Abordagens científicas e interesses humanos



Baixar 38.85 Kb.
Encontro03.08.2016
Tamanho38.85 Kb.
ABORDAGENS CIENTÍFICAS E INTERESSES HUMANOS

(Habermas)1




Tipos de conheci-mento

Origem

Método

Produto

Aplicação

Orientação normativa

Interesse

Empírico-

Analítico

(Positivismo)


Ciências

Naturais


Explicação

Procuras das causas



Informações objetivas

Paráfrase

(um sentido)


Domínio e controle técnico

Leis e regras equilíbrio e normalidade

Instrumen-tal de

Controle

TRABALHO


Histórico-hermenéuti-co

Fenomenologia

(Historicismo)


Ciências Humanas

Compreen-são

Procura dos significados



Interpreta-ções

Polissemia

(mútiplos sentidos)


Comuni-cação

e interação



Normas
Consensos intersubjeti-vos

Prático intercomu-nicativo

LINGUA-GEM



Crítico-dialético

Materialismo histórico

(Marxismo)


CiênciasTeórico- críticas

Reflexivas


Reflexão

Procura da dinâmica dos fenômenos



Críticas

Revela Tensões e conflitos



Ação transfor-madora

Práxis

Relação dialética entre teoria e prática



Emancipa-tório

PODER


Interesses que orientam os processos de elaboração do conhecimento

Habermas (1982) desenvolve estudos que relacionam a pesquisa científica com essas visões de mundo. Em todo trabalho científico, o pesquisador está orientado por interesses relacionados com as visões de mundo e com as pretensões que os pesquisadores tem com relação ao objeto ou fenômeno que estudam. Assim, ele aponta três grandes interesses que orientam o trabalho de conhecimento da realidade. Interesses que explicitaremos a seguir.

Qual a origem das motivações que o homem revela quando procurar conhecer um objeto, um fenômeno ou um fato? Quais os interesses básicos que geram o processo de busca pelo conhecimento?,

Recuperando uma perspectiva histórica e considerando as relações do homem com o mundo, do homem com os outros homens e do homem na história, Habermas considera três conjuntos de relações que ajudam a desvendar as maneiras de realizar o processo do conhecimento de relacionar o sujeito com o objeto.

Esses conjuntos de relações são: o conjunto trabalho/técnica/informação está que subjacente o enfoque empírico - analítico: o conjunto linguagem/consenso/interpretação que está subjacente ao enfoque histórico-hermenêutico e o conjunto poder/emancipação/critica está subjacente ao enfoque dialético ou à teoria critica da sociedade (SANCHEZ GAMBOA, 1998).

No conjunto dessas relações podem ser localizados os interesse técnico de controle, o interesse dialógico de consenso e o interesse crítico emancipador os quais respectivamente são utilizados para garantir o controle; para aprimorar a comunicação e interagir ou para transformar e emancipar. De igual maneira nesse conjunto é possível localizar os enfoques básicos da pesquisa, o empírico analítico, histórico hermenêutica e crítico dialético; para Habermas a esses enfoques correspondem aos três tipos de interesses humanos que orientam a produção do conhecimento cientifico: o técnico de controle, o dialógico de consenso e o crítico emancipador. Na tabela a seguir podemos visualizar esses conjuntos.

Tabela 1 Relação entre tipos de abordagens metodológicas; interesse que motivam a pesquisa e Dimensões fundamentais da vida humana


Enfoque

Interesse

Conjunto lógico

Empírico analítico

Técnico de controle

Trabalho/técnica/informação

Histórico hermenêutico

Dialógico, consensual

Linguagem/consenso/interpretação

Crítico dialético

Crítico, emancipador

Poder/emancipação/critica

Essa articulação apresentada por Habermas se fundamenta na tese da inseparabilidade do pensamento humano das três dimensões fundamentais da vida humana; o trabalho, a linguagem e o poder, as quais se relacionam com os três tipos de interesses humanos; o técnico de controle, o prático de consenso e o crítico emancipador.

As dimensões fundamentais da vida humana que expressam a relação do homem com o mundo e da sua ação transformadora sobre a natureza que se manifesta na forma mais desenvolvida através do trabalho, e que expressam também a relação com os outros homens e se manifesta na comunicação, na linguagem e na interação, são profundamente alteradas pelas relações de poder estabelecidas quando os homens entram em conflito, quando surge a dominação e a exploração do homem pelo homem. As condições harmônicas entre o homem e a natureza e do homem com os demais homens, existentes nas sociedades primitivas e que caracterizam, segundo Marx (1983), o comunismo primitivo são profundamente alteradas com a formação dos modos de produção asiático e escravista. O trabalho que expressa a realização do homem como transformador da natureza numa relação harmônica livre e solidária sem a degradação e destruição da mesma foi alterado para o trabalho alienado quando entram em jogo as relações de domínio do homem pelo homem. De igual maneira as condições de igualdade, fraternidade liberdade e solidariedade entre os homens, próprias das comunidades organizadas no modo de produção comunista são profundamente modificadas nas sociedades organizadas sob um modo produção de domínio do homem pelo homem (asiático, escravista, feudal e capitalista).

Dadas essas condições de domínio e de exploração tanto da natureza como dos demais homens, a história da humanidade se realiza segundo a agenda de superação dessas condições impostas desde a formação do modo de produção asiático e escravista. Segundo Marx, enquanto não sejam superadas essas relações de dominação e de alienação do trabalho e do homem pelo homem estaremos na pré-história da humanidade.

Dessa forma para compreender a produção do conhecimento é preciso entender as relações com as dimensões profundas da vida da humanidade. Assim, quando o interesse técnico e de controle é o que motiva a pesquisa, esta se planeja para propiciar informações que permitam manipular e controlar os objetos investigados, através de processos também controlados e objetivados. Resultando em conhecimentos que visam o desenvolvimento das forças produtivas e particularmente da relação do homem com a natureza, isto é, dos processos vinculados ao mundo do trabalho.

Quando o interesse prático de consenso motiva a investigação, os resultados são projetados para auxiliar com a interpretação e a linguagem consensual a interação dos sujeitos, quer dizer, para revelar as formas de comunicação, para compreender a inter-subjetividade em relação a possíveis significados das ações, dos discursos, dos gestos, dos ritos, dos textos, etc. para propiciar normas e códigos de consenso de atuação entre os homens e os grupos humanos.

Quando o interesse crítico emancipador orienta a pesquisa, a atividade intelectual reflexiva se organiza para desenvolver a crítica e alimentar a práxis (teoria e prática) que transforma o real e libera o sujeito dos diferentes condicionantes e situações hipostasiadas. O interesse amancipatório se insere na agenda histórica de superar tanto o trabalho a alienado como as relações de exploração do homem pelo homem.

Com base nesses interesses básicos, que orientam a produção do conhecimento podemos identificar os diferentes enfoques científicos ou tendências epistemológicas da pesquisa.

O enfoque empírico analítico tem sua origem e seu desenvolvimento mais significativo nas ciências naturais e exatas e utiliza técnicas predominantemente quantitativas. Estas técnicas garantem a objetividade dos dados, de origem empírica. Os procedimentos utilizados delimitam o objeto como totalidade factual, através de técnicas de laboratório, desenhos experimentais, instrumentos de observação e de registro, se isola, disseca e congela.

Uma vez delimitado o objeto como um todo empírico, isolado e dissecado, este sofre uma divisão em suas partes ou variáveis (processo analítico). Busca-se o maior número de informações possíveis, o controle rigoroso das variáveis através de formalizações matemáticas, se identificam as causas e efeitos, se medem as inter-relações entre suas partes constitutivas, se organizam e se cruzam informações de tal forma que permita manipular melhor o objeto; quer dizer, buscam-se as melhores condições possíveis para conseguir um máximo de manipulação e controle sobre o objeto ou fenômeno, dividindo-o progressivamente em partes menores ( maior número de variáveis). O controle será mais efetivo dependendo do grau de sofisticação que ofereçam as técnicas ou instrumentos. Certamente, o interesse que orienta esses processos é o técnico de controle.

O enfoque histórico hermenêutico, originado nas ciências humanas e sociais, concebe o real como fenômenos "contextualizados", preocupa-se com a capacidade humana de produzir símbolos para comunicar significados; por isto o processo cognitivo se realiza por meio de métodos interpretativos. Os fenômenos não são isolados ou analisados, são compreendidos através de um processo de recuperação de contextos e significados.

Outra suposição básica deste tipo de interpretação consiste no predomínio de elementos subjetivos próprios da interpretação. O eixo central do conhecimento não está no objeto e sim no sujeito que interpreta, que conhece, que lhe dá sentido ao mundo e aos fenômenos. O critério de verdade não reside na pretendida objetividade (concordância entre o real e o intelecto), a verdade é resultado de consensos entre as diversas linguagens ou manifestações do fenômeno ou inter-subjetivo entre os vários interlocutores que participam do processo de elaboração desse conhecimento. Seu caráter relativo (é verdade para esse momento e para esse de interlocutores) se faz ainda mais relativo quando o consenso ocorre em um determinado momento, em um contexto ou em um cenário histórico específico (é verdade em um determinado grupo em determinado momento; em outro momento ou contexto é outra verdade, tem outro o significado), razão pela qual este enfoque se denomina também historicismo, ou histórico-hermenêutico. o interesse que comanda este processo cognitivo é o prático de consenso.

O enfoque crítico dialético trata de apreender o fenômeno em seu trajeto histórico e em suas inter-relações com outros fenômenos. Busca compreender os processos de transformação, suas contradições e suas potencialidades. Para este enfoque o homem conhece para transformar e o conhecimento tem sentido quando revela as alienações, as opressões e as misérias da atual fase de desenvolvimento da humanidade; questiona criticamente os determinantes econômicos, sociais e históricos e procura revelar as contradições que potencializam a ação transformadora. O conhecimento crítico do mundo e da sociedade e a compreensão de sua dinâmica transformadora propiciam ações (práxis) emancipadoras.

A práxis, elevada à categoria epistemológica fundamental se transforma em critério de verdade e de validade científica. A práxis significa a relação entre a teoria e a prática, entre o pensar e o agir sobre uma realidade buscando sua transformação; transformação orientada para a consecução de maiores níveis de liberdade das sociedades concretas e da humanidade como um todo que, em seu projeto histórico, tende a superar as relações de domínio e de exploração do homem com o mundo e dos homens entre si (interesse crítico transformador)
REFERÊNCIAS
HABERNAS, Jurgen, Conhecimento e Interesse, Rio de Janeiro: Zahar, 1982

_________________, Conhecimento e Interesse, in Abril. Os Pensadores, São Paulo: Abril Cultural, s/d.

MARX, Karl. Contribuição à crítica da Economia Política. São Paulo: Martins Fontes, 1983

SANCHEZ GAMBOA, S. Fundamentos para la investigación educativa. Bogotá: cooperativa editorial Magisterio, 1998



1 SANCHEZ GAMBOA, S. Disciplina: Epistemologia e Pesquisa Educacional, Unicamp, Programa de pós-graduação em Educação


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal