Anexo nota: o óxido de etileno não pode ser utilizado como agente de esterilização de aditivos alimentares



Baixar 3.81 Mb.
Página1/59
Encontro05.08.2016
Tamanho3.81 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   59

D015454/02



ANEXO
Nota: O óxido de etileno não pode ser utilizado como agente de esterilização de aditivos alimentares
Lacas de alumínio para utilização em corantes apenas quando explicitamente indicado.

Definição:

Obtêm-se lacas de alumínio por reacção de corantes conformes aos critérios de pureza estabelecidos na monografia correspondente com alumina, em meio aquoso. Habitualmente, a alumina é uma matéria não seca, recentemente preparada por reacção de sulfato ou cloreto de alumínio com carbonato ou bicarbonato de sódio ou de cálcio ou amónia. Após a formação da laca, o produto é filtrado, lavado com água e seco. O produto acabado pode conter alumina não reagida

Matérias insolúveis em HCl

Matérias insolúveis em NaOH



Teor não superior a 0,5 %

Teor não superior a 0,5 % , apenas no caso da E 127 eritrosina



Matérias extraíveis com éter

Teor não superior a 0,2 %, a pH neutro

São aplicáveis os critérios de pureza específicos relativos aos corantes em causa



E 100 CURCUMINA

Sinónimos

Amarelo natural CI 3; amarelo-açafrão; diferoíl-metano

Definição

Obtém-se curcumina por extracção, com solvente, de curcuma, ou seja, rizomas moídos de estirpes de Curcuma longa L . Para se obter um produto pulverulento com elevado teor de curcumina, purifica-se o extracto por cristalização. O produto é constituído essencialmente por curcuminas, ou seja, o princípio corante [1,7-bis(4-hidroxi-3-metoxifenil)hepta-1,6-dieno-3,5-diona] e os seus dois derivados não metoxilados, em proporções diversas. Podem também encontrar-se na curcuma pequenas quantidades de óleos e resinas de ocorrência natural

Também se utiliza curcumina como laca de alumínio, sendo o teor em alumínio inferior a 30 %.

Apenas podem ser utilizados na extracção os seguintes solventes: acetato de etilo, acetona, dióxido de carbono, diclorometano, n-butanol, metanol, etanol, hexano e propan-2-ol


N.º do Colour Index

75300

EINECS

207-280-5

Denominação química

I 1,7-Bis(4-hidroxi-3-metoxifenil)hepta-1,6-dieno-3,5-diona

II 1-(4-Hidroxifenil)-7-(4-hidroxi-3-metoxifenil)-hepta-1,6-dieno-3,5-diona

III 1,7-Bis(4-hidroxifenil)hepta-1,6-dieno-3,5-diona


Fórmula química

I C21H20O6

II C20H18O5

III C19H16O4


Massa molecular

I. 368,39 II. 338,39 III. 308,39

Composição

Teor de matérias corantes totais não inferior a 90 %

E1cm1 % 1607 a cerca de 426 nm, em etanol

Descrição

Produto pulverulento cristalino de cor amarela alaranjada

Identificação




Espectrometria

Máximo a cerca de 426 nm, em etanol

Intervalo de fusão

179 °C—182 °C

Pureza




Resíduos de solventes

Acetato de etilo

Teor não superior a 50 mg/kg, estremes ou misturados

Acetona

n-Butanol

Metanol

Etanol

Hexano

Propan-2-ol



Diclorometano: teor não superior a 10 mg/kg

Arsénio

Teor não superior a 3 mg/kg

Chumbo

Teor não superior a 10 mg/kg

Mercúrio

Teor não superior a 1 mg/kg

Cádmio

Teor não superior a 1 mg/kg

Podem utilizar-se lacas de alumínio deste corante




E 101 (i) RIBOFLAVINA

Sinónimos

Lactoflavina

Definição




N.º do Colour Index




EINECS

201-507-1

Denominação química

7,8-Dimetil-10-(D-ribo-2,3,4,5-tetra-hi-droxipentil)benzo(g)pteridina-2,4(3H,10H)-diona; 7,8-dimetil-10-(1′-D-ribitil)isoaloxazina

Fórmula química

C17H20N4O6

Massa molecular

376,37

Composição

Teor não inferior a 98 %, numa base anidra

E1 cm1 % 328 a cerca de 444 nm, em solução aquosa

Descrição

Produto pulverulento cristalino de cor amarela ou amarela alaranjada, com um ligeiro odor

Identificação




Espectrometria

Razão A375/A267 compreendida entre 0,31 e 0,33

em solução aquosa

Razão A444/A267 compreendida entre 0,36 e 0,39

Máximo a cerca de 375 nm, em água

Rotação específica

[α]D20 compreendida entre -115° e -140°, numa solução de hidróxido de sódio 0,05 N

Pureza




Perda por secagem

Não superior a 1,5 % (105 °C, durante 4 horas)

Cinzas sulfatadas

Não superior a 0,1 %

Aminas aromáticas primárias

Teor não superior a 100 mg/kg, expresso em anilina

Arsénio

Teor não superior a 3 mg/kg

Chumbo

Teor não superior a 2 mg/kg

Mercúrio

Teor não superior a 1 mg/kg

Cádmio

Teor não superior a 1 mg/kg




E 101 (ii) RIBOFLAVINA-5′-FOSFATO

Sinónimos

Riboflavina-5′-fosfato de sódio

Definição

As presentes especificações aplicam-se à riboflavina-5′-fosfato contendo pequenas quantidades de riboflavina livre e de difosfato de riboflavina

N.º do Colour Index




EINECS

204-988-6

Denominação química

Sal monossódico do fosfato de (2R,3R,4S)-5-(3′)10′-di-hidro-7′,8′-dimetil-2′,4′-dioxo-10′-benzo[γ]pteridinil)-2,3,4-tri-hidroxipentilo; sal monossódico do éster 5′-monofosfórico da riboflavina

Fórmula química

Forma di-hidratada : C17H20N4NaO9P · 2H2O

Forma anidra : C17H20N4NaO9P

Massa molecular

514,36

Composição

Teor de matérias corantes totais, expressas em C17H20N4NaO9P.2H2O, não inferior a 95 %

E1 cm1 % 250 a cerca de 375 nm, em solução aquosa

Descrição

Produto pulverulento cristalino higroscópico, de cor amarela a laranja, com um odor ligeiro

Identificação




Espectrometria

Razão A375/A267 compreendida entre 0,30 e 0,34

em solução aquosa

Razão A444/A267 compreendida entre 0,35 e 0,40

Máximo a cerca de 375 nm, em água

Rotação específica

[α]D20 compreendida entre + 38° e + 42° numa solução de ácido clorídrico 5 M

Pureza




Perda por secagem

Não superior a 8 % (100 °C, durante 5 horas, sob vácuo com P2O5) da forma di-hidratada

Cinzas sulfatadas

Não superior a 25 %

Fosfato inorgânico

Teor não superior a 1,0 %, expresso em PO4 numa base anidra

Outras matérias corantes

Riboflavina (livre): teor não superior a 6 %

Difosfato de riboflavina: teor não superior a 6 %

Aminas aromáticas primárias

Teor não superior a 70 mg/kg, expresso em anilina

Arsénio

Teor não superior a 3 mg/kg

Chumbo

Teor não superior a 2 mg/kg

Mercúrio

Teor não superior a 1 mg/kg

Cádmio

Teor não superior a 1 mg/kg




E 102 TARTARAZINA

Sinónimos

Amarelo alimentar CI 4

Definição

Prepara-se a tartarazina a partir do ácido 4-amino-benzenossulfónico, que é diazotado com ácido clorídrico e nitrito de sódio. O composto diazóico é, em seguida, emparelhado com ácido 4,5-di-hidro-5-oxo-1-(4-sulfofenil)-1H-pirazole-3-carboxílico ou com o éster metílico, o éster etílico ou com um sal deste ácido carboxílico. O corante resultante é purificado e isolado como sal de sódio. A tartarazina é constituída essencialmente por 5-hidroxi-1-(4-sulfonatofenil)-4-(4-sulfonatofenilazo)-H-pirazole-3-carboxilato trissódico e outras matérias corantes, contendo cloreto de sódio e/ou sulfato de sódio como principais componentes não corados

A tartarazina é descrita como sal de sódio. São também autorizados os sais de potássio e de cálcio



N.º do Colour Index

19140

EINECS

217-699-5

Denominação química

5-Hidroxi-1-(4-sulfonatofenil)-4-(4-sul-fonatofenilazo)-H-pirazole-3-carboxilato trissódico

Fórmula química

C16H9N4Na3O9S2

Massa molecular

534,37

Composição

Teor de matérias corantes totais, expressas em sal de sódio, não inferior a 85 %

E1 cm1 % 530 a cerca de 426 nm, em solução aquosa

Descrição

Produto pulverulento ou grânulos, de cor laranja clara

Aspecto de uma solução aquosa

Amarelo

Identificação




Espectrometria

Máximo a cerca de 426 nm, em água

Pureza




Matérias insolúveis em água

Teor não superior a 0,2 %

Outras matérias corantes

Teor não superior a 1,0 %

Outros compostos orgânicos além das matérias corantes:




Ácido 4-hidrazinobenzenossulfónico




Teor total não superior a 0,5 %

Ácido 4-aminobenzeno-1-sulfónico

Ácido 5-oxo-1-(4-sulfofenil)-2-pirazolina-3-carboxílico

Ácido 4,4′-diazoamino-di(benzenossul-fónico)

Ácido tetra-hidroxissuccínico

Aminas aromáticas primárias não sulfonadas

Teor não superior a 0,01 %, expresso em anilina

Matérias extraíveis com éter

Teor não superior a 0,2 %, a pH neutro

Arsénio

Teor não superior a 3 mg/kg

Chumbo

Teor não superior a 2 mg/kg

Mercúrio

Teor não superior a 1 mg/kg

Cádmio

Teor não superior a 1 mg/kg

Podem utilizar-se lacas de alumínio deste corante




E 104 AMARELO DE QUINOLEÍNA


Sinónimos

Amarelo alimentar CI 13

Definição

Prepara-se o amarelo de quinoleína por sulfonação da 2-(2-quinolil)indano-1,3-diona ou por uma mistura de cerca de dois terços de 2-(2-quinolil)indano-1,3-diona com um terço de 2-[2-(6-metilquinolil)]indano-1,3-diona. O amarelo de quinoleína é constituído essencialmente por sais de sódio de uma mistura em que predominam dissulfonatos e que contém também monossulfonatos e trissulfonatos do composto supra, além de outras matérias corantes e cloreto de sódio e/ou sulfato de sódio como principais componentes não corados

O amarelo de quinoleína é descrito como sal de sódio. São também autorizados os sais de potássio e de cálcio



N.º do Colour Index

47005

EINECS

305-897-5

Denominação química

Sais dissódicos dos dissulfonatos de 2-(2-quinolil)indano-1,3-diona (principal componente)

Fórmula química

C18H9N Na2O8S2 (principal componente)

Massa molecular

477,38 (principal componente)

Composição

Teor de matérias corantes totais, expressas em sal de sódio, não inferior a 70 %

O amarelo de quinoleína deve ter a seguinte composição:

Das matérias corantes totais presentes:



  • o teor de dissulfonatos dissódicos de 2-(2-quinolil)indano-1,3-diona deve ser superior a 80 %

  • o teor de monossulfonatos monossódicos de 2-(2-quinolil)indano-1,3-diona deve ser inferior a 15 %

  • o teor de trissulfonatos trissódicos de 2-(2-quinolil)indano-1,3-diona deve ser inferior a 7,0 %

E1cm1 % 865 (principal componente) a cerca de 411 nm, em solução aquosa de ácido acético

Descrição

Produto pulverulento ou grânulos, de cor amarela

Aspecto de uma solução aquosa

Amarelo

Identificação




Espectrometria

Máximo a cerca de 411 nm, em solução aquosa de ácido acético de pH 5

Pureza




Matérias insolúveis em água

Teor não superior a 0,2 %

Outras matérias corantes

Teor não superior a 4,0 %

Outros compostos orgânicos além das matérias corantes:




2-Metilquinolina




Teor total não superior a 0,5 %

Ácido 2-metilquinolinossulfónico

Ácido ftálico

2,6-Dimetilquinolina

Ácido 2,6-dimetilquinolinossulfónico

2-(2-Quinolil)indano-1,3-diona

Teor não superior a 4 mg/kg

Aminas aromáticas primárias não sulfonadas

Teor não superior a 0,01 %, expresso em anilina

Matérias extraíveis com éter

Teor não superior a 0,2 %, a pH neutro

Arsénio

Teor não superior a 3 mg/kg

Chumbo

Teor não superior a 2 mg/kg

Mercúrio

Teor não superior a 1 mg/kg

Cádmio

Teor não superior a 1 mg/kg

Podem utilizar-se lacas de alumínio deste corante



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   59


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal