A melhor descoberta da vida discreto mas faz a diferençA



Baixar 10.41 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho10.41 Kb.


DISCRETO MAS FAZ A DIFERENÇA

Marcelo Augusto de Carvalho



O FERMENTO. Mat. 13.33, Luc. 13.20-21.
- Representações: fermento: o poder do ES/ o pão (a massa): eu e você.

- Esta parábola mostra o papel do ES ao transformar nossa vida.

- Também apresenta o crescimento em profundidade e qualidade de cada súdito do reino.

- Do ponto de vista humano, eram pouco promissores os iletrados camponeses e pescadores que nesta ocasião eram quase os únicos seguidores do humilde Galileu. Mas quem os considerava assim não contava com o poder transformador e elevador do Evangelho.

- Para os judeus deve Ter sido uma história chocante, pois eles relacionavam o fermento apenas com o pecado. Sua preparação para a Páscoa incluía recolher e queimar todo o fermento que fosse encontrado na casa.

- É possível que as pessoas que logo captaram o sentido desta ilustração tenham sido as donas de casa que gastavam parte de seus dias fazendo pães ou bolos. Essas sabiam muito bem a diferença entre conseguir uma massa porosa, macia e deliciosa, ou seca, dura e intragável.
- O fermento: assim como o fermento se difunde com toda a massa onde é colocado, assim também os ensinos de Cristo penetrariam na vida daqueles que os recebessem e foram transformados por eles.

- A medida: pouco mais de 13 litros. As 3 medidas equivaleriam a uns 32,5 litros quantidade que permitiria fazer um bom número de pães.

- O fermento transforma completamente a massa na qual atua. De que maneira o ES nos transforma? Gál. 5.16-26.
- O cristianismo transforma tanto o indivíduo quanto age sobre grupos de pessoas. Em seus primeiros dias, o cristianismo representou uma fonte de vida para:

  1. Doentes: era comum encarar tais pessoas como amaldiçoadas. Mas os cristãos fundaram os primeiros hospitais e casas para cegos. Como Cristo tratou tais pessoas?

  2. Idosos: esses eram considerados como um incômodo a mais. Lev. 19.32. Jesus curou muitas pessoas idosas, como a sogra de Pedro.

  3. As crianças: nos primeiros séculos do cristianismo, o divórcio era uma praga. Muitas mulheres eram submetidas às maiores dificuldades. Em tais situações, Ter filhos era uma temeridade. Como Cristo considerava o casamento e as crianças?

  4. As mulheres: em suas orações matinais, um judeu jamais deixava de agradecer a Deus por não Ter nascido gentio, escravo nem mulher. Como Cristo tratava as mulheres? - Onde a mulher colocou o fermento? "Não basta a mudança exterior para pôr-nos em harmonia com Deus. Muitos há que procuram reformar-se, corrigindo este ou aquele mau hábito, e esperam desse modo tornar-se cristãos, mas estão principiando no lugar errado.

Nossa primeira tarefa é no coração". PJ 97.

- Ele atua:

  1. De Forma Invisível: ninguém vê como o fermento transforma uma mistura inerte numa massa fofa.

  2. Ninguém vê como o Espírito Santo muda as pessoas. Vemos apenas os resultados.

  3. Só atua se for colocado internamente na massa. A massa não se transforma sozinha. Assim também não podemos nos modificar por nós mesmos. Quando tentamos isso, e fracassamos sempre, a tendência é disfarçar através do legalismo e autopromoção, mostrando quanto os outros são pecadores. Necessitamos de um poder externo: o ES.


- Que faz a Bíblia nesse processo? Rom. 10.17, Jo. 17.17.

- Pelo estudo da Bíblia, o ES nos convence do pecado e nos transforma a imagem de Jesus.


PENSE NISTO
Enquanto outros livros informam e poucos reformam, só a Bíblia transforma. A. T. Pierson
Pr. MARCELO AUGUSTO DE CARVALHO 1998 SP

www.4tons.com



Pr. Marcelo Augusto de Carvalho


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal