Angelo Franciscato



Baixar 12.7 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho12.7 Kb.
PROJETO DE LEI Nº 229, DE 2005
Dá a denominação de "Angelo Franciscato" ao dispositivo de entroncamento no Km 353,850 da Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros - SP-294, no município de Bauru.

A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:

Artigo 1º - Passa a denominar-se "Angelo Franciscato" o dispositivo de entroncamento localizado no Km 353,850 da Rodovia SP - 294, no Município de Bauru.
Artigo 2º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

JUSTIFICATIVA


A história de Angelo Franciscato, bem como de sua empresa, confunde-se com a história de Bauru.


Filho de imigrantes, Angelo Franciscato nasceu em 22 de julho de 1906, na cidade de Itirapina, mas mudou-se ainda criança para a cidade de Piracicaba, acompanhado de sua mãe e mais cinco irmãos menores. Conseguiu emprego numa fábrica de tecidos, onde trabalhava incansavelmente para poder pagar o aluguel de uma pequena casa e ajudar no sustento da família.
A vontade de progredir fez o senhor Angelo Franciscato conseguir um emprego numa fábrica de parafusos. Nessa empresa, o empregado que produzisse um milheiro de parafusos obtinha a sua diária garantida. Desta forma o jovem Angelo esforçava-se o máximo para cumprir a tarefa, pois tinha a pretensão de conseguir freqüentar a seção de mecânica, no período da tarde, para aprender a profissão que tanto gostava.
Após ter aprendido o ofício de mecânico, Angelo Franciscato transferiu-se da fábrica de parafusos para trabalhar na oficina Ford de Piracicaba. Lá o salário era bem melhor, podendo reservar algumas economias para realizar o seu sonho: comprar uma "jardineira" e abrir uma linha de transporte de passageiros entre Piracicaba e Rio Claro. Em 1927 conseguiu realizar seu sonho. Nessa época, aos 19 anos, Franciscato era motorista, cobrador, mecânico, e contava com apenas um funcionário para revezamento.
Como os negócios caminhavam bem, montou uma pequena fábrica de carrocerias de "jardineiras", auxiliado por seu funcionário, o senhor Lázaro de Camargo. Além da venda das carrocerias que fabricava, Franciscato foi seu próprio fornecedor, pois eram suas as carrocerias dos carros que fariam, mais tarde, as linhas Piracicaba - Torrinha, Piracicaba - Porto João Alfredo e Piracicaba - Vila Romana. Cada linha contava com duas jardineiras de 15 lugares cada uma.

No entanto, o espírito empreendedor de Angelo Franciscato não se acomodou. Certo dia foi a Jaú inaugurar a linha Jaú - Bocaina tendo, nesse local, a oportunidade de fechar um ótimo negócio: vender as quatro linhas de Piracicaba e mudar-se com a família para Jaú. Após dois anos morando em Jaú, abriu mais duas linhas: Jaú - Bica de Pedra (atual Itapuí), uma linha circular da cidade à estação ferroviária, e Jaú - Bauru.


Durante esse tempo, sua fábrica de carrocerias, em Piracicaba, continuava em pleno funcionamento sob a gerência do senhor Lázaro de Camargo.
No ano de 1928 contraiu núpcias com a jovem Itália Giovannetti, com quem teve quatro filhos.
Ocorre que, em visita a um irmão na cidade de Botucatu, Franciscato tomou conhecimento da necessidade de linhas de ônibus no percurso de Bauru àquela cidade e não perdeu tempo. Em 8 de setembro de 1934 inaugurava a primeira linha de ônibus que ligava Bauru a Agudos, Lençóis Paulista, Areiópolis, Aparecida, São Manuel e Botucatu. Com o efetivo sucesso dessa linha, Franciscato vendeu as outras linhas de Jaú e instalou-se definitivamente em Bauru.
Em torno de 1952, o senhor Angelo Franciscato começou a dividir a administração de sua empresa com o filho, doutor Alcides Franciscato, jovem recém-formado pela Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz de Piracicaba, a quem entregou a direção da empresa.
Com o mesmo dinamismo e espírito realizador do pai, Doutor Alcides inaugurou a linha de ônibus Bauru - São Paulo, marcando assim, o início de uma nova etapa na empresa da família Franciscato.
Nessa década de 50 a empresa passou a se chamar "Expresso de Prata Ltda.", e em 1958, outro filho juntou-se à sociedade, senhor Alceu Pedro Franciscato. No entanto, em 1963, nova modificação transformou o "Prata" em sociedade anônima com capital aberto. A empresa foi se expandindo cada vez mais, uma vez que melhores condições das estradas possibilitaram o acesso a outras cidades, o que acarretou um aumento acentuado de linhas.
Posteriormente a empresa foi transformada novamente em "Expresso de Prata Ltda.", denominação vigente. Seus veículos percorrem uma média mensal de 1.200 Km, sendo considerada uma das empresas de maior expressão no cenário do transporte rodoviário de passageiros do País, ganhando lugar de destaque nas revistas especializadas como uma empresa modelo.
Na cidade de Bauru, a empresa "Expresso de Prata" possui uma garagem com 15.000 m² de área coberta e 7.000 m² descoberta, onde abriga, além dos departamentos administrativos, uma oficina completa de manutenção.

Percebe-se, assim, que o senhor Angelo Franciscato sempre se dedicou com afinco ao seu trabalho, família e comunidade bauruense. Foi um exemplo de profissional, angariando a confiança, credibilidade e principalmente o carinho dos bauruenses e funcionários.

Diante do exposto, não restam dúvidas sobre a importância do trabalho do homenageado e sua representatividade para nossa querida Bauru. Em decorrência de todo esse labor e dedicação foi agraciado pelas autoridades de nossa cidade com o título de Cidadão Bauruense, do qual, junto com seus familiares, sempre se orgulhou.
Assim sendo, desde seu falecimento, em 31 de julho de 2004, a comunidade bauruense pleiteia esta justa homenagem ao senhor Angelo Franciscato, sendo que este Deputado considera justa a apresentação deste projeto de lei, esperando a aprovação do mesmo pelos nobres Pares.

..
Sala das Sessões, em 27/4/2005



a) Pedro Tobias - PSDB


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal