As maiores explosões do Sistema Solar Ricardo Cardoso Reis (caup)



Baixar 9.16 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho9.16 Kb.
As maiores explosões do Sistema Solar

Ricardo Cardoso Reis (CAUP)

A nossa estrela é uma bola de plasma incandescente, com as mais variadas (e explosivas) formas de atividade. De entre elas destacam-se as flares, as mais violentas explosões do Sistema Solar, que como muitas outras descobertas, foram feitas por acaso.


Às 11:18 do dia 1 de setembro de 1859, o astrónomo Richard Carrington projetava a imagem do Sol numa tela. Enquanto esboçava um enorme grupo de manchas solares, Carrington reparou que surgiram sobre dois pontos luminosos estas, com um brilho tão intenso que lhe foi difícil olhar diretamente para a tela. Saiu à pressa, à procura de uma testemunha para a sua observação, mas quando voltou apenas um minuto depois, a primeira flare solar registada na história estava já a desaparecer.
Em poucos segundos uma flare pode libertar, em todas as frequências, energia correspondente a mil milhões de megatoneladas de TNT, ou 20 milhões de vezes mais energia que a libertada pela maior bomba nuclear alguma vez construída.
E por incrível que pareça, acabaram de ficar ainda mais violentas.
Uma equipa liderada por Thomas Woods, da Universidade do Colorado (EUA), descobriu que uma em cada sete flares solares sofre uma espécie de réplica, que ocorre cerca de 90 minutos depois. Esta flare de fase tardia, como está a ser designada pela equipa, liberta uma vaga extra de raios ultravioleta, e pode ser até 4 vezes mais energética que a flare original.
Num planeta cada vez mais dependente da tecnologia, estas flares tardias podem provocar alguns problemas aqui na Terra. Os ultravioletas libertados, tão energéticos que estão quase nos raios X, são especialmente bons a aquecer a alta atmosfera, que acaba por expandir. Com mais atmosfera a provocar atrito, alguns satélites podem perder velocidade e sair de órbita mais cedo que o esperado. Estes ultravioletas também ionizam a atmosfera, o que pode originar problemas na transmissão do GPS ou de sinais de rádio.
Esta descoberta só foi possível graças a observações do observatório solar SDO (NASA), e da sua capacidade única de monitorizar o Sol quase 24 horas por dia, 365 dias por ano.


Mais informações:
Astronotícia do CAUP

http://www.astro.up.pt/divulgacao/index.php?WID=461&Lang=pt&CID=1&ID=181
NASA Science News

http://science.nasa.gov/science-news/science-at-nasa/2011/19sep_secretlives/
Artigo original de Richard Carrington

http://articles.adsabs.harvard.edu/full/seri/MNRAS/0020//0000013.000.html

Imagens:
Fig1: Desenho original de Richard Carrington, com as manchas solares e indicação da posição da flare (A e B).
Fig2: Flare solar de classe X7, observada pelo observatório solar SDO a 7 de agosto de 2011, até agora a mais intensa do atual ciclo solar.


Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.
Catálogo: img -> artigos
artigos -> O pmdb é corrupto Senador peemedebista diz que a maioria dos integrantes do seu partido só pensa em corrupção e que a eleição de José Sarney à presidência do Congresso é um retrocesso
artigos -> A aventura da terra um planeta em evoluçÃO
artigos -> Explicado mistério com 30 anos Uma equipa internacional de astrónomos, liderada por investigadores do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto
artigos -> Uma Preciosa Ajuda Para Os Professores De Ciências
artigos -> Entrevista a Cristina Carvalho a propósito da biografia Rómulo de Carvalho/António Gedeão que acaba de ser publicada pela Editorial Estampa António Piedade (AP)
artigos -> Previsões do Fim do Mundo
artigos -> Plantas Transgénicas: 30 anos de História(s)
artigos -> Âmbar cinzento: Um aroma desconhecido na história dos nossos oceanos o âmbar cinzento está tradicionalmente ligado aos cachalotes. A sua origem ao longo da história foi controversa, apesar da sua utilização, por exemplo, em Paris
artigos -> Migrações das células aos cientistas
artigos -> Um Acelerador no Museu!


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal