Actividade: Interagir no discurso oral



Baixar 20.57 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho20.57 Kb.

Língua Portuguesa – 8.º ano

Actividade: Interagir no discurso oral

Nesta actividade vais realizar seis exercícios. Em cinco deles reproduzem-se conversas entre colegas de escola. Tu podias ser um(a) do(a) s intervenientes nessas conversas.


Presta atenção: os contextos em que as conversas se passam são diferentes, mas em todas elas se espera que os intervenientes respeitem determinadas regras que se aplicam àquilo que dizem e à forma como o dizem.
Exercícios
1 - Considera o seguinte contexto:

O João, depois de ter encontrado a Maria no bar da escola, vai passar o resto do intervalo no pátio. Aí, encontra o Rui, que lhe pergunta:



- João, já viste a Maria hoje?
Observa as respostas possíveis que o João poderia dar:

a) - Não, ainda não a vi.

b) - Esqueci-me de fazer os trabalhos de casa de inglês!

c) - Sim, vi-a no bar.

d) - Bem, quando saí de casa vi a Joana e viemos juntos para a escola. Pelo caminho encontrámos o Mário e ele veio connosco. Depois de chegarmos à escola, ficámos a conversar com a Ana e com a Cátia. A seguir fomos para a aula de Português e, no intervalo, fui ao bar. Então, encontrei lá a Maria.
1.1 - Refere qual destas respostas te parece mais adequada à pergunta e ao contexto de que decorre.

1.2 - Refere exactamente que elementos tornam as restantes respostas inadequadas.
2 – Observa o contexto e as respostas que se seguem, realizando as mesmas tarefas do exercício 1.

O Nuno e o Gonçalo estavam a falar da matéria que tinham dado na aula de História, sobre o regicídio e a implantação da República em Portugal. O Gonçalo, que não tinha estado muito atento, perguntou ao Nuno, que dominava muito bem a matéria, o seguinte:

- Quem era D. Carlos?

Respostas possíveis que o Nuno poderia dar:

a) - Era uma pessoa.

b) - Era um homem muito divertido e inteligente.

c) - Era o 33º soberano da insigne monarquia lusa, tendo sido alvo de um abjecto atentado contra a sua existência, em 1908, o qual foi logrado, circunstância que contribui de forma crucial para a posterior implantação de um sistema político diverso, a república.

d) - Era o rei que foi assassinado no regicídio em 1908.


3 - Atribui cada uma das classificações que se seguem às respostas inadequadas dos exercícios 1 e 2.

Afirmação falsa ou incerta

Afirmação com falta de informação ou com excesso de informação

Afirmação sem relação com o que se pretende

Afirmação desordenada ou confusa
4 - A partir dos exemplos fornecidos em 1 e 2 e das classificações atribuídas em 3, explica, por palavras tuas, quais os atributos que deve ter a troca de informações numa conversa.
5 – Considera agora a seguinte situação:

A Ana tem uma grande antipatia pela Tânia. Um dia, a Vanessa fez-lhe esta pergunta:

- Ana, o que pensas da Tânia?
Respostas possíveis que a Ana poderia dar:

a) Bom, como toda a gente sabe, adoro-a!

b) Vou andando para a aula.

c) Ela é uma cobra.

d) Penso muita coisa acerca da Tânia.
5.1 - Nenhuma destas frases obedece por completo aos princípios (atributos) enunciados no exercício 4. Indica que violações existem em cada uma delas.

5.2 - Parece-te que estas violações perturbam a troca de informações da mesma forma que as violações das frases dos exercícios 1 e 2? Tenta justificar, em cada uma das frases, o efeito causado por cada uma das infracções.

5.3 – A que conclusão podemos chegar?

6 - Observa os seguintes pares pergunta / resposta:

a) - Queres sair connosco logo à noite?



- Discuti com o João.
b) - Como foram as tuas férias?

- Ora, foram férias.
c) - Ontem compraste o casaco comprido de que precisavas?

- Comprei duas camisolas, uma camisa, um par de calças, um par de luvas, um casaco de malha, um par de botas e o tal casaco comprido.
Cria um contexto para cada um dos pares, de forma a que a troca de informações seja bem sucedida.

Respostas


    1. – Só a resposta c) é adequada.

    2. - A resposta a) não é adequada porque é falsa; a b) refere algo que nada tem nada a ver com a pergunta; a d) tem uma quantidade excessiva de informação.

2 – Só a d) é adequada. A resposta a) diz algo óbvio, é vazia de informação; a b) tem informações que o sujeito da frase não sabe se são verdadeiras; a c) tem uma linguagem demasiado complicada para que o ouvinte compreenda as informações.


3 - Afirmação falsa ou incerta – 1 a) e 2 b)

Afirmação com falta de informação ou com excesso de informação – 1 d) e 2 a)

Afirmação sem relação com o que se pretende – 1 b)

Afirmação desordenada ou confusa – 2 c)


4 – Para que uma conversa entre duas ou mais pessoas seja eficaz, é necessário (1)que as informações trocadas sejam verdadeiras, (2) que não sejam nem em maior nem em menor quantidade do que o necessário, (3) que estejam directamente relacionadas com o assunto em discussão e (4) que sejam ditas de forma simples e clara, para que todos as percebam.
5.1 - a) é uma afirmação falsa; o que é dito em b) não tem relação com a pergunta feita; c) é também uma afirmação obviamente falsa; d) não é uma resposta informativa.

5.2 – Todas estas respostas podem ser adequadas ao contexto, já que acabam por esclarecer a pergunta. A informação falsa em a) é claramente irónica; a b) evidencia a antipatia de quem responde, na medida em que nem sequer deseja abordar o assunto; em c) temos uma afirmação de natureza metafórica; em d), a expressão “muita coisa” possui uma carga negativa em relação à pessoa de quem se fala.

5.3 – Podemos concluir que algumas características da troca de informações, como a veracidade, a quantidade, a relação ou o modo, podem ser violadas sem que isso prejudique a conversa. Isto dependerá do contexto e dos interlocutores, pois em muitos outros casos, o desrespeito por esses princípios leva ao fracasso do processo da comunicação.
6 - Em a) a resposta está adequada se constituir uma recusa ao convite, visto que o João faz parte do grupo que vai sair à noite e quem responde não pretende conviver com ele. Apresentando apenas o motivo da recusa, subentende-se a resposta directa à pergunta.

Em b) o vazio de informação será adequado se quem responde pretende dizer que foram férias normais, sem nenhum acontecimento especial que valha a pena mencionar.

O excesso de informação em c) será adequado se a conversa for entre duas amigas que gostam de falar sobre compras e roupa.


Professora: Sofia Vasconcelos






Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal