Apostila de evangelizaçÃo espírita infantil segundo e Terceiro Ciclos


Lei de Conservação – Desperdícios - Parte 3ª, capítulo V de O Livro dos Espíritos



Baixar 1.21 Mb.
Página11/28
Encontro29.07.2016
Tamanho1.21 Mb.
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   ...   28

Lei de Conservação – Desperdícios - Parte 3ª, capítulo V de O Livro dos Espíritos


         Prece inicial

         Objetivos da aula:

         *Reconhecer que o desperdício é um gesto de egoísmo e de desrespeito à natureza e ao próximo;

         * Identificar as atitudes de desperdícios que praticamos todos os dias;

         * Construir um quadro de ações que evitem o desperdício.

         Bibliografia utilizada: O Livro dos Espíritos.

         Primeiro momento: realizar o Jogo da Vida (antiga Forca), com a palavra tema da aula: "Desperdício". Discutir com a turma o significado da palavra.

         Obs.: o Jogo da Vida utiliza a mesma sistemática do Jogo Forca, mas no lugar de desenhar o bonequinho quando as crianças erram a letra, deve ser desenhado quando elas acertam, com o objetivo de concluir o desenho do bonequinho. Quem acertar a palavra vai ao quadro e completa o desenho. As crianças gostam muito! O desenho pode ser iniciado pelos pés, ou pela cabeça.

         Explicar às crianças, se necessário, que não se trata de Jogo da Forca, porque não devemos enforcar ninguém, nem em uma brincadeira.

         Segundo momento: levar exemplares de O Livro dos Espíritos, para que os evangelizandos vão se familiarizando com as Obras Básicas. No caso de não ser possível levar um livro para cada um, pode-se fazer duplas ou trios ou levar as perguntas a serem trabalhadas em tiras de papel. Pedir que localizem n’ O Livro dos Espíritos as perguntas de número 711, 715, 719, 922 e 923. Oportunizar alguns minutos para que as crianças leiam e tentem entender as perguntas e respostas. O evangelizador, se necessário, poderá auxiliar os grupos no entendimento do proposto.

         Terceiro momento: pedir a um voluntário (ou sortear os grupos para que eles apresentem) para ler a pergunta e explicar o que Kardec quis dizer com aquela pergunta. Outro voluntário lerá a resposta e explicará à turma a resposta lida. Depois de dadas as explicações pelos evangelizandos, o evangelizador deverá complementar as respostas, usando exemplos do dia-a-dia das crianças, desenvolvendo o tema da aula.

         Abaixo sugestões para orientar o evangelizador no desenvolvimento das idéias:

         # Quais são os bens da Terra? A natureza, moradia, transporte, alimentação, roupas, escola. Devemos preservar os bens terrenos cuidando do lugar onde moramos, da nossa escola, atentando para que não haja desperdício de comida e água, roupas e brinquedos em excesso, ou má utilização da natureza, como destruição.

         # Vivemos um projeto de vida para termos o mínimo necessário para viver e evoluir, mas muitas vezes utilizamos mal os bens que temos. Em uma outra encarnação podemos vivenciar a falta daquilo que não valorizamos anteriormente.

         # O limite dos bens Terrenos é o da necessidade de cada um. Ex: comer em excesso pode ocasionar doenças e até mesmo a morte.

         # Não é errado procurar o bem-estar, desde que seja de modo honesto, trabalhando de modo correto para conseguir as coisas Terrenas, sem roubar e sem ficar triste se não tem todas as coisas que gostaria.

         # O que é necessário? O que é supérfluo? Como fazer a diferença?

         # Explicar o que é a posse do necessário (o que é necessário para que vivamos com equilíbrio, sem excessos e sem revolta pelo que não temos), consciência tranqüila (certeza de que estamos fazendo o nosso melhor a cada dia, nos esforçando para ter bons pensamentos e atitudes no bem) e fé no futuro (confiar em Deus e realizar a nossa parte). O Livro dos Espíritos, questão 922.

         # Por intuição ou por experiência podemos compreender o que faz bem ao nosso corpo e a nossa alma (que somos). Os excessos podem nos prejudicar e aos outros, pois o que nos sobra pode faltar a outras pessoas. Quem desperdiça não está sendo caridoso (a caridade integral pode ser compreendida como todo o bem ao nosso alcance).

         # Muitas vezes colocamos nossa atenção em coisas que não são necessárias e sofremos se não as temos; às vezes guardamos para "ter" e não usamos! Exemplos: roupas guardadas até amarelar ou que não nos servem, roupas em excesso quando tem tantas pessoas que não tem o que vestir, água correndo no chuveiro ou em torneiras, comida que sobra no prato; brinquedos em excesso. Não cuidar do que temos também é desperdiçar: livros, brinquedos, material escolar.

         Quarto momento: propor a elaboração individual (ou em grupos) de um quadro: Desperdícios x Ações para Evitar.

         Levar folhas de ofício com as duas colunas escritas (Desperdícios x Ações para Evitar). Pedir que cada criança ou grupo complete o quadro, que pode ser comentado no grande grupo ao final.

         Exemplos que podem surgir na aula:

         * desperdício de água - não deixar a torneira aberta enquanto escova os dentes, banhos mais rápidos, não deixar torneiras pingando, não usar a água como vassoura para lavar as calçadas.

         * não deixar comida no prato - servir apenas o que vai comer ou em pequenas quantidades.

         * não deixar as roupas amarelarem no armário sem uso - doar as roupas que não nos servem mais ou que não são usadas.

         * guardar brinquedos que não usamos mais - doar às crianças que não tem brinquedos para que elas possam brincar.

         * lâmpadas acessas ou TV ligada mesmo sem ninguém no ambiente – apagar a luz, desligar a TV se ninguém estiver assistindo.

         Prece de encerramento


Lei de Conservação - Parte 3ª, capítulo V de O Livro dos Espíritos


         Prece inicial

         Primeiro momento: dividir a turma em vários grupos, de acordo com o número de evangelizandos. Distribuir as afirmativas abaixo, de maneira que cada grupo seja responsável pela resolução de um número X de questões. Por exemplo, o grupo A responderá as afirmativas 1, 2 e 3, o grupo B , as afirmativas 4, 5 e 6, e assim sucessivamente.

         Obs.: interessante entregar para cada evangelizando todas as questões, para que todos possam participar da resolução em conjunto respondendo as questões corretamente. O evangelizador poderá levar vários exemplares de O Livro dos Espíritos para serem consultados, ou imprimir o capítulo tema da aula.

Sugestões de afirmativas:

Coloque V para as afirmativas verdadeiras e F para as afirmativas falsas

         1 - ( ) O instinto de conservação é uma lei natural. LE, 702

         2 - ( ) Deus deu a todos o instinto de conservação para realizarem sua parte nos desígnios divinos. LE, 703

         3 - ( ) A vida na matéria não é necessária ao aperfeiçoamento dos seres humanos. LE, 703

         4 - ( ) Deus sempre dá ao ser humano os meios necessários para que ele viva. LE, 705

         5 - ( ) A Terra tem comida e água suficiente para todos, basta que o ser humano se contente com o necessário, sem desperdiçar com coisas supérfluas. LE, 707

         6 - ( ) Quando falta meios de subsistência às pessoas é porque elas devem aprender com essa prova. LE 708

         7 - ( ) Nos mundos materiais mais evoluídos os seres não precisam se alimentar. LE, 710

         8 - ( ) Há prazer em aproveitar as coisas materiais para que os seres humanos se sintam estimulados a viver e cumprir sua missão. LE, 712

         9 - ( ) Saber aproveitar as coisas materiais da vida, sem exageros, é uma prova aos Espíritos encarnados. LE, 712 e 712-a

         10 - ( ) As doenças, as dificuldades e a morte prematura são resultados do abuso da utilização dos bens materiais. LE, 712, comentário.

         11 - ( ) Não é possível saber o limite entre o necessário e o supérfluo. LE, 715

         12 - ( ) O limite entre o necessário e o supérfluo pode variar de pessoa para pessoa. LE, 717

         13 - ( ) É errado procurar o próprio bem-estar. LE, 719

         14 - ( ) O bem-estar de alguém não deve prejudicar outras pessoas. LE, 719

         15 - ( ) O ser humano deve evitar buscar em excesso as coisas materiais, valorizando as virtudes ensinadas por Jesus. LE, 719

         16 - ( ) Quem se priva de algo para beneficiar outrem, tem mérito perante Deus. LE, 720

         17 - ( ) É permitido ao ser humano alimentar-se de tudo o que não lhe prejudique a saúde. LE, 722

         18 - ( ) Só tem mérito perante Deus não comer certos alimentos se isso tiver por objetivo ajudar os outros. LE, 724

         19 - ( ) Quando o ser humano sofre para ajudar os outros a ação é considerada caridade. LE, 726

         20 - ( ) Nem todos os seres vivos tem instinto de conservação contra os perigos e sofrimentos. LE, 727

Subsídios ao evangelizador:

         1 - (V) O instinto de conservação é uma lei natural. LE, 702 - Está presente o instinto de conservação em toda a natureza. Nos seres humanos, esse instinto é iluminado pelo raciocínio; os animais agem por instinto, sentindo o que podem comer, por onde andar, e percebem outras coisas que os seres humanos não percebem.

         2 - (V) Deus deu a todos o instinto de conservação para realizarem sua parte nos desígnios divinos. LE, 703 - Os seres humanos devem cuidar-se, tanto na esfera física quanto na esfera espiritual para que possa acontecer a evolução material e espiritual.

         3 - (F) A vida na matéria não é necessária ao aperfeiçoamento dos seres humanos. LE, 703 – O seres humanos evoluem através de existências nos planos materiais, onde tem oportunidade de desenvolver as virtudes colocando-as em prática, através do amor ao próximo, das provas e expiações.

         4 - (V) Deus sempre dá ao ser humano os meios necessários para que ele viva. LE, 705 – Deus faz a Terra produzir o necessário para todos, mas não o supérfluo, pois o Pai não daria ao homem a necessidade de viver na Terra sem lhe fornecer os meios para que isso acontecesse.

         5 - (V) A Terra tem comida e água suficiente para todos, basta que o ser humano se contente com o necessário, sem desperdiçar com coisas supérfluas. LE, 707 – Se o homem se contentasse com o necessário, sem ser egoísta, haveria comida para todas as pessoas.

         6 - (V) Quando faltam meios de subsistência às pessoas é porque elas devem aprender com essa prova. LE 708 – Essa é uma prova bastante difícil para o Espírito, que deve aceitar com resignação.

         7 - (F) Nos mundos materiais mais evoluídos os seres não precisam se alimentar. LE, 710 – Os seres se alimentam nos mundos mais evoluídos, porém sua alimentação é mais sutil, de acordo com sua evolução física (seus corpos não são tão grosseiros) e espiritual. Eles não têm necessidade de se alimentarem de seus irmãos menores (carne de animais). Em nosso planeta, está havendo uma mudança nos hábitos alimentares, com um maior interesse por frutas, verduras, sementes, uma alimentação mais natural.

         8 - (V) Há prazer em aproveitar as coisas materiais para que os seres humanos se sintam estimulados a viver e cumprir sua missão. LE, 712 – Se não houvesse prazer nas coisas materiais, os seres humanos poderiam perder o interesse em viver.

         9 - (V) Saber aproveitar as coisas materiais da vida, sem exageros, é uma prova aos Espíritos encarnados. LE, 712 e 712-a – É necessário educar os impulsos da matéria para que haja bem-estar e progresso.

         10 - (V) As doenças, as dificuldades e a morte prematura são resultados do abuso da utilização dos bens materiais. LE, 712, comentário. – Tudo o que for em excesso prejudica a harmonia espiritual e física.

         11 - (F) Não é possível saber o limite entre o necessário e o supérfluo. LE, 715 - Através do conhecimento e da experiência adquirida nas várias existências, os seres vão tendo condições de perceber os limites entre o necessário e o supérfluo.

         12 - (V) O limite entre o necessário e o supérfluo pode variar de pessoa para pessoa. LE, 717 - Não há regras absolutas, os limites devem ser regulados pela razão, pois o ser humano atual tem necessidades que seus antepassados não conheciam.

         13 - (F) É errado procurar o próprio bem-estar. LE, 719 – O bem-estar é um desejo natural dos seres humanos.

         14 - (V) O bem-estar de alguém não deve prejudicar outras pessoas. LE, 719 – Correto, Deus condena o abuso; e Jesus nos ensinou que não devemos fazer aos outros o que não gostaríamos que fizessem conosco.

         15 - (V) O ser humano deve evitar buscar em excesso as coisas materiais, valorizando as virtudes ensinadas por Jesus. LE, 719 – A busca pelas coisas materiais não deve ser o objetivo principal em nossa existência, e sim o desenvolvimento das virtudes ensinadas por Jesus.

         16 - (V) Quem se priva de algo para beneficiar outrem, tem mérito perante Deus. LE, 720 – Tudo o que é feito com o objetivo de auxiliar nossos irmãos tem mérito perante Deus.

         17 - (V) É permitido ao ser humano alimentar-se de tudo o que não lhe prejudique a saúde. LE, 722 – O ser humano deve ter uma alimentação saudável, sem excessos, que beneficie o corpo físico.

         18 - (V) Só tem mérito perante Deus não comer certos alimentos se isso tiver por objetivo ajudar os outros. LE, 724 – Correto, a privação de certos alimentos deve ter um fim útil e não apenas para alimentar a vaidade.

         19 - (V) Quando o ser humano sofre para ajudar os outros a ação é considerada caridade. LE, 726 – Os sofrimentos que visam auxiliar o próximo têm mérito perante Deus.

         20 - (F) Nem todos os seres vivos tem instinto de conservação contra os perigos e sofrimentos. LE, 727 - Deus deu a toda sua criação instinto de conservação, visando defender a existência material e utilizar-se da matéria para evoluir.



Subsídios ao evangelizador: O Livro dos Espíritos, Capítulo V – Lei de Conservação – questões 702 a 727.

         Segundo momento: dialogar acerca das respostas apresentadas pelos grupos, cabendo ao evangelizador complementar as respostas, elucidando eventuais dúvidas.

         Prece de encerramento





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   ...   28


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal