Auto-avaliaçÃo de curso: um instrumento do autoconhecimento institucional e da gestão acadêmica patrícia Guimarães Abramof



Baixar 35.62 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho35.62 Kb.



AUTO-AVALIAÇÃO DE CURSO: um INSTRUMENTO DO AUTOCONHECIMENTO INSTITUCIONAL E DA GESTÃO ACADÊMICA

Patrícia Guimarães Abramof*patricia.abramof@csa.edu.br

Rosemar Delpino*rosemar.delpino@csa.edu.br

Ana Clara da Mota*ana.mota@csa.edu.br

José Antonio Dias de Carvalho*jose.carvalho@csa.edu.br

Roberto Grechi*roberto.grechi@csa.edu.br
* ETEP Faculdade de Tecnologia de São José dos Campos

Av. Barão do Rio Branco, 882. Jardim Esplanada.

CEP 12.242-800 – São José dos Campos – São Paulo

Resumo: Este trabalho apresenta uma metodologia de avaliação de curso que tem sido utilizada como ferramenta auxiliar na gestão acadêmica de cursos de engenharia e tecnologia. Essa avaliação tem abrangência diagnóstica preventiva na elucidação de situações passíveis de correção na busca da superação de dificuldades tanto no processo de implantação de novos cursos quanto na gestão daqueles já implantados. Ela leva em consideração, dentro das especificidades da instituição, os indicadores constantes das dimensões da avaliação de cursos previstas na legislação do SINAES, Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior, faz parte da Proposta de Auto-Avaliação Institucional, portanto é planejada, dimensionada e executada pela Comissão Própria de Avaliação. Essa metodologia vem sendo aplicada desde 2006 com obtenção de estatísticas de desempenho por turma, curso, grupos e turnos, análises e geração de indicadores de qualidade em edições anuais. Os resultados demonstram que um processo avaliativo, subsidiado pelos indicadores do SINAES, as chamadas 10 dimensões de avaliação, pode ser um vantajoso instrumento da gestão acadêmica na garantia do cumprimento do projeto pedagógico de acordo com os interesses institucionais e da qualidade da educação estabelecida nacionalmente, além de contribuir na própria construção do autoconhecimento institucional.
Palavras-chave: Auto-avaliação de Curso, autoconhecimento institucional, gestão acadêmica, SINAES


introdução


Avaliação é um tema complexo, mas é também realidade que constitui um tema de destaque na gestão das instituições de ensino superior, seja do setor público ou privado. Objetivamente, a avaliação pode ser tratada como “uma coleta de informações com vistas à tomada de decisão” (RISTOFF, 2003, p. 24), e de forma mais abrangente, considerada como “uma atividade sistemática e permanente que resulte em uma compreensão global e integrada da Universidade, produza conhecimentos sobre as diversas estruturas acadêmicas e institucionais, seja um processo enriquecedor da vida comunitária, instaurando-se como melhoria da qualidade de todos os aspectos e setores científicos, pedagógicos, políticos e administrativos” (DIAS SOBRINHO, 1995, p. 33)

Particularmente, a auto-avaliação pode ser vista como etapa fundamental em qualquer processo de desenvolvimento desde o plano pessoal até o institucional. Assim, na Instituição de Ensino Superior, IES, a auto-avaliação deve ser considerada como um processo contínuo por meio do qual a instituição constrói o conhecimento sobre sua própria realidade, na busca da compreensão dos significados do conjunto de suas atividades com a intenção de oferecer educação de qualidade. A auto-avaliação do curso, parte do exercício do autoconhecimento institucional, pode ainda constituir um útil instrumento auxiliar na gestão acadêmica.

Na IES em questão, a auto-avaliação, fundamentada nas 10 dimensões preconizadas pela Lei no 10.861 (BRASIL, 2004) é parte integrante e orientadora do planejamento institucional, fato que pode ser observado por meio de análises de documentos como os relatórios anuais de auto-avaliação institucional e de curso, balanços, relatórios de avaliações externas e relatórios das avaliações realizadas pelas comissões do INEP, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, nos momentos regulatórios.

Nesse contexto, a auto-avaliação do curso permite verificar até que ponto os propósitos do curso estão sendo alcançados em todos os seus aspectos e componentes e não apenas em relação ao conteúdo e técnicas específicas da área de concentração de conhecimento, ao cumprir sua finalidade de identificar dificuldades e corrigir os rumos do planejamento, da metodologia utilizada ou até mesmo na condução dos componentes curriculares.



Neste trabalho, é apresentada uma proposta de auto-avaliação de curso, identificada como parte da auto-avaliação institucional. São apresentados metodologia e resultados relacionados com a avaliação do corpo docente e com avaliação dos procedimentos do curso, os quais demonstraram a relevância e a pertinência da utilização de avaliações dessa natureza como um instrumento auxiliar da gestão acadêmica de cursos de graduação, tanto na implantação do projeto pedagógico quanto na manutenção daqueles já implantados.


a auto-AVALIAÇÃO DE CURSO


A auto-avaliação de curso na Instituição é parte do projeto de auto-avaliação institucional desenvolvido pela CPA, Comissão Própria de Avaliação, que trabalha desde 2005 com representatividade de professores, coordenadores, funcionários e estudantes. Desde a implantação do projeto, a comissão realizou vários processos avaliativos atingindo grande parte dos indicadores relativos às 10 dimensões do SINAES. O projeto sofreu vários avanços chegando em 2008 a uma organização consistente dos processos avaliativos internos e externos valorizando as especificidades institucionais, atendendo as diretrizes dos SINAES e criando internamente cultura avaliativa com resultados efetivos.

Figura 1 – Detalhe do Mapa Conceitual da Auto-Avaliação Institucional evidenciando em amarelo, a dimensão da avaliação tratada neste trabalho
A Figura 1 apresenta detalhe do mapa conceitual da auto-avaliação institucional, que mostra suas ligações com a auto-avaliação do curso, a qual utiliza os índices e conceitos obtidos nos processos avaliativos regulatórios, autorização e reconhecimento de cursos e ENADE como referenciais, e é composta por duas vertentes, a avaliação das condições de oferta do curso e a avaliação da aprendizagem. Na vertente da aprendizagem são avaliados: (i) a pertinência do conteúdo na formação do egresso pretendido pelo projeto pedagógico com base nas Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação em engenharia, Resolução CNE/CES 1362/2001 (BRASIL, 2002); (ii) a eficácia do ministrado por meio de um índice de desempenho acadêmico; e (iii) o conhecimento agregado por meio de análises dos resultados de provas finais contextualizadas realizadas em todos os componentes curriculares. Na vertente das condições de oferta são consideradas as 3 dimensões estabelecidas nos instrumentos de avaliação de cursos publicados pelo INEP: (i) organização didático pedagógica; (ii) infra-estrutura; e (iii) corpo docente. Essa última dimensão será objeto deste trabalho desde que serão apresentados metodologia e resultados relacionados. No mapa da avaliação institucional mostrado na Figura 1, essa dimensão de avaliação e seus indicadores estão evidenciados por linha pontilhada com sombreado amarelo.

a metodologia da avaliação


Para realizar a auto-avaliação do curso é elaborado um plano de ação que contenha a declaração de objetivos e indicadores em cada item, de metodologias e instrumentos a serem empregados, de cronograma e planilha de acompanhamento e controle da realização das ações, e também a previsão da forma de comunicação dos resultados com as respectivas análises e proposição de ações corretivas.

Cada dimensão da avaliação apresenta suas especificidades em relação a instrumentos e métodos. A dimensão de avaliação do corpo docente, destaque por linha pontilhada e sombreamento amarelo da Figura 1, é realizada levando em consideração os indicadores: (i) composição e produção do corpo docente, incluindo as atividades do NDE, núcleo docente estruturante; (ii) competências do professor segundo as habilidades estabelecidas para os constituintes do quadro de recursos humanos da instituição; e (iii) desempenho do professor nas disciplinas segundo a percepção do discente considerando competências relacionadas com o exercício do magistério.


A composição do corpo docente por curso, incluindo o NDE

É estabelecida na atribuição de aulas e na definição de atividades acadêmicas a serem realizadas. A avaliação da estrutura do quadro montado por curso e sua produção acadêmica é feita anualmente pela CPA tomando por base os indicadores do INEP quanto à titulação, regime de trabalho, números de disciplinas ministradas por professores, número de alunos por turma teórica, produção acadêmica, experiência profissional e no magistério superior e cumprimento das atividades acadêmicas previstas na agenda anual do NDE. Como instrumentos são utilizados planilhas de atribuição de aulas, planilha de classificação funcional, planilhas e cronogramas de atividades acadêmicas previstas e produção técnica e/ou acadêmica declarada no Currículo Lattes, desde que comprovada. Os parâmetros utilizados para a avaliação são os estabelecidos pela legislação do SINAES com atribuição de conceito de 1 a 5, sendo 5 o valor máximo.


A avaliação de competência do professor

Utiliza como base as habilidades estabelecidas desejáveis para os constituintes do quadro funcional da instituição é realizada anualmente pelo setor de recursos humanos, utiliza instrumentos e metodologia específicos da área e considera a avaliação do professor segundo a visão dos seus superiores, pares e sua própria. Essa avaliação é estendida a todos os funcionários da IES, metodologia similar a Avaliação 360º utilizada em empresas.


A avaliação de desempenho do professor na disciplina

É realizada a cada semestre sob a responsabilidade da CPA, com a participação de seus membros e com o apoio dos órgãos acadêmicos e administrativos. O instrumento utilizado é um questionário com perguntas relacionadas à prática pedagógica e ao processo ensino-aprendizagem. Esses questionários são atualizados anualmente, sem fugir do princípio da avaliação, ou seja, sem perder a compatibilização de indicadores com a avaliação de competência promovida pelo setor de recursos humanos. Eles são compostos por 22 perguntas com respostas a serem dadas utilizando pontuação de 1 a 5, o máximo. Eles são respondidos por todos os alunos das disciplinas dos cursos de bacharelado e tecnologia da IES e o levantamento de dados e confecção de relatórios são realizados semestralmente.

Assim, as médias apresentadas são obtidas das notas atribuídas ao professor nos questionários respondidos pelos alunos de cada disciplina. A média do professor na disciplina/turma é obtida da média aritmética das notas atribuídas pelos alunos em cada uma das questões respondidas. A média dos professores da turma é a média aritmética das notas atribuídas a todos os professores de uma mesma turma. Para que o professor pudesse ter a visão geral do desempenho dos docentes na IES, tornou-se prática apresentar um gráfico chamado de PERFIL DO RESULTADO DO QUADRO DOCENTE, que representa a MÉDIA DO PROFESSOR NA DISCIPLINA NA TURMA versus a MÉDIA DOS PROFESSORES DA TURMA, para todas as disciplinas avaliadas, Figura 2.

O leitor, ao fazer um exercício de verificação, poderá observar sobre uma linha vertical que para uma mesma média de turma, lida no eixo x, os professores apresentam diferentes desempenhos ou médias diferentes, lidas no eixo y. Aqueles que estão mais próximos do eixo horizontal tiveram desempenho menor que aqueles que estão mais afastados. Além disso, a distribuição de pontos em torno da linha do gráfico indica que existem professores/disciplina que tem desempenho mais próximo da média, outros mais afastados da linha do gráfico, uns para cima e outros para baixo. Portanto, nesse gráfico é possível identificar o desempenho de todo o grupo de professores representados pelos pontos em torno da linha de tendência onde a MÉDIA DO PROFESSOR NA DISCIPLINA NA TURMA é igual à MÉDIA DOS PROFESSORES DA TURMA. Estão em destaques as médias dos professores que tiveram desempenho apresentando potencialidades, mostrados por estrelas azuis, e aqueles que apresentaram fragilidades, representados por discos na cor laranja.


Figura 2- Perfil do desempenho dos professores dos cursos


Para analisar o comportamento das médias, é adotado um índice de desempenho do professor na turma, IDT, que é função da média do professor na disciplina da turma (MP), da média dos professores na turma (MT) e do desvio padrão das médias das notas atribuídas aos professores por disciplina por turma. É utilizado o seguinte critério para identificação de potencialidades e fragilidades:

  • Se IDT > 1, o professor apresentou potencialidades relacionadas aos parâmetros avaliados pelos respondentes na disciplina na turma;

  • Se IDT < 0, o professor apresentou fragilidades relacionadas aos parâmetros avaliados pelos respondentes na disciplina na turma;

  • Se 0 ≤ IDT ≤ 1, o professor apresentou equilíbrio relacionado aos parâmetros avaliados pelos respondentes na disciplina na turma.

No retorno ao professor em relação a sua avaliação, é providenciado um relatório individual com a apresentação do gráfico geral, mostrado na Figura 2, e o gráfico individual do professor com seu IDT. A Figura 3 mostra exemplos de gráficos individuais. Em cada um é mostrada a linha de tendência, o desempenho de todo o grupo e o desempenho do professor.



Figura 3- Exemplos de um dos gráficos dos relatórios individuais dos professores


Esse índice foi adotado para permitir que na análise dos resultados, informações relativas às turmas não fossem perdidas, mas que a informação geral do grupo fosse também levada em consideração. No resultado geral, cerca de 70% dos professores por disciplinas ficaram com IDT entre 0 e 1, mostrando, dessa forma, que os estudantes reconhecem o trabalho da maioria dos professores como equilibrado e produtivo, no entanto apontam potencialidades para menos de 10% e fragilidades para mais de 20% dos professores por disciplina avaliados.

Nos relatórios individuais gerados pela CPA são apresentados ainda detalhes do desempenho do professor nas competências avaliadas. Esse detalhamento pode ser na forma de gráfico, tabelas e/ou comentários. Os relatórios são objetos de autoconhecimento profissional e de análise da coordenação do curso que indicará individualmente as correções a serem implementadas, seja no âmbito da metodologia de ensino-aprendizagem aplicada, seja na condução do componente curricular pelo professor. Essas indicações corretivas realimentam o processo, levando muitas vezes a melhorias nos planos de ensino e até na atribuição de disciplinas.



resultados


Os resultados obtidos na auto-avaliação dos cursos na IES são apresentados em relatórios, que podem ser individuais no caso da avaliação do professor, relatórios analíticos quando previstos para uso de tomada de decisão da coordenação ou dos setores institucionais, relatórios executivos quando previstos para conhecimento e análise de dirigentes e relatórios de retorno quando se refere à resposta dada ao público participante da avaliação. Os relatórios podem ter periodicidade semestral ou anual, estão sempre sobre a responsabilidade de comissões ou grupos de trabalho e prezam por apresentarem contextualização da avaliação, metodologia utilizada, síntese de resultados em gráficos, estudos estatísticos ou na forma descritiva, análises comparativas, indicação pontos indicados para correção ou adequação e muitas vezes indicação de ações corretivas.

Figura 4 - Detalhe do acompanhamento da realização das metas pela área acadêmica da IES em 2008


Inevitavelmente, esses relatórios oferecem dados orientadores na tomada de decisão na gestão acadêmica, mas a evidência da utilização da avaliação de curso como instrumento de gestão é o fato que vários itens dessa dimensão de avaliação fazem parte da remuneração variável adotada pela IES a partir de 2008. O controle das metas envolvidas na remuneração variável é atribuição da respectiva área da organização institucional e é realizado por meio de um Painel de Controle. A Figura 4 mostra detalhe do Painel de Controle de 2008 onde aparecem itens da área acadêmica relacionados com a auto-avaliação dos cursos.

Com o Painel de Controle, baseado nas 10 dimensões, a IES busca, por meio de monitoramento de suas ações, o alinhamento entre o planejado e o realizado, ajustando sempre que necessário os rumos de acordo com o movimento do desempenho organizacional e, definitivamente, demonstra a adoção dos princípios avaliativos do SINAES como forma de gerenciar a qualidade do ensino oferecido nos seus cursos.



considerações finais


O projeto de auto-avaliação institucional prevê uma avaliação seguindo os indicadores constantes na legislação do SINAES garantindo, assim, a sua fundamentação nos princípios nacionais da qualidade da educação superior. A auto-avaliação de curso funciona dentro da auto-avaliação institucional e as práticas e soluções encontradas demonstram ser fatores influentes numa gestão responsável e eficiente tanto no processo de implantação de novos cursos quanto daqueles já implantados.

A auto-avaliação de curso realizada tem como referência os índices e conceitos atribuídos ao curso e desempenho dos estudantes pelo INEP/MEC nos momentos de avaliativos regulatórios, é composta pela avaliação da aprendizagem e das condições de oferta do curso. A organização didático-pedagógica, a infra-estrutura e o corpo docente são as dimensões consideradas na avaliação das condições de oferta. Cada dimensão tem seus instrumentos e indicadores específicos.

Após três anos de desenvolvimento e aplicação, a avaliação do corpo docente, da forma que vem sendo tratada na IES, deixa para trás a polêmica da avaliação do professor centrada no ponto de vista do aluno, e avança ao propor que esta dimensão da avaliação não esteja relacionada somente com a possibilidade de aprimoramento da relação professor-aluno, mas com a gestão da qualidade da educação tanto sob o ponto de vista acadêmico quanto organizacional.

Nesse contexto, a avaliação dos cursos, incluindo a avaliação docente, demonstra ser um vantajoso instrumento de gestão acadêmica na garantia do cumprimento do projeto pedagógico de acordo com os interesses institucionais e com o compromisso de oferecer ensino de qualidade.



REFERÊNCIAS / CITAÇÕES


BRASIL, 2002. Conselho Nacional de Educação, Parecer CNE/CES 1362/2001 – Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia. Despacho do Ministro em 22/02/2002, publicado no DOU de 25 de fevereiro de 2002, Seção 1, p 17. Disponível em:
BRASIL 2004. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Leis, Brasília, DF, 2004. Disponível em: .
DIAS SOBRINHO, José e BALZAN, Newton César (orgs.). Avaliação institucional: teorias e experiências. São Paulo: Cortez, 1995.
RISTOFF, Dilvo I. e DIAS SOBRINHO (orgs.) Avaliação e compromisso público: a educação superior em debate. Florianópolis: Insular, 2003.


Course evaluation: AN INSTRUMENT OF INSTITUtIONAL SELF-KNOWLEDGE AND THE ACADEMIC MANAGEMENT
Abstract: This work presents a methodology of course evaluation that has been used as tool auxiliary in academic management of engineering and technology courses. This evaluation has preventive diagnostic character in briefing of correction of difficulties in courses implantation process and in the management implanted courses. The course evaluation takes in consideration the legislation of SINAES, National System of Evaluation of the Superior Education, it is a part of the Proposal of Institutional Evaluation, and, therefore it is planned and executed for the Evaluation Proper Commission. This methodology comes being applied since 2006 with attainment of statisticians of performance for group, course, groups and turns, analyses and generation of quality indicator in annual editions. The results demonstrate that evaluation process can be an advantageous instrument of academic management in guarantee of pedagogical project fulfillment, beyond contributing in the proper construction of institutional self-knowledge.

Key-words: Course evaluation, Institutional self-knowledge, academic management, SINAES

Secretaria Executiva: Factos Eventos.

Rua Ernesto de Paula Santos 1368, salas 603/604. Boa Viagem Recife - PE CEP: 51021-330

PABX:(81) 3463 0871

E-mail: cobenge2009@factos.com.br



Catálogo: CobengeAnteriores -> 2009 -> artigos
artigos -> ContribuiçÃo técnica ao processo de elaboraçÃo de leis sobre vistorias e manutençÕes periódicas de edificaçÕes no estado de pernambuco
artigos -> Capacitação de professores de ensino de engenharia: enfase em gestão de projetos na disciplina planejamento e controle Carlos Roberto Jóia Hozumi
artigos -> Ensino de uma disciplina técnica de engenharia para alunos do ensino médio: o caso do programa formare da empresa mwm international motores-canoas davenilcio L. Souza
CobengeAnteriores -> Engenharia Física – ufscar um projeto político-pedagógico ainda inovador José M. Póvoa
CobengeAnteriores -> O ensino de projeto na graduaçÃo em arquitetura: uma reflexão sobre a importância do embasamento teórico na prática projetual amaral, Sabrina Ferretti do
CobengeAnteriores -> Semicondutores eletrolíticos: uma abordagem experimental no ensino de eletrônica através de dispositivos produzidos artesanalmente Israel Buzetti S
artigos -> Abordagem didática do métodode newton-raphson na estabilidade estrutural Walnório Graça Ferreira
artigos -> Estudo para implantaçÃo de um sistema de energia solar fotovoltaica em um edifício do campus da universidade rafael Guershom Dazcal
artigos -> Desenvolvimento de dispositivos didáticos de apoio às disciplinas da área de Geotecnia para cursos de Engenharia Civil
artigos -> Construção de um aquecedor solar: uma alternativa para ensinar conceitos de termodinâmica Liliane Pimenta de Melo


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal