A verdade hérbat Spencer Batista Meira



Baixar 10.5 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho10.5 Kb.
A   VERDADE
Hérbat Spencer Batista Meira

                                                Um dos maiores problemas a cercar a condição humana é esse conceito medonho da verdade. O que será a verdade de um fato, de uma história, desses acontecimentos da vida de verdade?

                                                Tendo, como lida permanente, a discussão da verdade, ou a busca da verdade para que as petições a revele, ou que as contestações se ocupem disso, a fim de que a sentença seja, afinal o veredito justo que acomode a pretensão da parte ao padrão da norma ante fato juridicamente tutelável, sou um homem preocupado com a verdade.

                                                Os gregos se dividiram na apreciação ou conceituação da verdade. Eles, efetivamente, são o primeiro povo a se ocupar da verdade com um trato científico, como quer a Filosofia, essa ciência que eles inauguraram e que Régis Jollivet define como "A ciência de todas as coisas, que estuda todas as coisas, à luz natural da razão".

                                                Para os gregos, a verdade é objetiva, na teoria denominada socrática, e que tem em Socrátes seu armador, ou é subjetiva, na  teoria denominada sofista, e que tem em Hípias, Protágoras e Górgias, entre outros, seus originais inventores.

                                                Num daqueles debates dos banquetes gregos, teria Sócrates perquirido ao sofista qual a cor da maçã, na certa certeza de que esse não disporia de outra resposta se não a expressão "vermelha", o que, para os socráticos era a prova verbalizada da objetividade da verdade. Afinal, a maçã é vermelha na apreciação de qualquer homem, em qualquer lugar do mundo... A surpresa é que a resposta foi subjetiva, com base na relatividade que, dias atrás, notabilizou Einstein, quando o sofista respondeu: "Queres que te diga a cor da maçã à luz da luz, ou sem a luz da luz? Porque à luz da luz poderia dizer vermelha, se aceitasse essa expressão como a mais apropriada para essa cor que percebo nesse fruto, ou outra, se não me aprouver a denominação que alguém criou sem meu consentimento. Sem a luz da luz poderia dizer cinza, ou azul, ou amarela..."

                                                Os sofistas, aliás, se destacaram por expressões preciosas, que definem, com rica precisão, o subjetivo da verdade, desde Protágoras, com sua célebre: "O homem é a medida de todas as coisas" à "Verdade além dos pirineus, mentira aquém deles mesmos" de Pascal. E não se ponha Heráclito, do mundo em processo, do devenir, do nada é, tudo está sendo, entre os sofistas, pois os teóricos da Filosofia não o enquadram ali.

                                                Os sofistas inspiraram a Filosofia da Dúvida de René Descartes, e, um dia desses, Liv Ullmann em seu "Devenir", ed. Stock, 1977. Essa mulher espetacular que transformou sua vida, que renasceu, que refez tudo a partir da descoberta do amor, o encontro com um determinado homem que lhe deu forças para tudo mudar nessa sensação de "devenir", de vir a ser, de metamorfose sem a morbidez de Kafka, que repõe o brilho nos olhos, os traços no rosto, o riso na face, a silhueta no corpo, a elegância na veste, a suavidade nos gestos, a bondade nas atitudes, a generosidade nas ações, a alegria na vida...



                                                Ullimann, ao escrever sua biografia, contando a história desse amor imenso que lhe refez a vida, revela que se sentiu obrigada a temperar os dias mais insípidos ou a amenizar os mais picantes, num certo receio de vulnerabilidade frente ao leitor, face à constatação de que a realidade, ou a verdade, pura e simples, não é digna de interesse, embora reconheça que a sua profissão de até então exigisse exibição permanente do corpo, da imagem, de emoções. E acabo por citar, de Tove Ditlevsen, a grande verdade: "Il y a en moi une jéun fille qui refuse de mourrie."

                                                Fica de tudo um símbolo da certeza universal de todo ser humano, de que há, em cada um de nós, uma criança que não pode desaparecer. Uma criança que, como Ullmann, tem consciência que jamais se consegue expressão absoluta da verdade. Uma criança que é a nossa alegria de viver, a nossa vontade de ver nascer e se por o sol, de nos banharmos nas cascatas e igarapés, de acordar bem, de correr, de saborear o café da manhã, de sair pelos campos, pés descalços e mãos dadas, dividindo a vida num grande amor...


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal