Antigüidade oriental



Baixar 35.37 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho35.37 Kb.

Demetrius Cesário Pereira

ANTIGÜIDADE ORIENTAL

1. Importância histórica do Oriente Próximo




  • Berço das primeiras civilizações

  • Egito e Mesopotâmia: do tribalismo à vida civilizada

  • Denominação do período: proto-história

  • Oriente próximo: região de contrastes – grandes rios X desertos (uso da irrigação para fertilidade)

  • Organização em grandes comunidades permite sobrevivência: aparecimento do Estado, limitação da individualidade

  • Povo: mistura de indo-europeus e mediterrâneos – berço da fé cristã

  • Ambiência política e geográfica para a formação de impérios aliados às civilizações

  • Controvérsia: primeira civilização – egípcia ou mesopotâmica? Egito teria vantagens geográficas (clima ameno e proteção contra invasões)

2. Civilização Egípcia


2.1. Evolução política do Egito


  • história desenvolveu-se numa estreita zona cultivável nas margens do Nilo (entre os desertos da Arábia e Líbia)

  • população: camita1 e depois dominada por semitas2

  • primeiros agrupamentos: nomos (comunidades agrícolas), que reuniram-se, pelas guerras, em dois reinos: Baixo Egito (delta) e Alto Egito (vale)

  • rivalidades terminaram em unificação, feita por Menés em 3500 a.C.

  • isolamento manteve aspecto original do Egito, nascendo um orgulho nacionalista, com desprezo aos estrangeiros

  • história política do Egito Antigo - dez períodos:

  1. Antigo Império (3300-2300 a.C.)

  2. Período revolucionário de transição (2300-2100 a.C.)

  3. Médio Império ou 1° Império Tebano (2100-1750 a.C.)

  4. Dominação dos hicsos (1750-1580 a.C.)

  5. Novo Império ou 2° Império Tebano (1580-1090 a.C.)

  6. Período de decadência (1090-670 a.C.)

  7. Domínio dos assírios (670-663 a.C.)

  8. Renascimento saíta (663-525 a.C.)

  9. Domínio dos persas (525-332 a.C.)

10) Domínio greco-romano (332 a.C.-638 d.C.)


  • Antigo Império era um teocracia com capital em Mênfis e os faraós (venerados como deuses) eram chefes políticos absolutos. Construção das pirâmides de Gizé. Termina com fase de revoluções devidas aos pesados tributos, formação de uma poderosa nobreza e invasões de tribos negróides e asiáticas

  • Médio Império: menos centralizado e mais democrático

  • 1750 a.C.: invasão dos hicsos, pelo istmo de Suez, que dominam o país com tirania. Guerra de independência iniciada por Amósis I, que transforma-se em déspota

  • Novo Império: agressivo e imperialista, com guerras e conquistas. Faraós: Tutmósis III (1479-1447 a.C.), que domina Síria (região do Nilo ao Eufrates); Amenófis IV (1380-1362), que adota monoteísmo (deus Aton), depois abandonado; e Ramsés II (1300-1223), conquistador do reino hitita3

  • Decadência após a morte de Ramsés II: invasão dos “povos do mar” (indo-europeus) pela Síria e delta. Etíopes e assírios apoderam-se do trono

  • Renascimento saíta: fim da dominação assíria, com Psamético I. Capital em Saís, próxima ao Mediterrâneo, centro comercial e industrial. Forte influência dos gregos (colônia de Náucratis). Reconstrução do canal de Suez. Hamon circunavega a África em três anos.

  • Dominação persa (525 a.C.), seguida pela greco-romana e ainda mais tarde árabe (até hoje)

2.2. Economia




  • Base na agricultura

  • Terras pertenciam ao faraó, mas eram administradas por senhores feudais

  • Indústria cerâmica, têxtil e mineração

  • Controle paternalista do governo

  • Comércio exterior era monopólio do Estado

  • Comércio marítimo provavelmente iniciado pelos egípcios

  • Relações com Fenícia, Arábia, Índia, Grécia

  • Pequenas transações: troca direta. Apesar de não haver moeda, argolas de ouro e cobre circulavam com peso fixo

2.3. Realizações culturais




  • Escrita hieroglífica, primitivamente pictográfica (cada sinal representava um objeto). Gradativamente, sinais foram substituídos por caracteres representando sílabas

  • Filosofia, astronomia, matemática, escrita e literatura nasceram no Egito

3. Civilizações Mesopotâmicas




  • Mesopotâmia: bacias do Tigre e Eufrates, berço de duas importantes civilizações: assíria e babilônica ou caldaica

  • Rios: enchentes periódicas, mas podem trazer destruição

  • Clima de contrastes (0 a 50 °C), agravado pela umidade

  • População primitiva: sumérios – origem camita

3.1. Sumérios




  • Base cultural da civilização mesopotâmica

  • Dedicavam-se à agricultura e ao comércio

  • Barras de metais preciosos usados como moeda

  • Origem do Código de Hamurabi (soberano da Babilônia), com a lex talionis

  • Religião politeísta e antropomórfica

  • Escrita cuneiforme (também usada pelos assírios e babilônios)

3.2. Evolução política da Mesopotâmia




  • Miscigenação com povos de origem semita na Baixa Mesopotâmia (Caldéia). Atividade agrícola com solo fértil. Cidades politicamente independentes governadas por reis denominados patésis

  • Acádios, povos semitas do deserto da Síria, penetram no norte da Caldéia, fundando cidades como Babilônia e assimilam costumes sumerianos

  • Primeira tentativa de unidade acádio-sumeriana: Sargão I (2550 a.C.) – reino mantém-se por dois séculos

  • Novas invasões semitas determinam o predomínio desse povo

  • 1800 a.C. – cidades mesopotâmicas reunidas pelos reis de Babilônia num grande império unificado

  • O 1° Império Babilônico teve como maior soberano Hamurábi, famoso por seu código, que regulava aspectos do direito penal, econômico e social (profissões, casamento, divórcio). Império desaparece no segundo milênio antes de Cristo, com a invasão de povos indo-europeus.

  • Assírios (povo semita do norte da Mesopotâmia) formam estado independente, com a capital em Assur e depois Nínive. Assíria era menos fértil que Caldéia, região montanhosa (Curdistão) que contribui para que o povo tenha tendências guerreiras e imperialistas. Cidades com luxo e prazer, indústria de objetos ornamentais. Nínive torna-se uma cidade magnífica com Senaqueribe e o cruel Assurbanípal. Campanhas militares anuais na primavera, com intuito de cobrar tributos ou novas conquistas, transformam Assíria em um colossal império no fim do século VII a.C. Primeiro exército do mundo a usar cavalaria

  • Nínive cai sob ataque unido babilônio e medo, dando origem ao 2° Império Babilônico ou Caldeu. Nabucodonosor reconstrói Babilônia que se desenvolve pelo comércio tornando-se maior cidade da Ásia. Seus refinamentos acabaram transformando-se em corrupção e as defesas relaxam. Em 539 a.C., Ciro, rei da Pérsia, ataca sem qualquer resistência, sob os aplausos do povo.

4. Civilizações Iranianas




  • Medos e persas: segundo milênio antes de Cristo, noroeste do Planalto Iraniano – povos indo-europeus provenientes do Cáucaso

  • Medos fixaram-se ao sul do Mar Cáspio, na região acidentada do deserto do Irã, fértil e produtiva

  • Persas ocuparam as terras a oeste do lago Urmia, seguindo para a direção sudoeste

  • Características diferentes dos semitas: mais claros e altos

  • Região de contrastes: grandes desertos com rebordos férteis, onde diferenças de temperaturas vão da neve a verões ardentes com tempestades de areia

4.1. Evolução política das civilização medo-persa. O imperialismo aquemênida



  • Pressão assíria no século VIII a.C. com a cobrança de impostos une as tribos medas contra o invasor formando um só reino, com capital em Ecbátana sob o monarca belicoso Ciaxares, sucedido por Astíages, amante do luxo.

  • Persas, estabelecidos numa região mais pobre, mantiveram tradição guerreira e tiveram Ciro, do antigo clã persa dos Aquemênidas4, como um dos seus primeiros reis, fundador de Pasárgada. Apoiado por nobres da corte meda contrários ao pacifismo reinante, unificou os dois povos e conquistou um vasto império. Na época de Ciro, existiam no Oriente Próximo três grandes estados: Egito, Babilônia e Lídia.

  • Creso, rei da Lídia, teme o poderio persa e inicia um ataque preventivo contra Ciro, que vence e ocupa Sardes, capital lídia. Aproveitando-se das dissensões na Caldéia, Ciro ataca a Babilônia, apoiado pelos judeus. Suas dominações eram opressivas, exigindo obrigações econômicas, fonte de revoltas. Ciro morre em 529 a.C. e deixa um império considerável para seu filho Cambises, que empreende a conquista do Egito, mas morre assassinado numa revolução encabeçada por um de seus ministros. Um impostor é colocado no trono, mas é assassinado pelos grandes nobres do reino, que entronam Dario.

  • Dario, o Grande Rei, reprimiu as revoltas, mas respeitou os costumes e as línguas, evitando a desintegração do império. Organizador hábil, dividiu seus domínios em satrapias (províncias), governadas pelos sátrapas, representantes diretos do rei com funções judiciais e fiscais. Controle era facilitado por um sistema de correio e uma rede de estradas que ligavam as satrapias às cidades onde alternativamente residia o rei, como Susa, Pasárgada e Persépolis. Também contribui para a segurança das relações comerciais com o usa da moeda, invenção lídia. A pressão exercida por Dario nas cidades jônias e sua expansão na Trácia despertam a hostilidade dos gregos, resultando nas guerras greco-pérsicas, que duraram quase meio século (492-449 a.C.) e destruíram a hegemonia do Império. As revoltas e intrigas internas preparam a conquista do Império Persa por Alexandre da Macedônia, que toma Persépolis em 330 a.C.

5. Civilização Hebraica




  • Palestina: foco de atração de semitas (Crescente Fértil). Rio Jordão não exerce papel tão importante como rios egípcio e mesopotâmios. Primeiros semitas: cananeus e depois hebreus, oriundos do sul da Caldéia, que dominaram a região sob base patriarcal e vida semi-nômade.

  • Patriarca hebreu: Abraão, natural de Ur, na Caldéia, emigra para Canaã, mas foge para o Egito, sob dominação hicsa, afetado pela fome. Com a expulsão dos hicsos em 1580 a.C., surge forte sentimento de nacionalismo egípcio, o povo hebreu resolve voltar a Canaã, a terra prometida, liderados por Moisés, que morre antes da conquista. Os cananeus resistem, mas no século XII a.C. os hebreus já dominavam o país. Conquista transforma hebreus de pastores nômades a agricultores sedentários, divididos em doze tribos. As tribos que se estabeleceram na Galiléia, região mais fértil e próxima dos centros comerciais fenícios, alcançaram grau de civilização mais avançado do que as estabelecidas na Judéia, que se caracterizavam pela manutenção dos costumes e crenças adquiridos durante a fase de nomadismo.

  • Presença dos filisteus na costa do mediterrâneo e povos semitas nômades do deserto eram um perigo constante de invasão, o que faz surgir entre os hebreus chefes militares denominados juízes, entre eles Samuel, que vence os filisteus e indica Saul como rei, unificando politicamente as doze tribos. Davi, seu sucessor, derrota definitivamente os filisteus e estabelece Jerusalém como capital do reino. Um exército permanente e a cobrança de tributos deram à monarquia a aparência de um império. Salomão, filho de Davi, fez de Jerusalém um importante centro comercial e ficou famoso por suas sentenças e provérbios. O luxo de Salomão motivou uma grave crise na unidade do povo hebreu: as tribos do norte negaram-se a seguir seu sucessor, Roboão. Estabelecem-se dois reinos: o de Israel, constituído pela dez tribos do norte, e o de Judá, formado pelas tribos de Judá e Benjamin, com capital em Jerusalém - Cisma de 932 a.C.

  • As dez tribos do norte constituíram uma confederação de tribos, com um sistema econômico-social comum. O povo judeu enfraquece-se, surgindo um grande antagonismo entre Israel e Judá. Israel desaparece em 772 a.C., destroçado por Sargão II, rei assírio, sua população é expulsa para a Mesopotâmia e em seu lugar são colocados desterrados de outros lugares. Alguns judeus permaneceram e a fusão do elemento nativo com o estrangeiro dá origem aos samaritanos.

  • Nabucodonosor, em 566 a.C., conquista o reino de Judá e deporta para a Babilônia dez mil judeus, e coloca o rei Sedecias no trono de Judá que, oito anos mais tarde, se insurge contra o conquistador. A revolta é reprimida e Jerusalém é arrasada, levando cativos seus sobreviventes (cativeiro da Babilônia) até 538 a.C., quando então Ciro permitiu a volta a seu antigo país. A Palestina foi estado vassalo da Pérsia até 332 a.C., quando foi conquistada por Alexandre Magno e, após sua morte, a região ficou sob controle egípcio. “Em 63 a.C. tornou-se protetorado romano. Sua história política como comunidade judaica acabou em 70 d.C., depois de uma revolta desesperada que os romanos puniram destruindo Jerusalém e anexando o país como província. Seus habitantes aos poucos dispersaram-se pelas outras partes do Império Romano” (Burns, p. 63)

6. Civilização Fenícia




  • Localização: Líbano atual e parte da Síria

  • Praticavam inicialmente a agricultura

  • Posição geográfica, próxima às passagens de caravanas nômades, favorece o contato com diversos povos estrangeiros e o desenvolvimento das atividades de comércio

  • Não existiu estado unificado: “cada cidade era um Estado independente, governado por dois sufetas e organizado como monarquias ou como repúblicas plutocráticas, isto é, controladas pelos cidadãos ricos. Predominavam o poder da elite mercantil, formada por grandes comerciantes e armadores, e o dos sacerdotes. Suas principais cidades como Sidon, Biblos, Tiro e Ugarit estenderam suas rotas comerciais por todo o mediterrâneo, estabelecendo feitorias e colônias em pontos estratégicos.” (Mota e Braick, p. 30)

  • Haviam colônias e feitorias fenícias no norte da África (Cartago), Espanha, França e Chipre, que serviam como entrepostos comerciais

  • Contribuição cultural: invenção do alfabeto

7. Civilização Egéia (minóica)




  • Antes do aparecimento dos gregos – entre 3000 e 2000 a.C.

  • Localização: ilhas do mar Egeu (Creta, principal)

  • Raça semelhante aos egípcios

  • Monarquia progressista, não havia rígida divisão de classes

  • Força marítima comercial era base da organização política, com intercâmbio com todas as regiões do Mediterrâneo oriental

  • Rei era o principal industrial, havia divisão do trabalho, mas a marinha era a principal força econômica

  • Civilização extremamente pacífica

  • Fusão com cultura grega: civilização miceniana (a partir de 1500 a.C.)

8. Lições deixadas pelas civilizações do oriente próximo




  • Época de antagonismos e disputas (Burns, p. 85)

  • Políticas de agressão e expansão

  • Causas: natureza geográfica – cada nação buscava seus interesses em vales fluviais férteis ou planalto de fácil defesa. Isolamento gerava o medo dos estrangeiros (sensação de insegurança) - anexação do Estado vizinho era um anteparo em relação a um mundo hostil

  • Militarismo e conquista acabaram provocando a ruína contra os próprios Estados

  • “Os hábitos guerreiros traziam em seu bojo o racismo, o gosto pela vida fácil e pelo luxo, o crime, a desonestidade, além dos encargos esmagadores da tributação. A expansão do império promovia uma prosperidade fictícia, pelo menos para as classes superiores, e despertava entre as nações mais pobres uma inveja suficiente para transforma-las em ativos conspiradores contra um vizinho rico que pode ser facilmente representado como opressor.” (Burns, p. 85)



1 Descendentes de Cam, filho de Noé

2 Grupo étnico que compreende os hebreus, fenícios, assírios, aramaicos e árabes

3 povo habitante da Ásia Menor

4 De Aquemenes, primeira rei persa, de 700 a 675 a.C.






Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal