Ano II nº 61 27 de Maio de 2006



Baixar 24.52 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho24.52 Kb.


Ano II nº 61 27 de Maio de 2006


Boletim de Ligação Pastoral da Matriz de São Sebastião





Ascensão do Senhor


I Leitura – Act 1,1-11 II Leitura: – Ef 1,17-23

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos (16,15-20)
Naquele tempo, Jesus apareceu aos Doze e disse-lhes: «Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda a criatura. Quem acreditar e for baptizado será salvo; mas quem não acreditar será condenado. Eis os milagres que acompanharão os que acreditarem: expulsarão os demónios em meu nome; falarão novas línguas; se pegarem em serpentes ou beberem veneno, não sofrerão nenhum mal; e quando impuserem as mãos sobre os doentes, eles ficarão curados». E assim o Senhor Jesus, depois de ter falado com eles, foi elevado ao Céu e sentou-Se à direita de Deus. Eles partiram a pregar por toda a parte e o Senhor cooperava com eles, confirmando a sua palavra com os milagres que a acompanhavam.


Os Média: rede de comunicação, comunhão e cooperação

(Bento XVI)







A verdade de Jesus contra falsificações da História

"Como é possível que livros e filmes pretendam mascarar a história, falsear dados da realidade e enganar os leitores e os

espectadores com novelas de fraca literatura e filmes de apagado interesse? Não os criticamos por inventarem o que muito

bem entenderem, mas por raiar a fraude ao confundir a pretensão sensacionalista com dados pseudo-científicos. E,

portanto, ao misturar alguns dados de teor histórico com puras invenções, desinformam" - disse D. Carlos Azevedo, bispo

auxiliar de Lisboa, na homilia da Festa do Senhor Santo Cristo (dia 21 de Maio), em Ponta Delgada, Açores.

O prelado que presidiu às festas predilectas dos açorianos referiu ainda que quando a verdade histórica de Jesus "sofre

ataques, saibam as comunidades e as famílias cristãs aproveitarem a ocasião para falar da verdade de Jesus, dos

primeiros passos da história da Igreja, da evolução das verdades da fé. O interesse pela figura de Jesus cresceu. Estou certo que muitos saberão distinguir novela de história, fé e confiança em Cristo de leituras banalizantes e desrespeitosas do seu mistério". A Ilha de S. Miguel e muitos açorianos vindos de outras ilhas e da diáspora manifestaram (tanto na Eucaristia como na procissão) a sua devoção ao Senhor Santo Cristo. Os peregrinos deslocaram-se àquele santuário para darem uma lição de fé centrada no Ecce Homo, "centrada em Cristo servo sofredor e por isso máxima revelação de um Deus presente na plenitude da vida do ser humano, despojado de vestes, na nudez da sua fragilidade, mas vestido com toda a riqueza de um senhor. Coroado com espinhos dolorosos, mas ornado com o esplendor precioso da glória da santidade" - sublinhou D. Carlos Azevedo, na homilia da celebração.
Papa responde a perguntas de jovens de Roma(IV)

No encontro de preparação para a Jornada Mundial da Juventude




4. Santidade, chamo-me Vittorio, pertenço à Paróquia de São João Bosco em "Cinecittà", tenho 20 anos e estudo Ciência da Educação na Universidade de "Tor Vergata".

Sempre na sua Mensagem, Vossa Santidade convida-nos a não ter medo de responder com generosidade ao Senhor, especialmente quando propõe que o sigamos na vida consagrada ou na vida sacerdotal. Diz-nos que não devemos ter medo, que devemos ter confiança n'Ele, e que não seremos desiludidos. Estou convencido de que muitos de nós, que estamos aqui ou quem nos segue de casa esta tarde através da televisão, tenho a certeza de que estejam pensando em seguir Jesus por um caminho de especial consagração, mas nem sempre é fácil compreender qual é o caminho justo. Pode dizer-nos como compreendeu Vossa Santidade qual era a sua vocação? Pode dar-nos conselhos para compreendermos melhor se o Senhor nos chama para o seguir na vida consagrada ou sacerdotal? Obrigado.


No que me diz respeito, cresci num mundo muito diferente do actual, mas contudo as situações assemelham-se. Por um lado, existia ainda o ambiente de "cristandade", no qual era normal frequentar a igreja e aceitar a fé como a revelação de Deus e procurar viver segundo a revelação; por outro lado, havia o regime nazista, que afirmava em voz alta: "Na nova Alemanha não haverá mais sacerdotes, nem vida consagrada, já não temos necessidade dessa gente; procurai outra profissão". Mas precisamente ouvindo estas vozes "fortes", no confronto com a brutalidade daquele sistema com um rosto desumano, compreendi que ao contrário havia muita necessidade de sacerdotes. Este contraste, ver aquela cultura anti-humana, confirmou-me na convicção de que o Senhor, o Evangelho, a fé nos mostravam o caminho justo e que nos devíamos comprometer para que esse caminho sobrevivesse. Nessa situação, a vocação ao sacerdócio aumentou quase de modo natural juntamente comigo e sem grandes acontecimentos de conversão. Além disso, duas coisas me ajudaram neste caminho: já desde jovem, ajudado pelos meus pais e pelo pároco, descobri a beleza da Liturgia e sempre a amei, porque sentia que nela está reflectida a beleza divina e se nos abre o céu; o segundo elemento foi a descoberta da beleza do conhecimento, conhecer Deus, a Sagrada Escritura, graças à qual é possível introduzir-se naquela grande aventura do

diálogo com Deus que é a Teologia. E assim, foi uma alegria entrar neste trabalho milenário da Teologia, nesta celebração da Liturgia, na qual Deus está connosco e festeja juntamente connosco. Naturalmente não faltaram as dificuldades. Perguntava-me se na realidade eu tinha a capacidade de viver toda a vida o celibato. Sendo um homem de formação teórica e não prática, também sabia que não é suficiente amar a Teologia para ser um bom sacerdote, mas há a necessidade de estar sempre disponível para os jovens, os idosos, os doentes, os pobres; é preciso ser simples com os simples. A Teologia é bela, mas também é necessária a simplicidade da palavra e da vida cristã.

E perguntava: serei capaz de viver tudo isto e de não ser unilateral, só um teólogo, etc.? Mas o Senhor ajudou-me e ajudou-me sobretudo a companhia dos amigos, de bons sacerdotes e mestres. Voltando à pergunta, penso que é importante estar atentos aos gestos do Senhor no nosso caminho. Ele fala-nos através de acontecimentos, de pessoas, de encontros: é preciso estar atentos a tudo isto. Depois, o segundo ponto, entrar realmente na amizade de Jesus, numa relação pessoal com Ele e não saber só através de outros ou dos livros quem é Jesus, mas viver uma relação cada vez mais aprofundada de amizade pessoal com Jesus, na qual podemos começar a compreender o que Ele nos pede. E depois, a atenção ao que somos, às nossas possibilidades: por um lado, ter coragem e, por outro, ser humildes, confiantes e abertos, com a ajuda dos amigos, da autoridade da Igreja, dos sacerdotes, e também das famílias: que quer de mim o Senhor? Sem dúvida isto permanece sempre uma grande aventura, mas a vida só pode ser bem sucedida se tivermos a coragem da aventura, a confiança de que o Senhor nunca nos deixará sozinhos, que nos acompanhará e nos ajudará.
Santo Graal
É possível que, no fundo de todas a histórias à volta da novela Da Vinci, esteja apenas um romance, com cenários de cartão, muito bem embalado, vendido ao cinema. De permeio, uma grande máquina comercial, muito serviço de imaginação, e gente, muita gente, a tomar a novela pela realidade, a ficção pela história, o thriller pelo documentário encenado. E, diga-se, algumas pessoas crentes, cristãs, católicas, com uma pergunta: terei sido enganado pela Igreja? Será que o mundo andou a dormir até àquele dia em que o pintor mais célebre da Última Ceia revelou que no lugar de João estaria Madalena? E que isso significaria outra história de Jesus?

Tudo isto não passará de episódio fugaz que vai derreter-se com o do tempo. E certamente não provocará os estragos que muitos temem. A fé das pessoas na figura de Jesus assenta na solidez da narrativa evangélica que desde os primeiros tempos foi alimentada pelas comunidades cristãs. Apesar de ser necessário vigor e clareza na afirmação da fé, pouco adianta a recriação de autos e fogueiras diante de ficções que por si se desvanecem.

Mas não deixa de ser importante para os crentes uma pergunta: que sabem as nossas comunidades cristãs, católicas, sobre os evangelhos? A sua inspiração, composição, os seus autores, os textos canónicos e os apócrifos, o valor documental e a matéria de fé, o seu enquadramento, os géneros literários, as alegorias, parábolas, as cenas de carácter catequético, as palavras literais de Jesus, o essencial e o periférico?

Estão levantadas, num livro de ficção, algumas destas questões? Ainda bem. As respostas têm vinte séculos de pregação e estudo em igrejas, escolas, universidades, em hebraico, grego, latim e línguas vemáculas em que foram vertidos os textos vétero e neo testamentários. Tudo isso está dito e em constante recapitulação e questionamento entre os biblistas, teólogos e pastoralistas. Não são poucas as questões que continuamente se lançam sobre as narrativas bíblicas. Basta estudar um pouco mais aprofundadamente as leituras proclamadas diariamente na liturgia, para se compreender que nenhum interpretação técnica é pacífica e definitiva. Mas importa dizer que para além de todas as exegeses, há uma experiência serena de fé na Palavra inspirada e indefectível que passou por todas as vicissitudes dos seus autores e das comunidades que a transmitiram. Esta fé é um santo Graal religiosamente guardado no coração dos cristãos, sem códigos nem criptagens. Vivido na transparência que não teme os desafios da história. Nem as brincadeiras de mau gosto, espécie de PlayStation das figuras que fizeram a história bíblica. Os criadores de fábulas dão lucro, mas nada acrescentam à história. Mesmo assim podem questionar as razões de fé dos crentes. E nisso têm mérito.



Pe. António Rego




Agenda Paroquial
Tarde de Oração - O Centro do Apostolado de Oração desta Paróquia, promove no próximo dia 3 de Junho, uma “Tarde de Oração” na Igreja de Nossa Senhora das Mercês, pelas 14,30, terminando com a Celebração da Eucaristia.

Toda a Comunidade e de modo particular os Associados estão convidados a participar.



Faz uma tarde diferente na tua semana, no próximo dia 3 de Junho.

Durante o mês de Junho, dedicado ao Sagrado Coração de Jesus, haverá diariamente das 17 às 18.30 h, Adoração Eucarística, na nossa Igreja Matriz.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal