Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra Ficha de Avaliação de Língua Portuguesa – Compreensão do oral – 4ºano



Baixar 9.58 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho9.58 Kb.
Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra
Ficha de Avaliação de Língua Portuguesa – Compreensão do oral – 4ºano


  1. Ouve com atenção o excerto da história.




  1. Preenche os espaços de acordo com a história que ouviste.

O VAIVÉM
Era um dia um velho chamado ________-, que trabalhava como carpinteiro. A sua oficina era um _________, sempre muito arrumada, a ferramenta muito __________, tudo nos seus lugares.


Mas a mania do velho era ____________ cada ferramenta com um nome apropriado. O martelo chamava-se __________, o formão, Serra-serra, o serrote, __________.
Quando algum __________ do lugar precisava de uma, corria logo à oficina do Zusa, a pedir-lhe de empréstimo.
Mas, tantas lhe fizeram, demorando a sua ___________ ou ficando com as ferramentas algumas vezes, que o velho resolveu parar com os ______________.
Certo dia foi à oficina um menino, a mando do pai e disse:

- O meu pai manda-lhe muitas _______________ e também pedir-lhe emprestado o Vaivém.


Mestre Zusa pôs as _______________no nariz e respondeu:

- Menino, volta e diz a teu pai que se Vaivém fosse e viesse, vaivém ia, mas como Vaivém _______ e não vem, Vaivém não vai.


Lindolfo Gomes

Texto - O VAIVÉM

Link a que os docentes devem aceder para que os alunos ouçam a história
http://www.app.pt/materiaisdidacticos/trabalho_10_1.html
Quem não tem internet faz a leitura do texto.

O VAIVÉM

Era um dia um velho chamado Zusa, que trabalhava como carpinteiro. A sua oficina era um brinco, sempre muito arrumada, a ferramenta muito limpa, tudo nos seus lugares.


Mas a mania do velho era batizar cada ferramenta com um nome apropriado. O martelo chamava-se Toc-toc, o formão, Serra-serra, o serrote, Vaivém.
Quando algum carpinteiro do lugar precisava de uma, corria logo à oficina do Zusa, a pedir-lhe de empréstimo.
Mas, tantas lhe fizeram, demorando a sua devolução ou ficando com as ferramentas algumas vezes, que o velho resolveu parar com os empréstimos.
Certo dia foi à oficina um menino, a mando do pai e disse:

- O meu pai manda-lhe muitas lembranças e também pedir-lhe emprestado o Vaivém.


Mestre Zusa pôs as cangalhas no nariz e respondeu:

- Menino, volta e diz a teu pai que se Vaivém fosse e viesse, vaivém ia, mas como Vaivém vai e não vem, Vaivém não vai.


Lindolfo Gomes


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal