias da pequena, vivia tão junto dela, tão cioso dela, que a cidade inteira, com maldade, botou-se a linguajar daquele caso..

E a briga do Moraizinho? Foi no Botequim da Princesa, no Largo da Pólvora, em dia de procissão de São Jorge. O rapazola engalfinhou-se violentamente com o Bento Furquim, um atrevidaço, namoriscador da pequena. Lá se foi com ele aos bofetões e sopapos, numa fúria. Tão áspera cresceu a rixa, tão brutal, que acabaria de certo em tiro de trabuco se o bom do Pe. Bernardo Pureza Claraval, que por ali passava, não acudisse a tempo de separá-los.

Nesse mesmo dia, ao escurecer, depois das vésperas, o bondoso cura procurou o velho João de Castro. Narrou-lhe a briga do Moraizinho. Avisou-o com prudência:

- Sr. Coronel! Vosmecê precisa tomar tento. Isto não acaba bem...

- Mas que hei de eu fazer, senhor pároco? Que hei de eu fazer?

- Que há de fazer? Homessa... Pois é casar a rapariga. Casá-la antes que a rapaziada se destripe. Aquilo não é gente! Aquilo é demônio, sr. Coronel, aquilo é demônio... Cruzes!

Ora, foi justamente por essa época, nesses tempos em que os rapazes se esmurravam por causa da fatal menina, que chegou à Província, e veio aquartelar em São Paulo, um magnífico regimento de cavalaria, o Primeiro Esquadrão do Corpo de Dragões, que tinha sede em Vila Rica, nas Minas Gerais. O regimento, formado de guapos mocetões, equipados vistosamente, atravessou a cidade com galhardia, marchando e rufando. Foi estacar diante do Convento de São Francisco, onde se alojou. De cambulhada com esse Corpo viera um bonito rapagão protegido do Príncipe, tratado pelos superiores com benévolas deferências, moço esbelto e moreno, vinte e dois anos, gentil e simpático. O moço fazia parte do Estado Maior daquele regimento. Era o Alferes Felício Pinto Coelho de Mendonça. Quis assim o destino, esse endiabrado armador de arapucas, que o oficialzinho de Minas viesse aquartelar exatamente no Largo de São Francisco, a dois passos da Rua do Ouvidor, e, portanto, bem rente à flor mais perturbante da Província, a mais perigosa das desencabeçadoras de rapazes. A graça com que se enfeitou a tentadora moça, as tafulices com que se alindou para enamorar o recém-chegado, não as sei eu, nem as quero imaginar. Mas o certo, o que contam crônicas veneráveis, é que logo após ao seu alojamento, ainda mal conhecedor da terra e dos seus usos, já o rapaz andava tão perdido pela rapariga, fazia por ela tais loucuras, cortejando-a tão às escâncaras, que o velho João de Castro, de sobrolho cerrado, chamou confidencialmente a mulher e falou-lhe com gravidade:

- Você já reparou, Escolástica, nos dengos do alferes pela menina? Pois aquilo, no pé em que está, é de duas uma: ou o rapaz presta, e preparam-se os banhos, e a coisa termina já na igreja; ou o rapaz não presta, e mete-se-lhe uma surra, boa roda de pau, para que suma da Província e nunca mais se intrometa com pessoas de bem! Eu vou hoje ao quartel tirar informações. Não há de ser um zé-ninguém, um leguelhé qualquer, que eu vá deixando entrar, sem mais aquela, na família dos Canto e Melo.

- E dos Toledo Ribas! exclamou a boa senhora, fazendo valer, com aprumo, as culminâncias do apelido.

As coisas que revelou o comandante do batalhão, as excelências que contou do mineirinho e da sua prosápia, foram de certo abundantes e rasgadas: João de Castro saiu do quartel de sobrolho desfranzido.

Dias após, Titília, a pequerrucha, teve a maior alegria de sua vida. O seu alvoroço foi tanto, foi tão entontecedora a sua felicidade, que a linda doidivanas, com o seu adorável estouvamento, saiu pela rua afora, trêfega e borboleteante, a contar de casa em casa o supremo acontecimento:

- Sabe, prima Angélica, a grande novidade?

- ?!

- Fiquei noiva!

- Quê? Vai se casar? Nossa Senhora! Aposto que é com o Moraizinho...

- Pois não é!

- Credo! Então será com o sobrinho do Almoxarife? Quê? Não é? Pois então a maluquinha tem coragem de se casar com o Pedro das serenatas?

- Qual nada, prima Angélica! Tudo isso eram patacoadas. Tudo passatempo. Eu vou me casar mas é com o Alferes Felício, aquele moreno, de Minas, que veio no Estado Maior dos Dragões. Que tal, prima Angélica? E bonito, não é? Pois então dê cá um abraço! E outro! E mais outro! E até breve, prima Angélica.

Pela cidade inteira, num relâmpago, esparramou-se a notícia do estranho noivado. Foi uma bomba.

* * *


13 de janeiro, no casarão da Rua do Ouvidor, festejou-se enfim, com desmedido gosto, o casamento da caçula. Festa magnífica! O mais falado acontecimento social da época. As três da tarde, sob um sol mormacento, a casa dos Canto e Melo, reluzindo, cheirando a alfazema, esplêndida de enfeites e de galas. O velho João de Castro lá estava com o seu pompeante uniforme de coronel e com as suas vistosas dragonas de cachos. D. Escolástica Bonifácia, com o seu pesado vestido de gorgorão negro, cadeia de ouro e leque de plumas. Esperavam ambos, na sala de fora, a chegada dos convidados e da parentela. A primeira cadeirinha que surgiu à porta foi a de D. Angélica Taques Alvim, da boa prima Angélica, amiga de sempre, mãe de leite da noiva, que trazia os olhos avermelhados de tanto chorar pela sua Titília. Depois, o genro da casa, Boaventura Delfim Pereira, o futuro Barão de Sorocaba, padrinho de casamento. Em seguida, com a sua calva espelhante, o venerando D. José de Sá e Câmera, compadre e amigo velho, com seus bofes de renda e os seus calções de ganga amarela. Logo após, ostentoso e solene, corpanzil atarracado, D. Eugênio de Lócio Seibiltz, Ouvidor da Comarca, letrado e politicão, honrosa amizade de João de Castro.

Quando o Pe. Bernardo Claraval, acompanhado do sacristão, saltou da sege, já o grave casarão fervilhava de gente. Tudo que havia em São Paulo de prestigioso, tudo que havia de escolhido e aristocrático, enxameava nas amplas salas de João de Castro. Lá estava o Coronel Francisco Inácio de Sousa Queirós, barba-piolho, bonita estampa de dominador, bafejado pelo seu poderio de alto chefe político. O Capitão-Mor Eleutério da Silva Prado, cabelos brancos, muito respeitado e muito venerado, com aquele trato ameno, modos chãos, ar acolhedor de velho paulista. O Nicolau Vergueiro, espadaúdo e amplo, sobrecenho franzido, voz rude, sotaque áspero de português. O magnífico e louro D. Francisco de Assis Lorena, filho do Conde de Sarzedas, que era o fidalgo de mais proa da Província. A sua aprumada esposa, D. Maria Rita de Almeida Sousa e Faro, cintilante de jóias, porejando sobranceria e arrogância. O Capitão Jaime da Silva Teles, fechado e carrancudo, a olhar para as senhoras de soslaio.

Eis que bela liteira, pintada de novo, estaca de súbito em frente a casa do Coronel João de Castro. Desce o Alferes Felício. Que noivo galhardo! Veio cintilando nos seus galões dourados. Está pálido e trêmulo. Mas belo e encantador, como um Adonis.

Logo após, conduzida pelo braço de Boaventura Delfim Pereira, entre duas alas, debaixo de flores, surge a Titília. Vem leve e fina. Está encantadoramente pálida. Encaminha-se radiosa para o altar. Com o seu vestido branco, a grinalda branca, luvas brancas, os botões brancos de flor de laranjeira, a longa cauda branca, sustida por dois priminhos, a noiva passa tão fascinadora, tão esvoaçante e bela, os olhos tão úmidos, a boca orvalhada, que todos, velhos e moços, matronas e raparigas, parentes e não-parentes, todos, ao vê-la têm uma só exclamação:

- Que linda!

- Que linda!

A própria D. Maria Rita de Almeida Sousa e Faro, do alto do seu orgulho e da sua chocante arrogância, não pôde reprimir a sua admiração:

- Bela cachopa!

Ouviu a frase certo figurão exótico, chegado há pouco da Corte, cavalheiro muito alto e muito magro, com uns bigodes negros muito retorcidos. O homem virou-se para o marido da dama, o belo D. Francisco Lorena, e concordou baixinho:

- É verdade. Que rapariga, Sr. D. Francisco! Aquilo, sim, é rapariga e tanto!

Pe. Bernardo realizou o ato. Lágrimas de D. Escolástica. Soluços de prima Angélica. Abraços. Parabéns. Comovidos apertos de mão.

* * *


Foi então que principiou, com efervescente cordialidade, a festa grandiosa. Lá dentro, aboletados à mesa, depois do brinde do Ouvidor, os convivas devastavam arrazadoramente os castelos de fios-de-ovos e as compoteiras de batata roxa. Cá fora, na sala da frente, onde rompera fragorosa orquestra, ia o torvelinho das danças. Ruidoso saracoteio de rapazes e de raparigas. Tudo a rir! A papaguear! De quando em quando, no intervalo das marcas, aparecia na sala uma preta gordalhuda, mucama pimpona e fresca, com a sua saia de refolhos engomados, carregando colossal bandeja de balas de ovos e doces secos. Como todos a conheciam - quem não havia de conhecer a Bastiana? - eram ditinhos daqui, piadas dacolá.

- Foi você quem fez o suspiro, Bastiana?

- Não fui. Foi Nhanhã. Mas não ficou bem batido. Antes prove a queijadinha...

Súbito, em meio aos ditos, o Moraizinho, rapazola esbelto e louro, aquele mesmo antigo apaixonado da Titília, adiantou-se até o meio da sala. Bateu palmas. E no silêncio que se fez:

- Ó Chalaça! Eu estou incumbido, em nome das moças, de pedir a você que cante um lundu...

Reboou larga tempestade de aplausos.

- Bravos! Um lundu! Bravos!

O estranho personagem viera há pouco da Corte. Estava de passagem por São Paulo. Era aquele cavalheiro muito alto, muito magro, com uns bigodes pretos muito retorcidos. Chamava-se Francisco Gomes da Silva. Tinha a alcunha de Chalaça. Era grande boêmio. Exímio cantador de modinhas. Diante dos pedidos, não teve ele outro remédio senão pegar no violão. Sentou-se no meio da sala. E sorrindo:

- Que lundu há de ser?

O Moraizinho de certo conhecia bem o repertório do homem. Bradou sem hesitar:

- O "Lundu do Capoeira"!

O Chalaça afinou o instrumento. Ajeitou-o ao peito. E pôs-se a repicar 'O Lundu do Capoeira". Que sucesso! O estribilho fazia furor. Toda a gente ria ante os trejeitos e momices do cantador:

Ai, ai, ai
Meu cobre é que lá vai...
Meu cobre é que lá vai...

Naquele baile, a 13 de janeiro de 1813, ninguém poderia jamais supor, nem imaginar de leve, que aquele figurão exótico, o Francisco Gomes da Silva, o Chalaça, violinista folião, cantador de lundus, se tornasse em breve, no cenário do Brasil, personagem do mais alto destaque, Comandante da Guarda de Honra, Secretário Privado, Conselheiro de Estado, Comendador do Império, grande favorito do Príncipe. Ninguém poderia também supor, nem imaginar de leve, que a pequena Titília de Castro, a endemoninhada caçula do Coronel João de Castro, fosse em breve, entre as adulações e lisonjas de toda uma Corte, a imensa, a tresloucada paixão de D. Pedro I: fosse essa adorável Marquesa de Santos, de tão reboante fama, a única mulher, na História das Américas, que encheu um Império com o ruído do seu nome e o escândalo do seu amor.

7 DE SETEMBRO

Três horas da tarde. O Coronel João de Castro acabara de jantar. Fumava o seu grosso cigarrão de palha, estirado na rede. Nove anos eram decorridos, nove anos bem tumultuosos na Província, desde aquela memorável noitada de boda.

Quanta coisa, desde então, sucedera por aí afora! A política fervera. A bernarda de Francisco Inácio sacudira a Província. Martim Francisco fora escorraçado da cidade. Os Andradas e os Queirós ferraram-se de unhas e dentes. José Bonifácio, guindado agora às culminâncias do poder, tirava desforras espantosas.

Ah, quanto infortúnio, em meio a isso tudo, viera lancetar a alma de João de Castro! Quanto desgosto viera desmanchar a paz de seu envelhecer. Era exatamente a cismar nisso, afundado em tristuras e pensares, que o encanecido coronel, naquela tarde, aos balouços da rede, enchia os compridos ócios da sua sesta modorrenta. Tão vago estava o bom do velho, tão engolfado em melancolias, que nem deu tento ao ruído duns passos, lentos e pesados, que foram varando pelo corredor adentro.

- Ora viva, Sr. Coronel! Então que tristeza é essa?

João de Castro, despertando, ergueu bruscamente a cabeça:

- Oh! Pe. Bernardo! Vosmecê! Bons olhos o vejam. Vá entrando...

Era o Pe. Bernardo Pureza Claraval. O enrugado cura, velho amigo da casa, sentou-se familiarmente numa cadeira de espaldar. Tirou do bolso a boceta de prata. Ofereceu uma pitada a João de Castro.

- Pensei que vosmecê estivesse à espera do Príncipe.

- Pois estou, Sr. pároco! Vim hoje da chácara, onde deixei a mulher e os filhos, só para cumprimentar a Sua Alteza. Não fui aí pelo caminho de Santos, ao encontro da comitiva, porque já não sou mais homem para essas estafadas. Além do mais, como o Reverendo bem sabe, o Príncipe é andejo e sacudido; não é qualquer que o acompanha na estrada!

- Grande estropiador de cavalos eu sei bem que ele é, retorquiu o pároco; a prova disso é que ainda agora, ao vir de Minas, fez em quatro dias - em quatro dias apenas! - toda a jornada de Vila Rica à Corte. Olhe que é um bom eito! Isto, sim, é que é viajar!

O padre espirrou com estrépito. Assoou-se a um vasto lenço de alcobaça. Depois, com um suspiro:

- Assim fosse ele tão bom político como é bom cavaleiro!

- Pois o Reverendo não o acha bom político?

- À minha fé que não! E como português, exclamou o padre, como português que se preza de o ser, como bom vassalo do Sr. D. João VI, censuro e reprovo o proceder do Príncipe...

- Já sei, atalhou João de Castro. Já sei! O Pe. Bernardo, como outra muita gente, cuida que o Príncipe vai fazer a separação. Não se apoquente, sr. pároco! Nem vosmecê, nem eu, haveremos de ver a Independência do Brasil. Esses bufos dos liberais, o palavreado do Clemente Pereira, essas bravatas que andam lá pela Corte, tudo isso são gabolices. Patacoadas, Pe. Bernardo! Patacoadas! Tudo bolha de sabão.

- Ou eu muito me engano, redargüiu o padre, ou vosmecê tem catarata nos olhos, sr. Coronel. O perigo é iminente. A coisa estoura já. Toda a colônia está a ferver. E o pior, o mais grave de tudo, é que o Príncipe, o próprio Sr. D. Pedro, é o primeiro a acoroçoar a separação. Só para ganhar aí meia dúzia de palmas e ter uns fumos de popularidade. Que vanglória!

- Qual, sr. pároco, as coisas não estão assim tão turvas. Vosmecê é que está aí a atacar moinhos de vento!

- Moinhos de vento, Sr. Coronel? Moinhos de vento? Mas então vosmecê julga que são moinhos de vento todos aqueles sucessos que se deram este ano no Rio? Pois é lá caçoada o que ainda agora, neste momento, se passa na Corte? Mas olhe um pouco.

Ferreteado no seu lusitanismo, a bufar, o velho padre explodiu. Desandou a enumerar as suas cóleras:

- Mas olhe um pouco! E o "Revérbero", com o Pe. Januário à frente, a escrever cachorradas contra a Metrópole. E o "Regulador"

- um pasquim - a berrar pela separação. E a Maçonaria, sr. Coronel! E a Maçonaria do Gonçalves Ledo, peste que já se alastrou pelo Brasil inteiro e que não faz outra coisa senão conjurar contra Portugal. E Fr. Sampaio? Aquele tonto do franciscano vive a pregar sermões de mil demos, a acolher o Príncipe na sua cela, a tramar com Sua Alteza planos de independência. E os clubes então! Hein, Sr. Coronel? Que me diz do Clube da Resistência! Vamos lá: que é que vosmecê diz daquilo? Mas não é só. Infelizmente, não é só. Veja lá esse tal decreto do "cumpra-se"! E a convocação da Assembléia! E as representações de 9 de janeiro! E o "fico"! E o "fico", hein, Sr. João de Castro? Que tal a brincadeira? Ainda vosmecê acha que isso tudo são moinhos de vento? Pois olhe, Sr. Coronel, confesso-lhe uma coisa: para mim, naquele dia em que o Clemente Pereira, depois do seu falatório, debruçou-se numa das sacadas do Paço e gritou à multidão que se estacionava fora: "O Príncipe manda dizer que fica", nesse dia - escute bem! - nesse dia o Brasil separou-se de Portugal...

- Vosmecê aumenta muito, sr. pároco! Não é assim! As coisas ainda não chegaram a esses extremos. Creia, Pe. Bernardo, essas arengas e essas discurseiras são tudo fogo de palha. Tudo é coisa de pouca monta. O principal é tropa e munição. No dia em que aportarem por cá fragatas bem recheadas de soldados, já não há mais independência. Com dois canhões assentados no Morro do Castelo qualquer fuzileiro faz calar a boca dos patriotas...

- Esta demasiada confiança de vosmecê, como de tantos outros portugueses, é o que nos vai perder, Sr. Coronel. Não há tropa que consiga abafar tanta fervedura. É tudo a conspirar contra Portugal. Tudo! Demais, para remate, aí está esse Sr. José Bonifácio, esse perigoso Primeiro-Ministro, que maneja o Príncipe a seu talante, que move os gestos de Sua Alteza, como quem move um polichinelo de cordel.

- Ora, aí está, exclamou João de Castro; ora aí está! O sr. pároco acha que eu exagero pouco as coisas; pois eu acho que vosmecê enxerga demasiado. Afinal de contas, diga-me lá: que grande perigo pode haver em José Bonifácio? Tanto se fala nesse homem! Tanto se fala nos Andradas! No entanto, José Bonifácio é ministro como outro qualquer. Não é melhor nem pior. Que é que tem o Primeiro-Ministro de diferente?

- Que é que tem? Vosmecê está zombando, Sr. Coronel! José Bonifácio é a primeira cabeça do Brasil. Ou será que vosmecê ainda não ouviu dizer que o Primeiro-Ministro é um sábio? Pois o é, Coronel. E grandíssimo! Esse homem, que eu conheci no Reino, lecionando em Coimbra, espantou Portugal inteiro com a sua ciência. E não foi só Portugal: foi a Europa toda...

Depois de fungar nova pitada, despeitado e azedo, Pe. Bernardo rumou contra José Bonifácio.

- Pois vosmecê ainda não atentou no poderio deste homem? Mas é só ver as coisas. Olhe o caso da bernarda. Vai o Francisco Inácio e escorraça o Martim cá da Província. Que é que acontece? José Bonifácio, não sei com que manhas, nem com que artes, faz o Príncipe acolher o irmão com todo o agasalho, cobri-lo de todas as honrarias, e até - isto é que é! - até convidá-lo para ministro. Lá está como Ministro da Fazenda. Que escândalo! Mas a coisa não pára aí. Chega o Príncipe agora em São Paulo. Sabe o primeiro cuidado que teve? No Paço, em presença de toda a gente, só para desafrontar os Andradas, recusa-se a dar a mão e beijar a Francisco Inácio! Pode haver maior acinte? Impossível! Pois o Príncipe não se contentou com tudo isso. Monta a cavalo e toca para Santos. E que é que vai fazer Sua Alteza em Santos? Uma coisa só: visitar a família de José Bonifácio. Ora, com franqueza, isto é demais. E demais Sr. Coronel! E por isso que eu não me canso de repetir a Vossa Senhoria: a hora da separação está soando! E está soando porque José Bonifácio é separatista. Com um homem deste prestigio, com um brasileiro destes a dirigir os negócios da colônia, está bem visto que a causa da Independência ganhou a sua vitoria.

- Pois seja o que Deus quiser, Pe. Bernardo, atalhou João de Castro, com filosofia. A mim já me não afligem coisas políticas. Não aspiro outra coisa senão a uma velhice em paz. Mais nada! Tenho sofrido muito, Pe. Bernardo... Tenho sofrido muito!

O velho pároco sentiu o tom melancólico do amigo. Abrandou logo as suas iras portuguesas. Sabia bem o padre a causa daquelas amarguras. E meneou a cabeça com tristeza:

- Tem razão, Coronel! Tem muitíssima razão! Aquele casamento da Sra. Domitila foi um desastre.

- Foi um raio, Pe. Bernardo, exclamou o velho com vivacidade. Foi um raio que me caiu em casa! Nunca imaginei, na minha vida, que aquele casório, festejado com tanto gosto, viesse a ter um dia o desfecho que teve! Ah, Pe. Bernardo, que desmoronamento! No começo não foi nada: arrufos, azedumezinhos, coisicas. História de marido e mulher. E lá iam vivendo. Mas depois! Depois, Pe. Bernardo, que inferno! Aquilo eram brigas a toda hora, fusquinhas de parte a parte, bate-bocas, nomes feios, ciumadas, o diabo! Enfim, para coroa disso tudo, lá vai o bruto e enfia a faca na mulher. Duas facadas! Duas facadas na coxa. Ora, aí está no que deu um casamento tão bem começado...

- Numa sangueira, atalhou o padre; numa sangueira de enojar a gente!

- O bugre deixou a menina a se esvair, continuou João de Castro. Deixou a menina quase morta. Ah, o que padeci! A filha a morrer nos meus braços e a cidade inteira a ferver de mexericos. Que escândalo tremendo! O maior escândalo de São Paulo. Afinal, sr. pároco, depois de muita barulheira as coisas foram-se arrumando devagarinho: a menina sarou, o casal separou-se, ele para lá, ela para cá, e a vida, com a graça de Deus, tornou ao velho ramerrão. Eis que agora, com a chegada do Príncipe, corre pela cidade um zunzum de enlouquecer um homem. Diga-me lá, Pe. Bernardo, vosmecê ainda não escutou o falatório?

- Escutei, respondeu o padre com reserva. Escutei!

- Então, Reverendo, aqui entre nós, como amigos, seja franco: que é que vosmecê escutou?

Pe. Bernardo aproximou-se de João de Castro. Pigarreou. E confidencial, a voz baixa, murmurou sisudamente:

- Anda por aí muita coisa. O que anda, porém, de boca em boca, muito falado, é que o Príncipe antes de entrar na cidade, portou casualmente na chácara de vosmecê, onde conheceu a Sra. Domitila. É verdade?

- É!

- Pois bem; dizem então que Sua Alteza, daí para cá, ficou perdido pela moça. E é um cortejá-la! E um cortejá-la muito às escâncaras. Com muito desabrimento! Com muito rapapé! Será isso verdade?



João de Castro ia responder. Nisto, quebrando a pacateza da cidadezinha, irrompeu bruscamente larga troada ensurdecedora. Era a artilharia do Carmo que disparava com estrondo. Eram os sinos de Santa Tereza que repicavam bimbalhantes. Roquetes e morteiros que salvavam. Girândolas e foguetes que espoucavam no ar.

- É o príncipe!

Enquanto ambos prestavam ouvidos ao barulho, passos violentos, muito apressados, ecoaram de golpe no corredor. Logo após, arfando, surgiu na varanda a Titília de Castro. Tinha o ar de quem viera correndo. Estava fremente. Bradou aos dois homens com alvoroço:

- Sabem a grande novidade?

João de Castro e Pe. Bernardo olharam para a moça com surpresa. Aquele rompante, aqueles modos, a exaltação da voz, o desabalo dos gestos, tudo aquilo, assim de imprevisto, veio desentorpecer, como grossa lufada de ar fresco, a morna pasmaceira dos velhos.

- Que há, minha filha?

- Que há? Nossa Senhora! Pois será que vosmecê ainda não saiba? Nem vosmecê, sr. pároco?

- Mas que é que aconteceu? exclamou o padre com impaciência; vosmecê assusta a gente! Que há? Vamos! Desembuche.

Diante dos ouvintes, com largo gesto, a filha de João de Castro, rasgadamente, teatralmente, lançou esta coisa enorme:

- O Príncipe acaba de proclamar a Independência do Brasil!

O coronel e o padre, como tocados por um ferro em brasa, ergueram-se dum salto.

  1   2   3   4   5   6   7   8   9


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal