A mensuraçÃo do capital intelectual pela contabilidade débora Simoni Ramlow



Baixar 85.88 Kb.
Encontro20.07.2016
Tamanho85.88 Kb.

A MENSURAÇÃO DO CAPITAL INTELECTUAL PELA CONTABILIDADE

Débora Simoni Ramlow


Brasil, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

e-mail: deborasr@celesc.com.br


Ilse Maria Beuren, Dra

Brasil, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

e-mail: beuren@cse.ufsc.br
Palavras chave: ativo intangível, capital intelectual, contabilidade.

Tema do trabalho: Valoración de Intangibles

Recursos audiovisuais: Projetor de slides (datashow)


A MENSURAÇÃO DO CAPITAL INTELECTUAL PELA CONTABILIDADE

Palavras chave: ativo intangível, capital intelectual, contabilidade.

Tema do trabalho: Valoración de Intangibles



RESUMO


O artigo tem por objetivo efetuar considerações sobre alguns dos modelos de mensuração do capital intelectual abordados na literatura, buscando evidenciar como a contabilidade deve proceder em cada metodologia. Para tanto, com o intuito de contextualizar o tema, inicialmente, abordam-se os conceitos e exemplos de ativos tangíveis e intangíveis, dos quais destaca-se o goodwill, pela sua estreita relação com a abordagem do capital intelectual. Na seqüência, conceitua-se o capital intelectual e expõe-se a sua caracterização, de acordo com o ponto de vista de diferentes autores. Apresentam-se, também, os seguintes métodos de mensuração do capital intelectual: Navegador do Capital Intelectual (Stewart), Monitor de Ativos Intangíveis (Sveiby) e Navegador Skandia (Edvinsson e Malone), quando se procura verificar o que a contabilidade pode mensurar por meio da utilização destes modelos.

1 INTRODUÇÃO


No atual ambiente empresarial, o conhecimento é recurso fundamental, por constituir-se na principal fonte de competitividade das empresas, uma vez que os recursos materiais, estruturais e tecnológicos são mais facilmente adquiridos por todas as organizações.

Logo, o conhecimento, expresso por Davenport e Prusak (1999, p.6) como “uma mistura fluida de experiência condensada, valores, informação contextual e insight experimentado”, torna-se basicamente o único diferencial para a maioria das empresas.

Por constituir-se de singular diferencial, o conhecimento, juntamente com o capital intelectual, assumem relevância neste novo contexto. Ao mesmo tempo, verifica-se que estes recursos, importantes na formação do valor das empresas, não são evidenciados nas Demonstrações Contábeis, principalmente, pela sua dificuldade de mensuração. Este fato sugere que a contabilidade busque um realinhamento, tendo em vista que não retrata certas realidades da empresa.

Existem vários métodos que se propõem a mensurar o valor do capital intelectual. Portanto, este artigo tem por objetivo efetuar considerações sobre alguns dos modelos de mensuração do capital intelectual abordados na literatura, buscando evidenciar o que a contabilidade pode mensurar por meio da utilização de cada metodologia.

Assim, o artigo foi organizado de modo a conceituar e caracterizar o capital intelectual por meio do conceito de ativo intangível, e apresentar alguns modelos de mensuração do capital intelectual, procurando mostrar como a contabilidade procede em cada modelo.

Além da introdução, o artigo está estruturado em duas partes. Na primeira, são apresentados os conceitos de ativos tangíveis, intangíveis e capital intelectual, bem como as várias maneiras que diferentes autores o caracterizam. Na segunda, são feitas considerações sobre os seguintes métodos de mensuração do capital intelectual: Navegador do Capital Intelectual (Stewart), Monitor de Ativos Intangíveis (Sveiby) e Navegador Skandia (Edvinsson e Malone). Por último, são apresentadas as considerações finais.



2 CAPITAL INTELECTUAL

O fato da contabilidade não evidenciar certos ativos intangíveis nas Demonstrações Contábeis, faz com que a análise gerencial destes relatórios fique prejudicada nestes aspectos porque não poderão dar uma idéia totalmente precisa de utilidade do ativo para as empresas. Dentre estes itens intangíveis, destacam-se o goodwill e o capital intelectual.

Para melhor compreender o capital intelectual, torna-se necessário primeiramente tecer alguns comentários sobre os ativos tangíveis e intangíveis. Também é preciso fazer uma incursão teórica no conceito de goodwill.

2.1 Ativos tangíveis e intangíveis

Para compreender o que são ativos tangíveis e intangíveis, é necessário, inicialmente, entender o que é o ativo. De acordo com Marion (1998, p.53), “o ativo são todos os bens e direitos de propriedade da empresa, mensuráveis monetariamente, que representam benefícios presentes ou benefícios futuros para a empresa”. Para ser considerado como tal deve atender a todas as características citadas, das quais importa ressaltar aquela que representa benefícios presentes ou futuros, uma vez que dá a idéia de utilidade do ativo para a empresa.

Neste sentido, Iudícibus (1993, p.117) esclarece que a característica fundamental dos ativos “é sua capacidade de prestar serviços futuros à entidade que os têm como propriedade, individual ou conjuntamente com outros ativos e fatores de produção, capazes de se transformar, direta ou indiretamente, em fluxos líquidos de entradas de caixa”.

Esta característica, que em outras palavras pode ser entendida como o potencial de geração de resultados à organização, é comum tanto aos ativos tangíveis como aos intangíveis.

Os ativos tangíveis são aqueles que possuem corpo físico, como por exemplo, máquinas, terrenos, móveis, veículos, obras civis, entre outros. Atendem facilmente a todos os requisitos necessários à definição de ativo.

Por sua vez, os ativos intangíveis são aqueles que não possuem existência física, e o valor é limitado pelos direitos e benefícios que antecipadamente sua posse confere ao proprietário, segundo definiu Kohler apud Iudícibus (1993, p.195). Logo, os pontos críticos, relacionados a maioria dos itens deste grupo de ativos, se referem à dificuldade de mensuração e determinação de seus ciclos de vida.

Martins (1972, p.54) explica que “talvez a característica mais comum a todos os itens do chamado Ativo Intangível seja o grau de incerteza existente na avaliação dos futuros resultados que por eles poderão ser proporcionados.”

Porém, apesar da complexidade e incerteza inerentes à sua mensuração, os ativos intangíveis devem ser reconhecidos obedecendo as mesmas regras válidas para todos os ativos. Hendriksen e Van Breda (1999, p.388) mencionam que, de acordo com o SFAC 5, parágrafo 63, “um item deve ser reconhecido quando (a) corresponde à definição apropriada, (b) é mensurável, (c) é relevante, e (d) é preciso”.

Dentre estes itens, que devem ser reconhecidos como intangíveis, estão além do conhecido goodwill (que faz parte dos intangíveis tradicionais), as despesas diferidas. Exemplos de ativos intangíveis podem ser vistos no Quadro 1.

Quadro 1 – Alguns ativos intangíveis contemplados na literatura pesquisada



Intangíveis Tradicionais

Despesas Diferidas

Nomes de produtos

Direitos de Autoria

Compromissos de não concorrer

Franquias

Interesses Futuros

Goodwill

Licenças


Direitos de operação

Patentes


Matrizes de gravação

Processos secretos

Marcas de comércio

Marcas de produtos



Propaganda e promoção

Adiantamentos a autores

Custos de desenvolvimento de software

Custos de emissão de títulos de dívida

Custos judiciais

Pesquisa de marketing

Custos de organização

Custos pré-operacionais

Custos de mudança

Reparos


Custos de pesquisa e desenvolvimento

Custos de instalação

Custos de treinamento


Fonte: Hendriksen e Van Breda (1999, p.389).

Dos exemplos de intangíveis citados, no presente trabalho, o goodwill merece atenção especial, por ser, ainda hoje, um aspecto complexo e de difícil conceituação para a contabilidade, apesar de ser “motivo de estudos, debates, artigos, livros, legislação, concordâncias e divergências desde há muitos anos. As citações a ele datam de séculos atrás...”, conforme menciona Martins (1972, p.55). Além disso, merece atenção pela sua estreita relação com a abordagem do capital intelectual.

Embora não haja homogeneização do conceito, Monobe (1986, p.56-58) observa que a maioria dos autores concorda que “o goodwill é uma resultante do valor da empresa como um todo, em termos de sua capacidade de geração de lucros futuros, e do valor econômico de seus ativos identificados e contabilizados”. Tem a sua existência vinculada à organização, não podendo ser separado ou vendido, diferindo dos demais ativos identificáveis e separáveis que podem ser transacionados individualmente.

Dentre os fatores responsáveis pela formação do goodwill, Catlett e Olson apud Martins (1972, p.75-76) destacam a administração superior, organização ou gerente de vendas proeminente, fraqueza na administração do competidor, propaganda eficaz, processos secretos de fabricação, boas relações com os empregados, crédito proeminente como resultado de uma sólida reputação, excelente treinamento para os empregados, alta posição perante a comunidade, desenvolvimento desfavorável nas operações do competidor, associações favoráveis com outras empresas, localização estratégica, descoberta de talentos ou recursos, condições favoráveis com relação aos impostos, legislação favorável, dentre outros. Ressaltam que esta é uma lista aleatória de alguns aspectos que poderiam contribuir para o ganho de poder da organização, sendo impossível listar todos eles, em virtude da própria natureza do goodwill.

Vários desses fatores, responsáveis pela formação do goodwill, são também responsáveis pela formação do capital intelectual. Neste sentido, Antunes (2000, p.88-89) explica que “goodwill e capital intelectual fazem parte do mesmo fenômeno, pois os fatores que identificam a existência de um valor a mais na organização e que integram o capital intelectual, já faziam parte do goodwill”. Entende que o conceito de goodwill abrange o conceito de capital intelectual.

2.2 Conceito de capital intelectual

O capital intelectual é objeto de estudo de vários pesquisadores. Antunes (2000, p.81) relata que o termo capital intelectual apareceu pela primeira vez somente em 1994, em matéria publicada por Thomas Stewart, na Fortune, com o título: Your company’s most valuable asset: intellectual capital. Stewart (1998, p.XIII) o considera como a soma do conhecimento de todos em uma empresa, constituindo “a matéria intelectual – conhecimento, informação, propriedade intelectual, experiência – que pode ser utilizada para gerar riqueza”.

Por sua vez, Edvinsson e Malone (1998, p.28) definem capital intelectual utilizando-se de uma metáfora. Comparam a empresa com uma árvore. A parte visível da árvore, expressa pelo tronco, galhos, folhas e frutos, corresponde com aquela parte da empresa evidenciada nas demonstrações contábeis e, conseqüentemente, conhecida pelo mercado. A parte oculta, representada pelas raízes, corresponde aos ativos intangíveis e, por conseguinte, ao capital intelectual.

Edvinsson e Malone (1998, p.39) ainda explicam que o capital intelectual é um capital não financeiro que representa a lacuna oculta entre o valor de mercado da organização e o seu valor contábil, sendo, portanto, a soma do Capital Humano e o Capital Estrutural.

Oliveira (2000, p.4) cita que, de acordo com o FASB (Financial Accounting Standards Board), o Capital Intelectual pode ser definido de duas formas:

a) “ativos intangíveis combinados que permitem a companhia funcionar e manter uma vantagem competitiva”; e

b) “a diferença entre o valor real de mercado da companhia e o valor real de mercado dos ativos tangíveis menos passivos da companhia”.

Esses conceitos apresentam similaridade com o conceito de goodwill. Desta forma, cabe ressaltar a abrangência do capital intelectual, lembrando que ele não se restringe ao capital humano, pois inclui itens relacionados à infra-estrutura e ao mercado, como pode ser visto no próximo tópico.



2.3 Caracterização do capital intelectual

Estudando-se a literatura sobre capital intelectual, percebe-se que não há consenso em relação a sua caracterização. Para Edvinsson e Malone (1998), o capital intelectual apresenta-se sob duas formas:

a) capital humano - composto pelo conhecimento, habilidade e experiências individuais dos empregados e gerentes, criatividade e inovação organizacionais, mais os valores, a cultura e a filosofia da empresa; e

b) capital estrutural - abrangendo o arcabouço, o empowerment, e a infra-estrutura que apóiam o capital humano. Subdivide-se em capital de clientes e capital organizacional. O primeiro compreende o relacionamento da empresa com os seus clientes e, o segundo incorpora o investimento da organização em sistemas, instrumentos e filosofia operacional.

Por sua vez, o capital organizacional é desdobrado em capital de inovação e de processos. O capital de inovação está relacionado à capacidade de renovação e aos resultados da inovação, sob a forma de direitos comerciais amparados por lei, propriedade intelectual e outros ativos e talentos intangíveis. O capital de processos é constituído por processos, técnicas e programas voltados aos empregados, que aumentam e ampliam a eficiência da produção ou a prestação de serviços.

Esta caracterização se identifica com a proposta do FASB, que sugere a definição de três componentes para o capital intelectual, conforme Oliveira (2000, p.5):

a) capital humano - constituído pelo conhecimento acumulado, as habilidades e experiências dos empregados;

b) capital de clientes - composto pela lealdade e solidez das relações com os clientes da companhia. É o valor adicionado para a organização como um resultado de intangíveis relações de mercado, incluindo os efeitos nos nomes das marcas e das marcas registradas sobre as transações e a sensibilidade a preços dos clientes; e

c) capital estrutural - é formado por tudo aquilo dentro da organização que dá suporte aos empregados na realização de seus trabalhos, ou seja, é a infra-estrutura que apóia o capital humano. “É constituído de ativos de propriedade intelectual e ativos de infra-estrutura. Ativos intelectuais incluem know-how, segredos, direitos autorais, patentes, e vários direitos sobre projetos. Ativos de infra-estrutura são tecnologias, cultura corporativa, sistema de informações e a estrutura gerencial.”

Brooking apud Antunes (2000, p.78) divide o capital intelectual em quatro categorias:

a) ativos de mercado - abrangem o potencial que a empresa possui em virtude da marca, clientes, lealdade dos clientes, negócios recorrentes, negócios em andamento, canais de distribuição, franquias;

b) ativos humanos - compreendem os benefícios que o indivíduo pode proporcionar às empresas utilizando-se da sua expertise, criatividade, conhecimento, habilidade para resolver problemas, tudo visto de forma coletiva e dinâmica;

c) ativos de propriedade intelectual - incluem os ativos que necessitam de proteção legal para proporcionar benefícios às organizações, tais como: know-how, segredos industriais, copyright, patentes, designs;

d) ativos de infra-estrutura - compreendem as tecnologias, metodologias e processos empregados como cultura, sistemas de informação, métodos gerenciais, aceitação de risco, banco de dados de clientes, entre outros.

Cabe ressaltar a diferença em relação à terminologia utilizada nos conceitos apresentados. Brooking utiliza a palavra ativo, em substituição à palavra capital, adotada por Edvinsson e Malone e o FASB, para se referirem ao mesmo objeto. Antunes (2000, p.80) explica que ambas palavras estão corretamente empregadas, “pois todos os componentes do capital intelectual são elementos essenciais para as empresas, representando recursos (ou capital), se vistos pela Economia, e ativos (bens e/ou direitos), se vistos pela Contabilidade”.

Salientam-se, também, as diferenças relacionadas às classificações abordadas. O conceito de capital estrutural, apresentado por Edvinsson e Malone, abrange os conceitos de capital de clientes e capital estrutural, propostos pelo FASB, e os conceitos de ativos de mercado, de propriedade intelectual e de infra-estrutura expostos por Brooking.

Apesar das divergências existentes na forma de caracterizar o capital intelectual, percebe-se várias semelhanças entre os aspectos apresentados e constata-se que, na essência, os autores apresentam as mesmas questões, porém utilizam classificações e terminologias diferenciadas.

Por fim, enfatiza-se a abrangência do capital intelectual, destacando que ele procura identificar e mensurar parte do goodwill. Para tanto, é necessário conhecer os métodos de mensuração do capital intelectual, que são apresentados na seqüência.


3 MÉTODOS DE MENSURAÇÃO DO CAPITAL INTELECTUAL


Uma vez compreendido o conceito do capital intelectual e o quão importante ele é para as organizações, entende-se porque a contabilidade tem sido questionada por não evidenciar tais informações. As empresas de consultoria, as virtuais e algumas de serviços, entre outras, talvez sejam as mais prejudicadas, tendo em vista que, sua maior riqueza está no conhecimento dos seus empregados, ou seja, em seu potencial de geração de benefícios, e não em seus bens tangíveis. Porém, estes aspectos intangíveis não se encontram evidenciados nas Demonstrações Contábeis.

No entanto, aqui se fazem necessárias duas considerações. A primeira consiste em lembrar que o capital intelectual está contido no conceito do goodwill, que já é objeto de estudo da contabilidade há muito tempo. Logo, o capital intelectual não é assunto novo para esta ciência, constituindo-se de preocupação há, pelo menos, mais de um século.

A segunda consideração se refere aos objetivos da contabilidade. Antes de se estabelecer qualquer crítica a alguma ciência, é necessário conhecer seus objetivos e limites de atuação. De acordo com a FIPECAFI (1994, p.67), “o objetivo principal da Contabilidade, portanto, é o de permitir, a cada grupo principal de usuários, a avaliação da situação econômica e financeira da entidade, num sentido estático, bem como fazer inferências sobre suas tendências futuras. Em ambas avaliações, todavia, as demonstrações contábeis constituirão elemento necessário, mas não suficiente”.

Assim, a contabilidade deve procurar meios para mensurar e evidenciar o capital intelectual, talvez na forma de relatórios suplementares. Mas como mensurar itens tão complexos? Hendriksen e Van Breda (1999, p.304) explicam que, em contabilidade, “mensuração é o processo de atribuição de valores monetários significativos a objetos ou eventos associados a uma empresa, e obtidos de modo a permitir agregação ou desagregação, quando exigida em situações específicas”. Antes que a mensuração possa ser feita, lembram que é necessário selecionar um atributo específico a ser medido. Mencionam, também, que nem sempre a mensuração se dá em termos monetários, sendo que dados não monetários podem ser relevantes para certas predições e para tomada de decisões.

A mensuração do capital intelectual pode ser monetária ou não. Isto é verificado por meio dos breves comentários que são feitos, neste artigo, a alguns dos métodos existentes que se propõem a mensurar o capital intelectual: Navegador do Capital Intelectual (Stewart), Monitor de Ativos Intangíveis (Sveiby) e Navegador Skandia (Edvinsson e Malone), dos quais destaca-se este último, tendo em vista o pioneirismo, por parte dos idealizadores do modelo, na divulgação de relatórios contendo dados sobre o capital intelectual da empresa Skandia.

3.1 Navegador do Capital Intelectual de Stewart

Stewart (1998, p.217-218), idealizador deste modelo, compreende que uma medida única não é suficiente para avaliar o capital intelectual de uma organização. Assim, ele sugere que se mensure o capital intelectual por meio de indicadores relacionados ao capital humano, estrutural e do cliente, além de um valor que dê a idéia do todo. Para tanto, propõe a utilização de um gráfico radar, uma vez que este permite a criação de um quadro coerente de vários tipos heterogêneos de dados.

Stewart (1998, p.218-219) explica ainda que, o gráfico radar começa com um círculo que irradia linhas de acordo com a quantidade de indicadores que se deseja avaliar. Cada uma destas linhas deve ser marcada com uma escala, que pode variar entre razões, percentuais ou valores absolutos. Normalmente, coloca-se zero no centro do gráfico, e na sua extremidade a meta que a empresa deseja alcançar. Para melhor compreensão deste modelo, apresenta-se, na Figura 1, um exemplo de navegador do capital intelectual para uma empresa imaginária.

Figura 1: Navegador do Capital Intelectual



Fonte: Stewart (1998, p.219).

Pode-se constatar que a empresa imaginária está bem próxima de suas metas no que se refere aos indicadores de retenção dos clientes e atitude dos funcionários. Por outro lado, é preciso investigar cuidadosamente a satisfação de seus clientes e o motivo da rotatividade de seus trabalhadores do conhecimento, tendo em vista que estes indicadores estão bem distantes de suas metas. Além disso, ressalta-se que, apesar da empresa manter um alto índice de retenção de clientes, estes se apresentam insatisfeitos. Esta é outra situação que requer minuciosa atenção.

Observa-se, também, que a utilização de apenas três indicadores, para cada uma das medidas apresentadas, não ocorre por acaso. Stewart (1998, p.218) explica que, para obter informações importantes, deve-se manter a simplicidade, avaliar o que é estrategicamente importante e avaliar atividades que produzem riqueza intelectual. Logo, a flexibilidade inerente ao modelo constitui-se em uma das suas vantagens.

Esta flexibilidade permite inferir que as organizações devem escolher os indicadores de acordo com seus objetivos e estratégias, mantendo a simplicidade necessária ao modelo. Caso estes indicadores sejam econômico-financeiros, tem-se a contabilidade como principal fornecedora de informações. Ainda, se não forem indicadores econômico-financeiros, mas estiverem relacionados ao capital humano, há grande probabilidade de, novamente, a contabilidade contribuir com as informações dispostas no Balanço Social.

A contribuição da contabilidade ao Navegador do Capital Intelectual, com índices econômico-financeiros e relacionados ao capital humano, também é verificada no Modelo de Sveiby, como pode ser visto a seguir.



3.2 Monitor de Ativos Intangíveis de Sveiby

Para mensurar o capital intelectual, Sveiby (1998, p.197) considera um conjunto de indicadores, distribuídos sob três perspectivas: estrutura externa, interna e competências individuais. Para cada uma destas perspectivas, sugere que sejam avaliados alguns indicadores relacionados ao crescimento e renovação, eficiência e estabilidade.

Sveiby (1998, p.11-12) explica que a estrutura externa compreende as relações com os clientes e fornecedores, as marcas, marcas registradas e a reputação ou imagem da empresa. Já a estrutura interna inclui patentes, conceitos, modelos e sistemas administrativos e de computadores. Por fim, as competências individuais envolvem a capacidade dos profissionais de agir em diversas situações para criar ativos tangíveis e intangíveis.

Ele menciona, também, que pode ser útil a apresentação dos indicadores destas três perspectivas, num modelo que chama de Monitor de Ativos Intangíveis, por se tratar de um formato de apresentação que exibe de forma simples os indicadores relevantes, escolhidos de acordo com a estratégia da empresa, conforme apresentado na Figura 2.

Figura 2 – Monitor de Ativos Intangíveis

Fonte: Sveiby (1998, p.238).

O Monitor de Ativos Intangíveis é simples e de fácil visualização. A propósito, Sveiby (1998, p.234-237) recomenda que o monitor não ultrapasse uma página, mas seja acompanhado por diversos comentários. Para analisá-lo é importante realizar comparações com outra empresa, com o ano anterior ou a um orçamento, por exemplo.

Quando da comparação do monitor com o orçamento empresarial, destaca-se a contribuição da contabilidade, tendo em vista que, se estas duas ferramentas estiverem estruturadas da mesma forma, será possível fazer um acompanhamento/controle do previsto em comparação ao realizado. Ainda, apesar da maioria dos indicadores serem apresentados na forma percentual, percebe-se que a contabilidade pode auxiliar no sentido de fornecer as informações básicas necessárias à criação destes indicadores. Por exemplo, um sistema contábil dispõe de dados inerentes ao lucro, vendas, investimentos em tecnologia da informação, custos de treinamento e educação (não apresentado no exemplo, porém pode ser utilizado na perspectiva da competência das pessoas, sob o aspecto de crescimento e renovação), dentre outros.

Constata-se também que a contabilidade de custos pode ser de fundamental importância para este modelo, uma vez que pode ser organizada de forma a atender as estratégias da empresa e, conseqüentemente, contribuir para a mensuração dos ativos intangíveis. Utilizando-se de um sistema de custos bem estruturado, é possível obter os custos de cada tipo de cliente. Assim, se a receita estiver contabilizada também por tipo de cliente, tem-se o lucro por cliente, que aparece no monitor apresentado.

Cabe mencionar, ainda, que o Balanço Social pode fornecer vários dos indicadores da perspectiva da competência das pessoas, a exemplo das medidas do capital humano, já apresentadas no Navegador do Capital Intelectual, e as medidas do foco humano, utilizadas no modelo da Skandia, que é discutido na seqüência.



3.3 Navegador Skandia de Edvinsson e Malone

Antunes (2000, p.91) menciona que nos últimos anos, a Skandia – grande empresa sueca do mercado de seguros e serviços financeiros – vem despertando o interesse acadêmico, empresarial e da mídia, por ter sido o primeiro grupo a divulgar um relatório contendo dados sobre o capital intelectual de suas unidades, como um suplemento das Demonstrações Contábeis de 1994. Nesta época, Leif Edvinsson era diretor corporativo de Capital Intelectual da organização.

O modelo, denominado Navegador Skandia, contém certos valores de sucesso, identificados pela equipe da empresa, que deveriam ser maximizados e incorporados à estratégia organizacional. Antunes (2000, p.97) explica que estes fatores foram agrupados em cinco áreas distintas de foco: financeiro, de clientes, de processo, de renovação e desenvolvimento e humano, que são representadas no Navegador Skandia na forma evidenciada na Figura 3.

Figura 3: Navegador Skandia



Fonte: Edvinsson e Malone (1998, p.60).

Edvinsson e Malone (1998, p.60-61) explicam que cada foco apresentado no modelo representa as áreas nas quais uma empresa focaliza sua atenção, e de onde provém o valor de seu capital intelectual.

Esclarecem, também, que o formato do navegador (uma casa) trata-se de uma metáfora, eleita pela Skandia, para a própria organização. O triângulo é o sótão, constituído pelo foco financeiro, que representa o passado da empresa por meio das Demonstrações Contábeis. O foco no cliente e no processo consistem no presente. A base do retângulo é voltada para o futuro, representada pelo foco na renovação e desenvolvimento. Por fim, o foco humano encontra-se no centro da casa, pois constitui o coração, a inteligência e a alma da organização, ou seja, a única força ativa da organização.

Antunes (2000, p.97) comenta que a combinação dessas áreas de foco resultaram em um relatório diferente, uma vez que elas apontam para diversos aspectos que dão um caráter dinâmico, por isso o relatório foi denominado Navegador. Por fim, para cada um dos cinco focos foram estabelecidos vários indicadores para medir o seu desempenho.

Todavia, com o objetivo de criar uma equação que traduzisse em número o valor do Capital Intelectual, Edvinsson e Malone (1998, p.166) estabeleceram os seguintes passos:



  1. definir um conjunto básico de índices que possa ser aplicado a toda sociedade com um mínimo de adaptação;

  2. obter aprovação para esse conjunto básico de índices reconhecendo que cada organização pode ter um Capital Intelectual adicional que necessite ser avaliado por outros índices; e

  3. estabelecer uma variável que capte a não tão-perfeita previsibilidade do futuro, dos equipamentos, das organizações e das pessoas que nela trabalham.

Chegando-se, assim, na seguinte fórmula:

Capital Intelectual = iC

Em que:

i = coeficiente de eficiência

C = valor monetário do capital intelectual

Edvinsson e Malone (1998, p.172) explicam que C é uma medida absoluta que representa o valor do Capital Intelectual da organização. É obtido de uma lista, apresentada no Quadro 2, que contém os indicadores mais representativos de cada foco, mensurados monetariamente.

Quadro 2: Indicadores da Mensuração Absoluta do Capital Intelectual (C)



Receitas resultantes da atuação em novos negócios.

Investimento no desenvolvimento de novos mercados.

Investimento no desenvolvimento do setor industrial.

Investimento no desenvolvimento de novos canais.

Investimento em Tecnologia da Informação (TI) aplicada a vendas, serviço e suporte.

Investimento em TI aplicada à administração.

Novos equipamentos de TI.

Investimento no suporte aos clientes.

Investimento no serviço aos clientes.

Investimento no treinamento de clientes.

Despesas com clientes não relacionadas ao produto.

Investimento no desenvolvimento da competência dos empregados.

Investimento em suporte e treinamento relativo a novos produtos para os empregados.

Treinamento especialmente direcionado aos empregados que não trabalham nas instalações da empresa.

Investimento em treinamento, comunicação e suporte direcionados aos empregados permanentes em período integral.

Programas de treinamento e suporte especialmente direcionados aos empregados temporários de período integral.

Programas de treinamento e suporte especialmente direcionados aos empregados temporários de tempo parcial.

Investimento no desenvolvimento de parcerias/joint-ventures.

upgrades no sistema.

Investimento na identificação da marca (logotipo/nome).

Investimento em novas patentes e direitos autorais.

Fonte: Edvinsson e Malone (1998, p.173-174).

Edvinsson e Malone (1998, p.174-175) mencionam que C enfatiza o compromisso de uma empresa em relação ao futuro, ao passo que i alicerça esse compromisso no desempenho atual. Antunes (2000, p.117) explica que i é obtido através dos indicadores mais representativos de cada foco, expressos em porcentagens, quocientes e índices. Os mais abrangentes são mostrados no Quadro 3.

Quadro 3: Índice do Coeficiente de Eficiência (i) do Capital Intelectual

Participação de mercado (%).

Índice de satisfação dos clientes (%).

Índice de liderança (%).

Índice de motivação (%).

Índice de investimento em pesquisa & desenvolvimento em relação ao investimento total (%).

Índice de horas de treinamento (%).

Desempenho/meta de qualidade (%).

Retenção dos empregados (%).

Eficiência administrativa dividida pelas receitas (%).

Fonte: Edvinsson e Malone (1998, p.175).

Dividindo-se a soma destes índices por nove (total de indicadores), tem-se a média aritmética dos índices. Então, multiplicando-se esta média por C (valor monetário do capital intelectual) chega-se à avaliação global do capital intelectual, por meio de um número. À primeira vista, parece algo bem objetivo, mas, conforme observa Antunes (2000, p.118), dada a própria natureza de alguns índices, há um certo grau de subjetividade.

De qualquer forma, esta é uma metodologia que se destaca entre as demais, tendo em vista a abrangência dos indicadores utilizados, organizados sob o foco financeiro, humano, do cliente, do processo, e da renovação e desenvolvimento. Sendo que destes, a contabilidade contribui fortemente com o foco financeiro, fornecendo os índices financeiros, por meio, principalmente, dos dados constantes nas Demonstrações Contábeis. Vários dos índices relativos ao foco humano, também, podem ser obtidos no Balanço Social, a exemplo dos outros modelos apresentados. Por fim, alguns dos índices relacionados aos demais focos estão igualmente disponíveis no sistema contábil.

Constata-se que em todos os modelos considerados, a contabilidade mensura diversos aspectos necessários à plena utilização de cada metodologia, como exemplo, os indicadores econômico-financeiros, aqueles relacionados ao capital humano, dentre vários outros.

Por último, fica evidente que a mensuração do capital intelectual pela contabilidade pode ocorrer com o emprego de alguns dos modelos de mensuração existentes. E, uma vez mensurado, a evidenciação do capital intelectual pode ser realizada em relatórios suplementares.

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O capital intelectual, compreendido como um conjunto de aspectos intangíveis relacionados à experiência e habilidades dos empregados, relações com os clientes, infra-estrutura organizacional, dentre várias outras questões, é assunto de forte interesse da mídia e do meio acadêmico e empresarial, nos últimos anos. Constitui-se num dos significativos diferenciais para a maioria das empresas.

No entanto, este diferencial ainda não está objetivamente evidenciado nas Demonstrações Contábeis, principalmente, pela sua dificuldade de mensuração. Este fato sugere que a contabilidade necessita se realinhar, no sentido de procurar meios para mensurar e evidenciar o capital intelectual em relatórios suplementares, seja sob forma de medidas financeiras ou não financeiras.

A contabilidade pode mensurar o capital intelectual utilizando-se de um dos modelos apresentados no artigo, ou de sua combinação, uma vez que a análise dos mesmos permitiu verificar que é possível chegar a um valor para este complexo intangível, embora, ainda, com certa subjetividade. Permitiu constatar, também, que a contabilidade dispõe de muitas das informações necessárias à utilização de cada um dos métodos abordados.

Por fim, cabe destacar que a mensuração do capital intelectual é uma tentativa de identificar e medir parte do goodwill, já estudado há tanto tempo pela contabilidade. Essa mensuração não é um fim em si, é apenas um início para o gerenciamento do capital intelectual, sendo que os modelos apresentados consistem num conjunto de ricas informações, que devem auxiliar na tomada de decisões pelos gestores.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANTUNES, Maria Thereza Pompa. Capital intelectual. São Paulo: Atlas, 2000.

DAVENPORT, Thomas H. e PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

EDVINSSON, Leif. e MALONE, Michel S. Capital intelectual. São Paulo: Makron Books, 1998.

FIPECAFI - Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuarias e Financeiras. Manual de contabilidade das sociedades por ações : aplicável também às demais sociedades. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1994.

HENDRIKSEN, Eldon S. e VAN BREDA, Michael F. Teoria da contabilidade. Tradução por Antonio Zoratto Sanvicente. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Teoria da contabilidade. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1993.

MARION, José Carlos. Contabilidade empresarial. 8. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

MARTINS, Eliseu. Contribuição à avaliação do ativo intangível. São Paulo, 1972. Tese (Doutorado em Contabilidade) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

MONOBE, Massanori. Contribuição à mensuração e contabilização do goodwill não adquirido. São Paulo, 1986. Tese (Doutorado) – Faculdade de Economia e Administração, Universidade de São Paulo.

OLIVEIRA NETO, Josué Viana. Capital intelectual: um paradigma contábil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CONTABILIDADE, 16, 2000, Goiânia, Anais. Goiânia: CFC, 2000.

STEWART, Thomas. A. Capital intelectual : a nova vantagem competitiva das empresas. Rio de Janeiro: Campus, 1998.



SVEIBY, Karl Erik. A nova riqueza das organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1998.


Catálogo: contabilidad -> costos -> VIIIcongreso
VIIIcongreso -> Reflexões Sobre a Evolução e Mensuração de Custos de Oportunidade Auster Moreira Nascimento
VIIIcongreso -> Rodney Wernke Marcelo Meurer Reginaldo M. Bitencourt
VIIIcongreso -> AplicaçÃo da abordagem de contribuiçÃo marginal no custeio de procedimentos médico-hospitalares
VIIIcongreso -> Mensuração e Contabilização de Gastos e Investimentos Nas Sociedades Cooperativas Brasileiras – Uma Abordagem Social Autor
VIIIcongreso -> Controle de Gestão Através do Painel Estratégico
VIIIcongreso -> Por Ricardo Augusto dos Santos Ribeiro
VIIIcongreso -> Livia Candido Moraes Rodney Wernke
VIIIcongreso -> Tomada de decisãO: custo variável e valor césar Augusto Tibúrcio Silva Brasil – Distrito Federal – Universidade de Brasília
VIIIcongreso -> Viii congresso do Instituto Internacional de Custos
VIIIcongreso -> Decisão sobre Aceitar Pedidos de Venda Especiais na Presença de Excesso de Capacidade Disponível ou pela Aquisição de Capacidade, em uma Perspectiva de Curto Prazo Reinaldo Guerreiro


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal