Ariane Luna Peixoto


Diretrizes e estratégias para a modernização das coleções botânicas brasileiras



Baixar 196 Kb.
Página5/5
Encontro29.07.2016
Tamanho196 Kb.
1   2   3   4   5

Diretrizes e estratégias para a modernização das coleções botânicas brasileiras


É crescente o papel das coleções científicas no desenvolvimento e na geração de novos horizontes em pesquisa botânica, que, por seu turno, têm dado novo impulso às coleções, levando à sua diversificação e ao seu enriquecimento. Muitas se tornam coleções sem igual no mundo, tanto no tocante à flora de uma região específica quanto para alguns táxons em especial. Projetos de inventários florísticos e de elaboração de floras, de modo geral reunindo esforços de muitos pesquisadores, têm dado destaque a diversas coleções brasileiras.

O crescimento e a melhoria dessas coleções levam ao incremento da produção científica em diferentes campos da botânica. As coleções com corpo técnico mais produtivo e bem capacitado têm mais oportunidades de mantê-las atualizadas, de realizar permuta de exemplares e de promover o crescimento da coleção, bem como mais acesso a recursos nas agências de fomento. Entretanto, o futuro das coleções dependerá também da sua habilidade de absorver e adaptar novas metodologias e tecnologias e de compreender demandas manifestas pela sociedade. Portanto, o apoio à capacitação e à modernização da infra-estrutura dos herbários brasileiros é estratégico para o desenvolvimento da ciência botânica como um todo.

Considerando o ainda insuficiente número de especialistas em grupos taxonômicos, de recursos de infra-estrutura e financeiros para atender às demandas do inventário e de caracterização da biodiversidade diante das dimensões do território nacional e a riqueza florística do País, são indicadas a seguir algumas diretrizes essenciais para a consolidação das coleções botânicas brasileiras e para a capacitação de pessoal para a lida com coleções da flora e da micota nacional, bem como estimativas de custo para as ações sugeridas.

Infra-estrutura e gestão de informações - Apoiar as coleções na ampliação dos recursos humanos e materiais, visando à preservação e à dinamização do acervo; promover a informatização das coleções científicas e sua respectiva integração, de modo a agilizar o intercâmbio e a comunicação e divulgar os acervos; ampliar a capacidade instalada das coleções brasileiras, de modo a torná-las aptas a responder às demandas crescentes sobre biodiversidade; conscientizar os órgãos diretivos das instituições que detêm coleções científicas em botânica (especialmente herbários) da importância científica de tais acervos e de sua responsabilidade com a adequada manutenção, provendo a contratação de pessoal de apoio, dotação de verbas orçamentárias e ampliação do espaço físico; implementar as bases de um herbário virtual nacional.

Objetivos

Metas

Ações e Prazos

Curto

(até 3 anos)

Médio

(até 5 anos)

Longo

(até 10 anos)

Ampliar e modernizar as coleções botânicas do País

Informatização e gerenciamento da informação



Melhoria da infra-estrutura dos herbários brasileiros

Melhorar as condições de armazenamento dos espécimes, o sistema elétrico e de prevenção de incêndios

Incentivar o armazenamento em diferentes meios (secos em estufas, em sílica, fixado em FAA, etc.)



Adequar o espaço físico para o acondicionamento das coleções, incluindo material conservado em meio líquido e em gel de sílica

Ampliar as melhorias na estruturação dos herbários nacionais

Ampliação da capacidade instalada

Aumentar em 30% a capacidade instalada nas instituições oficiais para concretizar os inventários de plantas vasculares, avasculares e fungos (incluindo fungos liquenizados)

Aumentar em 50% a capacidade instalada nas instituições oficiais para concretizar os inventários de plantas vasculares, avasculares e fungos (incluindo fungos liquenizados)

Aumentar em 100% a capacidade instalada nas instituições oficiais para concretizar os inventários de plantas vasculares, avasculares e fungos (incluindo fungos liquenizados)

Garantia de recursos mínimos para curadoria, manutenção e segurança das coleções de madeira


Propiciar a instalação adequada das coleções, com obras para adequação do espaço físico, aquisição armários e laminários, fumigação e climatização

Promover a aquisição de material permanente para a confecção de lâminas, como micrótomos e microscópios

Todas as xilotecas com requisitos mínimos para as atividades de curadoria e pesquisa

Implantação da Rede Brasileira de Xilotecas


Organizar a rede de xilotecas e captar recursos para a promoção de encontros periódicos

Promover a interligação das informações

Consolidar uma rede de informação integrada, de acesso livre e aberto

Adequação de tratamento dos acervos

Dotar de sistema de controle termo-higrométrico em pelo menos um herbário cadastrado no sistema por unidade da federação

Realizar expurgo e/ou desinsetização mínima, dependendo do tipo de acervo

Incrementar a montagem de exsicatas, preparo de rótulos, registro e inclusão

Dotar cada acervo de câmera digital e arsenal para armazenamento de imagens e iniciar a tomada de imagens das coleções selecionadas




Dobrar o número de herbários com sistema de controle termo-higrométrico

Realizar regularmente expurgo (bianual em herbários da Região Sul, anual nas demais)

Comparar o estado de identificação das amostras em cada acervo, verificando aquelas que têm duplicatas atualizadas em outros herbários

Enviar imagens aos especialistas, solicitando determinação nos casos em que isso for possível




Dar continuidade a todas as etapas de trabalho técnico de conservação das coleções e de curadoria

Extrapolar o modelo para todos os demais herbários nacionais




Diversificação e aprimoramento científico dos acervos

Estabelecer ou incrementar doações em troca de identificação ou intercâmbio entre herbários nacionais

Dotar os herbários de literatura taxonômica fundamental

Viabilizar a realização de visitas de especialistas para atualização das identificações e verificação de coleções incertae sedis

Produzir listas florísticas simples (baseadas no acervo já disponível) e/ou relatórios de mapeamento de coletas de forma a (re)direcionar expedições de coleta



Implantar projetos de coleta e pesquisa com obtenção de material conservado em meio líquido para estudos anatômicos e em gel de sílica para extração de DNA visando à filogenia

Publicar os resultados parciais (descrição de novos táxons, divulgação de estudos morfológicos e anatômicos parciais; relatos de novos registros de ocorrência relevantes para a história ou biogeografia do grupo taxonômico, etc.);

Produzir listas florísticas e/ou relatórios de mapeamento de coletas nas regiões a que pertencem os herbários engajados, de forma a redirecionar as expedições

Dar continuidade às visitas de especialistas aos herbários para atualização das identificações e verificação de coleções incertae sedis



Dar continuidade aos projetos anteriores e iníciar outros

Publicar resultados integrados e de larga escala

Dar continuidade às visitas de especialistas aos herbários para atualização das identificações e verificação de coleções incertae sedis

Envolver todos os herbários ainda não engajados nessas atividades




Implementação da iniciativa para levantamento da diversidade vegetal brasileira, melhorando a representatividade da flora brasileira nas coleções

Estimular a coleta nas unidades de conservação e reservas legais

Estabelecer programas de coleta, direcionados predominantemente para áreas pouco ou não visitadas

Ampliar o treinamento de estudantes em metodologias de coletas


Complementar o resgate de informações e imagens de tipos da flora brasileira localizados fora do país

Estabelecer e/ou ampliar iniciativas estaduais ou regionais a exemplo da Rede Amazônica ou SpeciesLink para São Paulo



Produzir uma lista preliminar da flora brasileira com base nos dados dos herbários

Melhoria no gerenciamento dos herbários brasileiros


Incrementar ou iniciar a informatização das coleções

Ampliar o número de equipamentos de informática nos herbários

Ampliar o número de técnicos de apoio nas coleções, entre eles pessoal especializado em bioinformática


Avaliar o andamento dos trabalhos de informatização do acervo, incluindo bancos de imagens

Contratar pessoal técnico treinado no presente projeto nas primeiras etapas supradescritas




Realizar a interação dos dados gerados pelos herbários

Organizar os acervos dos herbários, disponibilizando informações sobre suas coleções



Fortalecimento da Rede Brasileira de Herbários de forma a ampliar as suas atividades e a formação continuada dos curadores

Estabelecer um programa de metas para a Rede Nacional e os herbários participantes

Estimular a composição e o fortalecimento de redes estaduais/regionais de herbários

Estimular a captação e a atualização de informações sobre os herbários








Disponibilização de informações sobre herbários e seus acervos


Atualizar a lista e os dados básicos dos herbários brasileiros on-line

Alimentar constantemente o Index Herbariorum com informações atualizadas



Criar páginas na Web de todos os herbários brasileiros

Disponibilizar na rede a lista de tipos depositados em herbários brasileiros




Produzir uma lista da flora brasileira com base nos dados dos herbários

Criação da base do Herbário Virtual Nacional




Disponibilizar na rede a lista e as imagens de tipos depositados em herbários brasileiros e outras informações atualizadas dos acervos




Implementação de um herbário virtual nacional

Dotar de infra-estrutura computacional adequada às dimensões de cada acervo

Viabilizar todas as etapas de automação das coleções, incluindo bancos de imagens




Promover a interligação das informações disponibilizadas pelos herbários brasileiros incluindo integração dos bancos de imagens

Consolidar uma rede de informação integrada, de acesso livre e aberto, congregando pelo menos 30% dos acervos brasileiros

Associar a rede a uma infra-estrutura compartilhada de dados de natureza biológica e ambiental e outras informações sobre biodiversidade


Organizar um portal nacional, disponibilizando em rede o resultado da interligação dos acervos das coleções botânicas

Ampliar a rede para inclusão de todos os acervos nacionais cadastrados




Recursos humanos e pesquisa – Promover a capacitação e a titulação nos grupos de maior carência de pesquisadores no Brasil; estimular a capacitação de taxonomistas, visando à sua participação em projetos integrados de estudos da flora brasileira; conscientizar as instituições de ensino e pesquisa da necessidade de contratação de especialistas nos diferentes grupos; organizar cursos modulados de aperfeiçoamento em taxonomia e metodologias de trabalho em herbário e laboratório, atendendo às necessidades das diferentes regiões geográficas do País; estimular a preparação de revisões taxonômicas de gêneros essencialmente brasileiros ou bem representados no Brasil; estimular projetos para inventário, sobretudo em áreas pouco ou ainda não visitadas e naquelas sujeitas a impactos; elaborar floras regionais visando inventariar os recursos vegetais brasileiros; facilitar a obtenção de auxílio para visitas de curta duração a herbários nacionais e estrangeiros, contendo coleções representativas dos grupos taxonômicos em estudos, e para a realização de expedições científicas por pesquisadores, docentes e alunos de cursos de pós-graduação; promover o intercâmbio entre pesquisadores, docentes e alunos das universidades e instituições de pesquisa em taxonomia (fanerógamos, criptógamos e fungos), possibilitando consultas a coleções científicas, participação em cursos, realização de estágios e projetos conjuntos.

Objetivos

Metas

Ações e Prazos

Curto

(até 3 anos)

Médio

(até 5 anos)

Longo

(até 10 anos)

Formação de recursos humanos capacitados

Melhoria da qualidade das identificações e informações geradas nos herbários


Formar alunos de graduação e pós-graduação em taxonomia e florística

Criar um programa de bolsas (em diferentes níveis) para formação de taxonomistas

Promover a visita de especialistas aos herbários para trabalhar com os acervos e treinar alunos

Melhorar as informações dos exemplares coletados (georreferenciamento)

Estimular o estudo de floras regionais


Implementar um programa de apoio a fixação de taxonomistas em áreas carentes

Incentivar a publicação de sinopses de grupos taxonômicos

Ampliar o apoio à editoração dos periódicos nacionais





Capacitação de pessoal para a lida com os acervos

Realizar estágios e cursos de treinamento para o pessoal técnico nas atividades rotineiras do herbário (manuseio, digitalização, tomada de imagens), formando multiplicadores

Treinar alunos, sobretudo os de mestrado e doutorado, nas etapas de manejo e identificação de coleções, treinando-os para curadoria e formando novos taxonomistas



Realizar novos cursos de treinamento para o pessoal técnico de outros herbários da mesma região com a participação da equipe treinada anteriormente

Treinar pessoal técnico para executar parte do trabalho curatorial com base nos bancos de imagem




Realizar novos cursos e estágios utilizando as experiências anteriores e iniciar outros na mesma linha


Estabelecimento de projetos institucionais e interinstitucionais que estimulem a coleta e a dinamização dos acervos


Realizar projetos de curta duração (institucionais e individuais), com produção de artigos científicos

Adotar, no âmbito de cada instituição, políticas e diretrizes que viabilizem programas de expedições, garantam a manutenção dos acervos, a absorção e a fixação de profissionais nas atividades (sistematas, técnicos de curadoria e de informática), estimulem a pesquisa ligada às coleções, e apoiem a informatização dos acervos



Realizar projetos interinstitucionais, com produção de artigos científicos e consecução de novas abordagens ou de novos projetos em equipe

Avaliar as ações bem-sucedidas, sobretudo das políticas adotadas no âmbito institucional voltadas a coleções



Concluir projetos interinstitucionais, dar continuidade

aqueles com novas abordagens ou iniciar novos projetos em equipe




Ampliação do número de taxonomistas em atividade e absorção nas instituições

Capacitar 100 especialistas em taxonomia de plantas vasculares, avasculares e fungos

Fixar nas instituições recursos humanos capacitados, de acordo com as necessidades regionais

Fixar nas instituições recursos humanos capacitados, de acordo com as necessidades

Formação de especialistas em anatomia de madeira

Publicar edital visando à formação de especialistas em anatomia da madeira (bolsas de iniciação científica, mestrado, doutorado e fixação de doutores)

Gerar recursos para realização de viagens técnicas (no Brasil e no exterior)




Formação de pessoal técnico especializado: as atividades de curadoria de xiloteca


Promover cursos de treinamento

Estimular o intercâmbio entre as coleções para o aprimoramento técnico e o treinamento de recursos humanos



Desenvolver uma política de fixação dos recursos humanos treinados





Estimativas de custo para as ações sugeridas

AÇÕES

(valores em reais)

Curto

(até 3 anos)

Médio

(até 5 anos)

Longo

(até 10 anos)

VALOR TOTAL

(em reais)

Informatização dos acervos

Vasculares: 2,5 milhões

Avasculares e fungos: 750 mil

Xiloteca: 70 mil



(30%)

996 mil


(50%)

664 mil


(100 %)

1.660 mil


3,32 milhões



Equipamentos de informática

Vasculares: 125 coleções

Avasculares: 15 coleções

Xilotecas: 27 coleções

Computadores: 2.500

Software: 1.800

Scanner: 4 mil

Impressora: 2 mil


(30%)


516.030

(50%)


344.020

(50%)


860.050

1,72 milhões



Adequação de infra-estrutura (obras, climatização, armários, prevenção de incêndios)

56 herbários; 6 xilotecas



(30%)

3,84 milhões




(50%)

2,56 milhões



(50%)

6,4 milhões


12,8 milhões



Equipamentos

Microscópio: (1) 25 mil; (32) 800 mil

Acessórios (contraste de fase, epifluorescência, câmara clara, câmara digital): 40 mil; (10) 400 mil

Lupa: (1) 15 mil; (26) 390 mil

Micrótomo: 30 mil; (6) 180 mil

Software para aquisição de imagens: 8 mil; (10) 80 mil


(100%)


3,54 milhões






3,54 milhões



Literatura taxonômica

Vasculares: 10 mil

Avasculares e fungos: 10 mil

Xiloteca: 10 mil



(100%)

320 mil (32)








320 mil


Visitas de especialistas

98.721

65.814

164.535

329.070

Coletas

5 regiões x 6 áreas x 12 coletas x 2.000,00/ano = 720 mil


2,16 milhões


1,44 milhão


3,6 milhões


7,200 milhões



Repatriamento de tipos













Capacitação de técnicos para apoio nas coleções, entre eles pessoal especializado em bioinformática

5 cursos (1/região): 5 mil


(100%)


25 mil

(100%)


25 mil

(100%)


25 mil

75 mil


Programa para capacitação/ treinamento básico em taxonomia

5 cursos (1/região/grande grupo taxonômico): 16.5 00


(100%)


82.500






82.500


Programa de bolsas (em diferentes níveis) para formação de taxonomistas

IC: 100 x 21 x 12 x 241,00 = 6.073.200

M: 180 x 21 x 12 x 855,00 = 38.782.800

D: 220 x 14 x 12 x 1267,00 = 46.828.320











91.684.320



Workshop para fortalecimento da Rede Brasileira de Herbários

1 pessoa/herbário (1 herbário por Estado)

36 x 1.000,00 = 36 mil


(100%)

36 mil







36 mil



Workshops regionais

5 reuniões x 15.000,00 = 75 mil


75 mil







75 mil


Construção de home page

36 x 1.000,00 = 36 mil


36 mil







36 mil


Implantação do Herbário Virtual

(30%)

450 mil


(50%)

300 mil


(50%)

750 mil

1,5 milhão


TOTAL










122.717.990

Referências bibliográficas


Assad A.L, Delgado Silva EFC, Sá FB. Biodiversidade: recursos humanos. Versão do texto sobre biodiversidade: perspectivas e oportunidades tecnológicas. Campinas: Base de Dados Tropocal/Fundação André Tosello, 1996 (disponível em www.bdt.fat.org.br/publicacoes/padct/bio/).

Barbosa MRV, Peixoto AL. “Coleções botânicas brasileiras: situação atual e perspectivas”. In: Peixoto AL (org.). Coleções biológicas de apoio ao inventário, uso sustentável e conservação da biodiversidade. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico, 2003.

Barbosa MRV, Vieira AO. Coleções de plantas vasculares: diagnóstico, desafios e estratégias de desenvolvimento, 2005 (disponível em www.cria.org.br/cgee/col).

Barradas MM, Nogueira E. Trajetória da Sociedade Botânica do Brasil em 50 anos. Brasília: Sociedade Botânica do Brasil, 2000.

Barroso GM. Leguminosas da Guanabara. Arq Jard Bot 1965; 18: 109-177.

Barroso GM et al. Sistemática de angiospermas do Brasil. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1978 ; v. 1.

Barroso GM et al. Sistemática de angiospermas do Brasil. Viçosa: Editora da Universidade Federal de Viçosa, 1984/1986; v. 2 e 3.

Bicudo CEM, Sherpherd GJ.. “Síntese”. In: Bicudo CEM, Sherpherd GJ (eds.). Fungos, microorganismos e plantas: biodiversidade do Estado de São Paulo. São Paulo: Fapesp, 1998; pp. 77-79, v. 2.

Bicudo CEM, Menezes M, Cordeiro I, Menezes NA, Sendacz S, Vuono YS. Identificação, monitoramento, avaliação e minimização de impactos negativos. Estratégia Nacional de Diversidade Biológica. Campinas: Base de Dados Tropical/Fundação André Tosello, 1998 (disponível em www.bdt.org.br/publicaçoes/política/gtt/gtt1).

Bremer K, Wanntorp HE. Phylogenetic systematics in Botany. Taxon 1978: 27 (4): 317-329.

Cavalcanti TB, Ramos AE (orgs.). Flora do Distrito Federal, Brasil. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2001; v. 1.

Cronquist A. An integrated system of classification of flowering plants. Nova York: Columbia University Press, 1981.

Cronquist A. The evolution and classification of flowering plants. Nova York: The New York Botanical Garden, 1988.

Damasceno D, Cunha W. Os manuscritos do botânico Freire Alemão. Catálogo e transcrição. Anais da Biblioteca Nacional 1964; 81: 1-372.

Joly AB. Botânica. Introdução à taxonomia vegetal. São Paulo: Melhoramentos/Edusp, 1976.

Leitão CM. A biologia no Brasil. Série Brasiliana. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937; v. 99.

Lewinson TM, Prado PI (eds.). Biodiversidade brasileira: síntese do estado atual do conhecimento.São Paulo: Contexto, 2002.

Maia LC. “Coleções de fungos nos herbários brasileiros: estudo preliminar”. In: Peixoto AL (org.). Coleções biológicas de apoio ao inventário, uso sustentável e conservação da biodiversidade. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico, 2003; pp. 21-40.

Menezes MM, Maia LC, Costa DP, Bicudo CEM. Coleções de plantas avasculares e fungos como base de conhecimento para a diversidade biológica brasileira: uma reavaliação, 2005 (disponível em www.cria.org.br/cgee/col).

Peixoto AL. Brazilian botany on the threshold of the 21th century: looking througt the scientific collections. Ciência e Cultura 1999; 51 (1/2): 349-362.

Peixoto AL (org.). Coleções biológicas de apoio ao inventário, uso sustentável e conservação da biodiversidade. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico, 2003.

Peixoto AL, Barbosa MRV. “Os herbários brasileiros e a flora nacional: desafios para o século 21”. In: Sistema de Informação sobre Biodiversidade/Biotecnologia para o Desenvolvimento Sustentável. Campinas: Base de Dados Tropical/Fundação André Toselo, 1998 disponível em www.bdt.org.br/bdt.oeaproj/).Peixoto AL, Thomas WW.. Listas florísticas, floras regionais e flora do Brasil: desafios e estratégias 2005 (disponível em www.cria.org.br/cgee/col).

Peixoto FL. O processo de informatização de herbários: estudo de caso. (Dissertação de Mestrado). Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico, 2005.

Pirani JR. Sistemática: tendências e desenvolvimento incluindo impedimentos para o avanço do conhecimento na área, 2005 (disponível em www.cria.org.br/cgee/col).

Reitz R (ed.). Flora ilustrada catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1965.

Rizzo JA. Flora do Estado de Goiás. Goiânia: Editora da Universidade Federal de Goiás,1981.

Schatz GE.Taxonomy and herbaria in service of plant conserrvation: lessons from madagascar’s endemic families. Annals of the Missouri Botanical Garden 2002; 89: 145-152.

Schultz AR (ed.). Flora ilustrada do Rio Grande do Sul. Boletim do ICB. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1970.

Sociedade Botânica do Brasil. Plano Nacional de Botânica. CNPq, Avaliação e Perspectivas. Botânica 1987; 6: 113-161 (disponível em www.bdt.org.br/bdt/oeaproj/).

Wanderley MGL, Shepherd GJ, Giulietti AM (eds.). Flora fanerogâmica do Estado de São Paulo. São Paulo: Hucitec/Fapesp, 2001.



1 Listagem de Plantas do Nordeste (disponível em www.cnip.org.br/bdpn).

2 Listas estaduais e nacional sobre espécies em extinção (disponível em www.biodiversitas.org.br).

3 Status de conservação (disponível em www.biodiversitas.org.br).

4 Centro de Referência em Informações Ambientais (disponível em www.cria.org.br/cgee/col).

5 Plataforma Lattes (disponível em http//lattes.cnpq.br).


Catálogo: cgee -> documentos
documentos -> Iniciativa internacional de polinizadores
documentos -> Coleções de plantas avasculares e fungos como base de conhecimento para a diversidade biológica brasileira: uma reavaliação
documentos -> Coleções de plantas vasculares: diagnóstico, desafios e estratégias de desenvolvimento
documentos -> Xilotecas Brasileiras: panorama atual e contextualização Introdução
documentos -> ColeçÕes de invertebrados não-hexapoda do brasil: panorama atual e estratégias para sua consolidaçÃO
documentos -> Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (cgee)
documentos -> Sistemática: tendências e desenvolvimento, incluindo impedimentos para o avanço do conhecimento na área
documentos -> Coleções biológicas e sistemas de informação
documentos -> ColeçÕes entomológicas brasileiras – estado-da-arte e perpectivas para dez anos
documentos -> Propostas de estratégias e ações para a consolidação das coleções zoológicas brasileiras


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal