ApreciaçÃo do documento da base curricular comum análise das ciências humanas



Baixar 25 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho25 Kb.
APRECIAÇÃO DO DOCUMENTO DA BASE CURRICULAR COMUM
ANÁLISE DAS CIÊNCIAS HUMANAS

Percebemos que os conceitos de “classe social”, “divisão social e territorial do trabalho” e “modelo de desenvolvimento capitalista” são pouco trabalhados em seu caráter transversal nos objetivos das disciplinas que compõem as Ciências Humanas. Nas poucas vezes em que aparecem, os referidos conceitos são apresentados quase que exclusivamente em determinados objetivos de Sociologia. Além disso, falta maior problematização e análise crítica dos conceitos, destacadamente o de classe social, apresentado restritamente como parte de uma diversidade cultural ou de grupos sociais. Entendemos que a divisão e conflito entre classes sociais, seguindo a perspectiva marxista, não devem ser entendidos enquanto parte de uma diversidade a ser respeitada ou mantida, mas fundamentalmente como base da desigualdade histórica da produção do espaço e da desigual distribuição da riqueza no modelo de desenvolvimento capitalista. Tais conceitos são caros, em especial para os estudantes jovens, adultos trabalhadores, considerando que majoritariamente estes estudantes são parte das classes populares, de baixa renda e vivem em territórios da periferia e favelas da cidade, em situação de intensa vulnerabilidade socioambiental e civil.



HISTÓRIA
No componente de história, há uma forte ênfase à valores de liberdade, justiça social, pluralidade, solidariedade, sem deixar claro os referenciais teóricos de tais conceitos. Há um destaque a ideia de indivíduo, dando margens a uma abordagem biográfica das chamadas “grandes personalidades” e o “mito do herói”. Apesar do documento destacar o estudo do Brasil, não fica claro sob quais perspectiva discursiva este estudo será feito, como por exemplo a abordagem eurocêntrica. Já nas séries iniciais do ensino fundamental, há uma valorização da família enquanto primeiro espaço social de convivência da criança, no entanto não registra-se a importância de processo de construção histórica da família. No ensino fundamental a classificação dos tipos de trabalho é expressa por trabalho livre e compulsório, remunerado e não remunerado. Não há referência de trabalho escravo. O documento aborda a formação dos blocos político-econômicos, tais como Mercosul, União Européia, Nafta e BRICS, mas não cita sua relação com o neoliberalismo, termo totalmente ausente no documento. Observamos que a dimensão “Política Cidadã”, trazida no documento, restringe a uma participação política institucionalizada e escolarizada, ocultando outras possibilidades de participação política como o diálogo ou atuação em outros espaços não formais de participação social. Há necessidade de maior problematização das discussões sobre cidade no documento, pois o texto tende a apresentar a questão apenas por sua divisão oficial-administrativa ou descrições físicas do espaço.

GEOGRAFIA
No âmbito da disciplina de geografia, foi observado na análise do currículo do Ensino Fundamental (1º ao 9º ano) que os princípios trazidos no que se refere à “Responsabilidades e o Mundo” segue-se uma tendência à responsabilização individual, e pouco problematiza a relação entre indivíduo e sociedade, conflitos sociais e desigualdade sociais espaciais. Em contrapartida, percebemos o reconhecimento da relação do cotidiano do estudante com outras escalas geográficas na dimensão “O Sujeito e o Mundo”. No documento há pouco destaque ou ausência dos conceitos de injustiça ambiental e conflito ambiental nos objetivos de Geografia e Sociologia, pelo contrário, há uma forte ênfase à sustentabilidade desconectada da discussão de modelo de desenvolvimento capitalista.

No Ensino Médio, observa-se no documento pouca abordagem das questões físicas e suas interfaces com as dimensões políticas das questões ambientais como clima, relevo, biomas e aquecimento global. Percebe-se certa preocupação em discutir, além das questões citadas acima, a sustentabilidade, mas é interessante lembrar que todo o espaço natural no qual se assentou os espaços geográficos e todas as suas nuances, é fruto de um início por muitas vezes esquecido, que é a origem do planeta Terra e suas consolidações internas e externas, e o tempo de formação de tudo isso, até mesmo para que se compreenda o processo de resiliência dos sistemas terrestres, onde a vida humana se desenvolve. Essa dinâmica terrestre deve ser conhecida, para que seja possível o verdadeiro entendimento de vários fenômenos terrestres que assolam as populações, como terremotos, tsunamis, mudanças climáticas e escassez hídrica. Por sua vez, esses fenômenos estão diretamente relacionados com o que se pretende na discussão de sustentabilidade e saúde, esse último pouquíssimo citado no documento.

O documento, por sua vez, contempla a regionalização e história dos territórios das populações africanas e indígenas nos objetivos de Geografia, no entanto restringe-se a uma perspectiva culturalista com pouco enfoque na perspectiva crítica dos conflitos territoriais, lutas sociais vivenciadas por estes povos. Há uma ausência da discussão campo-cidade, tema extremamente importante, principalmente, em se tratando de estudantes jovens e adultos, que apresentam experiências de migração, expulsão do campo e ocupação precária nos centros urbanos.

A saúde aparece na Geografia como necessidade do cuidado individual através de hábitos e costumes. A comunidade científica, bem como, as organizações internacionais (OMS, OPAS, etc.) trabalham na perspectiva do conceito de saúde ampliado, não se limitando pela ausência de doença. Além da adequação do debate atual da saúde no BNCC, recomendamos trabalhar o tema como uma produção social, circunscrita teoricamente na determinação social da saúde, e na Geografia, através do conceito de território, como conceito que possibilita identificar as condições de vida de determinada população através das suas práticas sociais cotidianas.




SOCIOLOGIA
Inicialmente, é necessário reforçar a importância da presença da disciplina – Ciências Sociais no Ensino Fundamental, mesmo não sendo de caráter obrigatório nesta etapa de formação. Há escolas como o Colégio Pedro II e a EPSJV / EJA Manguinhos que contam com Ciências Sociais em seu currículo no 2º Segmento do Ensino Fundamental.

No tocante ao Ensino Médio, a Sociologia é entendida como uma disciplina subsidiária às demais, tendo caráter auxiliar ou como postula o documento – “A presença da Sociologia enriquece a formação desenvolvida pelos demais componentes curriculares de Ciências Humanas no Ensino Fundamental e Médio” (BNCC, p.295). Vale ressaltar, que a Sociologia não deve ter o papel de “enriquecer” nenhuma formação, mas ser um componente curricular que trabalha conceitos, temáticas, aspectos e fenômenos sociais que visam não à reprodução, mas uma radical transformação societária e, portanto, deve entender o educando e o educador como produtores de conhecimento e não como “tabulas rasas”.

O documento é na verdade uma tautologia no tocante às proposições para a Sociologia, não trazendo nada de novo ao que já foi indicado na LDB e, mais especificamente nos Parâmetros Curriculares Nacionais para as Ciências Humanas. E, apesar de apontar caminhos pedagógicos em linhas gerais, convergentes com perspectivas críticas de formação em Sociologia, o documento defende a necessidade de discussão sobre temáticas como cidadania, meio ambiente e direitos humanos desconsiderando as tensões teórico-políticas e, por consequência, não explicitando os autores referenciais. Cidadania, por exemplo, é citada inúmeras vezes, mas a forma como este conceito está sendo entendido não é explicitada.

Desse modo, iniciativas como Ação Global, Criança Esperança, Ressoar, TeleTon e toda espécie de assistencialismo e filantropia podem ser entendidas como fomentadoras de cidadania, desconsiderando o caráter de classe na perspectiva marxista. Aliás, a pausterização de conceitos atende muito bem aos interesses do capital, que se apropria destes e os resignifica convenientemente. Já a questão ambiental é associada ao termo “sustentabilidade”, o qual é uma forma de tornar palatável a exploração dos recursos naturais, em detrimento da autodeterminação dos povos e de seu direito à terra. Deste modo, é possível entender a omissão à temática do racismo / injustiça ambiental e a ênfase à sustentabilidade.

Os direitos humanos compreendem um campo de discussão extremamente relevante para a Sociologia. Entretanto, uma abordagem descontextualizada e conteudista pode servir apenas para a memorização de datas e legislações sem aprofundar as contradições presentes no conjunto das relações sociais no âmbito do capitalismo. Aliás, o termo capitalista não aparece em nenhum momento, assim como o socialismo. Enquanto componente curricular das Ciências Humanas, estes dois modelos de desenvolvimento / projetos de sociedade são centrais para quaisquer propostas pedagógicas a serem desenvolvidas na Sociologia.

FILOSOFIA
Corroborando com os apontamentos anteriores, acrescento alguns destaques no que diz respeito ao componente curricular Filosofia. Na introdução à proposta (objetivos de aprendizagem do componente), percebe-se algumas afirmações acerca da Filosofia que sugerem sua importância como área do conhecimento, sua pertinência para a Educação Básica, bem como algumas das suas interfaces com outras áreas. Não haveria comentários ao que é apresentado, na medida em que expressam uma perspectiva cuja amplitude capta algumas das múltiplas facetas da Filosofia.

Quanto aos objetivos de aprendizagem, cabe ressaltar que a divisão proposta (introdução ao filosofar; opinião, conhecimento e gosto; condição humana e responsabilidade pelo mundo) é, à semelhança do que disse acima, uma das possibilidades, entre tantas outras. Embora possa ser pertinente, não há justificação da seleção realizada. Ademais, a sequência apresentada não difere muito da abordagem tradicional, a qual vem recebendo uma série de críticas ao longo dos últimos anos.

Outro aspecto importante refere-se à numerosa menção à expressão “filosofias de vida” ao longo do texto. Sobre ela, cabe questionar o que se pretende designar? Embora haja, na história da filosofia, margem para a abordagem da filosofia como modo de vida (boa vida ou bem viver), a menção, porque não se encontra aprofundada/especificada, dá margem à interpretação vulgar.


ENSINO RELIGIOSO
Consideramos de extrema importância problematizar algumas questões que estão diretamente relacionadas com o que ensinar, como ensinar e para que ensinar, neste contexto, o ensino religioso.

Primeiramente, cabe-nos questionar sobre quais referenciais a laicidade das escolas públicas, garantidas na legislação educacional, vem sendo tecidas nas práticas pedagógicas. Muitas experiências escolares revelam que a ausência de uma discussão coletiva sobre este assunto dão margens para uma multiplicidade de sentidos ou até mesmo a naturalização ou desprezo pelo que chamamos de estado laico. Neste sentido, a escola laica pode significar um espaço privilegiado para visibilidade das concepções ateístas; para um grupo, a abertura para abordagem da diversidade religiosa na tentativa de uma certa “equidade” entre as diferentes religiões; já para outros, um espaço oportuno para propagação de uma vertente religiosa do professor ou da professora.

Esta discussão nos remete há uma segunda problematização: Quais as habilidades e conhecimentos necessários para um professor/professora lecionar uma disciplina de Ensino Religioso em uma escola laica? Isto pressupõe pensar qual o lugar que o tema da religião tem ocupado em nossas formações de licenciatura, considerando que este tema vem sendo cada vez mais recorrente na Educação Básica, seja enquanto proposta de um componente curricular, seja na sua transversalidade que perpassa diferentes disciplinas. Em contrapartida, também precisamos problematizar as influências e as relações entre as formações das instituições religiosas e a escola. Cabe dizer, inclusive, que algumas políticas municipais de educação já adotam como critério de seleção dos seus docentes de Ensino Religioso, a comprovação documental de vínculo em instituições religiosas.

Queremos aqui demarcar que a forma como este “Ensino Religioso” será desenvolvido estará intimamente relacionada com a formação ou não formação deste professor, assim como, as suas experiências religiosas. Ainda reconhecendo a ausência ou pouco debate em nossas formações sobre este tema, consideramos que a religião enquanto um tema transversal às disciplinas tende a uma maior pluralidade de abordagem do que aquela restrita a um componente curricular. Isso nos provoca, por sua vez, rever os nossos planos de cursos e currículos pedagógicos.



A prática e o fundamento do Ensino Religioso em Escolas Públicas ferem diretamente a laicidade do Estado Democrático de Direito no Brasil, assim como interpretamos a Constituição Federal. Constatamos que em Escolas Públicas Estaduais do Rio de Janeiro, por exemplo, os profissionais que lecionam o chamado “Ensino Religioso” são selecionados segundo vinculações comprovadas com instituições e espaços religiosos direcionados a uma determinada religião, invariavelmente de base cristã- protestantes ou católicas, em sua grande maioria. Não acreditamos que exista na prática o respeito à diversidade religiosa, suficientemente consolidado em espaços e instituições da sociedade brasileira, como exemplificam os frequentes casos de violência contras as religiões e crenças de matrizes africanas, cometidas por seguidores de outras religiões. As experiências de “Ensino Religioso” das Escolas Estaduais do Rio de Janeiro e Universidades privadas de Ensino Superior seguem uma forte tendência à adesão de determinadas correntes do cristianismo e desrespeito à conquista social, legalmente expressa, do Estado Laico. Apontamos também que dialeticamente é possível afirmar a necessidade de ampliação de ações, debates críticos e científicos sobre religião e ciência nas Escolas Públicas, ainda restritos a iniciativas minoritárias de educadores das Ciências Humanas. Cabe dizer que o debate crítico e democrático, assim como atividades que apresentem o conflito e a diversidade religiosa, tem crescido em quantidade e importância nas práticas pedagógicas. A ampliação se justifica principalmente pelos seguintes motivos: o fato de grande parte dos estudantes, principalmente o estudante jovem e adulto, pertencentes às classes populares, ser muito influenciado em suas concepções de mundo pela religião - valores, conhecimentos e dogmas - e a importância de apresentarmos as contradições e violência simbólica também presentes em parte da ciência, como, por exemplo, o fato de em determinado momento histórico o discurso científico ser usado para justificar o racismo. Entendemos que o tema “Religião” é transversal aos componentes de todas as Ciências Humanas, portanto definir uma ‘disciplina’ a parte de “Ensino Religioso” é uma contradição que limita a interdisciplinaridade e transversalidade do tema. No documento, os conceitos de cultura e diversidade sugerem relações harmoniosas, ocultando a abordagem dos conflitos e disputas existentes. Entendemos a diversidade cultural nas suas múltiplas dimensões: religiosa, de gênero, étnico-racial. De todo modo, compreendemos que o conceito de diversidade não pode esconder a desigualdade e as relações de poder existentes na sociedade.


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal