Ainda era confuso o estado das coisas do mundo, no tempo remoto em que esta história se passa. Não era raro defrontar-se com nomes, pensamentos, formas e instituições a que não correspondia nada de existente



Baixar 25.24 Kb.
Encontro30.07.2016
Tamanho25.24 Kb.

Data

___/___/2012



DNA


colegiodna2011@hotmail.com


Tá com Dúvida? Faça DNA


Série:
















Professor:

Disciplina:

Aluno (a)




  1. 1Ainda era confuso o estado das coisas do mundo, no tempo remoto em que esta história se passa. Não era raro defrontar-se com nomes, pensamentos, formas e instituições a que não correspondia nada de existente. 5E, por outro lado, o mundo pululava de objetos e faculdades e pessoas que não possuíam nome nem distinção do restante. Era uma época em que a vontade e a obstinação de existir, de deixar marcas, de provocar atrito com tudo aquilo que existe não era inteiramente 10usada, dado que muitos não faziam nada com isso — por miséria ou ignorância ou porque tudo dava certo para eles do mesmo jeito — e assim uma certa quantidade andava perdida no vazio.

CALVINO, Ítalo. O cavaleiro inexistente. Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2010.

Quanto aos aspectos linguísticos que compõem o texto e seus efeitos de sentido, é correto o que se afirma em:

a) Em “Ainda era confuso o estado das coisas do mundo” (ref.1) sugere um processo que se iniciou no passado e perdura historicamente no presente.

b) “no tempo remoto em que esta história se passa.” (ref. 1) apresenta uma restrição de tempo e lugar para o narrado.

c) “Não era raro defrontar-se com nomes, pensamentos, formas e instituições” (ref. 1) evidencia uma ação esporádica.

d) “E, por outro lado, o mundo pululava de objetos e faculdades e pessoas” (ref. 5) traz uma contradição quanto à informação anterior.

e) “dado que muitos não faziam nada com isso” (ref. 10) evidencia uma consequência de uma ação descrita anteriormente.


  1. No texto, o emprego de artigos definidos e a omissão de artigos indefinidos têm como efeito, respectivamente

As duas manas Lousadas! Secas, escuras e gárrulas como cigarras, desde longos anos, em Oliveira, eram elas as esquadrinhadoras de todas as vidas, as espalhadoras de todas as maledicências, as tecedeiras de todas as intrigas. E na desditosa cidade, não existia nódoa, pecha, bule rachado, coração dorido, algibeira arrasada, janela entreaberta, poeira a um canto, vulto a uma esquina, bolo encomendado nas Matildes, que seus olhinhos furantes de azeviche sujo não descortinassem e que sua solta língua, entre os dentes ralos, não comentasse com malícia estridente.

(Eça de Queirós, A ilustre Casa de Ramires)

a) atribuir às personagens traços negativos de caráter; apontar Oliveira como cidade onde tudo acontece.

b) acentuar a exclusividade do comportamento típico das personagens; marcar a generalidade das situações que são objeto de seus comentários.

c) definir a conduta das duas irmãs como criticável; colocá-las como responsáveis pela maioria dos acontecimentos na cidade.

d) particularizar a maneira de ser das manas Lousadas; situá-las numa cidade onde são famosas pela maledicência.

e) associar as ações das duas irmãs; enfatizar seu livre acesso a qualquer ambiente na cidade.


  1. “NEYMAR agora é MEIA. E CUECA também. NEYMAR agora é LUPO. O maior fabricante de golaços do país e a maior fabricante de meias sociais e cuecas do Brasil, juntos”.

(Revista Veja, 10 de agosto de 2011, pp. 35-37).

Sobre esse texto é incorreto afirmar.

a) A conjunção “E”, na primeira linha, indica uma relação de adição entre orações.

b) A expressão “também” reitera o sentido de adição.

c) A palavra “LUPO” refere-se à fábrica de meias e cuecas.

d) Com apoio no texto, infere-se que a palavra “meia” é numeral que indica metade.

e) Está explícito no texto que o gênero da palavra “fabricante” é distinguido pela concordância nominal determinada pelos artigos definidos o e a em referência simultânea ao masculino e ao feminino.


  1. “A americana não entendia. 'Pois sim' queria dizer não e 'Pois não' queria dizer sim? Tentaram lhe explicar. 'Pois sim' tinha o sentido de 'imagine se alguém diria sim para isso', e 'pois não' o sentido contrário. Então o que queria dizer a palavra 'pois'? Era complicado. E a americana ficou ainda mais impaciente quando, em vez de lhe darem uma resposta, disseram 'Pois é... ' Até que também perderam a paciência com a americana e alguém sugeriu: 'Perguntem a ela sobre a guerra no Iraque.'

Luís Fernando Veríssimo. O Estado de S.Paulo. 14/08/2005, p. D14.

Nos trechos em que se tenta explicar para a americana os sentidos de construções típicas da língua portuguesa, predomina a função

a) referencial da linguagem.

b) conativa da linguagem.

c) fática da linguagem.

d) metalinguística da linguagem.

e) emotiva da linguagem.


  1. O número de soluções reais da equação logx(x + 3) + logx(x – 2) = 2 é

a) 0.

b) 1.


c) 2.

d) 3.


e) 4.


  1. Se x = log104 + log1025, então x é igual a:

a) 1;

b) 2;


c) log1029;

d) log1025/4;

e) 1,4020.


  1. Três polígonos regulares A, B, e C, tem números de lados, respectivamente, a, b, c, onde a > b > c.

Sabendo-se que a, b e c estão em progressão aritmética de razão – 2 e que a soma de todos os ângulos internos dos três polígonos é 3.240º, assinale o que for correto.

01. O polígono A tem 35 diagonais.

02. O número de diagonais do polígono C é maior que 10.

04. A soma dos ângulos internos do polígono C é 720º.

08. Cada ângulo externo do polígono A mede 36º.

16. Cada ângulo interno do polígono B mede 135º.




  1. Os lados de um octógono regular são prolongados até que se obtenha uma estrela. A soma das medidas dos ângulos internos dos vértices dessa estrela é

a) 180.

b) 360.


c) 540.

d) 720.


e) 900.


  1. Em uma sorveteria, há sorvetes nos sabores morango, chocolate, creme e flocos. De quantas maneiras podemos montar uma casquinha, com dois sabores diferentes, nessa sorveteria?

a) 6 maneiras

b) 7 maneiras

c) 8 maneiras

d) 9 maneiras

e) 10 maneiras


  1. Além de dissolver cimento e calcário e reduzir o pH de lagos e riachos, a chuva ácida leva importantes nutrientes do solo, prejudicando plantas e liberando minerais tóxicos que podem alcançar hábitats aquáticos. Para combater esse problema quando surgiu pela primeira vez, a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos conseguiu aprovar, em 1990, alterações na Lei do Ar Limpo, que cortou em 59% as emissões de compostos sulfurados das fábricas de 1990 a 2008. As emissões de compostos de nitrogênio, entretanto, não caíram tão abruptamente. De maneira geral, usinas termelétricas a carvão mineral e veículos motorizados expelem a maior parte dos óxidos de nitrogênio do país, a matéria-prima para a chuva de ácido nítrico, HNO3. Mas uma grande porcentagem deles também vem do setor agrícola na forma de amônia, NH3, que bactérias convertem a ácido nítrico no solo. Os maiores responsáveis são os fabricantes de fertilizantes, que transformam o gás nitrogênio não reativo da atmosfera em amônia por meio do chamado processo de Haber-Bosch. (TENNESEN, 2010).

Sobre a descarga elétrica que desencadeia reações químicas entre poluentes lançados por diversas fontes na atmosfera terrestre, formando compostos ácidos que caem em forma de chuva ácida, é correto afirmar:

01. Os raios caem preferencialmente sobre objetos pontiagudos porque, nas vizinhanças desses objetos, existem campos elétricos intensos que ionizam o ar dessas regiões.

02. A descarga elétrica que ocorre entre partes de uma mesma nuvem resulta da movimentação das cargas elétricas dos pontos de maior potencial para os de menor potencial.

03. Os raios, formados por cargas elétricas em movimento ordenado, produzem ondas mecânicas que podem ser ouvidas por observadores que se encontram em repouso no solo.

04. A descarga elétrica entre as nuvens ocorre quando se estabelece, nessa região, um campo elétrico uniforme de intensidade menor do que a rigidez dielétrica do ar.

05. O trovão, resultante do efeito térmico das correntes, é uma onda transversal que apresenta o fenômeno de polarização.




  1. A respeito de uma associação de capacitores pode-se afirmar que

a) numa associação de capacitores em série a capacitância equivalente é a soma algébrica das capacitâncias que compõem a associação;

b) numa associação de capacitores em série a capacitância equivalente é sempre menor que a menor das capacitâncias que compõem a associação;

c) numa associação de capacitores em paralelo a capacitância equivalente é sempre menor do que a menor das capacitâncias que compõem a associação;

d) a relação usada para calcular a capacitância equivalente de uma associação em série é similar à relação usada para determinar a resistência equivalente de uma associação em série de resistores;

e) a relação usada para calcular a capacitância equivalente de uma associação em paralelo é similar à relação usada para determinar a resistência equivalente de uma associação em paralelo de resistores.


  1. Um motor produz vibrações transversais, com frequência de 10 Hz, em uma corda homogênea de 2,0 m de comprimento e densidade linear 0,05 kg/m. Uma das extremidades da corda é mantida fixa em uma parede, enquanto a outra está ligada ao motor. Sabendo-se que, com esta frequência, a corda está no segundo harmônico, determine o valor da tensão na corda e, em seguida, assinale a alternativa que apresenta corretamente esse valor.

a) 10 N.

b) 20 N.


c) 200 N.

d) 400 N.

e) 1000 N.


  1. Num acidente, o velocímetro de uma motocicleta registrava a velocidade de 72 km/h no instante anterior à colisão. Supondo que o piloto estava à mesma velocidade que a moto no instante do acidente, isso seria equivalente à queda livre em um prédio. Se a distância entre um piso e outro é 2,5 m, de qual andar o piloto teria de cair para alcançar tal velocidade?

(Adote a aceleração da gravidade como 10m/s2)

a) 20º andar

b) 18º andar

c) 16º andar

d) 10º andar

e) 08º andar






Para quem faz DNA, a seleção é natural!





Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal