As principais contribuiçÕes do pensamento sociológico clássico



Baixar 29.7 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho29.7 Kb.




AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO
Nesta unidade, estudaremos o pensamento sociológico clássico, que consiste na compreensão dos três princípios explicativos da realidade social. É usual alunos nos perguntarem qual a razão do estudo de pensadores que viveram no século XIX?
A importância da compreensão das principais matrizes do pensamento social deve-se à sua capacidade de explicar o mundo contemporâneo. A atualidade de suas obras significa que elas não foram corroídas com o tempo e são capazes de lançar luz na compreensão do mundo contemporâneo.
Nesta unidade é importante compreender o conjunto de princípios fundamentais que formam a teoria social desses autores e seus principais conceitos.
15.1 Émile Durkheim e o pensamento positivista
O positivismo é uma corrente de pensamento que surgiu no século XIX na Europa e foi fortemente influenciada pela crescente valorização da ciência como fonte de obtenção da verdade. O positivismo inspirou-se no método de investigação das ciências da natureza e a biologia foi considerada como referência. A sociedade era passível de compreensão, e o homem possuía uma natureza social.
As pesquisas sobre o funcionamento do corpo humano conduziram os positivistas a pensarem a sociedade como um grande organismo social, constituído de partes integradas e coesas que deveriam funcionar harmonicamente. Desde modo, é preciso conhecer sua anatomia e descobrir as causas de suas doenças.
Outra forte influência do pensamento positivista foi o darwinismo social, que consistiu na crença de que as sociedades mudariam e evoluiriam num mesmo sentido. Émile Durkheim (1858-1917) foi o pensador francês que deu à Sociologia o status de disciplina acadêmica. Viveu em uma época de grandes crises econômicas e sociais, que causavam desemprego e miséria entre os trabalhadores. As freqüentes ondas de suicídio eram analisadas como indício de que a sociedade encontrava-se incapaz de exercer controle sobre o comportamento de seus membros.
Acreditava que os problemas de sua época não eram de natureza econômica, mas de natureza moral, pois as regras de conduta não estavam funcionando. Via a necessidade de criação de novos hábitos e comportamentos no homem moderno visando ao bom funcionamento da sociedade.
frame1
15.1.1 A relação indivíduo x sociedade
Ao nascer o indivíduo encontra a sociedade pronta e acabada. As maneiras de se comportar, de sentir as coisas, de curtir a vida, já foram estabelecidas pelos “outros” e possuem a qualidade de serem coercitivas1. A impositividade do social sobre o individual é que determina nosso comportamento, por isso o comportamento social deve ser pautado nas regras socialmente aprovadas. Veja como DURKHEIM (1985: 2) exemplifica esta questão:
“Se não me submeto às convenções mundanas; se, ao me vestir, não levo em consideração os usos seguidos em meu país e na minha classe, o riso que provoco, o afastamento em que os outros me conservam, produzem os mesmos efeitos de uma pena propriamente dita.(...) Não sou obrigado a falar o mesmo idioma que meus compatriotas, nem empregar as moedas legais; mas é impossível agir de outra maneira. (...) Se sou industrial, nada me proíbe de trabalhar utilizando processos e técnicas do século passado; mas, se o fizer, terei a ruína como resultado inevitável”.
Portanto, não existe espaço para manifestação da individualidade, pois é o social que determina nosso comportamento individual, atuando como uma verdadeira “camisa de força” sobre as nossas individualidades.
15.1.2 Os fatos sociais e a consciência coletiva
Para Durkheim, a Sociologia deveria se ocupar com os fatos sociais que são fatos de natureza coletiva que se apresentam ao indivíduo como exteriores e coercitivos. Assinala o caráter impositivo dos fatos sociais.
Eis aqui um conceito fundamental para analisar a sociedade.
OS FATOS SOCIAIS SÃO TODOS AQUELES QUE TENHAM TRÊS CARACTERÍSTICAS:
1. exterioridade -, ou seja, não foi criado por nós, é exterior à nossa vontade.
2. coercitividade - que enquadra nosso comportamento, atua pela intimidação e induz o homem a aceitação das regras a despeito de seus anseios e opções pessoais.
3. generalidade - qualidade do que é geral, ou seja, atinge um grande número de pessoas na sociedade.
Os fatos sociais podem ser normais ou patológicos. Um fato social normal é aquele que desempenha alguma função importante para sua adaptação ou evolução, como o crime1. Um fato patológico é aquele que se encontra fora dos limites permitidos pela ordem social.
Os fatos sociais são considerados patológicos quando as leis não funcionam, quando as regras não estão claramente estabelecidas; estaríamos diante da anomia.
frame2
Por consciência coletiva entende-se que um conjunto de idéias comuns que formam a base para uma consciência da sociedade. Cada um de nós possui uma consciência individual, que faz parte de nossa personalidade. Existe também uma consciência coletiva formada pelas idéias comuns que estão presentes em todas as consciências individuais de uma sociedade.
A consciência coletiva está difusa na sociedade e, por isso, ela é exterior ao indivíduo, quer dizer, a consciência coletiva não é o que o indivíduo pensa, mas o que a sociedade pensa. Ela age sobre o indivíduo de maneira coercitiva, exercendo uma autoridade sobre o modo do indivíduo agir no meio social.
Desse modo, podemos concluir que a consciência coletiva não é o que o indivíduo pensa, mas o que a sociedade pensa. A consciência coletiva age como a moral vigente na sociedade. Ela define em uma sociedade o que é considerado imoral, reprovável ou criminoso1.
É possível sentirmos a força da consciência coletiva nos intensos debates públicos que temos em nossa sociedade nos últimos tempos sobre a legalização do aborto, descriminalização do uso de drogas etc.
15.1.3 Solidariedade mecânica e orgânica
Outro conceito importante deste autor é: solidariedade mecânica, que significa a união de pessoas a partir da semelhança na religião, tradição ou sentimentos. A solidariedade orgânica é a união de pessoas a partir da dependência que uma tem da outra para realizar alguma atividade social. O que une o grupo é a dependência que cada um tem da atividade do outro. Esta união é dada pela especialização de funções. Desde modo, considerava a crescente divisão do trabalho como uma possibilidade de

aumento da solidariedade entre os homens.


O único espaço para o exercício da individualidade é na especialização do trabalho. Considera que instituições que no passado exerciam papel de integração social, como a igreja, a família, perderam sua eficácia. A partir de então a sociedade moderna leva os indivíduos a se agruparem segundo suas atividades profissionais.
A profissão assume importância cada vez maior na vida social, torna-se herdeira da família, substituindo-a.
Para Durkheim, a Sociologia, como ciência, deve ser portada de uma neutralidade diante dos fatos sociais, ou seja, a Sociologia não deve envolver-se com política. Toda reforma social deve estar baseada primeiramente no conhecimento prévio e científico da sociedade e não na ação política.
A função da Sociologia seria detectar e buscar soluções para os problemas sociais restaurando a normalidade social e convertendo-se em técnica de controle social.
Enfim, não há espaço nesta elaboração teórica para o exercício da liberdade individual, vê o ser humano como um ser passivo, não como sujeito capaz de atuar para a transformação social.
15.2 Karl Marx e o materialismo histórico e dialético
Karl Marx (1818-1883) foi um pensador que recebeu influências de várias ciências e influenciou a atuação política de várias gerações que o sucederam. Vamos iniciar nossa exposição discutindo seu método de análise da realidade.
Fortemente influenciado pelo filósofo Hegel (1770-1831) que sistematizou os princípios da dialética que consiste em considerar que as coisas possuem movimento e estão relacionadas umas com as outras. Desde modo, a realidade é um constante devir, marcada pela luta dos opostos (ex: vida x morte, saúde x doença etc). Neste modelo de análise, é a contradição que atua como verdadeiro motor do pensamento.
Partindo da análise da base material da sociedade, a estrutura econômica1, Karl Marx busca colocar em evidência os antagonismos e contradições do capitalismo.
15.2.1 Classes sociais
As desigualdades são a base da formação das classes sociais. As duas classes sociais básicas burguesia X proletariado mantêm relação de exploração, ao mesmo tempo em que são complementares, pois uma só existe em relação à outra.
A classe média, os pequenos industriais, os pequenos comerciantes e camponeses vão se proletarizando na medida que seu pequeno capital não lhes permite concorrer com a grande indústria. Desde modo, há uma simplificação dos antagonismos passando a existir duas classes fundamentais: a burguesia e o proletariado.
15.2.2 Ideologia e alienação
Concebe a ideologia como um sistema de inversão da realidade, cujas idéias da elite aparecem como dominantes em uma época. Procura, assim, ocultar a verdadeira natureza das relações de produção pautadas na exploração.
A ideologia (burguesa) tem como objetivo fazer com que as pessoas não percebam que a sociedade é dividida em classes sociais. Desde modo, a ideologia contribui para a manutenção das estruturas de dominação.
Por alienação entende-se a perda da consciência da realidade concreta. No capitalismo, a propriedade privada e o assalariamento separam o trabalhador dos meios de produção e do fruto do trabalho, desde modo, ao vender sua força de trabalho, o trabalhador aliena-se, pois não se vê como produtor das riquezas.
A alienação política significa que o princípio da representatividade não garante ao trabalhador a participação política efetiva, pois este não se vê como um ser capaz de intervir nos destinos políticos da sociedade.
A partir desses conceitos é possível compreender por que os setores oprimidos da sociedade não se rebelam contra o sistema, pois o sistema de dominação social é introjetado na cabeça dos oprimidos, que passam a ver com naturalidade a desigualdade e a opressão.
15.2.3 Salário, valor, lucro, mais-valia
O salário é o valor da força de trabalho, considerada no capitalismo como uma mercadoria qualquer. O salário deve corresponder à quantia que permita ao trabalhador alimentar-se, vestir, cuidar dos filhos, garantindo a reprodução das condições de vida do trabalhador e de sua família.
O trabalho é fonte de criação de valor, então como explicar que os trabalhadores que mais trabalham são os que têm menos dinheiro? Para Marx, todo assalariado ganha menos do que a riqueza que produz. A diferença entre a valor da riqueza produzida e o salário é que denominamos lucro. Se o capitalista pagasse ao assalariado o valor da riqueza que este produziu, não haveria exploração.
Ao estabelecer relação entre salário e produtividade, Marx conclui que o empresário, ao pagar os salários aos trabalhadores, nunca paga a estes o que eles realmente produziram. Por maisvalia entende-se a diferença entre o preço de custo da força de trabalho (salário) e o valor da mercadoria produzida. Em outras palavras, é o valor excedente produzido pelo trabalhador que fica com o capitalista.
15.2.4 A amplitude da contribuição de Karl Marx
Considera-se que o capitalismo baseia-se na exploração do trabalho, uma exploração oculta, mascarada. A dominação burguesa não se restringe ao campo econômico, ela se estende ao campo político, que via no Estado mais uma instituição para reprimir a classe trabalhadora.
No plano cultural, a dominação burguesa dá-se pelo controle dos meios de comunicação de massas, que difunde os valores e concepções da burguesia.
A teoria de Karl Marx tem longo alcance e adquiriu dimensões de ideal revolucionário e de ação política efetiva e teve ampla repercussão em todo mundo incentivando a formação de partidos marxistas e sindicatos contestadores da ordem.
15.3 Max Weber e a busca das conexões de sentido
Max Weber (1864-1920) tinha como preocupação compreender a racionalidade, pois o capitalismo levou a uma crescente racionalização da sociedade, levando à mecanização das relações humanas.
Sua preocupação central é compreender a maneira como a razão podia apreender o conhecimento, pois os acontecimentos são compreendidos não pela sua concretude, mas pela maneira como são interiorizados pelos indivíduos.
Desde modo é preciso compreender a ação dos indivíduos, suas intenções e motivações.




Catálogo: material -> UNIP -> LICENCIATURA -> SEGUNDO SEMESTRE
LICENCIATURA -> 1. Sugestões de Projetos de História com Oficinas 3 Geografia: do Espaço Vivido, ao Percebido, ao Concebido 3
SEGUNDO SEMESTRE -> Como avaliar o texto literário – critérios de análise literatura Infantil – aspectos a serem desenvolvidos
LICENCIATURA -> 1. Ensinar História é Formar o Aluno Cidadão? 3
LICENCIATURA -> 1. Oficinas de História 3 Construindo a Noção do Tempo 3
LICENCIATURA -> 1. o que diz a ldben no 9394/96 sobre a formação de professores de ensino fundamental 3
LICENCIATURA -> 1. Metodologia do Ensino de História Geografia Artes e Educação Física Metodologia do Ensino de História
LICENCIATURA -> 1. Atividades Propostas 3 Atividades do 1º ano 3
LICENCIATURA -> 3. o brincar no referencial curricular nacional para a educação Infantil-rcnei
SEGUNDO SEMESTRE -> A aprendizagem de conteúdos factuais, conceituais, procedimentais e atitudinais


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal