Apostila de evangelizaçÃo espírita infantil segundo e Terceiro Ciclos


Livre-arbítrio e Lei de Causa e Efeito



Baixar 1.21 Mb.
Página14/28
Encontro29.07.2016
Tamanho1.21 Mb.
1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   ...   28

Livre-arbítrio e Lei de Causa e Efeito


         Prece inicial

         Primeiro momento: colocar em cima da mesa várias frases (em número maior que o número de evangelizandos) e pedir para que cada evangelizando escolha uma das frases. Em seguida eles devem ler a frase que escolheram, pois no momento posterior terão a oportunidade de trocarem a frase que escolheram por outra frase que ficou na mesa ou com uma frase escolhida por um colega (mas não podem ler previamente a frases do colega ou da mesa). Pedir, então, que pensem se desejam trocar a frase, realizando a troca, se assim desejarem.

         Sugestões de frases:

O amor cobre uma multidão de pecados.

         O bem que anula o mal que fizemos pode ser feito a qualquer pessoa e não necessariamente a quem prejudicamos.

         Livre-arbítrio é a liberdade de pensar e de agir, construindo seu destino. Sem o livre-arbítrio o homem seria máquina.

         Livre-arbítrio é instrumento para a felicidade.

         O futuro do homem não está nas estrelas, mas sim na sua vontade.

         Sorte não existe, o futuro é resultado de nossas escolhas. Quando escolhemos bem passamos a merecer o bem que nos acontece.

         Carma não é uma palavra que faça parte da Doutrina Espírita. Mas ela é utilizada para expressar o conjunto de nossas ações positivas e negativas e suas consequências.

         O bem ou o mal que realizamos hoje, pode ter consequências nesta vida ou nas próximas reencarnações.

         A fatalidade existe unicamente pelas escolhas que o Espírito realiza ao encarnar, desta ou daquela prova para superar. Mas pode ter suas dificuldades amenizadas pelo bem que realizar.

         É trabalhando e lutando, sofrendo e aprendendo, que a alma adquire as experiências necessárias na sua marcha para a perfeição.

         A liberdade e a responsabilidade perante as escolhas aumentam com a elevação do ser.

         Muitas doenças, dores e males dessa existência não são consequências das existências passadas, mas das escolhas equivocadas/negativas desta mesma existência.

         Segundo momento: contar a história Nossa Casa.


Nossa Casa


         Um velho carpinteiro estava em vias de se aposentar. Chegou ao seu superior e informou a decisão. Os anos lhe pesavam muito e ele desejava uma vida mais calma.

         Queria descansar um pouco, estar mais com a família, despreocupar-se de horários e rígidas disciplinas que o trabalho lhe impunha.

         Porque fosse um excelente funcionário, seu chefe se entristeceu. Perderia um colaborador precioso.

         Como última tarefa, antes de deixar seu posto de tantos anos, o chefe lhe pediu que construísse uma última casa. Era um favor especial que ele pedia.

         O carpinteiro consentiu. A medida que as paredes iam subindo, as peças sendo delineadas, o acabamento sendo feito podia se perceber à distância que os pensamentos e o coração do servidor não estavam ali.

         Ele não se empenhou no trabalho. Não se preocupou na seleção da matéria-prima, de forma que as portas, janelas e o teto apresentavam sérios defeitos.

         Como também não teve cuidado com a mão de obra, a casa tomou um aspecto lamentável. Foi uma maneira bem desagradável dele encerrar a sua carreira.

         Surpresa maior foi quando o chefe veio inspecionar a obra terminada. Olhou e pareceu não ficar satisfeito. Aquele não era um trabalho do seu melhor carpinteiro.

         No entanto, tomou as chaves da casa e as entregou ao carpinteiro.

         "Esta casa é sua. É meu presente para você, por tantos anos de dedicação em minha empresa."

         Que choque! Que vergonha! Se ele soubesse que a casa seria sua, teria caprichado. Teria buscado os melhores materiais, a melhor mão de obra. O acabamento teria merecido atenção especial.

         Mas agora ele iria morar naquela casa tão mal feita.

         Porque a nossa vida de hoje é o resultado de nossas atitudes e escolhas feitas no ontem. Tanto quanto nossa vida do amanhã será o resultado das atitudes e escolhas que fizermos hoje.

Fonte: www.momento.com.br

         Terceiro momento: comentários à história.


  • Construir a nossa casa é realizar escolhas.

  • Nossa casa é a nossa vida passada, presente e futura.

  • A nossa vida de hoje é o resultado de nossas atitudes e escolhas feitas no ontem. Tanto quanto nossa vida do amanhã será o resultado das atitudes e escolhas que fizermos hoje.

  • Importante fazer o que é certo, fazer o seu melhor. Porque cada atitude tem consequências. Fazer para o outro o que gostaríamos que fizessem pra nós.

         Quarto momento: lembrar que eles escolheram entre as frases que estavam na mesa, e puderam trocar por outra frase. Mas toda escolha tem consequências, assim como as escolhas que fizemos durante nossa vida.

    • Livre-arbítrio é a liberdade que temos de escolher, mas que não podemos escolher as conseqüências das escolhas.

    • Importante plantar o bem para colher o bem. Quem escolhe o mal, acaba recebendo algo de ruim de volta, mais cedo ou mais tarde.

    • Escolher o que é certo e ético nos conduz à felicidade, enquanto escolhas equivocadas trazem sofrimentos.

         Quinto momento: pedir que cada evangelizando comente a frase que escolheu. O evangelizador irá complementar/corrigir os comentários, se necessário.

         Subsídios ao evangelizador:

O amor cobre uma multidão de pecados. Frase dita por Pedro, indicando que com boas ações podemos anular o mal que fizemos anteriormente, amenizando as consequências de nossos erros. O bem traz felicidade, diminui o sofrimento.

         O bem que anula o mal que fizemos pode ser feito a qualquer pessoa e não necessariamente a quem prejudicamos. Podemos reparar o mal que realizamos no passado fazendo o bem a outra pessoa, e não necessariamente aquela a quem prejudicamos anteriormente. A lei de causa e feito, uma das leis divinas, permite que reparemos o mal fazendo o bem, independente de para quem seja, pois muitas vezes não reencontramos a pessoa que prejudicamos, pois ela mudou de cidade, já desencarnou ou simplesmente não a vemos mais.

         Livre-arbítrio é a liberdade de pensar e de agir, construindo seu destino. Sem o livre-arbítrio o homem seria máquina. O livre-arbítrio é parte da bondade de Deus, que permite aos seus filhos evoluírem por seus próprios méritos, pois do contrário, tudo já estaria pré-determinado e seríamos como máquinas pré-programadas.

         Livre-arbítrio é instrumento para a felicidade. Podemos escolher ser felizes, realizando boas ações que terão como conseqüência a felicidade, ou escolher o sofrimento, escolhendo o mal, o egoísmo, o orgulho e a vaidade.

         O futuro do homem não está nas estrelas, mas sim na sua vontade. Não temos um futuro pré-determinado que pode ser visto em mapas astrológicos, ou em horóscopos. Nosso destino depende de nossas escolhas, de nossa vontade de acertar, do nosso esforço no bem, em progredir espiritualmente.

         Sorte não existe, o futuro é resultado de nossas escolhas. Quando escolhemos bem passamos a merecer o bem que nos acontece. Não existe “sorte” ou “azar”, mas sim merecimento, pois o que nos acontece é resultado das escolhas que realizamos. Assim, colhemos o que plantamos, se plantamos amor, colhemos amor, se plantamos ódio ou vingança, receberemos tristeza e dor.

         Carma não é uma palavra que faça parte da Doutrina Espírita. Mas ela é utilizada para expressar o conjunto de nossas ações positivas e negativas e suas consequências. A palavra carma não foi usada por Allan Kardec na Codificação Espírita, ela faz parte de algumas religiões orientais, significando as escolhas e o resultado de nossas ações. Quando alguém diz: “Ele é meu carma”, deveria lembrar que estar convivendo com aquela pessoa é uma oportunidade de resgatar débitos e de aprender com o irmão encarnado e com as situações que está vivenciando.

         O bem ou o mal que realizamos hoje, pode ter consequências nesta vida ou nas próximas reencarnações. Muitas vezes o resultado de nossas ações não retorna pra nós logo em seguida, levando-nos a pensar que nossas escolhas ou ações não têm consequências. O que ocorre é que a colheita pode vir nesta encarnação, em momento bem posterior ao plantio, ou na próxima encarnação, mas nunca o bem ou o mal que realizamos fica sem retorno.

         A fatalidade existe unicamente pelas escolhas que o Espírito realiza ao encarnar, desta ou daquela prova para superar. Mas pode ter suas dificuldades amenizadas pelo bem que realizar. Não nascemos com um destino pré-determinado, mas realizamos escolhas de provas, quando ainda estamos na espiritualidade; essas provas, se bem aproveitadas, nos farão evoluir mais rápido. Podemos citar como exemplo alguém que decide nascer com uma deficiência, a fim de acelerar o seu progresso. A única fatalidade é a morte e que, um dia, todos seremos Espíritos puros. Cada um escreve o seu futuro diariamente, através das escolhas que realiza, e pode escolher o bem, diminuindo o sofrimento por erros do passado.

         É trabalhando e lutando, sofrendo e aprendendo, que a alma adquire as experiências necessárias na sua marcha para a perfeição. Evolução é o resultado do esforço no bem. Todos possuímos muitas virtudes a desenvolver, e só através do próprio esforço e determinação em aprender a amar, a perdoar, a ajudar o próximo, a seguir os ensinamentos de Jesus é que progredimos.

         A liberdade e a responsabilidade perante as escolhas aumentam com a elevação do ser. Quanto mais evoluído o Espírito, maiores as responsabilidades pelas suas escolhas, pois quem já tem o conhecimento responde de maneira diferente de quem ainda está na ignorância. Os Espíritos que já tem algum progresso moral podem escolher na Espiritualidade (antes de reencarnar) as provas que terão que superar para evoluir.

         Muitas doenças, dores e males dessa existência não são consequências das existências passadas, mas das escolhas desta mesma existência. Às vezes achamos que tudo é consequência de escolhas e erros cometidos em existências passadas, mas muitas vezes colhemos agora os resultados das más escolhas nesta existência mesmo, como, por exemplo, um problema na pele por exposição demasiada ao sol sem os devidos cuidados; uma gastrite por má-alimentação ou por excesso de preocupações. É preciso atentar para nossas atitudes nesta existência, fazendo escolhas adequadas a nossa felicidade.

         Sexto momento: contar a narrativa Uma História Real, comentando, ao final, que tudo de bom ou de ruim que fazemos retorna para nós, mais cedo ou mais tarde, nesta ou em outra reencarnação. A escolha (livre-arbítrio) de quais atitudes teremos (boas ou ruins) é nossa, e através dessas escolhas estaremos elegendo o sofrimento (escolhendo o mal) ou a felicidade (escolhendo o bem) como consequência.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   ...   28


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal