Análise econômica da pecuária de corte em fazendas da sub-Região do Nabileque, Pantanal de Mato Grosso do Sul



Baixar 47.4 Kb.
Encontro21.07.2016
Tamanho47.4 Kb.






Análise econômica da pecuária de corte em fazendas da sub-Região do Nabileque, Pantanal de Mato Grosso do Sul
Daniel Dias Fernandes1
1Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Rodovia Aquidauana – CERA, km 12. CEP 79.200-000, Aquidauana, MS. E-mail: danieldias@top.com.br.

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade econômica da pecuária de corte em fazendas da sub-região do Nabileque do Pantanal. Foram avaliados os aspectos técnicos, os de manejo, os índices zootécnicos e produtividade, e os aspectos econômicos. O trabalho foi realizado através de diagnósticos realizados em três fazendas típicas da região do Nabileque, por meio de inventários patrimoniais, dos rebanhos, do levantamento do uso da terra, dos índices zootécnicos, e dos sistemas administrativos. Além da analise de documentos disponibilizados pelos proprietários. Os dados foram lançados em planilha eletrônica para análise econômica e foram realizadas simulações para estimar e identificar os pontos críticos da atividade. Verificou-se que todas as fazendas possuem renda líquida total positiva, ou seja, são viáveis economicamente. Melhorias nos índices zootécnicos, na genética do rebanho, no manejo, ajuste na capacidade de suporte das pastagens, melhoram significativamente a eficiência econômica da atividade e aumentam a rentabilidade das fazendas.
Termos para Indexação: análise econômica, bovinocultura de corte, Nabileque, Pantanal, sistemas de produção.

Abstract


The objective of this work was evaluate to economic activity of the cattle ranching of the subregion of Nabileque of the Pantanal wetland. They were appraised the technical aspects, of handling, the indexes technical and of productivity, and the economic aspects. The work was accomplished through diagnoses accomplished in three typical ranch of the area of Nabileque, through patrimonial inventories, of the flocks, rising of the use of the earth, of the indexes technical, administrative system and documents availability was analyzed by the proprietors. The data were thrown in electronic design for economic analysis and simulations were accomplished to esteem and to identify the critical points of the activity. It was verified that all the farms possess positive total liquid income, that is to say, they are economically viable. Improvements in the indexes technical, in the genetics of the flock, in the handling, adjustment in the stocking rate of the pastures, they improve the economic efficiency of the activity significantly and they increase the profitability of the ranch.
Index Terms: cattle ranching, economic analysis, Nabileque, Pantanal, production systems.


Introdução


Nos últimos anos tem havido uma preocupação mundial crescente com a conservação dos recursos naturais, cujo foco principal são as áreas que possuem grande biodiversidade, como é o caso do Pantanal Mato-Grossense. O Pantanal é uma imensa planície periodicamente inundável, integrante da bacia do rio Paraguai (BAP), com área de 138.183 km² e altitude entre 80 a 170 m (SILVA & ABDON, 1998).

A maior parte da região pantaneira é constituída de propriedades particulares, caracterizada pela presença de extensas áreas de campos nativos, favorecendo a atividade de pastejo, razão pela qual, a principal atividade econômica é a pecuária de corte extensiva. Nos últimos anos, face à globalização da economia e criação de mercados competitivos, têm-se intensificado as pressões por aumento de produtividade em todas as regiões do país que criam bovinos exclusivamente a pasto. No Pantanal, esta necessidade de aumento de produtividade, agravada ainda pelas constantes divisões das fazendas, seja por venda ou herança, pode comprometer a sustentabilidade de seus sistemas de produção, dada a fragilidade dos ecossistemas. Todavia, dada a importância dos sistemas de produção de gado de corte, praticados há mais de 200 anos, para a conservação do Pantanal, qualquer plano de desenvolvimento sustentável da região deve necessariamente levar em consideração a pecuária extensiva (SANTOS et al., 2002a).

A pecuária de corte extensiva é a principal atividade econômica do Pantanal, que se caracteriza por grandes propriedades (ALMEIDA et al., 1996; FERNANDES, 2001; FERNANDES & ASSAD, 2002). O tamanho médio das fazendas é de 1.787,50 hectares, sendo que 4,98% têm área superior a dez mil hectares e ocupam 54,74% da área de todo o Pantanal. Constatam-se inúmeras fazendas que possuem entre 30 mil e 80 mil hectares e algumas ultrapassam 200 mil hectares. (FERNANDES & ASSAD, 2002). Segundo IBGE (1996) o efetivo bovino era de 3.231.074 cabeças com uma lotação média de 0,37 cabeça/hectare. A área de pastagens nativas era de 4.354.626,32 ha (49,34%) e a de pastagens cultivadas 1.631.039,83 ha (18,48%). O rebanho atual gira em torno de 3 milhões de cabeças (IAGRO, 2004).

O Pantanal do Nabileque é uma das sub-regiões que mais sofre com as cheias do rio Paraguai. O solo é de origem sedimentar, ocorrendo em fases argilosas e arenosas de forma alternada e descontínua. No Nabileque em geral os solos são argilosos impermeáveis, orgânicos escuros de boa fertilidade, o que devido as enchentes, a área mais baixa permanece verde durante s primeira fase da estação seca, promovendo forragens nutritivas aos bovinos num período em que a parte alta do Pantanal está seca (ALLEM & VALLS, 1987). O Nabileque é reputado como pantanal de excelentes forragens nativas. As espécies de forragens nativas que predominam na região são: Axonopus purpusii (capim mimoso), Paspalum plicatulum (capim felpudo), Panicum laxum (grama do carandazal), Paspalum virgatum, Hymenachne amplexicaulis, Leptoclhoa virgata.

Os índices zootécnicos são baixos, principalmente em decorrência da baixa qualidade genética do rebanho, da estacionalidade das forrageiras e da grande proporção de áreas não aproveitadas, visto que o Nabileque é possuidor de solos de boa fertilidade e de pastagens de boa qualidade (ALMEIDA et al. 1996; FERNANDES & ASSAD, 2002). No Pantanal, vem ocorrendo concentração dos produtores na atividade de cria, havendo recria apenas das novilhas de reposição. Os principais produtos do sistema de produção de bovinos na região são os animais representados pelas seguintes categorias: bezerros (as) desmamados (as), novilhas de recria, garrotes, tourunos (touros de descarte) e vacas boiadeiras (vacas de descarte) (ABREU et. al., 2001).

O objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade econômica da pecuária de corte em propriedades da sub-região do Nabileque do Pantanal Sul-Matogrossense.


Material e Métodos


O trabalho foi realizado através de estudo de caso realizados em três fazendas da Sub-Região do Nabileque do Pantanal Sul-Matogrossense (fazenda A; fazenda B e fazenda C) no período de janeiro de 2002 a janeiro de 2004. As fazendas possuíam área total de 4.000, 4.700 e 11.901 ha respectivamente. As fazendas B e C possuem áreas de posse que equivalem a 2.700 e 3.900 ha respectivamente. Foram realizados inventários patrimoniais, inventário dos rebanhos, levantamento do uso da terra, levantamento dos índices zootécnicos, sistema administrativo, entrevistas para avaliar o perfil do proprietário e dos funcionários, análise de documentos fornecidos pelos produtores, como escrituras, matrículas, declaração anual do produtor – DAP’s e informações contábeis. Estes dados foram lançados em uma planilha eletrônica para análise econômica e foram realizadas simulações para estimar e identificar os pontos críticos da atividade. Foram considerados aspectos, técnicos, econômicos, índices zootécnicos, recursos humanos, infra-estrutura e manejo, sempre sob a ótica do desenvolvimento sustentável.

Resultados e Discussão


A pecuária de corte é a principal atividade econômica do pantanal, mas em termos gerais, ocorrem poucas diferenças na forma de administração entre as fazendas avaliadas e no nível tecnológico utilizado. Independentemente das diferentes características ambientais predominam as fases de cria e recria. As fazendas são descritas na Tabela 1.

Os índices zootécnicos identificados nas três fazendas estão acima da média dos índices descritos por Santos et al. (2002b). Esta superioridade foi atribuída a aspectos em comum entre as propriedades, onde os proprietários têm a pecuária como única atividade, sendo eles os próprios administradores. Outro fator em comum é que as 3 propriedades possuem pilhetas abastecidas por poços artesianos, o que mesmo em períodos de seca extrema garante o abastecimento de água de beber. A taxa de natalidade média foi de 61 % e a mortalidade média de bezerros de zero a um ano foi de 3%. Estes dois indicadores são fundamentais para se alcançar uma boa produtividade. Apesar dos índices serem considerados satisfatórios, podem ser melhorados por meio da implantação e da adaptação de tecnologias, como exemplo, a monta controlada, uso de desmama antecipada, vermifugação estratégica dos bezerros desmamados, suplementação mineral apropriada e melhoramento genético do rebanho. A adoção de práticas de manejo mais sofisticadas pode aumentar consideravelmente os custos de produção, inviabilizando economicamente a pecuária pantaneira se não forem bem aplicadas, além de haver pouco conhecimento sobre manejo ambiental.



VALE & GOMES (1998) definem lucro pela diferença entre a Renda Bruta Total (RBT) e os Custos Totais (CT). A RBT é calculada pela seguinte fórmula: RBT = PiQi; em que Pi = preço do produto i; e Qi = quantidade produzida i. Os Custos totais são calculados pela soma dos custos fixos com os custos variáveis. Após o levantamento das informações contábeis e dos custos e das receitas o desempenho econômico das fazendas foi avaliado, conforme a Tabela 2.
Tabela 1. Índices zootécnicos observados nas fazendas do Nabileque.


Índice Zootécnico

Fazenda A

Fazenda B

Fazenda C

Média

Taxa de natalidade (%)

65

58

61

61

Taxa de mortalidade (pré-desmama)

3%

1%

5%

3%

Taxa de desmama (%)

97,00

98,77

95,00

96,92

Idade à primeira cria (meses)

30

32

30

31

Relação Touro: vaca

01:30

01:30

01:43

01:34

Vida útil das vacas (anos)

14

12

13

13

Taxa de lotação (UA/ha)

0,26

0,30

0,31

0,29

Taxa de desfrute (%)

31

33

28

31

Taxa de natalidade (%)

65

58

61

61

No custo total foram incorporados os custos de oportunidade, ou seja, a remuneração do capital investido e a renda líquida ou lucro. Como foi positiva, significa que a opção do produtor em alocar os seus recursos para a produção pecuária proporcionou retorno econômico, logo, a atividade foi viável no aspecto econômico.



Tabela 2. Análise econômica das fazendas da região do Nabileque.


Índices Econômicos

Fazenda A

Fazenda B

Fazenda C

Média

Área total (ha)

4.000

4.700,00

11.901,25

6.867,08

CT (R$)

130.671,48

64.355,32

338.845,41

177.957,40

RBT (R$)

171.582,00

114.083,00

479.692,00

255.119,00

Lucro (R$)

40.910,52

49.727,68

140.846,59

77.161,60

Custo/ha

32,67

13,69

28,47

24,94

Receita/ha

42,90

24,27

40,31

35,82

Lucro/ha

10,23

10,58

11,83

10,88

RBT/CT

1,31

1,77

1,42

1,50

A análise da renda líquida total permitiu chegar as seguintes conclusões: A RLT foi positiva (RLT>0) nas fazendas A, B e C. O que permite afirmar que a exploração é estável e com possibilidade de expansão. A fazenda B mostrou-se mais eficiente no aspecto econômico, pelo fato de ter obtido o menor custo de produção.

Para fazer o estudo da renda Líquida Total, foi imprescindível a adoção de técnicas de controle e registros, tais como contabilidade simplificada (receitas e despesas), inventário anual e controle zootécnico. Um dos fatores que mais pesa no custo de produção, são as despesas com frete e deslocamentos, visto que o acesso a região é muito precário, necessitando de investimentos urgentes.

Conclusões


Pode-se concluir que os índices zootécnicos e o nível de tecnologia são responsáveis diretos na lucratividade da pecuária pantaneira. Melhorias nas taxas de natalidade, taxa de desmama, diminuição da mortalidade de bezerros de zero a um ano de idade, controle sanitário mais rigoroso, avaliação da capacidade reprodutiva das vacas, exame andrológico periódico dos touros, melhorias genéticas, ajustes na capacidade de suporte das pastagens são capazes de gerar melhorias significativas na lucratividade das fazendas. A adoção de técnicas de controle administrativo e estratégias de vendas aumentam a lucratividade. As três fazendas se mostraram lucrativas, devido aos baixos custos fixos.

Referências Bibliográficas


ABREU, U.G.P. de; MORAES, A.S.; SEIDL, A.F. Tecnologias apropriadas para o desenvolvimento sustentado da bovinocultura de corte no Pantanal. Corumbá-MS: Embrapa Pantanal, 2001. 31 p. (Embrapa Pantanal. Documentos, 24).

ALLEM, A.C.; VALLS, J.F.M. Recursos forrageiros nativos do Pantanal Mato-Grossense. Brasília, DF: EMBRAPA-CENARGEN, 1987. 339 p. (EMBRAPA-CENARGEN, Documentos, 8).

ALMEIDA, I.L.; ABREU, U.G.P. de; LOUREIRO, J.M.F.; COMASTRI FILHO, J.A.. Introdução de tecnologias na criação de bovino de corte no Pantanal – sub-região do Paiaguás. Corumbá-MS: EMBRAPA-CPAP, 1996. 50 p. (EMBRAPA-CPAP. Circular Técnica, 22).

FERNANDES, D.D. Pecuária de corte e desenvolvimento sustentável do Pantanal sulmatogrossense. Brasília, Universidade de Brasília, 2001. 104 p. (Dissertação de Mestrado).

FERNANDES, D.D.; ASSAD, M.L.L. A Pecuária bovina de corte da região pantaneira. In: ROSSETTO, O. C.; BRASIL JÚNIOR, A. C. P. (Org.). Paisagens pantaneiras e sustentabilidade ambiental. Brasília: Ministério da Integração Nacional: Universidade de Brasília, 2002. (Coleção centro-Oeste de Estudos e pesquisas, 7). p. 99-125.

IAGRO. Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso do Sul. Dados estatísticos. Capturado via WWW, . 2004.

IBGE. Censo Agropecuário 1995-1996. N° 23 Mato Grosso do Sul. Rio de Janeiro. RJ. 1996. 201 p.

SANTOS, S.A.; POTT, E.B..; COMASTRI FILHO, J.A.; CRISPIM, S.M. Forrageamento e nutrição mineral de bovinos de corte no Pantanal. Corumbá: Embrapa Pantanal, 2002a (Embrapa Pantanal, documentos, 39) 29 p.

SANTOS, S.A.; CARDOSO, E.L.; SILVA, R.A.M.S.; PELLEGRIN, A.O. Princípios básicos para produção sustentável de bovinos de corte no Pantanal. Corumbá: Embrapa Pantanal, 2002b (Embrapa Pantanal, documentos, 37) 25 p.

SILVA, J. dos S.V.; ABDON, M. dos M. Delimitação do pantanal brasileiro e suas sub-regiões. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 33 n. esp., p. 1703-1711. 1998.



VALE, S.M.L.R. do; GOMES, M.M. Análise econômica da empresa rural. In: CURSO de Administração Rural. Módulo 2.. Brasília. DF: ABEAS, 1998. 66 p.
Catálogo: agencia -> simpan -> sumario -> artigos -> asperctos -> pdf -> socio
socio -> Pré-diagnóstico da percepção de visitantes e empresas de turismo da região de Corumbá sobre a fauna do Pantanal
socio -> O impacto da implantação da rastreabilidade bovina na pecuária de corte do Pantanal de Mato Grosso do Sul: limitações e oportunidades
socio -> Lídia Aguilar Leite1
socio -> Papo com Ciência
agencia -> Inss amplia prazo para renovação de senha e comprovação de vida de aposentados e pensionistas
socio -> A experiência do Conselho Municipal de Meio Ambiente de Bonito na gestão dos recursos do icms ecológico
agencia -> Deriva” (2013), possui também um dvd (“Ao vivo na Casa da Ópera”, com participação de Ná Ozzetti 2008) e outros dois Cds, “Em Pé No Porto”
agencia -> 04 de abril de 2008 Nº 86
socio -> Ruralidade e diversidade social no pantanal norte1


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal