Administrativo. AÇÃo civil pública



Baixar 27.32 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho27.32 Kb.
STJ

“ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. CONTRATAÇÃO DE SERVIDOR SEM CONCURSO PÚBLICO. LESÃO A PRINCÍPIOS ADMINISTRATIVOS. AUSÊNCIA DE DANO AO ERÁRIO.

1. A lesão a princípios administrativos contida no art. 11 da Lei nº 8.429/92, em princípio, não exige dolo ou culpa na conduta do agente nem prova de lesão ao erário. Basta a simples ilicitude ou imoralidade administrativa para restar configurado o ato de improbidade. Caso reste demonstrada a lesão, o inciso III do art. 12 da Lei nº 8.429/92 autoriza seja o agente público condenado a ressarcir o erário.

2. A conduta do agente público ao contratar e manter servidores sem concurso público na Administração amolda-se ao caput do art. 11 da Lei nº 8.429/92, ainda que o serviço público tenha sido devidamente prestado.

3. Não havendo prova de dano ao erário, não há que se falar em ressarcimento, nos termos da primeira parte do inciso III do art. 12 da Lei nº 8.429/92.

4. Acórdão reformado para excluir a condenação ao ressarcimento de danos e fixar a multa civil em três vezes o valor da última remuneração recebida no último ano de gestão dos administradores em face da ausência de prejuízo ao erário.

4. Em ação civil pública, é descabida a condenação do Ministério Público ao pagamento de verbas sucumbenciais, exceto quando comprovada a má-fé.

5. Recurso Especial provido em parte.”

(grifou-se – STJ, REsp 631252, Proc. 2004/0003297-6/PR, 2ª Turma, Relator José de Castro Meira, j. 19/8/2008, DJE 11/9/2008)
STJ

“ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. ART. 535 DO CPC. CONTRATAÇÃO DE SERVIDOR SEM CONCURSO PÚBLICO PREQUESTIONAMENTO. SÚMULA 211/STJ. IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. LESÃO A PRINCÍPIOS ADMINISTRATIVOS. AUSÊNCIA DE DANO AO ERÁRIO.

1. É impossível conhecer-se do recurso especial pela alegada violação do artigo 535 do CPC nos casos em que a argüição é genérica, por incidir a Súmula 284/STF, assim redigida: ‘É inadmissível o recurso extraordinário, quando a deficiência na fundamentação não permitir a exata compreensão da controvérsia’.

2. A ausência de pré-questionamento dos artigos de lei federal tidos por contrariados torna inviável o conhecimento do apelo raro.

Incidência da Súmula 211/STJ.

3. Em princípio, a lesão a princípios administrativos contida no art. 11 da Lei nº 8.429/92 não exige dolo ou culpa na conduta do agente, nem prova da lesão ao erário público. Basta a simples ilicitude ou imoralidade administrativa para restar configurado o ato de improbidade. Caso reste demonstrada a lesão, e somente neste caso, o inciso III, do art. 12 da Lei nº 8.429/92 autoriza seja o agente público condenado a ressarcir o erário.

4. A conduta do recorrido, ao contratar e manter servidores sem concurso público na Administração, amolda-se ao caput do art. 11 da Lei nº 8.429/92, ainda que o serviço público tenha sido devidamente prestado, bem como não tenha havido má-fé na conduta do administrador.

5. Não havendo prova de dano ao erário, não há que se falar em ressarcimento, nos termos da primeira parte do inciso III do art. 12 da Lei 8.429/92. As demais penalidades, inclusive a multa civil, que não ostenta feição indenizatória, são perfeitamente compatíveis com os atos de improbidade tipificados no art. 11 da Lei 8.429/92 (lesão aos princípios administrativos).

6. Acórdão reformado, fixando-se a multa civil em três vezes o valor da remuneração recebida no último ano de mandato.

7. Recurso especial conhecido em parte e provido também em parte.”

(grifou-se – STJ, REsp 988374/MG, Relator Castro Meira, 2ª Turma, j. 6/5/2008, DJE 16/5/2008)
STJ

“ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. DESPESAS DE VIAGEM. PRESTAÇÃO DE CONTAS. IRREGULARIDADE. LESÃO A PRINCÍPIOS ADMINISTRATIVOS. ELEMENTO SUBJETIVO. DANO AO ERÁRIO. COMPROVAÇÃO. DESNECESSIDADE. SANÇÃO DE RESSARCIMENTO EXCLUÍDA. MULTA CIVIL REDUZIDA.

1. A lesão a princípios administrativos contida no art. 11 da Lei nº 8.429/92 não exige dolo ou culpa na conduta do agente nem prova da lesão ao erário público. Basta a simples ilicitude ou imoralidade administrativa para restar configurado o ato de improbidade. Precedente da Turma.

2. A aplicação das sanções previstas na Lei de Improbidade independe da aprovação ou rejeição das contas pelo órgão de controle interno ou pelo tribunal ou conselho de contas (art. 21, II, da Lei 8.429/92).

3. Segundo o art. 11 da Lei 8.429/92, constitui ato de improbidade que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições, notadamente a prática de ato que visa fim proibido em lei ou regulamento ou diverso daquele previsto na regra de competência (inciso I), ou a ausência de prestação de contas, quando esteja o agente público obrigado a fazê-lo (inciso VI).

4. Simples relatórios indicativos apenas do motivo da viagem, do número de viajantes e do destino são insuficientes para comprovação de despesas de viagem.

5. A prestação de contas, ainda que realizada por meio de relatório, deve justificar a viagem, apontar o interesse social na efetivação da despesa, qualificar os respectivos beneficiários e descrever cada um dos gastos realizados, medidas necessárias a viabilizar futura auditoria e fiscalização.

6. Não havendo prova de dano ao erário, afasta-se a sanção de ressarcimento prevista na primeira parte do inciso III do art. 12 da Lei 8.429/92. As demais penalidades, inclusive a multa civil, que não ostenta feição indenizatória, são perfeitamente compatíveis com os atos de improbidade tipificados no art. 11 da Lei 8.429/92 (lesão aos princípios administrativos).

7. Sentença mantida, excluída apenas a sanção de ressarcimento ao erário e reduzida a multa civil para cinco vezes o valor da remuneração recebida no último ano de mandato.

8. Recurso especial provido.”

(grifou-se – STJ, REsp 880662/MG, Relator Castro Meira, 2ª Turma, j. 15/2/2007, DJ 1/3/2007, p. 255)
STJ

“ADMINISTRATIVO – AÇÃO CIVIL PÚBLICA – ATO DE IMPROBIDADE – EX-PREFEITO – CONTRATAÇÃO DE SERVIDORES MUNICIPAIS SOB O REGIME EXCEPCIONAL TEMPORÁRIO – INEXISTÊNCIA DE ATOS TENDENTES À REALIZAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO DURANTE TODO O MANDATO – OFENSA AOS PRINCÍPIOS DA LEGALIDADE E DA MORALIDADE.

1. Por óbice da Súmula 282/STF, não pode ser conhecido recurso especial sobre ponto que não foi objeto de prequestionamento pelo Tribunal a quo.

2. Para a configuração do ato de improbidade não se exige que tenha havido dano ou prejuízo material, restando alcançados os danos imateriais.

3. O ato de improbidade é constatado de forma objetiva, independentemente de dolo ou de culpa e é punido em outra esfera, diferentemente da via penal, da via civil ou da via administrativa.

4. Diante das Leis de Improbidade e de Responsabilidade Fiscal, inexiste espaço para o administrador ‘desorganizado’ e ‘despreparado’, não se podendo conceber que um Prefeito assuma a administração de um Município sem a observância das mais comezinhas regras de direito público. Ainda que se cogite não tenha o réu agido com má-fé, os fatos abstraídos configuram-se atos de improbidade e não meras irregularidades, por inobservância do princípio da legalidade.”

5. Recurso especial conhecido em parte e, no mérito, improvido.

(grifou-se – STJ, REsp 708170/MG, Relatora Eliana Calmon, 2ª Turma, j. 6/12/2005, DJ 19/12/2005, p. 355)


STJ

“ADMINISTRATIVO - AÇÃO CIVIL PÚBLICA - ATO DE IMPROBIDADE – LICITAÇÃO - IRREGULARIDADE - CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO SEM OBSERVÂNCIA DAS NORMAS ADMINISTRATIVAS PERTINENTES - LEI 8.429/92 - IMPOSIÇÃO DE PENA

1. Para a configuração do ato de improbidade não se exige que tenha havido dano ou prejuízo material, restando alcançados os danos imateriais.

2. Não havendo diferença no procedimento dos réus partícipes dos atos de improbidade, desnecessária a individualização das sanções.

3. Constatação de que as irregularidades foram cometidas para anular a concorrência e levar a uma modalidade inadequada de licitação. Configuração objetiva do ato de improbidade, independentemente de dolo ou culpa.

4. Correta a imputação da pena de perda de direitos políticos, a teor do art. 12, III da Lei 8.429/92.

5. Recursos especiais improvidos. ”

(grifou-se - STJ, REsp 287728, 2ª Turma, Relatora Eliana Calmon, j. 2/9/2004, DJ 29/11/2004, p. 272)


TJPR

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA - 1- CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIO COM ESTADO DO PARANÁ - DESVIO DE VERBAS - ATO DE IMPROBIDADE CONFIGURADO - OFENSA AOS PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – 2 - APLICAÇÃO DA PENA - PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE - RECURSOS PROVIDOS 1- A lesão a princípios administrativos contida no art. 11 da Lei 8429/92, em princípio não exige dolo ou culpa na conduta do agente nem prova da lesão ao erário público. 2- O ato de improbidade se amolda à conduta prevista no art. 11 da Lei 8429/92, revelando autêntica lesão aos princípios da impessoalidade e da moralidade administrativa, tendo em vista o desvio da verba destina aos Convênios, para o pagamento do funcionalismo e de obras públicas.”

(TJPR - 4ª C.Cível - AC 0669033-5 - Toledo - Rel.: Juíza Subst. 2º G. Astrid Maranhão de Carvalho Ruthes - Por maioria - J. 21.09.2010)

TJPR

“DIREITO ADMINISTRATIVO E DIREITO CONSTITUCIONAL ­ APELAÇÃO CÍVEL ­ AÇÃO CIVIL PÚBLICA POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA ­ APELADO, ENTÃO PREFEITO DO MUNICÍPIO DE FLORESTÓPOLIS, QUE, ALÉM DE TER APLICADO NO SETOR DE EDUCAÇÃO VERBA INFERIOR À EXIGIDA PELOS ARTIGOS 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E 8º, INCISOS I E II, DA LEI Nº 9.424/1996, NÃO PRESTOU CONTAS NA FORMA COMO DETERMINA O ARTIGO 4º DA LEI CITADA ­ CONFIGURAÇÃO DO ATO DE IMPROBIDADE PREVISTO NO ARTIGO 11, INCISO I, DA LEI Nº 8.429/1992 ­ DESNECESSIDADE DE PROVA ACERCA DA APROPRIAÇÃO DE VALORES POR PARTE DO AGENTE PÚBLICO, DA OCORRÊNCIA DE DANO AO ERÁRIO OU DA EXISTÊNCIA DE DOLO OU MÁ-FÉ ­ APLICAÇÃO, DE ACORDO COM O PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE, DAS PENALIDADES PREVISTAS NO ARTIGO 12, INCISO III, DA LEI DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA ­ SENTENÇA REFORMADA ­ RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO.

1. Tendo restado demonstrado nos autos que o apelado, então Prefeito do Município de Florestópolis, destinou ao setor de educação verba inferior à exigida pelos artigos 212 da Constituição Federal e 8º, incisos I e II, da Lei nº 9.422/1996, bem como que não prestou contas na forma como preconiza o artigo 4º da Lei nº 9.424/1996, tem-se que incidiu na prática do ato de improbidade administrativa previsto no artigo 11, inciso I, da Lei nº 8.429/1992.

2. A configuração de quaisquer dos atos de improbidade descritos no artigo 11 acima mencionado dispensa a prova acerca da apropriação de valores por parte do agente público, da ocorrência de dano ao erário, bem como da existência de dolo ou má-fé.

3. Deve o apelado, portanto, ser condenado, de acordo com o princípio da razoabilidade, às penas do artigo 12, inciso III, da Lei nº 8.429/1992.

(TJPR - 5ª C.Cível - AC 0392365-7 - Porecatu - Rel.: Des. José Marcos de Moura - Por maioria - J. 01.06.2010)


TJPR

“APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. CONDENAÇÃO EM 1º GRAU. PREFEITO MUNICIPAL.



Doação de terrenos públicos sem maiores formalidades, em desacordo com os critérios previstos na legislação municipal. Art. 11 da LIA (Lei nº 8429/92). Violação dos princípios norteadores da administração pública. Legalidade, moralidade e impessoalidade. Provas contundentes. Evidente o dolo de malferir a Lei Municipal, em se tratando o réu de Prefeito, autoridade que por certo conhece um mínimo de administração pública. Ademais, inexigência de prova de dolo ou culpa na hipótese do art. 11 da LIA. Precedente do STJ. Penalidades bem dosadas. Sentença mantida. Apelo desprovido. Em princípio, a lesão a princípios administrativos contida no art. 11 da Lei nº 8.429/92 não exige dolo ou culpa na conduta do agente, nem prova da lesão ao erário público. Basta a simples ilicitude ou imoralidade administrativa para restar configurado o ato de improbidade. Caso reste demonstrada a lesão, e somente neste caso, o inciso III, do art. 12 da Lei nº 8.429/92 autoriza seja o agente público condenado a ressarcir o erário. (. . . ) (STJ, RESP 988.374/MG, Rel. Ministro castro meira, dje 16/05/2008).”

(grifou-se – TJPR, Ap. Civ. 499740-0, Acórdão nº 23883, Nova Esperança, 5ª Câmara Cível, Relator Antônio de Sá Ravagnani, DJPR 13/4/2009)


TJPR

“APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA PELA PRÁTICA DE ATOS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. EXISTÊNCIA DE FRAUDE EM TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO NO CARGO DE ODONTÓLOGO. ACUMULAÇÃO INDEVIDA DE CARGOS. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA. ALEGADA AUSÊNCIA DE DOLO. IRRELEVÂNCIA. SANÇÕES PREVISTAS NO ARTIGO 12 DA LEI Nº 8429/92. PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE. RECURSOS DE APELAÇÃO PARCIALMENTE PROVIDOS. INCONTROVERSO QUE OS APELANTES PRATICARAM ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA, CONSISTENTE NA IRREGULAR CONTRATAÇÃO DE SERVIDOR, ONDE TODOS CONCORRERAM, DE FORMA CONSCIENTE, PARA SUA PRÁTICA.

O princípio da proporcionalidade (em sentido amplo) impõe que se avalie a conduta do agente em face do grau de comprometimento do bem jurídico protegido, deixando-se de impor carga punitiva mais intensa que a necessária para a preservação desse bem. Deve-se, ainda, avaliar a adequação entre a quantidade de pena aplicada e a efetiva gravidade das sanções. Portanto, as penas podem e devem ser aplicadas isoladamente quando atenderem à sua finalidade.”

(grifou-se – TJPR, Ap. Civ. 370146-8, Acórdão nº 27669, Mandaguaçu, 4ª Câmara Cível, Relatora Regina Afonso Portes, DJPR 4/5/2007)


TJPR

“AÇÃO CIVIL PÚBLICA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA PREJUÍZO AO ERÁRIO PÚBLICO OCORRÊNCIA SENTENÇA MANTIDA RECURSO NÃO PROVIDO.



Não há que se falar em ausência de dolo ou culpa, quando o agente protagoniza ato que enseja perda patrimonial, desvio, apropriação ou dilapidação dos bens ou haveres de entidades públicas, restando, devidamente caracterizada, a prática de improbidade administrativa.

Ocorre prejuízo ao erário público, quando o valor que foi devolvido pelo causador do dano, é inferior ao realmente percebido.

Apelação conhecida e não provida.”

(grifou-se – TJPR, Ap. Civ. 115458-1, Acórdão nº 22988, Imbituva, 1ª Câmara Cível, Relator Jorge Wagih Massad, DJPR 19/5/2003)


TJPR

“AÇÃO CIVIL PÚBLICA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA JULGAMENTO ANTECIPADO DA LIDE - CARCEAMENTO DE DEFESA INOCORRÊNCIA AUSÊNCIA DE DOLO IRRELEVÂNCIA - CONTEÚDO PROBATÓRIO EFICAZ - LESÃO AO ERÁRIO PÚBLICO SENTENÇA MANTIDA RECURSOS NÃO PROVIDOS.

O julgamento antecipado da lide é dever que a lei impõe ao Juiz, quando a questão versar sobre matéria exclusivamente de direito e os fatos restarem devidamente comprovados nos autos.

Não há que se falar em ineficácia do conteúdo probatório, quando o agente protagoniza ato que enseja perda patrimonial, desvio, apropriação ou dilapidação dos bens ou haveres de entidades públicas, e não produz provas de que não tenha assim agido, restando, devidamente caracterizada, a prática de improbidade administrativa.

Apelações conhecidas e não providas.”

(grifou-se – TJPR, Ap. Civ. 116365-5, Acórdão nº 22989, Guaíra, 1ª Câmara Cível, Relator Jorge Wagih Massad, DJPR 19/5/2003)


TJPR

“AÇÃO CIVIL PÚBLICA - CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E JARDINAGEM DAS RUAS DO MUNICÍPIO SEM LICITAÇÃO - ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA - ART. 11-I, DA LEI Nº 8.429/92 - AUSÊNCIA DE PREJUÍZO AO ERÁRIO E DE ENRIQUECIMENTO ILÍCITO DO PREFEITO E DE TERCEIRO QUE COM ELE CONTRATOU - IRRELEVÂNCIA - ILÍCITO CIVIL CARACTERIZADO - APLICAÇÃO DAS PENALIDADES PREVISTAS NO ART. 12, ISOLADAMENTE - POSSIBILIDADE - APELO PROVIDO, EM PARTE.

1. Basta para a configuração do ilícito civil previsto no artigo 11 da Lei nº 8.429/92 a violação pelo agente público do princípio da legalidade, o que ocorre na contratação de serviços sem prévio procedimento licitatório.

2. O juiz possui liberdade para aplicar as penalidades previstas no art. 12 da Lei de Improbidade Administrativa de forma isolada ou cumulativa.”



(grifou-se – TJPR, Ap. Civ. 116709-7, Acórdão nº 8526, Capanema, 5ª Câmara Cível, Relator Domingos Ramina, DJPR 20/5/2002)
Catálogo: arquivos -> File -> Jurisprudencia -> Improbidade%20Administrativa
Improbidade%20Administrativa -> Decisões do stf
Jurisprudencia -> Processo civil e administrativo ato de improbidade
Jurisprudencia -> Stj, resp 287728, 2ª Turma, Relatora eliana calmon, j. 2/9/2004, dj 29/11/2004, p. 272 2 tjpr
Jurisprudencia -> Administrativo e processual civil. Art. 535 Do cpc. ContrataçÃo de servidor sem concurso público
Improbidade%20Administrativa -> Processual civil. Administrativo
Jurisprudencia -> AÇÃo civil pública por improbidade administrativa
Jurisprudencia -> Processual civil. Administrativo. AÇÃo civil pública. Improbidade administrativa. Lei 429/92
Jurisprudencia -> Administrativo. AÇÃo civil pública
Improbidade%20Administrativa -> Administrativo agravo regimental improbidade administrativa art. 10 Da lei nº 429/92


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal