Acessibilidade na Internet para Deficientes Visuais Andréa dos Santos Rodrigues



Baixar 64.58 Kb.
Encontro21.07.2016
Tamanho64.58 Kb.
Acessibilidade na Internet para Deficientes Visuais

Andréa dos Santos Rodrigues

andrea_santos@bol.com.br

FARN- Faculdade para o Denvolvimento do Rio Grande do Norte



Guido Lemos de Souza Filho

guido@dimap.ufrn.br

DIMAp-UFRN



José Antônio Borges

antonio3@nce.ufrj.br

NCE-UFRJ


Resumo:

Neste trabalho descreve-se a situação atual em que se encontra o acesso a Internet para as pessoas portadoras de deficiência visual,. São propostas formas de desenvolvimento de páginas com o emprego de regras de acessibilidade. As regras propostas foram testadas através do uso de um browser adaptados aos deficientes visuais desenvolvido no contexto do projeto DOSVOX.. Enfatiza importância do desenvolvimento de páginas acessíveis de boa qualidade.


Palavras Chaves: Deficientes Visuais, Acessibilidade, Síntese de Voz.

1.Introdução:
Vivemos na sociedade da informação. Um dos fatores críticos para o sucesso nesta sociedade é o acesso e utilização das tecnologias de informação e comunicação. Estas tecnologias devem portanto estar disponíveis ao maior número possível de cidadãos evitando-se assim a exclusão social. Neste contexto a Internet tem um papel crucial a desempenhar. Ela tem o potencial de “quebrar” barreiras físicas e espaciais, servindo de suporte a um grande número de atividades possíveis de serem realizadas por portadores de deficiência.

Em toda parte do mundo e em todos os níveis da sociedade há pessoas portadoras de algum tipo de deficiência. Deficiência significa “perda ou limitação de oportunidades de participar da vida comunitária em condições de igualdade com as demais pessoas” [6]. Considera-se pessoa portadora de deficiência aquela que apresenta, em caráter permanente, perdas ou anormalidades de sua estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica, que gerem incapacidade para o desempenho de atividades consideradas normais para o ser humano [12]. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 10 % da população brasileira é composta de pessoas portadores de deficiência, distribuídos como mostra a tabela 1 [5].



Tabela 1. Distribuição dos tipos de deficiência na população brasileira.


Deficiência

População

Percentagem

Deficiência Mental

7.250.000

5%

Deficiência Física

2.900.000

2%

Deficiência Auditiva

2.175.000

1,5%

Deficiência Múltipla

1.450.000

1%

Deficiência Visual

750.000

0,5%

Total

14.500.000

10%

As novas tecnologias, sobretudo no campo das telecomunicações, permitem-nos hoje ter acesso a fontes de informações impensáveis há bem pouco tempo. A facilidade, a rapidez e a supressão de barreiras geográficas tornam possível o acesso aos mais diversos canais de conhecimento, lazer e comunicação.

Milhões de pessoas acessam a WWW [7] todos os dias, em busca de acesso a informações, entretenimento, trabalho, educação, comunicação e comércio, entre outras atividades. Devido a sua popularidade, muitos negócios e provedores de informação são criados através de web sites para apresentar seus produtos e serviços. No entanto, a grande maioria desses sites não levam em consideração uma parcela importante da população: os deficientes visuais. No Brasil, de acordo com a Tabela 1, os deficientes chegam a cerca de 750.000, dos quais cerca de 3.000 tem acesso ao computador e a Internet, segundo Borges[10].

Sem uma tecnologia de acesso adequada, os deficientes visuais podem ficar gravemente limitados quanto a quantidade e a qualidade das informações que podem acessar, o que inibe, ou até mesmo impossibilita que eles utilizem plenamente as potencialidades deste meio de comunicação. Para viabilizar o uso da Internet pelos deficientes visuais poucas iniciativas concretas estão sendo realizadas no país. A maior parte dos trabalhos realizados, em relação ao desenvolvimento de pesquisas e elaboração de softwares para ao acesso a Internet, são feitos em outros países, com contextos diferentes dos nossos, principalmente no que se refere ao idioma, perfil do usuário e recursos financeiros necessários para sua implementação. [8, 9, 14]. Estes fatores, na maioria dos casos, tornam inadequado o aproveitamento dos sistemas desenvolvidos no exterior.

Segundo Borges[10], os deficientes visuais no Brasil são em sua maioria pessoas semi-analfabetas ou possuem somente a educação básica, com extrema dificuldade de acesso a educação. Estes indivíduos necessitam de uma educação especial adequada às suas necessidades. Neste contexto, a tecnologia da informática dispões de recursos que possibilitam ao deficiente visual ter melhores condições de acesso à educação e consequentemente, possibilita uma melhoria na qualidade de vida, seja através do crescimento intelectual (acesso a informações e educação), pessoal (possibilidade de se comunicar e formas de entretenimento com outros indivíduos em condições de igualdade) e profissional (ter meios adequados para desenvolver uma atividade profissional possibilitando a conquista da independência financeira).

Em relação ao acesso a Internet, a criação de uma “Internet para necessidades especiais” baseia-se na concepção de equipamentos, softwares e conteúdos com características de acessibilidade [11]. Tal facilidade permitiria que pessoas portadoras de deficiência tivessem acesso a um conjunto imenso de informações, estabelecessem contatos e trocassem informações, e encontrassem formas alternativas de lazer, entre outras atividades que o acesso a Internet pode possibilitar.

Alguns países, como Portugal, Estados Unidos, Canadá e Austrália, para facilitar o acesso a pessoas com necessidades especiais regulamentaram a adoção de regras de acessibilidade na concepção da informação disponibilizada na Internet pela administração pública, [7].(***A referência é única pois a informação acima foi extraída da mesma bibliografia no caso o GUIA***) Medidas como esta visam divulgar a importância de se criar sites acessíveis.

Para auxiliar os desenvolvedores de páginas da Web o W3C, organismo responsável pela elaboração de padrões mundiais para a Web, publicou em 5 de Maio de 1999 o primeiro documento: “Web Content Accessibility Guidelines” . Este documento foi elaborado com o objetivo de propor sugestões de como tornar o conteúdo de documentos web acessível a portadores de deficiência.[4]

Um deficiente visual, ao usar a Internet enfrentará dificuldades para obter as informações apresentadas em formato visual, para interagir com dispositivos diferentes do teclado, para distinguir links e para compreender a estrutura de um documento. A adoção da acessibilidade na confecção das páginas e aplicações para Internet, não se caracteriza como limitação, ao contrário, as regras de acessibilidade tornam os documentos mais flexíveis, rápidos e fáceis de utilizar. O emprego das regras de acessibilidade na confecção de sites permite também a utilização de equipamentos menos convencionais para o acesso a Internet, como por exemplo o telefone. Estas técnicas permitem ainda um aumento na divulgação de páginas e conteúdos em mecanismos de busca como o CADÊ, ALTAVISTA, YAHOO etc.



3. Motivação e Objetivos do Trabalho
Iniciativas de apoio ao deficiente visual no país são escassas. O acesso a Internet se dá de maneira precária, pois além da carência de navegadores apropriados, a forma como as páginas são confeccionadas constitui-se em uma grande barreira, que muitas vezes impossibilita a interação do deficiente visual com as informações e serviços disponíveis na Internet.

Os objetivos deste trabalho foram a realização de estudos sobre a acessibilidade na internet para deficientes visuais e a elaboração de um browser que possibilita a apresentação em áudio do conteúdo de páginas HTML. O Browser serviu como ferramenta de testes. Buscou-se abordar questões relacionadas com a problemática da acessibilidade, apresentando algumas iniciativas nacionais e internacionais que visam lidar com este problema. Foram propostos alguns princípios baseados nestas iniciativas e em pesquisas e testes realizados com usuários da Internet deficientes visuais. Buscou-se apresentar sugestões de como desenvolver páginas acessíveis. Com este objetivo foram levantados e apresentados os principais erros cometidos no desenvolvimento de páginas que tornam seus conteúdo inacessíveis aos deficientes visuais.

Como conseqüência deste estudo, espera-se atingir um objetivo bem mais amplo, que é a divulgação de sugestões e orientações de construção de páginas acessíveis aos deficientes visuais, incentivando que desenvolvedores, instituições e empresas divulguem suas informações em formato que possibilite ao deficiente visual pesquisar, estudar, comunicar-se, divertir-se em condições mais próximas as que estão disponíveis para um indivíduo sem deficiência.
4. Acessibilidade:

Acessibilidade significa facilidade de interação, aproximação. A acessibilidade no âmbito das tecnologias de informação está associada a ações que tem como objetivo tornar os computadores mais acessíveis a todos os usuários.

Segundo Godinho, [7] a Acessibilidade envolve três noções: "Usuários", "Situação" e "Ambiente": O termo "Usuários" significa que nenhum obstáculo deverá ser imposto ao indivíduo face às suas capacidades sensoriais e funcionais. O termo "Situação" significa que o sistema é acessível e utilizável em diversas situações, independentemente do software, comunicações ou equipamentos e o termo "Ambiente" significa que o acesso não é condicionado pelo ambiente físico envolvente, exterior ou interior.

A acessibilidade na Internet caracteriza-se pela flexibilidade da informação e interação. Esta flexibilidade torna possível sua utilização por pessoas com necessidades especiais, bem como a utilização em diferentes ambientes e situações através de vários equipamentos ou navegadores.

Os principais problemas sentidos por usuários deficientes visuais são dificuldades em obter informações apresentadas visualmente; interagir usando um dispositivo diferente do teclado; distinguir rapidamente os links num documento; navegar através de conceitos espaciais; distinguir entre outros sons uma voz produzida por síntese.

A adoção de técnicas de acessibilidade na concepção das páginas e aplicações para a Internet não são limitações, antes pelo contrário, estas tornam-nas mais robustas, flexíveis, rápidas e fáceis de usar para usuários em geral. Permitem também a utilização de equipamentos menos convencionais para o acesso à Internet como a televisão, o telefone e equipamentos eletrôonicos de bolso, bem como a utilização de equipamentos mais antigos.

O tempo necessário para introduzir técnicas de acessibilidade na concepção de uma página atinge aproximadamente 5% do tempo gasto para escolher uma apresentação visual agradável.[13]. As normas de acessibilidade devem ser usadas pelos responsáveis pelo desenvolvimento dos conteúdo, sendo estes responsáveis pela qualidade e quantidade de informações que serão transmitidas aos indivíduos portadores de deficiência.

4.1. Orientações para a Criação de Sites Acessíveis:

O W3C (World Wide Web Consortium) é o órgão que coordena a elaboração e padronização das regras de acessibilidade. Estas regras são adotadas por diversos países e empresas como a IBM e Microsoft.[1,2]. As orientações elaboradas pelo W3C tem como objetivo auxiliar e encorajar o desenvolvimento de páginas acessíveis, indicando não só princípios gerais como as formas ideais de implementação que orientam os autores.

De forma genérica os principais princípios para a criação de páginas sejam descritos a seguir:


  1. Deve-se utilizar regras padronizadas para que qualquer indivíduo de qualquer parte do mundo, tenha possibilidade de criar páginas que são acessíveis universalmente aos diferentes tipos de usuários, independente do tipo de software, hardware e limitação que possua, permitindo a interoperabilidade.

  2. As páginas devem prover sempre mecanismos para gerar um texto alternativo quando um elemento não puder ser exibido e devem assegurar que todos os elementos do site são acessíveis via teclado

  3. Deve-se utilizar navegação consistente e clara ( Evitar o famoso “Clique Aqui!!”), além de colocar informação clara no topo dos cabeçalhos, parágrafos, listas, etc..

  4. Outra facilidade importante são mecanismos para “congelar” as informações que aparecem em movimento. De forma ao sintetizador de voz poderem transformá-las em áudio.

  5. Ao invés de destacar alguma informação importante através de cores ou outra forma de formatação utilizando-se elementos visuais deve-se, indicar através de palavras sua importância no contexto da apresentação. A informação é mais importante do que sua forma de apresentação.

  6. Deve-se criar uma ordem lógica para os links apresentados. Facilitando a navegação. Fornecer links para a página inicial em todas as páginas e garantir que os links textuais são formados por palavras ou sentenças compreensíveis fora do texto.

  7. Sempre que se usar elementos gráficos como botões, utilizar texto com a mesma função para facilitar a interação por dispositivos não gráficos e via teclado.

  8. Deve-se testar a acessibilidade em diversos browsers, incluindo os browsers com capacidade de sintetizar voz e com leitores de tela e validar com ferramentas de validação como as citadas abaixo:

  • BOBBY: http://www.cast.bobby.org

  • W3C HTML Validation Service: http://validator.w3c.org

Seguindo estas recomendações os desenvolvedores de páginas estarão abrindo a possibilidade de acesso à informação para a comunidade de deficientes

4 Síntese de Áudio a partir de HTML.

Tradicionalmente deficientes visuais podem ter acesso a documentos textos utilizando-se sintetizadores de voz. Entretanto, os deficientes enfrentam problemas quando os documentos possuem outros tipos de elementos, como links, tabelas, formulários, e imagens.

Um browser ideal para estes indivíduos deveria possuir as mesmas características que um browser convencional como: permitir a interatividade, navegar entre documentos através de links, retroceder e avançar entre páginas, gravar, imprimir, copiar, destacar títulos, negritos, sublinhados etc.

O trabalho ora apresentado baseou-se no estudo as estruturas básicas da linguagem HTML, que é o principal elemento na construção de uma página WEB, e de formas de como converter os elementos visuais inseridos na página em som, procurando-se minimizar as perdas de informação neste processo. Esta conversão infelizmente nem sempre é possível, pois ainda não se têm meios de traduzir e interpretar o conteúdo de uma imagem e narrá-la. Este fato motivou a divisão do trabalho em duas partes:



  1. Na primeira foram investigadas formas de traduzir comandos do HTML para áudio. Por exemplo, um deficiente visual não tem como saber se determinada palavra simplesmente faz parte do texto ou se é a âncora de um elo. Os sintetizadores de voz simplesmente lêem o texto, sendo necessário haver um tratamento diferenciado para este tipo de objeto.

  2. A outra abordagem leva em consideração situações onde não é possível traduzir um elemento da linguagem HTML para áudio. Neste caso, é necessário incentivar os desenvolvedores a criar representações alternativas para os elementos visuais e de formatação. Como, por exemplo, ao invés de colocar uma imagem descrevê-la de forma textual.

Do exposto fica claro que o simples acoplamento de um sintetizador de áudio a um browser convencional não resolve o problema de acessibilidade. A tradução direta de HTML para áudio na maioria dos documentos não funciona adequadamente. Esta constatação motivou a definição da estratégia adotada no trabalho. Optou-se por desenvolver um browser criado especialmente para usuários portadores de deficiência visual. Este browser faz parte de um ambiente operacional também destinado a estes usuários, que será descrito com maiores detalhes posteriormente.

Como contribuição deste trabalho pretende-se possibilitar que um indivíduo portador de deficiência visual seja capaz de acessar a internet e as informações ali contidas de maneira adequada as suas necessidades.


5. WEBVOX

O WEBVOX é um browser que utiliza os módulos de sintetização de voz criados para o WINVOX []. Como em um browser convencional, o WEBVOX pode tanto carregar uma página da Internet, ou carregar uma página que já esteja disponível localmente, entre outras opções que foram implementadas por outros autores.

Uma vez a página carregada, o módulo WEBTRAD realiza o processamento de seu conteúdo, isto é, a tradução dos comandos HTML para um script de áudio. O script texto gerado é “lido” por um outro aplicativo denominado LEVOX que controla o funcionamento do sintetizador de voz.

.



Figura 1- Resumo do Funcionamento do WEBVOX

Uma das contribuições deste trabalho foi o desenvolvimento e aperfeiçoamento de um dos módulo do Browser Webvox, o WEBTRAD que faz parte do sistema Dosvox desenvolvido na UFRJ [31]. Este módulo é responsável pela captura do conteúdo de uma página Web e sua transformação para um script de áudio, que poderá ser lido através de um sintetizador de voz. Sua importância concentra-se no fato de que um deficiente visual, não pode ter acesso a informações que estão em formato gráfico, pois os sintetizadores de voz são incapazes de processar tais informações. O módulo denominado WEBTRAD processa páginas HTML, “filtra” as informações textuais e transforma alguns comandos de formatação gráfico em texto ou explicação textual. Sua implementação foi baseada em softwares como WAB[8], PwWebspeak [14]].

Infelizmente, o acesso dos deficientes às páginas na Web não depende apenas do bom funcionamento do protótipo, ou seja, das transformações que ele é capaz de realizar. Depende também da forma como as páginas são desenvolvidas. Sendo assim, outra contribuição importante deste trabalho foi o estudo e aplicação das regras de acessibilidade apresentado em seção anterior. Sem as regras de acessibilidade, muitas vezes o browser é incapaz de apresentar as informações das páginas, principalmente nos casos onde que a página é composta por muitos elementos gráficos.

Maiores detalhes sobre o protótipo implementado são apresentados nas seções que seguem.



4.3 O WEBTRAD

As regras tradução implementadas no módulo WEBTRAD são descritas a seguir identificando-se o código HTML e a forma como foi feita a tradução para o script de áudio.

Um resumo dos comando HTML, e como eles são tratados no módulo WEBTARD é apresentado na tabela 5.
Tabela 2 Comandos HTML tratados no WEBTRAD


Comando

Tradução

TITLE

Apresenta-se em áudio o titulo da página, informando ao usuário a página em que está no momento, facilitando assim a navegação

BR

Indica-se de forma sonora a quebra de uma linha

P

Indica-se de forma sonora o início de um parágrafo

IMG

Se a imagem não possui um texto alternativo, indica-se somente que naquela parte do texto existe uma imagem que não pode ser traduzida.

ALT

Atributo da tag IMG. Se a imagem possui um texto alternativo este texto é exibido em seu lugar.

HR

Indica que existe uma linha horizontal separando seções do documento, as linhas, que são imagens, são substituídas por um sinal sonoro.

HREF

Indica-se a presença de um elo através de sinais sonoros delimitando o início e o fim da âncora e separa-se o endereço para posterior navegação

Além desses comandos é indicado também o fim do texto através de uma mensagem sonora. (***Já tínhamos entrado em acordo que não ficava bom dentro da tabela pois isso não é a análise de um comando, é simplesmente a indicação do fim de um arquivo por isso não acho adequado colocar na tabela****)

Os comandos implementados no protótipo garantem a navegação básica dentro de uma página padrão que contém links, imagens e texto, indicando a presença de links e permitindo ao usuário, depois da leitura do texto, ler somente a lista de links. A Figura 2 apresenta um exemplo de código HTML. A apresentação em um browser convencional é mostrado na figura 3. O script de áudio correspondente é mostrado na Figura 4. Estas figuras ilustram o processo de tradução do WEBTRAD. Esta seção prossegue com discussões mais detalhadas sobre como cada um dos comandos HTML é tratado.


Acentuação:

Como o conteúdo da página é lido pelo sintetizador através do módulo LEVOX, os comandos de acentuação do HTML precisam ser traduzidos para o formato de entrada no sintetizador. Por exemplo, o código HTML “avoacute” é traduzido é incluído no script de áudio na forma da palavra “avó”.



Título Principal e Títulos e Subtítulos da Página

O título principal da página é apresentado de forma destacada para facilitar a identificação da página na qual o usuário se encontra. Indica-se em áudio a página que está sendo acessada, através da leitura do título principal da página, a semelhança do que outros browsers convencionais fazem apresentando o título da página em destaque na barra de títulos.



Comandos de Formatação
Os comandos de formatação do HTML são importantes para destacar elementos do texto e estruturar a informação a ser apresentada. Na tradução realizada para áudio estas formatações se perdem. O WEBTRAD traduz os comandos de formatação como as linhas horizontais, que são normalmente utilizadas para separar seções, para o caracter _. que é apresentado por um som característico. O fim de um parágrafo é indicado por toque sonoro. Formatações como negrito itálico, sublinhado entre outros são ignorados e apresentados como texto puro, pois são formatações visuais que o sintetizador não é capaz de reproduziz.
Imagens

Quando é encontrada uma Tag indicando a presença de uma figura na página, o tradutor procede da seguinte forma: se a figura não possuir um texto explicativo, o browser simplesmente indica a presença de figura emitindo um sinal sonoro. Quando a figura possuie um texto explicativo este é exibido em seu lugar.

Note que se a imagem não possui um texto alternativo, indica-se para o usuário que naquela parte do texto existe uma imagem que não pode ser traduzida. Mesmo ocorrendo uma quebra na transmissão das informações, o usuário ao menos é informado da existência da figura. Adicionalmente é gerada uma mensagem ao desenvolvedor, caso exista e-mail definido na página, indicando o problema de acessibilidade.
Links

Como pode ser observado na figura 3; em um browser convencional os links são destacados por uma linha colorida sublinhando as palavras. Para um deficiente visual esta representação é inacessível. No WEBVOX o módulo de tradução processa o código HTLM e indica a presença de links por um sinal sonoro. O link também recebe um número e, ao final do texto é apresentada uma lista numerada com todos os links da página analisada.

Na versão atual do protótipo implementado a navegação é limitada. No protótipo os elos são listados ao final do script de áudio com seu número, que corresponde e sua respectiva URL. Se o usuário desejar navegar através de um elo ele precisa memorizar e digitar a URL da página para acessá-la.

Fica claro a necessidade de modificações no sentido de melhorar a interatividade durante a navegação. Algumas melhorias que identificamos como fundamentais são: permitir a interrupção da leitura da página para a navegação ao longo da leitura do link e a navegação através da seleção do número do link.

A figura 2 apresentada um trecho de código HTML com elementos comuns como títulos, links e figuras. A figura 3 apresenta a representação em um browser convencional e a figura 4 no WEBVOX

Acessibilidade na publicação na web$MVD$:app("MicroVision WebExpress","769") -->



Figura 2. Trecho de código HTML correspondente as figuras 3 e 4.




Figura 3: Tela de browser convencional

Figura 4: Tela do WEBVOX


Conclusões e Perspectivas Futuras

O foco inicial deste trabalho foi construir uma ferramenta que possibilitasse o acesso a Internet para os deficientes visuais através de síntese de áudio a partir de páginas HTML. Nos testes realizados notou-se que a ferramenta por si só não era suficiente. Percebeu-se que era necessário que os desenvolvedores fossem estimulados a utilizar recursos que possibilitassem que um deficiente visual pudesse ter acesso as informações disponibilizadas para usuários normais. Isso motivou uma segunda fase do trabalho onde foi realizada uma pesquisa sobre regras de acessibilidade. Tais regras facilitam o acesso do deficiente visual as páginas Web. Em alguns países, a aplicação destas regras é obrigatória no desenvolvimento de páginas de órgãos do governo. Este tipo de obrigatoriedade visa proporcionar aos deficientes de modo geral o acesso a Internet. Uma das contribuições deste trabalho é buscar sensibilizar os desenvolvedores no Brasil a criarem páginas acessíveis

Em relação ao protótipo implementado, diversas melhorias devem ser realizadas com o objetivo de possibilitar uma melhor interatividade e, principalmente, o acesso a um número maior de importantes recursos, como frames, formulários entre outros.

Uma das melhorias mais importantes é o aumento da interatividade na navegação. Ë fundamental permitir que enquanto o texto da âncora seja lido, o usuário ao identificar um link possa acessá-lo diretamente sem a necessidade de ter que solicitar através de um outro programa que a página seja carregada. Na versão atual do browser isto ainda não é possível, prejudicando muito a interatividade. Outra modificação necessária é diferenciar os links já visitados dos ainda não acessados. Por exemplo, através de vozes diferentes, uma feminina e outra masculina.

Juntamente com as melhorias, é importante ressaltar a importância do uso de recursos de acessibilidade, na confecção das páginas. Pois, sem eles, por mais recursos que o browser possua, alguns elementos continuarão inacessíveis.

Muitas dos itens apresentados, e das melhorias propostas, foram frutos de estudos e análises realizadas com um grupo de deficientes visuais. Este grupo participou de um curso proposto com o intuito de observar e analisar o comportamento de deficientes visuais perante o computador e em relação ao uso da Internet. O curso foi ministrado graças ao apoio do CTI para os alunos e professores de IERC-RN.



O protótipo implementado está sendo utilizado e aperfeiçoado por outros grupos do projeto Dosvox. O Webvox é o primeiro browser em língua portuguesa e faz parte de um projeto muito mais amplo que visa o desenvolvimento de ferramentas para a melhoria das condições de acessibilidade do deficiente visual em relação ao uso do microcomputador. Atualmente existem cerca de 3000 usuários em todo o país que utilizam o sistema Dosvox [10 ], e estão se beneficiando do browser implementado.

6. Bibliografia

  1. IBM Web Accessibility for Special Needs http://www.austin.ibm.com/sns/accessweb.html

  2. Microsoft Accessibility Guidelines for WWW http://microsoft.com/enable/dev/web/guidelines.htm

  3. BOBBY http://www.cast.org/bobby

  4. Web Content Acessibility Guidelines 1.0 http://www.w3c.org/TR/WAI-WEBCONTENT

  5. Educação Profissional de Pessoas Portadoras de Deficiência,Relatos, Críticas e Reflexões

Adonai Rocha

  1. Mídia e deficiência: Manual de Estilo. Ministério da Justiça. Secretaria dos Direitos da Cidadania. Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência – CORDE. Brasília, 1996.

  2. Guia de Acessibilidade. Grupo Português pelas iniciativas em acssibilidade. Internet: http://www.acessibilidade.net

  3. WAB: World Wide Web Access for Blind and Visually Impaired Computer Users. http://www.inf.ethz.ch. ETH, Eidgenossische Technische Hochschule Zurich.***

  4. HENDRIX, Paul e BIRKMIRE, Michael. Adapting Web Browsers for Accessibility. Center for Accessible Technology. http://www.jsrd.or.jp

  5. Projeto DosVox http://www.nce.ufrj.br/aau/dosvox

  6. Livro acessibilidade na Internet. http://www.acessibility.net

  7. ALMEIDA, Ana Sofia Barros. Educação Especial http://lms.dei.uc.prática/Aulas/SF/9899/Aalmeida/interfaces.html

  8. JAMES, Frankie. Lessons from Developing Audio HTML Interfaces. Stanford University.(fjames@cs.stanford.edu)

  9. PwWebSpeak for Windows 95,98 and NT. http://www.produworks.com.pww32.htm








©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal