Análise de custos Pesquisa: Métodos de custeio Fonte: fipecafi – 7ª Edição. 25. 3 Custeio real por absorçÃO



Baixar 13.73 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho13.73 Kb.


Análise de custos

Pesquisa: Métodos de custeio

Fonte: FIPECAFI – 7ª Edição.

25.3 CUSTEIO REAL POR ABSORÇÃO

Há inúmeros sistemas de custo e critérios de avaliação da produção e dos estoques, e dentro dos princípios fundamentais de contabilidade, consagrados pela Lei nQ 6.404/76, o método de custeio real por absorção é o indicado.

Isso significa dizer que devem ser adicionados ao custo da produção os custos reais incorridos, obtidos pela contabilidade geral e pelo sistema por absorção, o que significa a inclusão de todos os gastos relativos à produção, quer diretos, quer indiretos com relação a cada produto.
25.4 CUSTEIO DIRETO (OU CUSTEIO VARIÁVEL)
Nesse sistema, somente são considerados na avaliação dos estoques em processo e acabados os custos variáveis, e os custos fixos são lançados diretamente nos resultados. Por isso, o custeio direto não é ainda um critério plenamente consagrado. Todavia, não se pode deixar de reconhecer que o método tem inúmeros méritos, particularmente para fins gerenciais, por permitir melhor análise da performance empresarial.

A utilização desse critério tem também restrições impostas pela legislação tributária, conforme veremos mais adiante.



25.5 CUSTEIO PADRÃO

O custo-padrão é também utilizado por inúmeras empresas para avaliação de sua produção e estoques, pois permite melhor instrumentação para fins gerenciais. Sua aplicação pode ser feita com a utilização do mesmo princípio do sistema por absorção, isto é, levando em conta todos os elementos de custo. Pode também ser utilizada a fórmula do sistema de custeio direto, não incluindo os custos fixos, procedimento este que também não tem sido aceito como

princípio contábil. O custo-padrão apresenta o problema de os elementos do custo serem apurados por predefinições,

e, como já vimos, a avaliação dos estoques deve ser feita pelo custo real, seja em face dos princípios contábeis,

seja em função da legislação do Imposto de Renda. O custo-padrão pode ser adotado na própria contabilidade, desde que sejam feitos os ajustes ao custo real por absorção, para efeito de publicação (lei societária) e atendimento à legislação fiscal.
25.6 CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES
Conhecido como ABC (de activity-based costing, em inglês), esse método consiste em direcionar os

custos indiretos aos produtos não por centros de custos ou por departamentos, mas por atividades (daí

sua denominação). Para cada atividade relevante, identifica-se o fatorpelo qual se passa a mensurar, da forma mais 16-

gica possível, quanto de seu custo (da atividade) deve ser atribuído a cada produto. Esse fator, denominado direcionador de custo, por refletir a verdadeira relação entre os produtos e a ocorrência dos custos,

reduz sensivelmente as distorções causadas por rateios arbitrários dos sistemas tradicionais de custeio.

Por incluírem normalmente despesas administrativas e com vendas, os valores obtidos pelo ABC não são aceitos para avaliação dos estoques para fins contábeis. Devemos, porém, ressaltar que os benefícios do ABC são maiores quando ele é utilizado para fins gerenciais, contemplando, como dito, além de custos, outros gastos, para custear processos, mercados, classes de clientes etc. O custo-padrão é também utilizado por inúmeras empresas para avaliação de sua produção e estoques, pois permite melhor instrumentação para fins gerenciais. Sua aplicação pode ser feita com a utilização do mesmo princípio do sistema por absorção, isto é, levando em conta todos os elementos de custo.

Pode também ser utilizada a fórmula do sistema de custeio direto, não incluindo os custos fixos, procedimento

este que também não tem sido aceito como princípio contábil. O custo-padrão apresenta o problema de os elementos

do custo serem apurados por predefinições, e, como já vimos, a avaliação dos estoques deve ser feita pelo custo real, seja em face dos princípios contábeis, seja em função da legislação do Imposto de Renda.
25.7 RKW

Abreviação da expressão alemã Reichskuratorium fur Wirtschaflichtkeit, esse método consiste em

ratear, aos produtos, todos os gastos da empresa; não só custos mas também despesas comerciais, administrativas

e até mesmo as despesas financeiras e os juros sobre o capital próprio são incluídos. Esse processo é composto por duas fases: na primeira, os gastos são alocados, elemento a elemento, aos centros de custos; na segunda, destes aos produtos. O RKW também não é aceito para avaliação dos estoques por incluir gastos que não são vinculados ao



processo de fabricação.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal