As representaçÕes sociais numa perspectiva teórica e interfaces entre o real e o simbólico



Baixar 27.45 Kb.
Encontro05.08.2016
Tamanho27.45 Kb.


AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS NUMA PERSPECTIVA TEÓRICA E INTERFACES ENTRE O REAL E O SIMBÓLICO

Gema Galgani da Fonseca1

Geraldo Inácio Filho2
INTRODUÇÃO: Face as demandas de transformação do homem moderno buscamos encontrar através do mundo das representações sociais, os subsídios necessários à compreensão geral dessa realidade dinâmica e interacional (coletiva, individual, social e psíquica). Isto por sua vez implica entrarmos em contato com as várias correntes de pensamento e os diversos referenciais teórico-conceituais que envolvem essa área de conhecimento, pois só assim acreditamos poder escolher o pressuposto filosófico que melhor e mais coerentemente fundamente essa pesquisa.

OBJETIVO: Tem-se como propósito desenvolver um panorama geral sobre os conhecimentos que contribuíram para a consolidação das pesquisas em representações sociais destacando interfaces entre o real e o simbólico. Nesse processo o objetivo centra-se na análise da construção das consciências e da vida representativa do ponto de vista durkheimiano, na necessidade da construção ética e da prática pedagógica, abordagens pelas quais consideramos integrar a discussão e compreensão dialética e dinâmica da formação do educador vista através das representações sociais.

METODOLOGIA: Para isso, realizaremos uma retomada histórica às áreas das ciências sociais que integraram esse processo e apresentaremos especificamente uma caracterização da perspectiva Moscoviciana, vertente pela qual buscaremos os fundamentos necessários à construção das análises das representações sociais sobre essa perspectiva psicossociológica.

RESULTADOS: Ao basear-se na teoria moscoviciana não limitamos esse estudo de outras interpretações, e sim estabelecemos face as perspectivas de formação docente, a consideração da diversidade dos contextos que articulam-se na compreensão dialética e contraditória do real. O discurso científico propagado entre as Entidades Acadêmicas e seus representantes tem sido motivo de acirrados embates, sendo que no encontro das forças do que é coletivo, reificado e consensual; o homem tende a buscar o sentido do conhecimento adquirido e/ou tende negligenciar e mascarar suas responsabilidades e incompetência face os desafios atuais.

Inicialmente, consideramos imprescindível evidenciar que o pensamento, ou seja, o conceito de representação social procede de diversas áreas do conhecimento das ciências sociais; desde a Sociologia com os fundamentos de Émile Durkheim sobre representações coletivas, a Antropologia com os estudos de Lévi-Bruhl que também serviu do termo “representações coletivas” como elemento decisivo para a elaboração da teoria da religião, do pensamento mítico e da magia. E também, a Psicologia Social com os conceitos de Serge Moscovici, que foi buscar na Sociologia durkheimiana um primeiro abrigo conceitual para a caracterização do termo “representações sociais” e a História da Cultura com as pesquisas de Roger Chartier, o qual retoma a denominação original de “representação coletiva”.

Destaca-se que, o referencial teórico apresentado por Serge Moscovici constituiu-se numa modalidade de conhecimento com significativas mudanças para o campo de estudos em representações sociais, pois implicou decisivo afastamento da perspectiva sociologista da noção original em razão da construção teórico-conceitual de um espaço psicossociológico próprio. Já, o referencial teórico na abordagem de Roger Chartier estabeleceu-se recuperando o termo “representação coletiva” empregada além do conceito de mentalidade construída, pois esta se veicula como o resultado de questões empregadas à História que volta-se para os estudos dos processos com os quais se constrói um sentido em diferentes lugares e momentos da realidade social, paralelamente às práticas que se estabelecem de forma plural e contraditória dando significado ao mundo.

Com efeito, ressalta-se que o conceito de representação social ou coletiva nasceu na Sociologia e na Antropologia, sendo que a gênese propulsora desse campo do conhecimento se deu com a teoria durkheimiana, onde a proposição do conceito de representação coletiva se estabeleceu empiricamente a partir dos estudos da religião de povos ditos primitivos, dos mitos, da linguagem, da ideologia, das categorias de espaço e tempo, da ciência, etc. Durkheim ( “Pai – fundador da sociologia” ) influenciado pela compreensão da sociologia positivista do final do século e decisivamente oposto a qualquer tentativa de explicação psicológica dos fatos, defendeu que as representações coletivas não poderiam ser reduzidas às representações individuais distinguindo-as em 1898, a primeira como campo de estudo da Sociologia e a segunda do domínio de estudo da Psicologia (FARR, 1997, pp.31-55).

Ao buscar compreender a consciência coletiva através dos processos do que poderia ser familiar, sob o peso das tradições, das memórias e do passado, Durkheim emitiu ao conceito de representação uma caracterização estática, de estabilidade garantida pelo conhecimento social humano. Assim, as representações coletivas teorizadas por ele correspondem aos produtos de pensamentos gerados pela sociedade, ou seja, pelas experiências acumuladas entre os indivíduos, onde ao longo dos tempos se inter-relacionaram, combinaram e misturaram idéias, sentimentos e formas de pensamento.

Verifica-se que para Durkheim as formas de organização do conhecimento e a consciência coletiva da humanidade é constituída por representações coletivas, as quais são intrinsecamente veiculadas e pré-determinadas pela natureza social dos homens dentro da sociedade. Assim, sociedade para ele é um conjunto social, como “um organismo”, “um corpo social” que fixa e ordena o caminho e a forma das coisas acontecerem, pois o que se estabelece é a consciência coletiva através da qual todo fenômeno pode acontecer em uma vasta pluralidade, ou seja, através das representações coletivas construídas. Daí, a consciência individual é negligenciada já que as inter-relações da consciência coletiva com a consciência individual inexistem para Durkheim, quando também sutilmente está combatendo as idéias e as possibilidades de mudanças e transformações através do homem.

Neste sentido, visto que a Teoria das Representações Sociais não diz respeito apenas a uma única dimensão do conhecimento, é fato que as primeiras idéias sobre representação social, pensamento cognitivo e construção de sistemas de signos tiveram muita dificuldade em se fazerem aceitar e sofreram muitas resistências. Desde o campo teórico “sociologista” e “individualizante” das representações coletivas proposto por Durkheim, que concebia uma sociedade e homens numa relação unilateral ao campo da “Psicologia Social Clássica” de tradição norte-americana dominante, em que a ênfase e preocupação básica se veicularam aos processos psicológicos individuais.

No campo teórico proposto por Durkheim, a sociedade e os homens, ambos estariam sob o controle da ideologia dominante produzida e imposta por determinada classe social (Estado, Igreja, Escola, etc.). Também, desenvolveu-se uma conceituação estática e fechada de representação coletiva que teve como conseqüência a fragmentação e separação dos fenômenos sociais dos fenômenos psíquicos. No referencial teórico da Psicologia Social Clássica, o indivíduo foi considerado como o único centro possível na análise dos fatos psicossociais e a exclusiva referência para noções como atitude, esquemas e atribuições de pensamento, daí alastrou-se um individualismo teórico sobre a Teoria das RS que fracassaram em negligenciar a tensão e dialética existente entre o indivíduo e a sociedade.

Na vertente psicossociológica proposta por Serge Moscovici, evidencia-se a tentativa de resgatar as representações sociais como conceito e como fenômeno social, quando então inaugurou-se um campo de estudos interdisciplinares que vem se desenvolvendo principalmente no âmbito da Psicologia Social. Por um lado, Moscovici pensou com Durkheim ao apoiar seus estudos iniciais sobre a concepção das representações coletivas, as quais se encontram na força do que é coletivo, consensual e reificado. Por outro lado, também pensou contra ele quando abriu-se para as possibilidades de atuação dos sujeitos, substituindo estudar representações coletivas por representações individuais, já que estas foram consideradas mais adequadas à compreensão da realidade do mundo moderno.

Dentre as abordagens complementares à grande teoria das representações sociais inaugurada por Moscovici, evidencia-se as contribuições de sua principal colaboradora, Denise Jodelet quem manteve-se mais fiel à teoria original. Interessada pelo esclarecimento do conceito e os processos formadores das representações sociais, ela analisa a evolução desta destacando sua complexidade e transversalidade no campo das ciências humanas e sociais.

Buscando o rompimento dos obstáculos entre as ciências sociais a premissa é de conhecer o ser humano concebido a partir de uma perspectiva essencialmente social, ou seja, há que se compreender o indivíduo considerando tantos os seus aspectos mentais como afetivos. Então, o ato da representação se desprende das delimitações rígidas entre o universo externo e interno, o que por sua vez implica reconhecer no homem sua capacidade de construção e reconstrução na medida em que se desenvolve.

Na análise dos processos (Fenômenos, Conceitos e Teorias) responsáveis pela construção das representações elaborada por Jodelet (1984, pp. 357-378), a autora distingue a objetivação sob três fases: a construção seletiva, onde alguns elementos são retidos e outros ignorados e/ou esquecidos; a esquematização estruturante, dinâmica pela qual resulta-se na organização do núcleo figurativo e a naturalização, circunstância pela qual os elementos da representação são concretizados e reconhecidos como partes da natureza. É nessa abordagem que o ato da representação se estabelece como elemento crucial para a construção das representações sociais, juntamente com a delimitação de algumas características fundamentais para a viabilização desse conhecimento. Dentre elas; o aspecto referencial da representação (referência de alguém para alguma coisa), o caráter imaginativo e construtivo da mesma e sua natureza social, ou seja, os elementos que estruturam a representação advém de uma cultura comum e estes elementos são aqueles da linguagem (JODELET, 1984, p. 365).

Outra teoria complementar das representações sociais inaugurada por Moscovici é a perspectiva mais sociológica liderada por Willem Doise, o que significa a ênfase à influência do que ele chama de metassistema social sobre o sistema cognitivo. Para ele o que importa são os princípios geradores das representações, os quais podem levar os indivíduos a diferentes tomadas de posição num determinado conjunto social (SÁ, 1998, pp.75-76).

É nessa perspectiva que Doise mostra que é possível estabelecer interconexões e trocas entre o conceito de atitudes e os estudos das representações sociais, onde o estudo no nível do homem não se limita às diferenças individuais e sim na inclusão das diferenças entre grupos e culturas. Assim, o conteúdo de uma representação (elementos e relações cognitivas) traduzem a marca de um condicionamento social, o social construído através do consenso entre os seus membros. Buscando uma abordagem mais integrada das atitudes ao campo das representações sociais, o autor explicita a importância de se considerar os aspectos sociais, coletivos e ideológicos presentes nesse tipo de saber. Nessa análise dois pontos se evidenciam como determinantes das representações, a posição ou inserção dos indivíduos e grupos; onde a ancoragem é interpretada em relação a um sistema de pensamento preexistente e a questão do social, o qual pode ser concebido a partir de uma perspectiva sociológica ou psicológica.

Em face disso, comprova-se que: Doise não se apercebe da grande vantagem epistemológica contida no conceito de Representação Social, superando a tradicional fragmentação do ser humano e a estéril dicotomia indivíduo-sociedade (LANE, 1995, p.63). Portanto, apreende-se que para esse autor as representações sociais se estabelecem como princípios geradores de tomada de atitudes, por isso o que é enfatizado são os meios de produção e circulação das representações.

E uma terceira corrente teórica que complementa os princípios conceituais divulgados pela perspectiva moscoviciana é a de Jean-Claude Abric, abordagem pela qual enfatiza a dimensão cognitivo-estrutural das representações sociais e a única que se efetivou como uma teoria. Ou seja, a chamada teoria do núcleo central em que o interesse básico é com o conteúdo cognitivo das representações, conjunto pelo qual se processa de forma estruturada e organizada e não pela simples coleção de idéias e valores (SÁ, 1998, p.76-77). Dentre as contribuições desse autor destaca-se a questão da transformação das representações e a comparação entre as mesmas, as quais se estabelecem como proposições fundamentais para o campo de pesquisa. Isto prediz que o conteúdo das representações apresenta características e funções distintas, o que por sua vez implica a organização da representação num sistema periférico (face as modificações acarretadas sobre as práticas sociais as representações se diferenciam e se estruturam) e num sistema central (a diferenciação das representações é determinada pelas composições de seus núcleos centrais).

Tomando-se por base esses apontamentos e rastreando a natureza de alguns estudos realizados, identifica-se a importância e articulação dos elementos afetivos, mentais e sociais na compreensão das representações. Observa-se que tanto o conceito de representação social quanto as críticas acarretadas sobre esta e o campo de pesquisa, se estabeleceram como elementos determinantes para surgimento de novas perspectivas nessa área de conhecimento.

Portanto, apreende-se que buscar analisar os indivíduos e/ou determinado conjunto social e a sociedade através das representações sociais, significa a princípio considerar o ser humano inserido numa determinada sociedade, cultura e momento histórico. Isto por sua vez implica compreender as representações sociais como um processo intercambiável e dinâmico, ou seja, na construção desse saber estabelecem-se aspectos cognitivos, inconscientes, afetivos e emocionais juntamente com as relações e as práticas sociais entre os homens.
DURKHEIM, E. (1973). As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Abril Cultural.

DURKHEIM, E. (1970). Representações individuais e representações coletivas. In: Sociologia e Filosofia. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, pp. 7-49.


FARR, R. M.(1997). Representações Sociais: A teoria e sua história. In: GUARESCHI, P. & JOVCHELOVITCH, S. (orgs.) (1997). Textos em Representações Sociais. 3 ed. Rio de Janeiro: Vozes, pp. 31-62.

GUARESCHI, P. & JOVCHELOVITCH, S. (org.) (1997). Textos em representações sociais. 3 ed. Rio de Janeiro: Vozes, pp. 17-25 e 63-85.

LANE, S. T. M. (1995). Usos e Abusos do Conceito de Representação Social. In: SPINK, M. J. P. (org.) (1995). O Conhecimento no Cotidiano: As representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo. Brasiliense, pp. 58-72.

MINAYO, M. C. (org.) (1997). O conceito de representações sociais dentro da sociologia clássica. IN: GUARESCHI, P. & JOVCHELOVITCH, S. (org.). Textos em Representações Sociais. 3.ed. Rio de Janeiro: Vozes.

MOSCOVICI, S. (1978). A Representação Social da Psicanálise. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar.

SÁ, C. P. (org.) (1995). Representações sociais: o conceito e o estado atual da teoria. In: SPINK, M. J. P. (org.). O conhecimento no cotidiano: as representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Brasiliense, pp. 19-45.

SOUZA FILHO, E. A. (org.) (1995). Representações Sociais: o conceito e o estado atual da teoria. In: SPINK, M. J. P. (org.). O conhecimento no cotidiano: as representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Brasiliense.



SPINK, M. J. (org.) (1997). Desvendando as teorias implícitas: uma metodologia de análise das representações sociais. IN: GUARESCHI, P. & JOVCHELOVITCH, S. (org.). Textos em Representações Sociais. 3.ed. Rio de Janeiro: Vozes.



1 Universidade Federal de Uberlândia

2 Faculdade de Educação - Programa de Mestrado em Educação


Catálogo: acer histedbr -> seminario -> seminario5
seminario5 -> Origens da escola moderna no brasil
seminario5 -> A história das instituiçÕes de ensino confessionais: um estudo do colégio nossa senhora das lágrimas
seminario5 -> O malogro da educaçÃo popular na paraíba (1930-1945)
seminario5 -> O projeto de rui barbosa: o papel da educaçÃo na modernizaçÃo da sociedade
seminario5 -> A economia dos empreendimentos jesuítas para o financiamento das atividades educativas e missionárias entre 1540 e 1770
seminario5 -> Wenceslau Gonçalves Neto
seminario5 -> O currículo de 1855 do colégio de pedro II: Ensino Propedêutico versus Ensino Profissionalizante
seminario5 -> EducaçÃo e cultura brasileira à luz do caso jean des boulez (SÉC. XVI)
seminario5 -> História Cultural e História da Educação: diversidade disciplinar ou simples especialização?
seminario5 -> Imagem, história e educaçÃO: O CINEMA COMO FONTE PARA A PESQUISA histórica em educaçÃO


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal