Adail ubirajara sobral



Baixar 1.8 Mb.
Página1/59
Encontro21.07.2016
Tamanho1.8 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   59
Duane P. Schultz

Sydney Elien Schultz

História da Psicologia Moderna

Tradução


ADAIL UBIRAJARA SOBRAL

MARTA STELA GONÇALVES

Revisão Técnica

MARIA SÍLVIA MOURÃO rro

III

p4123499


EDITORA CULTRIX

SÃO PAULO

r Título do original:

- . A Hisfory of Modem Psychology

5’ edição, revista e ampliada.

Copyright © 1992, 1987, 1981, 1975 e 1969 by Harcourt

Brace Jovanovich, Inc.

1’ edição brasileira, Editora Cultnx, 1981.

Créditos de Foto, e Ilustrações

Capa: The Image Bank WestjChris Alan Wilton, © 1991; Figura 2-1, p. 37, The National Museum of Americ Histozy, Smithsonian Jnstitution; p. 53, National Portrait Galleiy, Londres; p. 89, The Bettmann Archive; p. 1( Departamento de Manuscritos, Arquivos da Universidade, Biblioteca Olin, Universidade Comeil; p. 127, The Bs mann Archive/Hulton, p. 145, The Bettmann Archive; p. 181, Ferdinand Hamburger, Jr. Archives, Universidade Jol Hopkins; p. 185, Frontispício, Poffenberger, A. T. (org.), 1947, Jame McKeen Catteli, Man of Science, VoE Psychological Res.earch, Lancaster, Pensilvânia, The Science Press; p. 196, Culver Pictures; p. 207, cortesia Westem Electric; p. 214, Manuscritos e Arquivos, Yale University Library; p. 219, Gabinete de Informações Públic Universidade Colúmbia; Figura 9-1, p. 221, Segundo Thomdike, 1898, tal como reproduzida em J. C. Bumham, 19’ “Thorndike’s puzzle boxes”, Joumal ofthe Histosy ofthe Behavioral Sciences, Brandon, Vermont, Clinical Psycl logy Publishing Co.; Figura 9-2, p. 228, Yerkes, R. M. e Margulis, S., 1909, “The method of Pavlov te anus psychology”, Psychological Bufletin, n 6, pp. 257-73; p. 250 Ferdinand Hamburger, Jr. Archives, Universidade Jol’ Hopkins; p. 253, Reproduzida com permissão, Arquivista da Universidade, Biblioteca Bancroft, Universidade Califórnia; p. 278 Nina Leso/Revista Life © Time Warner Inc.; p. 300, The Bettmann Archive; p. 304, Coléi Swarthmore; p. 313, cortesia Yerkes Photo Lab, Universidade Emory; p. 341, © Maiy Evans/Sigmund Fre Copyrights; p. 383 AP/Wide World; p. 393 Colégio Municipal de Nova York/CUNY; p. 396 © Ted Polumbauin, 399, cortesia do Centro de Estudos da Pessoa, La Joila; p. 403 The Bettmann Archive; p. 406, © Gabinete Comunicações, Universidade Princeton, p. 408 foto de Biily Howard © Universidade Emory. As fotos das página seguir são uma cortesia dos Arquivos de História da Psicologia Americana, Universidade de Akron: pp. 62, 96, 149, 159, 162, 170, 216, 234, 258, 265, 270, 272, 302, 318, 339, 358, 368, 378 e 391.

Fotos que são cortesia da Biblioteca Nacional de Medicina: pp. 39,45,51,65,68,77,94, 132, 178,224,327,332,300 e 3’

Edição O pniueiro níunrro esquerda indica a edição, ou reedição, de,ia obra. A pniueira Ano

— ——— — - — dezena à direiC indica o in elo que e edição, ou reedição, for publicada. -—

15-16-17-18-19 20-21-22 02-03-04-05-1)6-07 08-09

Direitos de tradução para a língua portuguesa

adquiridos com exclusividade pela

EDITORA PENSAMENTO-CULTRIX LTDA.

Rua Dr. Mário Vicente, 38 — 04270-000 — São Paulo, SP

Fone: 272-1399 — Fax: 272-4770

E-mail: pensamento@cultrix.com.br http://www.pensamento-cu

que se reserva a propriedade literária desta tradução.

Impresso em nossos oficinas gráficas.

Prefácio

O tema deste livro é a história da psicologia moderna, aquele período que se inicia no fmal do século XIX, no qual a psicologia se tomou uma disciplina distinta e basicamente

experimental. Embora não ignoremos o pensamento filosófico anterior, concentramo-nos nos

05, fatores que têm relação direta com o estabelecimento da psicologia como campo de estudo novo e independente. Apresentamos uma história da psicologia moderna, não da psicologia e

de toda a obra filosófica que a precedeu.

da Preferimos narrar a história da psicologia em termos de suas grandes idéias ou escolas de pensamento. Desde o começo formal do campo, em 1879, a psicologia tem sido definida

de várias maneiras, à medida que novas idéias conseguem o apoio de grande número de

na! seguidores e passam, por algum tempo, a dominar a área. Portanto, o nosso interesse está na seqüência progressiva das idéias formuladas para definir o objeto, os métodos e os objetivos

da psicologia.

ud Cada uma das escolas de pensamento psicológico é discutida como um movimento que tem origem em seu contexto histórico, e não como uma entidade independente ou isolada. As

a forças contextuais, consideradas pelos historiadores contemporâneos a “nova” história, in cluem não apenas o espírito intelectual da época (o Zeitgeist) como também fatores econômi cos, políticos e sociais.

Embora o livro esteja organizado em termos das escolas de pensamento — as diferentes definições que marcam a evolução da psicologia —, reconhecemos que essas idéias e aborda gens são obra de estudiosos, pesquisadores e sistematizadores. Afinal, são seres humanos, e não forças abstratas, que escrevem os artigos, fazem as pesquisas, apresentam comunicações de pesquisa e ensinam a próxima geração de psicólogos. Fazendo isso, esses homens e mulheres desenvolveram e promoveram as escolas de pensamento da psicologia. Desse modo, discutimos a vida das eminentes personalidades que moldaram o campo, chamando a atenção para o fato de o seu trabalho ter sido influenciado não só pela época em que floresceu como também pelo contexto de suas próprias experiências pessoais.

Por fim, discutimos cada escola de pensamento em termos dos seus vínculos com as grandes idéias e teorias que a precederam e seguiram. Descrevemos a maneira pela qual cada escola veio a existir a partir da ordem existente, ou numa revolta contra ela, e como cada uma delas inspirou, por sua vez, pontos de vista que a desafiaram, se opuseram a ela e, eventual mente, a substitufram. Assim sendo, a perspectiva histórica nos permite acompanhar um padrão e perceber uma continuidade de desenvolvimento no campo da psicologia.

5

O preparo da quinta edição deste manual, quase um quarto de século depois da red da primeira, e a percepção de quantas coisas devem ser incluídas, retiradas, revistas e reel radas, são um vivido testemunho da natureza dinâniica da história da psicologia. Essa hisi não é fixa nem está acabada, encontrando-se, em vez disso, num estado de mudan4 desenvolvimento. Há uma imensa quantidade de trabalhos acadêmicos em fase de produ de tradução e de publicação, a respeito de pessoas, tópicos, métodos e teorias da históri psicologia. Por essa razão, acrescentamos mais de 200 novas referências ao trabalho ante:



Uma importante inclusão acolhida nesta quinta edição é o reconhecimento explícit nova história, ou seja, da influência de forças contextuais de natureza social, econômi política sobre a psicologia. Há uma discussão desses fatores no Capítulo 1, ao lado de o exemplos em vários pontos do livro. Além disso, fornecemos, em praticamente todo capítulos, exemplos de dados históricos novos, aperfeiçoados ou revistos, que continua influir na compreensão deste campo.

Outra modificação é uma êiifse maior no papel e na importância da psicologia apli no âmbito da história da psicologia nos Estados Unidos. A partir da reação entusiasmada o material sobre psicologia aplicada incluido na edição anterior causou, e refletindo a resr do impacto das forças contextuais do ‘inal do século XIX e início do século XX, amplia os dados relativos a esse tópico e procuramos situá-lo no contexto em que o movimento’ início: como um legado da escola funcionalista. Além das contribuições de Hall e Cattell a psicologia aplicada, adicionamos o trabalho de Witmer, Scott e Münsterberg.

Os fatores contextuais do preconceito e da discriminação nos círculos acadêmicc

profissionais vêm recebendo uma atenção cada vez maior pois interferem nas oportunid

das mulheres e dos afro-americanos dentro da psicologia.

Entre as outras alterações desta edição, há um novo material acerca da vida de psicólc destacados que procuram demonstrar até que ponto experiências pessoais podem ter infh ciado sua obra; a reinclusão de John Stuart Miii, ao lado de sua noção de química mental sua conclamação para o estabelecimento de uma ciência psicológica; o papel do inconsci no estruturalismo, no funcionalismo e no comportamentalismo; o desafio cognitivo no c portamentalismo e nas idéias de Bandura e Rotter. Também foram incluidos a supre freudiana da teoria da sedução, os testes experimentais de conceitos freudianos, a psicol do ego, a teoria das relações objetais e a obra de Anna Freud; uma reavaliação da influê da psicologia humanista; e o trabalho de Miller e Neisser e o desenvolvimento do movim da psicologia cognitiva.

Ampliamos a introdução às cinco reproduções de textos originais explicando o propósito de pôr os estudantes em contato com essas fontes e assinalando os principais tóp tratados pelos teóricos citados. Os artigos transcritos descrevem, nas palavras dos próp teóricos, sua abordagem particular da psicologia, e mostram aos leitores de hoje o tipc material estudado por gerações anteriores de universitários.

Tabelas, figuras e fotos ilustrativas são apresentadas ao longo do livro todo, assim c os esboços dos capítulos e relações de leituras comentadas. Os termos importantes são de cados no local em que são definidos, e, no final do livro, consta uma relação de referên bibliográficas. Os professores podem solicitar a bateria de testes à sua disposição.

Somos gratos aos muitos professores e estudantes que entraram em contato conoscc longo dos anos, dando-nos suas valiosas sugestões. O livro foi beneficiado, desde o com de sua história, pelas rigorosas e perspicazes observações de Ludy T. Benjamin Jr., Universidade A & M do Texas. Também queremos agradecer a outras pessoas que fizera revisão do livro e contribuíram com preciosos e oportunos comentários: Douglas P. B Faculdade Concordia, Alberta, Canadá; Gerald S. Clack, Universidade Loyola, Nova Orle

6

D. Brett King, Universidade Estadual do Cobrado; e Michael Scavio, Universidade Estadual da Califórnia, Fulierton. Na Harcourt Brace Jovanovich, Niamh Foley-Homan provou ser uma fonte de estímulo, de entusiasmo e de estabilidade durante um difícil período de transição. Agradecemos a sua atenção para com todas as facetas deste projeto.



D.P.S.

S. E. S.


7

Sumário


Prefácio 5

CAPITULO 1

O Estudo da História da Psicologia 17

O Desenvolvimento da Psicologia Moderna 17

A Relevância do Passado para o Presente 19

Os Dados da História 21

Forças Contextuais na Psicologia 25

Concepções da História Científica: Personalista e Naturalista 27

As Escolas de Pensamento: Marcos do Desenvolvimento da Psicologia Moderna 29

Sugestões de Leitura 32

CAPÍTULO 2

Influências Filosóficas sobre a Psicologia 33

O Espírito do Mecanismo 33

O Universo Mecânico 34

Os Primórdios da Ciência Moderna 38

René Descartes (1596-1650) 38

O Mecanismo e o Problema Mente-Corpo 40

Empiristas e Associacionistas Britânicos: Como Adquirir Conhecimento por Intermédio da

Experiência 43

9

John Locke (1632-1704) 44



George Berkeley (1685-1753) 47

David Hume (1711-1776) 49

David Hartley (1705-1757) 50

James Miii (1773-1836) 51

John Stuart Miii (1806-1873) 52

Contribuições do Empirismo à Psicologia 54

Sugestões de Leitura 55

CAPITULO 3

Influências Fisiológicas sobre a Psicologia 56

O Papel do Observador Humano 56

Primeiros Avanços da Fisiologia 57

Os Primórdios da Psicologia Experimental 59

Por que a Alemanha? 59

Hermann von Helmholtz (1821-1894) 61

A Vida de Helmhoitz 61

Problemas da Psicologia Sensorial 63

Ernst Weber (1795-1878) 64

O Limiar de Dois Pontos 64

A Diferença Apenas Perceptível 66

Gustav Theodor Fechner (1801-1887) 66

A Vida de Feclmer 67

O Relacionamento Quantitativo Entre Mente e Corpo 69

Os Métodos da Psicofísica 70

A Fundação Formal da Nova Ciência da Psicologia 72

Sugestões de Leitura 73

CAPITULO 4

A Nova Psicologia 75

Um Caso de Dados Distorcidos 75

Wilhelm Wundt (1832-1920) 76

A Vida de Wundt 76

O Sistema de Psicologia de Wundt 81

A Natureza da Experiência Consciente 81

O Método de Estudo: Introspecção 82

Os Elementos da Experiência Consciente 83

Apercepção: A Organização dos Elementos da Experiência Consciente 84

Os Tópicos de Pesquisa do Laboratório de Leipzig 84

Comentário 86

Outros Pioneiros Europeus da Psicologia 88

Hermann Ebbinghaus (1850-1909) 88

Georg Elias Müiler (1850-1934) 92

10

Franz Brentano (1838-1917) 93



CarI Stumpf (1848-1936) 95

Oswald Külpe (1862-1915) e a Escola de Würzburg 96

Comentário 100

Sugestões de Leitura 100

CAPITULO 5

O Estruturalismo 103

Introdução 103

Edward Bradford Titchener (1867-1927)104

A Vida de Titchener 104

O Sistema de Psicologia de Titchener 107

O Método de Estudo: Introspecção 108

Os Elementos da Consciência 110

Reprodução de Texto Original sobre o Estruturalismo: Trecho de A Text-Book ofPsychology, de E. B. Titchener 112

O Destino do Estruturalismo 119

Críticas ao Estruturalismo 119

Contribuições do Estruturalismo 121

Sugestões de Leitura 122

CAPÍTULO 6

O Funcionalismo: Influências Anteriores 123

o Protesto Funcionalista 123

Panorama do Funcionalismo 124

A Revolução da Evolução: Charles Darwin (1809-1882)125

A Vicia de Darwin 126

As Obras de Darwin 128

A Influência de Darwin sobre a Psicologia 130

As Diferenças Individuais: Francis Galton (1822-1911) 131

A Vida de Galton 131

A Herança Mental 133

Os Métodos Estatísticos 134

Os Testes Mentais 135

A Associação 136

As Imagens Mentais 137

Outros Estudos 137

Comentário 138

A Influência da Psicologia Animal sobre o Funcionalismo 138

Sugestões de Leitura 141

CAPÍTULO 7

O Funcionalismo: Desenvolvimento e Fundação 143

Somente na América 143

11

Herbert Spencer (1820-1903) e a Filosofia Sintética 144



William Jaines (1842-1910): Precursor da Psicologia Funcional 147

A Vida de James 148

Os Princípios de Psicologia 152

O Objeto de Estudo da Psicologia: Uma Nova Concepção da Consci 1

Os Métodos da Psicologia 154

A Teoria das Emoções 155

O Hábito 155

Comentário 156

A Fundação do Funcionalismo 156

A Escola de Chicago 157

John Dewey (1859-1952) 157

James Rowland Angeli (1869-1949) 158

Harvey A. Carr (1873-1954) 161

Reprodução de Texto Original sobre o Funcionalismo: Trecho de Psychology, de Harvey A. Car

O Funcionalismo na Universidade Colúmbia 168

Robert Sessions Woodworth (1869-1962) 168

Criticas ao Funcionalismo 171

Contribuições do Funcionalismo 172

Sugestões de Leitura 172

CAPÍTULO 8

O Legado do Funcionalismo: A Psicologia Aplicada 174

O Desenvolvimento da Psicologia nos Estados Unidos 174

Influências Contextuais sobre a Psicologia Aplicada 176

Granville Stanley Hall (1844-1924) 177

A Vida de Hall 179

A Evolução como Estrutura para o Desenvolvimento Humano 182

James McKeen Catteil (1860-1944) 184

A Vida de Cattell 184

Os Testes Mentais 188

Lightner Witrrier (1867-1956) 189

A Vida de Witmer 190

A Clínica Psicológica 191

Walter Dill Scott (1869-1955) 192

A Vida de Scott 192

Publicidade e Seleção de Pessoal 194

Hugo Münsterberg (1863-1916) 195

A Vida de Münsterberg 195

A Psicologia Forense e Outras Aplicações 198

Especialidades na Psicologia Aplicada 201

O Movimento dos Testes Psicológicos 202

A Psicologia Industrial/Organizacional 205

A Psicologia Clínica 207

Comentário 208

Sugestões de Leitura 209

12

CAPITULO 9



O Comportamentalismo: Influências Anteriores 210

Uma Ciência do Comportamento 210

A Influência da Psicologia Animal sobre o Comportamentalismo 212

Hans, o Cavalo Inteligente 215

Edward Lee Thomdike (1874-1949) 218

A Vida de Thorndike 218

O Conexionismo 220

Comentário 222

Ivan Petrovitch Pavlov (1849-1936) 222

A Vida de Pavlov 222

Os Reflexos Condicionados 226

Uma Nota sobre Twitmyer 228

Comentário 229

Viadimir M. Bekhterev (1857-1927) 229

Comentário 230

A Influência do Funcionalismo sobre o Comportamentalismo 230

Sugestões de Leitura 231

CAPITULO 10

O Comportamentalismo: Primórdios 233

John B. Watson (1878-1958) 233

A Vida de Watson 233

Reprodução de Texto Original sobre o Comportainentalismo: Trecho de Psychology as the

Behaviorist Views It de John B. Watson 240

A Reação ao Programa de Watson 246

Os Métodos do Comportamentalismo 246

O Objeto de Estudo do Comportamentalismo 248

O Instinto 249

A Aprendizagem 250

A Emoção 251

O Pensamento 252

O Atrativo Popular do Comportamentalismo 254

O Surto de Popularização da Psicologia 255

Outros Comportamentalistas Pioneiros: Holt, Weiss e Lashley 256

Criticas ao Comportamentalismo de Watson 257

Contribuições do Comportamentalismo de Watson 260

Sugestões de Leitura 261

CAPITULO 11

O Comportamentalismo: Depois da Fundação 262

O Neocomportamentalismo 262

13

A Influência do Operacionismo 263



Edward Chace Tolman (1886-1959) 264

O Comportamentalismo Intencional 265

Variáveis Intervenientes 266

A Teoria da Aprendizagem 267

Edwin Ray Guthrie (1886-1959) 269

A Aprendizagem por uma Tentativa 269

Clark Leonard Huil (1884-1952) 271

A Vida de Huli 271

O Referencial 273

A Metodologia Objetiva e a Quantificação 274

Os Impulsos 275

A Aprendizagem 275

Burrhus Frederick Skinner (1904-1990) 277

A Vida de Skinner 277

O Comportamentalismo de Skinner 280

O Condicionamento Operante 281

Programas de Reforço 282

O Comportamento Verbal 284

As Máquinas Comportamentalistas de Skinner 284

Walden Two — Uma Sociedade Comportamentalista 285

A Modificação do Comportamento 286

Teorias da Aprendizagem Social: O Desafio Cognitivo no Âmbito do Comportamentalísmo

Albert Bandura (1925- ) 288

A Teoria Cognitiva Social 288

A Auto-Eficácia 289

A Modificação do Comportamento 290

Julian Rotter (1916- ) 291

Os Processos Cognitivos e o Centro de Controle 291

Comentário 292

Sugestões de Leitura 292

CAPITULO 12

A Psicologia da Gestalt 294

Introdução 294

Influências Antecedentes sobre a Psicologia da Gestalt 296

A Fundação da Psicologia da Gestalt 298

Max Wertheimer (1880-1943) 299

Kurt Koffka (1886-1941) 301

Wolfgang K (1887-1967) 301

A Natureza da Revolta da Gestalt 303

Reprodução de Texto Original sobre a Psicologia da Gestalt: Trecho de Gestalt Theory

Max Wertheimer 305

Os Princípios Gestaltistas da Organização da Percepção 310

Os Princípios Gestaltistas da Aprendizagem 311

14

A Mentalidade dos Macacos 312



O Pensamento Produtivo em Seres Humanos 314

O Princípio do Isomorfismo 314

A Expansão da Psicologia da Gestalt 315

A Teoria de Campo: Kurt Lewin (1890-1947) 317

Críticas à Psicologia da Gestalt 320

Contribuições da Psicologia da Gestalt 321

Sugestões de Leitura 322

CAPITULO 13

A Psicanálise: Primórdios 323

Introdução 323

Influencias Antecedentes sobre a Psicanálise 325

Teorias do Inconsciente 325

A Psicopatologia 326

A Influência de Darwin 329

Outras Fontes de Influência 330

Sigmund Freud (1856-1939) e o Desenvolvimento da Psicanálise 331

A. Psicanálise como Método de Tratamento 340

O Método de Pesquisa de Freud 342

A Psicanálise como Sistema da Personalidade 343

Os Instintos 343

Os Aspectos Conscientes e Inconscientes da Personalidade 344

A Ansiedade 345

Os Estágios Psicossexuais do Desenvolvimento da Personalidade 346

Reprodução de Texto Original sobre a Psicanálise: Trecho de An Outline of Psychoanalysis, de Sigmund Freud 347

O Mecanismo e o Determinismo no Sistema de Freud 350

As Relações entre a Psicanálise e a Psicologia 350

Críticas à Psicanálise 351

A Validação Científica de Conceitos Psicanalíticos 353

Contribuições da Psicanálise 354

Sugestões de Leitura 355

CAPÍTULO 14

A Psicanálise: Dissidentes e Descendentes 356

Depois da Fundação 356

Os Neofreudianos e a Psicologia do Ego 357

Anna Freud (1895-1982) 357

Carl Jung (1875-1961) 359

A Vida de Jung 359

A Psicologia Analítica 362

Comentário 365

15

Teorias Sociopsicológicas na Psicanálise: O Zeitgeist Ataca Outra Vez 366



Alfred Adier (1870-1937) 367

A Vida de Adier 367

A Psicologia Individual 369

Comentário 371

Karen Horney (1885-1952) 372

A Vida de Horney 372

O Desenvolvimento da Personalidade 372

Comentário 375

Os Descendentes 376

Gordon Allport (1897-1967) 376

Henry Murray (1893-1988) 379

Erik Erikson (1902- ) 381

Comentário 384

Sugestões de Leitura 384

CAPÍTULO 15

Além das Escolas de Pensamento: Desenvolvimentos mais recentes 386

As Escolas de Pensamento em Perspectiva 386

As Mulheres na História da Psicologia 388

Leta Stetter Hollingworth (1886-1939) e a Psicologia das Mulheres 390

Os Afro-Americanos na História da Psicologia 390

A Psicologia Humanista: A Terceira Força 392

Abraham Maslow (1908-1970) 395

Cari Rogers (1902-1987) 397

A Influência da Psicologia Humanista 399

O Movimento Cognitivo na Psicologia 400

Influências Antecedentes sobre a Psicologia Cognitiva 401

A Fundação da Psicologia Cognitiva 404

George MilIer (1920- ) 404

Ulric Neisser (1928- ) 407

O Papel do Computador na Psicologia Cognitiva 409

A Natureza da Psicologia Cognitiva 410

Comentário 411

Uma Observação Final 412

Sugestões de Leitura 413

Referências Bibliográficas 415

Índice Remissivo 429

16

1

O Estudo da História da Psicologia



O Desenvolvimento da Psicologia Moderna Forças Contextuais na Psicologia

A Relevância do Passado para o Presente Concepções da História Cientffica: Persorialista e

Naturalista

Os Dados da História

As Escolas de Pensamento: Marcos do Desenvol

vimento da Psicologia Moderna

Do mais antigo objeto produziremos a mais nova ciência.

Hermann Ebbinghaus

On Memory

O Desenvolvimento da Psicologia Moderna

Começamos com um paradoxo, uma aparente contradição, ao observar que a psicologia é uma das mais antigas disciplinas acadêmicas e, ao mesmo tempo, uma das mais novas. O interesse pela psicologia remonta aos primeiros espíritos questionadores. Sempre tivemos fascínio pelo nosso próprio comportamento, e especulações acerca da natureza e conduta

humanas são o tópico de muitas obras filosóficas e teológicas. Já no século V a.C., Platão, Aristóteles e outros sábios gregos se viam às voltas com muitos dos mesmos problemas que hoje ocupam os psicólogos: a memória, a aprendizagem, a motivação, a percepção, a atividade onírica e o comportamento anormal. As mesmas espécies de interrogações feitas atualmente sobre a natureza humana também o eram séculos atrás, o que demonstra uma continuidade vital entre o passado e o presente em termos de seu objeto de estudo.

  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   59


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal