A seleção lexical e o humor a importância da escolha vocabular para a construção do sentido



Baixar 38.88 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho38.88 Kb.
A seleção lexical e o humor
a importância da escolha vocabular
para a construção do sentido


Claudia Moura da Rocha (UERJ)

A escolha das palavras sempre teve importância vital para a eficiência comunicativa. Muitos dos objetivos alcançados através da comunicação decorrem das palavras escolhidas e empregadas pelo falante. Tal seleção também se mostra fundamental na hora de escrever um texto. Drummond comparou essa escolha a uma luta, demonstrando quão árdua é a tarefa de selecionar os vocábulos a serem utilizados pelo autor: “Lutar com as palavras é a luta mais vã. Entanto lutamos mal rompe a manhã” (Drummond, 1992: 182). Contudo, muitas vezes nos ocupamos da escolha lexical presente em textos de cunho literário, deixando à parte o trabalho de seleção vocabular realizado em textos de outra natureza.

Vamos tratar, mais especificamente, da escolha vocabular e de sua repercussão, sua relevância para o texto de humor. Este tipo de texto é de conhecimento de grande parte da população, sendo, portanto, fundamental que as palavras empregadas em piadas, anedotas, esquetes humorísticos, charges, histórias em quadrinhos, até mesmo em textos publicitários que enveredem pelo caminho do humor, sejam de conhecimento geral. No entanto, isto não quer dizer, de modo algum, que as palavras empregadas na construção destes textos não sofram uma prévia seleção por parte de seus autores, que demonstram, em sua maioria, um grande cuidado para encontrar a palavra certa e provocar o riso do leitor/ouvinte.

Sabemos, principalmente por nossa experiência de falantes, como algumas pessoas têm dificuldades em contar piadas. Estas até se lembram dos elementos da piada, da história, mas na hora de recontá-la, simplesmente não provocam a graça que esperavam, não têm o “dom” de serem engraçadas. Colocamos a palavra dom entre aspas porque, na verdade, não é bem um dom que falta a essas pessoas, em muitas situações. Talvez se esqueçam de empregar a palavra-chave daquela piada, a palavra em que reside a graça da história. É possível perceber, analisando textos de humor, como determinadas palavras têm um papel decisivo para o texto, uma vez que carregam em si a função de ancorar o seu significado.

O texto de humor apresenta, assim como o texto literário, uma característica digna de realce: a importância da polissemia vocabular. Em um texto científico, ou mesmo informativo, evitam-se ao máximo noções e palavras ambíguas, enquanto os textos literários ou de humor se privilegiam de tirar proveito de tal “defeito”. O humor permite que se diga uma coisa, mas que se possam entender duas (quem sabe até mais?) a respeito dela. Deste modo, a polissemia é bem-vinda neste tipo de texto. Vejamos como a polissemia ocorre neste anúncio publicitário de uma rede de hortifrutigranjeiros:

Neste caso, a publicidade é engraçada porque o consumidor/leitor percebe que além de o tomate ganhar ares de celebridade, dando um depoimento como se fosse um artista famoso, o que diz é dúbio, podendo ser interpretado de duas maneiras: ou o tomate é aclamado pelas massas (macarrão, ravióli, canelone, só para citar algumas) como integrante do molho que as acompanha, ou é aplaudido pelas multidões (cujo sinônimo também é massa). É a polissemia deste substantivo que permite o trocadilho. No detalhe, há outra ocorrência de uso da polissemia. Em Estrela do chorinho emociona fãs em show, novamente há uma palavra que “ancora” o significado ou, se compararmos o texto a um mapa, que sinaliza para onde vai o significado: chorinho tanto remete às lágrimas de emoção de fãs quanto pode se referir à reação que algumas donas-de-casa têm ao cortar cebolas.

Esta propaganda de uma empresa de telefonia também apela para o caráter polissêmico de um vocábulo que pertence ao universo das telecomunicações: o pulso. O humor é causado pelo cumprimento literal do pedido do chefe: cortar os pulsos. É interessante salientar que, neste momento, esta propaganda ainda faz surtir o efeito desejado: vender seu produto (contas mais baratas) e fazer rir. Como nosso país está mudando o sistema de cobrança tarifária telefônica de pulsos para minutos, talvez daqui a alguns anos os leitores de uma peça publicitária como essa não sejam capazes de achá-la digna de riso, pois não reconhecerão a polissemia do termo, o que demonstra a relevância do conhecimento de mundo e dos aspectos contextuais para a produção do humor.

Percebemos também, com freqüência, como em muitos textos o que garante o humor, e ajuda a construir o sentido, é a seleção de vocábulos que pertencem ao mesmo campo semântico, como ocorre neste texto de Stanislaw Ponte Preta (2003: 30):



A Vontade do Falecido

Seu Irineu Boaventura não era tão bem-aventurado assim, pois sua saúde não era lá para que se diga. Pelo contrário, seu Irineu ultimamente já tava até curvando a espinha, tendo merecido, por parte de vizinhos mais irreverentes, o significativo apelido de “Pé-na-Cova”. Se digo significativo é porque seu Irineu Boaventura realmente já dava a impressão de que, muito brevemente, iria comer capim pela raiz, isto é, iam plantar ele e botar um jardinzinho por cima.

Se havia expectativa em torno do passamento do seu Irineu? Havia sim. O velho tinha os seus guardados. Não eram bens imóveis, pois seu Irineu conhecia de sobra Altamirando, seu sobrinho, e sabia que, se comprasse terreno, o nefando parente se instalaria nele sem a menor cerimônia. De mais a mais, o velho era antigão: não comprava o que não precisava e nem dava dinheiro por papel pintado. Dessa forma, não possuía bens imóveis, nem ações, debêntures e outras bossas. A erva dele era viva. Tudo guardado em pacotinhos, num cofrão verde que ele tinha no escritório.

Nessa erva é que a parentada botava olho grande, com os mais afoitos entregando-se ao feio vício do puxa-saquismo, principalmente depois que o velho começou a ficar com aquela cor de uma bonita tonalidade cadavérica. O sobrinho, embora mais mau-caráter do que o resto da família, foi o que teve a atitude mais leal, porque, numa tarde em que seu Irineu tossia muito, perguntou assim de supetão:

Titio, se o senhor puser o bloco na rua, pra quem é que fica o seu dinheiro, hem?



O velho, engasgado de ódio, chegou a perder a tonalidade cadavérica e ficar levemente ruborizado, respondendo com voz rouca:

Na hora em que eu morrer, você vai ver, seu cretino.



Alguns dias depois, deu-se o evento. Seu Irineu pisou no prego e esvaziou. Apanhou um resfriado, do resfriado passou à pneumonia, da pneumonia passou ao estado de coma e do estado de coma não passou mais. Levou pau e foi reprovado. Um médico do SAMDU, muito a contragosto, compareceu ao local e deu o atestado de óbito.

Bota titio na mesa da sala de visitas — aconselhou Altamirando; e começou o velório. Tudo que era parente com razoáveis esperanças de herança foi velar o morto. Mesmo parentes desesperançosos compareceram ao ato fúnebre, porque estas coisas vocês sabem como são: velho rico, solteirão, rende sempre um dinheirão. Horas antes do enterro, abriram o cofrão verde onde havia sessenta milhões em cruzeiros, vinte em pacotinhos de “Tiradentes” e quarenta em pacotinhos de “Santos Dumont”:

— O velho tinha menos dinheiro do que eu pensava — disse alto o sobrinho.

E logo adiante acrescentava baixinho:

— Vai ver, gastava com mulher.

Se gastava ou não, nunca se soube. Tomou-se — isto sim — conhecimento de uma carta que estava cuidadosamente colocada dentro do cofre, sobre o dinheiro. E na carta o velho dizia: “Quero ser enterrado junto com a quantia existente nesse cofre, que é tudo o que eu possuo e que foi ganho com o suor do meu rosto, sem a ajuda de parente vagabundo nenhum”. E, por baixo, a assinatura com firma reconhecida para não haver dúvida: Irineu de Carvalho Pinto Boaventura.

Pra quê! Nunca se chorou tanto num velório sem se ligar pro morto. A parentada chorava às pampas, mas não apareceu ninguém com peito para desrespeitar a vontade do falecido. Estava todo mundo vigiando todo o mundo, e lá foram aquelas notas novinhas arrumadas ao lado do corpo, dentro do caixão.

Foi quase na hora do corpo sair. Desde o momento em que se tomou conhecimento do que a carta dizia, que Altamirando imaginava um jeito de passar o morto pra trás. Era muita sopa deixar aquele dinheiro ali pro velho gastar com minhoca. Pensou, pensou e, na hora que iam fechar o caixão, ele deu o grito de “péra aí”. Tirou os sessenta milhões de dentro do caixão, fez um cheque da mesma importância, jogou lá dentro e disse “fecha”.

— Se ele precisar, mais tarde desconta o cheque no banco.

O texto reúne várias palavras e expressões ligadas à morte: pé-na-cova, comer capim pela raiz, passamento, bonita tonalidade cadavérica, pôr o bloco na rua, dar-se o evento, pisar no prego e esvaziar, levar pau e ser reprovado, que reiteram o sentido do texto (a morte de seu Irineu era iminente e os parentes, principalmente seu sobrinho, consideravam-no um moribundo). Note-se que os eufemismos utilizados, neste caso, não têm apenas a função de atenuar uma informação triste (a morte), mas acabam por provocar o cômico, pois são empregadas diversas formas de se dizer que o tio morreu, evitando-se a repetição de palavras como morrer e morte. Ao selecionar tantas palavras e expressões sinônimas destes vocábulos (morrer e morte), o sobrinho banaliza a morte do tio, que era considerado apenas como uma fonte de dinheiro. É importante lembrar que considerável parte da graça do texto se deve ao final insólito e inesperado (alguém está para ser enterrado com uma grande quantia em dinheiro que acaba sendo trocada, num ato de esperteza e sem desrespeito à vontade do falecido, por um cheque), porém a escolha lexical de vocábulos e expressões têm o papel de assegurar a continuidade do clima de humor para a narrativa.

Muitas vezes, é a recorrência de determinados vocábulos que salienta a isotopia temática, garantindo a coerência do texto. “Quando se lê um texto, busca-se, em geral, o tema que costura os diferentes pedaços do texto, a isotopia temática em suma.” (Barros, 1990: 74). Quando a seleção lexical auxilia na construção do percurso temático, podemos dizer que ela também é responsável pela coerência do texto. Vejamos este esquete de humor de um programa de televisão:



Plantão Casseta e Planeta

Repórter: Para combater a violência no Rio de Janeiro, o governo do estado resolveu mudar de tática. Agora, em vez da quantidade, o governo vai apostar na qualidade. Por isso, foi criada a primeira tropa de elite do Rio de Janeiro.

Policial militar (que se aproxima da mesa): Aí, cês que são do grupo de elite, desculpe interromper o biribinha de vocês.

Policial de elite: Ô, meu amigo, é o seguinte: nós não estamos jogando um biribinha, estamos aqui no meio de uma partida de bridge.

PM: Ah, é bridge? Então, desculpe interromper o bridge de vocês, mas é que o bicho tá pegando lá no Morro do Macaco Molhado. Vambora! Vambora!

P. de elite I: Morro? Macaco? Vocês vão num lugar desses?



P. de elite II: Claro! Já tô lá. Morro do Macaco Molhado, que coisa mais cafona!

PM: Ô, vocês são um bando de deitão, hein! Pô! Como é que pode? Cês vão ficar no bem-bom? Não vão não! Cês não são o grupo de elite, pô? Cadê as armas de vocês?

P. de elite I: As armas? Estão aqui, olha só que beleza!

P. de elite II: Hum, que belo par de garruchas! Século dezessete?

P. de elite I: Não, dezoito.

P. de elite II: Hã! E comprou onde?

P. de elite I: Leilão.

P. de elite II: Londres?

P. de elite I: Amsterdã.

PM: Ô, vamo parar com essas frescuras aí, rapá, a gente tem que invadir o morro que é pra dar tempo de voltar e a gente pegar o rango.

P. de elite I: Ah, por falar nisso, colega, o que temos hoje para o menu?

PM: Ah, “drobadinha”.

P. de elite II: “Drobadinha”? Que coisa mais cafona!

P. de elite I: Vou reclamar com Garotinho.



P. de elite II: Hum, Garotinho? Que coisa mais cafona! (Casseta e Planeta, 01/07/2003)

O diálogo se dá entre dois policiais: um pertence à tropa de elite e o outro é um policial militar. O policial da tropa de elite emprega vocábulos como bridge, cafona, beleza, garruchas, século dezessete, leilão, Londres, Amsterdã, menu, construindo para os policiais de elite uma imagem de sofisticação e de afetação, condizentes com a adjetivação de elite. O policial militar emprega palavras e expressões como biribinha, o bicho tá pegando, vambora, deitão, bem-bom, frescuras, rapá, pegar o rango, “drobadinha”, construindo para si um comportamento lingüístico (e social também) diferente do policial de elite, podendo ser associado a uma classe social desprivilegiada, à origem humilde e ao nível popular da linguagem. São os vocábulos anteriormente destacados que garantem a isotopia temática e, conseqüentemente, a continuidade do sentido do texto de humor. “Esses vocábulos funcionam como ícones na superfície textual. Esses ícones podem ser “lidos” como pistas de um mapa, que vão conduzindo o telespectador a uma determinada significação.” (Rocha, 2005: 227).

Em alguns casos, como na piada que transcrevemos a seguir, a recorrência é de um elemento gramatical: os pronomes possessivos.

Aquele padre havia sido nomeado recentemente para a paróquia. Instalou-se na casa paroquial que lhe estava destinada e, imediatamente, a velha governanta veio se queixar dos problemas que a casa tinha.

Seu teto está com goteiras, padre. Seu fogão está velhíssimo e sua geladeira não funciona. Sua televisão está sem som... e por aí afora.”

Minha filha”, respondeu o padre, “esta casa não é só minha, é sua também, na verdade é de todos os nossos paroquianos... Por que você não diz “nosso teto”, “nossa televisão”?”

Passaram-se algumas semanas, e um dia o bispo veio visitar o padre. Estavam os dois conversando muito sossegados, quando a governanta entra de repente na sala e declara:

Padre, tem um rato no nosso quarto, debaixo de nossa cama.”

(P.C., Revista Seleções Reader’s Digest, julho de 1989)

Neste caso, os pronomes funcionam como ícones lingüístico-gramaticais. Sabemos que, na construção de um texto, empregam-se estrategicamente as classes, categorias, relações e mecanismos gramaticais em prol da legibilidade ou da opacidade textual e aproveitam-se as informações gramaticais para descobrir as intenções expressivo-comunicativas inscritas no texto (cf. Simões, 2004: 89; Rocha, 2005: 228-9). Em suma, podemos apurar quais os recursos lingüísticos presentes no texto e buscar compreender de que modo foram dispostos e empregados para alcançar os efeitos expressivos. É o emprego constante dos possessivos que costura o texto da piada. São estes pronomes que causam o duplo sentido de tudo o que é dito pela governanta, sendo possível afirmar que é através de sua identificação que podemos descobrir as intenções expressivo-comunicativas apresentadas pelo texto.

Muitos textos de humor também fazem uso de signos desorientadores. Os signos orientadores são aqueles que têm por objetivo orientar a leitura para uma única direção, para um único significado, enquanto os desorientadores não permitem o mesmo. Como o próprio nome indica, um signo desorientador “desorienta” a direção do sentido do texto (cf. Simões, 2004: 18). Tal fato, em um texto informativo, é encarado como um defeito, pois a função deste tipo de texto é oferecer uma informação precisa, nada ambígua, orientando a produção do sentido para a direção esperada. Como dissemos no início deste texto, os textos literários e os de humor (alguns textos de humor também podem se enquadrar na primeira categoria, haja vista a expressiva produção de contos e crônicas de humor com características literárias) se servem deste expediente com o objetivo de produzir a polissemia, a ambigüidade.

Leiamos a piada a seguir, que tira proveito da dupla orientação de leitura:

Mamãe morreu

Dois amigos se encontram numa cidade do Oriente Médio. Um deles está cabisbaixo. O primeiro pergunta:

— O que aconteceu?

Minha mãe morreu. Fiquei muito triste.

Que pena! Meus pêsames. Mas o que ela tinha?

— Muito pouco, infelizmente: um apartamento, dois terrenos, um dinheirinho no banco...

Os vocábulos cabisbaixo, morreu, triste, pena e pêsames orientam a leitura da piada para um determinada interpretação: a mãe do personagem morreu e este encontra-se triste. Ao prosseguir a leitura, o vocábulo tinha vem a desorientar a direção da interpretação que se vinha fazendo. A princípio, pensamos que estão tratando da doença que causou a morte da mãe do personagem, mas percebemos pela resposta que o mesmo dá (Muito pouco, infelizmente: um apartamento, dois terrenos, um dinheirinho no banco...) que este se referia aos bens que ela possuía (tinha).

Quando se trata de um texto de humor (seja literário — conto ou crônica — seja não-literário), a escolha lexical é de suma importância. Não podemos deixar de ressaltar que a escolha de um outro vocábulo poderia não produzir o efeito esperado. Observemos, tomando a próxima piada como exemplo, como ficaria a produção de sentido se trocássemos o verbo fazer por montar:

MARIDO DA TELEVISÃO

Duas mulheres se encontram no cabeleireiro.

— O meu marido é médico. E o seu?

O meu faz televisão!

—Televisão?! Que legal! Onde ele trabalha?

— Na linha de montagem da Sony!

Se uma das mulheres tivesse respondido “O meu monta televisão!”, não seria possível, apesar de sabermos que neste contexto fazer e montar são sinônimos, produzir o duplo sentido, a ambigüidade que somente a opção pelo verbo fazer proporciona. Se a mulher dissesse “O meu produz televisão!”, também seria possível insinuar a duplicidade de sentido, pois produzir tanto remete à linha de produção de uma fábrica como à produção de programas televisivos.

Procuramos demonstrar, ao longo deste texto, como a seleção lexical é relevante para a produção de sentido do texto de humor. É possível percebemos que há um trabalho de escolha vocabular com o objetivo de produzir efeitos expressivos, o que significa dizer que a seleção dos vocábulos de um texto de humor nunca é aleatória. Cada vocábulo tem o seu papel naquele texto.

Como se vê, a escolha vocabular não tem nada de irrelevante nem é descompromissada em relação aos propósitos de um texto. Cada vocábulo selecionado tem sua função e um objetivo dentro do tecido textual. Recorrendo novamente à metáfora do mapa textual, cada palavra escolhida nos remete a uma pista deixada por alguém que deseja que encontremos o tesouro: o sentido (ou os muitos sentidos) de um texto.

Referências bibliográficas

BARROS, Diana P. de. Teoria semiótica do texto. São Paulo: Ática, 1990.

DRUMMOND, Carlos Drummond. Antologia poética. Rio de Janeiro: Record, 1992.

PONTE PRETA, Stanislaw. Gol de padre e outras crônicas. São Paulo: Ática, 2003.



Revista Seleções Reader’s Digest, julho de 1989.

ROCHA, Claudia Moura da. Aprender Só...Rindo: aulas de português com alegria. Dissertação de mestrado orientada pela Profa. Dra. Darcilia M. P. Simões. UERJ, 2005/1.



SIMÕES, Darcilia. Ícones e índices na superfície textual. In SIMÕES, Darcilia (org.). Estudos semióticos. Papéis avulsos. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2004, p. 16-23




Catálogo: ixfelin -> trabalhos -> doc
doc -> Semiótica e bíblia: como utilizar o modelo do percurso gerativo do sentido de greimas para análise de textos bíblicos
doc -> Há alegria no saber: um estudo sobre a coesão e a coerência na promoção da comicidade nas histórias em quadrinhos
doc -> Da aparência do figurativo à essência do figural: uma contribuição da teoria da figuratividade, de d’ávila
doc -> Ser de (se) Vinf.: uma construção gramatical do português
doc -> O sagrado na toponímia da Amazônia Ocidental Brasileira as colocações do Seringal Alagoas
doc -> Ensino de literatura: história literária ou formação de leitores?
doc -> Discurso e homossexualidade: a construçÃo de formas sujeito
doc -> O ensino de língua materna e a formação do professor: por uma compreensão global do texto
doc -> Entre a evidência e o absurdo: sobre o preconceito lingüístico
doc -> Iconicidade e leitura


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal