A web 0 e a Educação



Baixar 21 Kb.
Encontro05.08.2016
Tamanho21 Kb.
A Web 2. 0 e a Educação
Em uma simples pesquisa sobre o termo “Web 2.0” no Google, pode-se achar algo em torno de 260 milhões de menções ao termo. Entretanto, segundo O’Reilly (2005), não existe consenso sobre o que é a Web 2.0. Alguns dizem se tratar de um modismo ou uma estratégia de marketing e outros a aceitam como uma revolução na “grande teia”.

A Web 2.0 pode ser caracterizada como:

 

A segunda geração de serviços on-line e caracteriza-se por potencializar as formas de publicação, compartilhamento e organização de informações, além de ampliar os espaços para a interação entre os participantes do processo. A Web 2.0 refere-se não apenas a uma combinação de técnicas informáticas..., mas também a um determinado período tecnológico, a um conjunto de novas estratégias mercadológicas e a processos de comunicação mediados pelo computador.

(Primo, 2006)


A Web 2.0 é uma forma de compreender a Internet que, com a ajuda de novas ferramentas e tecnologias, promove a organização e o fluxo das informações dependendo do comportamento das pessoas que a acessam, permitindo não somente um acesso muito mais fácil e centralizado dos conteúdos, mas, também, a participação do usuário tanto na classificação quanto na construção desses conteúdos, por meio das ferramentas mais fáceis e intuitivas de serem utilizadas.

(De la Torre, 2006)

 

De acordo com O’Reilly (2005), são dois os princípios fundamentais da Web 2.0:



  1. O uso da Web como uma plataforma. Isto é, a possibilidade de utilizar programas diretamente na Internet sem que estes precisem estar instalados no computador; e

  2. A valorização da inteligência coletiva por meio da participação, do compartilhamento de dados e da colaboração com o uso das ferramentas da Web 2.0.

Entretanto, é importante ressaltar que os conceitos de inteligência coletiva, compartilhamento de dados e colaboração sempre estiveram presentes na Internet , mas, estavam subutilizados devido as limitações tecnológicas (Pereira, 2006). Hoje estão potencializados por causa das novas formas de publicação, circulação, organização e recuperação de informações propiciadas pelas novas tecnologias existentes (Primo, 2006).

Existem três características que servem como pontos chaves para compreender o conceito de Web 2.00. Elas são: Usuário versus Autor; Local versus Remoto e Privado versus Público (Kerres, 2006 apud Voigt, 2007).


  1. Usuário versus Autor: Antes do advento da Web 2.0, o usuário era visto como receptor de informações. Agora, o usuário torna-se autor/co-autor, incluindo opiniões e conteúdos. Ao invés de somente ler o conteúdo apresentado,  ele agora pode modificar e (re)criar conteúdos;

  2. Local versus Remoto: Acabam-se as barreias entre processamento e armazenamento local/remoto de informações. Antes, elas eram gravadas no computador pessoal, agora elas ficam armazenadas em servidores remotos e podem ser acessadas em qualquer lugar bastando para isso ter um computador com acesso a Internet;

  3. Privado versus Público: O conceito de público e privado ganha um novo contorno. O privado torna-se cada vez mais público. Arquivos, acontecimentos pessoais, lista de favoritos entre outras coisas são compartilhados na rede e tornam-se acessíveis a outras pessoas.

Atualmente, é possível encontrar uma diversidade de diferentes ferramentas de comunicação baseadas nos princípios da Web 2.0. Por sua vez, as características particulares de cada uma dessas ferramentas influenciam fortemente o caráter e a estrutura dos ambientes de aprendizagem que as utilizam (Long e Baecker, 1997). Por isso, é importante conhecer algumas dessas ferramentas de comunicação:


a) Weblog:

O Webblog ou blog é uma página da Web que permite a inserção de informações de forma assíncrona, que são chamadas de posts, que ficam armazenadas e visualizadas em ordem cronológica inversa, isto é, as informações mais recentes são mostradas na frente das mais antigas. Ao se criar um post, automaticamente é inserido a data e horário da postagem e um link permanente para o post no corpo do blog. Nos posts são possíveis, além da inserção de textos, a inserção de imagens, músicas e vídeos. Pode-se, também, disponibilizar links para outros blogs e páginas da Web. Ainda é possível utilizar uma variedade de ferramentas de interação, sendo a mais comum à área de comentários. A área de comentário é um espaço específico do blog que permite qualquer pessoa fazer considerações e observações sobre os posts. Esses comentários permanecem armazenados no blog, possibilitando a interação entre o proprietário do blog e os usuários e entres os usuários que acessam referido espaço virtual (Mantovani, 2006).


b) Wikis:

O Wiki é uma página web que pode ser facilmente editada por um grupo de pessoas. Ela é uma ferramenta assíncrona que permite que pessoas separadas geograficamente trabalhem conjuntamente e de forma colaborativa na criação de textos. O sucesso dos Wikis pode estar relacionado à facilidade de utilização das ferramentas, à flexibilidade de uso e ao acesso não restrito. A restrição de acesso somente ocorre quando o wiki é utilizado para objetivos profissionais ou outros fins específicos (Anderson, 2007).


c) Multimedia sharing

Sistemas que permitem o armazenamento e o compartilhamento de arquivos multimídias, como por exemplo, o Youtube (www.youtube.com.br) e  o Picasa (http://picasaweb.google.com.br). Estes sistemas ampliam as possibilidades de atuação do usuário dentro da Internet, já que estes podem produzir seus próprios vídeos e fotos e disponibilizá-los na rede (Anderson, 2007).


d) Podcasts

Os Podcasts, de acordo com Anderson (2007) são gravações em áudio de músicas, opiniões, entrevistas e leituras. Geralmente, esses arquivos estão no formato MP3 e podem ser gravados e executados em qualquer computador pessoal ou para qualquer dispositivo do tipo MP3-Player como, por exemplo, o IPod MP3 da Apple. Mais recentemente, estão surgindo os podcast vídeo (chamados de vidcast ou vodcast) que são gravações em vídeo que podem ser executadas no computador pessoal ou em MP3-Video Player.

 Para criar um podcast é bem simples, é necessário que se tenha um microfone e um programa de gravação e edição de áudio. Em seguida, deve-se armazenar o arquivo criado para um servidor de internet. A distribuição dos arquivos para os usuários é muito simples. Ela é feita através de um recurso chamado de RSS1, os usuários recebem notificações de novos podcasts criados e atualizações diretamente nos seus computadores, sem precisar acessar o endereço eletrônico onde os podcasts estão armazenados (Anderson, 2007).

e) Site de Relacionamento: Orkut

O Orkut é uma comunidade on-line criada em 2004 com objetivo de promover a interação entre as pessoas, estabelecer relacionamentos e criar comunidades em torno de interesses comuns. Por meio da rede social formada pelo Orkut, uma pessoa pode manter contato com diferentes pessoas. O ambiente permite a inserção de textos, arquivos de imagens e vídeos (Orkut, 2007). Segundo dados presente no próprio site do Orkut, o maior número de perfis cadastrados são de brasileiros (53,27%) e 60,63% das pessoas cadastradas possuem idade de 18 a 25 anos de idade. O site de relacionamento Orkut oferece diferentes ferramentas que permitem a interação entre os participantes: troca de mensagens privadas por meio de e-mail e troca de mensagens públicas através do fórum de discussão pessoal (Araújo, 2005).
f) Mundo Virtual: Second Life

Um mundo virtual é um ambiente multimídia simulado, onde os usuários deste ambiente podem interagir entre si por meio de  representações gráficas chamadas de avatares. Atualmente, o Second Life (http://secondlife.com/) é dos mais populares, tendo mais de 3,5 milhões de usuários cadastrados chamados de "Lifers" (Wheeler e Steven, 2007).

O Second Life, segundo afirmam Wheeler e Steven (2007), deve ser encarado como muito mais do que um ambiente de jogo. O mundo virtual oferece inúmeros recursos como, por exemplo, mensagens instantâneas, construções de perfis, avaliações sobre os usuários e rede interativa. A interação entre os participantes somente poderá ocorrer se for mediada por esses recursos, permitindo o compartilhamento de vários objetos e colaborações. Entretanto, para fazer uso do Second Life, é necessário uma de conexão de Internet banda-larga2 e de um computador e uma placa de vídeo mais sofisticada para que o ambiente funcione de maneira estável e possa se comunicar em tempo real com os servidores de dados.
A inserção das ferramentas de informação e comunicação da Web 2.0 nas práticas educativas pode favorecer o desenvolvimento de ambientes de aprendizagem que facilitam a publicação de conteúdo, a criação de espaços para debate, potencializar a criação coletiva e o compartilhamento de conteúdo, abrindo espaço para a inserção de múltiplas vozes no processo educativo (Primo, 2006, Coutinho e Bottentuit Junior, 2007).

Fala sobre a educação em saúde e a Web 2.0...


Pensar na inserção dos ambientes virtuais de comunicação e interação geradas na Web 2.0 para mediar práticas educativas baseadas nos princípios da aprendizagem corporificada, pode trazer ganhos significativos para Educação em Saúde. Esses ambientes permitem a construção de espaços sociais colaborativos que podem favorecer o desenvolvimento de atividades contextualizadas, a criação de espaço para debates, a negociação de diferenças, o maior envolvimento dos alunos com o conteúdo do curso e a redução da dificuldade dos profissionais de saúde de se relacionar com seus pacientes durante o processo de adoecimento e tratamento. O que leva a pressupor que, desta forma, possa ocorrer um maior reconhecimento e entendimento, por parte dos alunos, da importância do papel do médico na implementação de uma assistência mais humanizadas.
Bibliografia
COUTINHO, Clara Pereira, BOTTENTUIT JUNIOR, João Batista. Blog e wiki : os futuros professores e as ferramentas da Web 2.0. “SIIE’2007 : Atas do Simpósio Internacional de Informática Educativa, 9, Porto, Portugal, 2007.


1 O recurso RSS possibilita que os proprietários de sites e blogs divulguem novas informações que são inseridas nestes espaços virtuais. Para isso, basta que se disponibilize o link e as informações em um arquivo é chamado de Feed. A pessoa interessada em receber as atualizações deve incluir o link do Feed dos sites que deseja acompanhar em um programa ou em um site leitor de RSS. O agregador irá ler o conteúdo dos Feeds e mostrá-los para a pessoa. (Alecrim, 2007).


2 É o nome usado para definir qualquer conexão à internet que tenha velocidade acima do padrão (56 Kbps) usado pelas linhas analógicas convencionais. (Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Banda_larga> Acesso em 08 de dezembro de 2007).


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal